Você está na página 1de 18

Agressividade das águas, dos solos

e dos gases ao concreto

Elaboração:
Keith Câmara
Markésio
João Carlos
João Paulo
Thiaries Cristo
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
LIXIVIAÇÃO

Agressividade das águas:

Os constituintes o cimento portland endurecido,


principalmente as combinações hidratadas da cal com
a sílica, alumina e oxido de ferro, podem reagir
quimicamente com diferentes substâncias.

A resistência do cimento endurecido pode apresentar-


se diminuída, e no caso mais extremo , sua coesão
pode desaparecer. Segundo as reações químicas,
podem-se distinguir dois tipos de ação:
EXPANSÃO
A lixiviação do cimento endurecido;

A expansão geralmente provocada pela formação de


novas combinações sólidas no cimento endurecido.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas: Em geral, a lixiviação é comprovada: pela água doce; pelos ácidos; pelos
sais; pelas graxas e óleos.
A expansão se deve principalmente aos sulfatos.
Esses dois modos de ataque podem produzir-se simultaneamente com
águas que contém diferente substancias agressivas.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Lixiviação do cimento endurecido

A água doce - a água doce e pura pode atacar superficialmente o concreto ordinário. O poder de
dissolução de água é tanto maior quanto mais pura é a água, isto é, quanto menos carbonato de cálcio e
de magnésio ela contém, mais fraca é sua dureza.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Lixiviação do cimento endurecido

Os ácidos - a maioria dos ácidos ataca o cimento do concreto, porque no


curso da reação com os ácidos se formam sais de cálcio facilmente
solúveis. Os ácidos que dão origem a sais de cálcio muito pouco solúveis
atacam o concreto de uma forma muito mais lenta, ou mesmo totalmente
inofensivos, porque os sais de cálcio dificilmente solúveis depositados
nos poros aumentam a impermeabilidade á água do concreto.
A nocividade dos ácidos varia com sua força. Os ácidos minerais fortes
tais como ácidos clorídricos, ácido nítrico, ácido sulfúrico, põem em
solução todos os constituintes do cimento com formação de sais de
cálcio, de alumínio e de ferro.
Os ácidos fracos, como por exemplo, o acido carbônico, não podem
formar sais se não com a cal, mas não com a alumina e o óxido de ferro,
de sorte que os hidróxidos de ferro e alumínio subsistem. O ácido
carbônico dissolvendo a cal pode ser encontrado nas águas de fonte e
tem um papel importante no ataque ao concreto.
O ácido carbônico dissolvendo a cal pode ser encontrado nas águas de
fonte e tem um papel importante no ataque ao concreto.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Lixiviação do cimento endurecido

O ácido sulfídrico é um acido fraco que pode ser encontrado nas águas
residuais. Esse ácido pode entretanto, libertar-se das águas residuais
sob a forma de gás e se fixar, acima do nível da água, nas canalizações
de concreto mal-arejadas, pela água de umidade do concreto ou pelas
águas de condensação e pode ainda, ser oxidado em ácido sulfúrico.
Desta maneira, fracas quantidades de ácido sulfídrico nas águas
usadas podem conduzir a concentrações relativamente elevadas em
ácido sulfúrico sobre a superfície úmida do concreto e ocasionar
deteriorações notáveis.
Os ácidos orgânicos, em geral, o ácido fórmico, o acético e o lático
são os que atacam mais fortemente o concreto .
Enquanto o ácido fórmico e o acético não se apresentam senão muito
raramente , o ácido lático é muito frequente (presente nas águas
residuais das leiterias, nos silos de forragem verde e na decomposição
de numerosos orgânicos).
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Lixiviação do cimento endurecido

Os ácidos Tânicos são ácidos mais fracos que aparecem em águas


residuais dos curtumes.
Os fenóis são igualmente, ácidos mais fracos, sua forma mais simples é
o ácido carbólico, que é encontrado nas águas residuais da industria
química, principalmente nas águas das coquerias, das usinas de gás, e
das usinas de produtos sintéticos
As soluções de açúcar e glicerinas exercem, igualmente uma
lixiviação.
Os ácidos úmidos que são encontrados nas águas pantanosas, atacam
pouco o concreto.Em geral as águas básicas não atacam o concreto.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Lixiviação do cimento endurecido

Os sais - Sais de magnésio, sulfato de magnésio e cloreto de magnésio, dissolvem o hidróxido de cálcio
do cimento, sendo que, entre outros, o hidróxido de magnésio se forma como uma massa mole
gelatinosa.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Lixiviação do cimento endurecido

Graxas e óleos - Os óleos fabricados de alcatrão e petróleo podem facilmente penetrar no concreto
seco.
Um ataque químico como os óleos e graxas, formar sais de cálcio com hidróxido de cálcio do cimento.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Expansão

Contrariamente aos fenômenos descritos até aqui, em que o


cimento é mais ou menos rapidamente dissolvido pelas substâncias
agressivas, formam-se, no curso da reação com as soluções
sulfatadas, novas composições sólidas que provocam a expansão
do concreto. A natureza dos produtos da reação e sua velocidade
de formação dependem da natureza dos íons corrosiva, de sua
concentração , da temperatura , da pressão e do pH da solução.
As soluções de sulfato de cálcio ou de sulfatos alcalinos
formam, em contato com os constituintes aluminosos dos
cimentos endurecidos, o trisulfo – aluminato de cálcio hidratado,
que existe na natureza no estado natural sob o nome de etringita,
e que provoca expansão.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Expansão

O ataque do sulfato de magnésio provoca igualmente expansão.


As águas subterrâneas não encerram, geralmente, sulfato de
ferro. Este, porém, pode formar-se pela oxidação, ao ar, de
minerais sulfurosos de ferro tais como a marcassita, a magnetita e
a pirita, em alguns décimos por cento no solo, podendo levar a
concentrações elevadas em sulfatos nas águas subterrâneas e nas
águas de infiltração.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Exame das águas

Para apreciar o caráter agressivo de um solo face a um concreto, basta em geral proceder a um
exame de amostra de água. A esse respeito a análise química de tais águas de composição
compreende as seguintes pesquisas:

• A medida e PH
•O odor
•A consumação em permanganato de potássio
•A dureza
•O magnésio ( Mg2+)
•O amônio ( NH4+)
•Os sulfatos ( SO42-)
•Os cloretos ( CL-)
•O anidrido carbônico dissolvendo a cal ( CO2)
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

Exame das águas

Para fazer um julgamento sobre o grau é preciso determinar o Ph, o teor em anidrido carbônico
dissolvendo a cal e os teores em amônio magnésio e sulfatos.
O exame do odor e da oxidabilidade permite reconhecer a presença do enxofre, dos sulfetos
ou de constituintes oxidáveis. A dureza mostra se a água é doce ou não, e o teor de cloreto
informa sobre um enfraquecimento possível do ataque pelo sulfato, para fortes teores em
cloretos, é recomendado proteger as armaduras metálicas por uma sólida espessura de
concreto.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade das águas:

GRAU DE ATAQUE TEOR DE SO – (mg/litro)


4 CIMENTO A ADOTAR
Não agressivo 0 – 150 CP I
Medianamente agressivo 150 – 800 CP II
Fortemente agressivo 800 – 2000 CP V RS
Muito fortemente agressivo >2000 Super Sulfatados

Fonte: Texto extraído do livro do prof. Bauer


Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade dos solos:

Os solos agressivos são reconhecíveis, na maior parte das vezes, pela coloração que varia do castanho
ao castanho-amarelado dos solos normais.
Suspeitos são considerados os solos de coloração negra e cinza, especialmente quando apresentam
manchas de ferrugem vermelho-castanhos.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade dos solos:

As camadas de cor cinza-clara até branca, sob os solos vegetais castanho-escuros até negros, indicam
um caráter ácido do solo de fundação.
Fora disso, deve ser tomada a precaução, por exemplo, na base dos mapas geológicos ou mapas de
tipos de solos, de supor que o concreto penetre nas camadas de solo que contenham gesso, anídrica
ou sulfatos.

Solos com sulfatos


Solos pantanosos – solos pantanosos (turfa) e lodaçais contêm gás carbônico, ácidos minerais livres e
ácidos orgânicos ou ainda podem conter sulfetos de ferro.
Aterros residuais – aterros de resíduos e produtos industriais, detritos de lixo e entulho.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Agressividade dos gases:

Com atuação permanente de gases de escapamento, os


componentes agressivos podem concentra-se no
concreto, com decorrer do tempo.
Em função de uma concentração mais ou menos elevada,
é necessário executar análise do gás, e essa avaliação
deve ser feita por um perito, considerando-se as condições
locais.
Gases combustíveis e gases de escapamento das
indústrias podem conter ácidos minerais livres, como
ácidos sulfúricos, por exemplo, e ácidos orgânicos,
como ácido acético, ácido sulfuroso, e ácido sulfídrico.
O gás carbônico concentrado nos gases combustíveis
não age atacando diretamente o concreto, porém pode
fazer com que o concreto venha a ser mais carbonatado,
prejudicando, eventualmente, a proteção contra a
corrosão da armadura.
Agressividade das águas, dos solos
e dos gases ao concreto
Classe de agressividade de ambientes:
ambientes

Classe de agressividade Descrição


Classe I Rural ou menos problemático
Classe II Urbano
Classe III Marinho ou industrial
Classe IV Polos industriais, os mais agressivos

Fonte: Texto extraído do livro do prof. Bauer

Você também pode gostar