Você está na página 1de 7

Historia de uma gaivota e do

gato que a ensinou a voar


Luís Sepúlveda
Luís Sepúlveda
Biografia Bibliografia

 Escritor chileno, Luís  Nome de Toureiro (1994);


Sepúlveda nasceu a 4 de  O Velho Que Lia Romances de
outubro de 1949, em Ovalle. Amor (1989);
 Luís Sepúlveda começou a  Patagónia Express (1995);
escrever quando frequentava o  Mundo do Fim do Mundo (1996);
Liceu de Santiago do Chile.  Encontro de Amor num País em
Guerra (1997);
 Luís começa por escrever  Diário de um Killer Sentimental -
contos pornográficos, que (1998);
foram vem aceites por a  História de uma gaivota e do gato
sociedade. que a ensinou a voar (2008).
Analise da Obra

 Tipo de obra- Ficção (aventura)


 Género literário- Narrativa (fábula)
 Tema- amor, amizade, companheirismo, cooperação,
proteção, coragem, responsabilidade, lealdade,
confiança, racismo, poluição.
Personagens

 Personagens principais- Zorbas, Colonello, Secretário,


Sabetudo e a Ditosa.
 Personagens segundarias-Harry, o amigo da família,
Matias, Kengah(a mãe de Ditosa), dois gatos,
ratazana, Barlavento e o poeta.
Resumo da Obra
 É a história de um gato o Zorbas, e de uma gaivota
chamada Kengah, de penas cor de prata.
 Quando o grupo de gaivotas se preparava para iniciar o seu
voo, rumo a todos os portos do Planeta, Kengah, enquanto
procurava alimento é apanhada por uma maré negra de
petróleo. A gaivota teve muitas dificuldades para conseguir
levantar voo e encontrar ajuda. Kengah com o corpo
banhado de petróleo, cai na varanda do gato e momentos
antes de morrer pôs um ovo. Naquele momento dramático,
pediu a Zorbas para prometer que cuidaria do ovo, que não
come-se o ovo e que depois ensinaria a gaivotinha a voar.
Resumo da Obra
 Zorbas, que é um gato de palavra, como todos os gatos do porto de
Hamburgo, vai cumprir a promessa com a ajuda dos seus amigos
Secretário, Colonello, Sabetudo e Barlavento.
 Os dias foram passando e a gaivotinha nasceu! Comia muito e cresceu
muito depressa. A "mamã" Zorbas, com a ajuda de Collonello, Secretário
e Sabetudo foi cuidando dela. Passados alguns meses, a gaivotinha ficou
adolescente. Agora só faltava ensiná-la a voar! Então, falaram com o
gato Barlavento para a ensinar a voar. Apelidou a nossa gaivotinha de
Ditosa. Esta fez muitas tentativas, mas nenhuma resultou. Não voava.
Zorbas pensou em pedir ajuda a um humano o poeta. Foram um dia de
chuva ao sitio mais alto do Porto. E a Ditosa comeu a voar.
Zorbas olhou e não sabe se foi a chuva ou uma lágrima que sentiu. Se foi
uma lágrima era a primeira vez que chorava. Sentiu-se emocionado e
feliz! Ele sim, era uma gato de Hamburgo, valente e responsável.
Opinião
 Na nossa opinião é que este livro defende os direitos
dos animais, que podem comunicar com os humanos.
 Nos gostamos deste livro, porque nos ensina um pouco
mais sobre a vida.
 Recomendamos este livro para toda a gente.