Você está na página 1de 1

SÍNDROME LETAL DO POTRO BRANCO Jornada Acadêmica de

MORFOFISIOLOGIA

SEABRA1, V.; DE RAGO1, L.

1NEWTON – Medicina Veterinária

Introdução Resultados e Conclusões:

A Síndrome Letal do Potro Branco se caracteriza pela A Síndrome Letal do Potro Branco ou Aganglionose
mutação do gene receptor de endotelina-B, responsável ileocólica é uma anomalia congênita hereditária e
pela migração e desenvolvimento das células da crista recessiva, classificada como neurocristopatia .É fatal e
neural para a formação dos plexos entéricos e pela afeta gravemente o desenvolvimento embrionário do
produção de melanócitos. Essa embriogênese errante feto acarretando alterações morfofisiológicas
produz potros sem ou com pouquíssima pigmentação; irreversíveis nos plexos miontéricos e submucoso,
com sinais clínicos de cólicas graves; e com ruptura do causando distensão abdominal e eventual ruptura do
trato intestinal causando imensa dor ao potro recém- trato intestinal, dor e desconforto para o potro
nascido. Essa mutação é proveniente dos padrões de portador .O método eficaz para identificar os animais
coloração Overo/tobiano e ambos os pais devem ser carreadores do gene mutante é a avaliação pela
testados antes de se realizar a cruza, a fim de evitar o reação em cadeia de polimerase (PCR) - para
nascimento de potros carreadores dessa síndrome. detecção desse gene tanto no pai quanto na mãe. Se
confirmada a presença do gene, o ideal é que esse
Objetivos: animal não se reproduza, evitando o nascimento de
potros afetados pela Síndrome Letal do Potro Branco.
Esclarecer a Síndrome Letal do potro branco e seus Permitir a cruza de animais carreadores dos genes é
mecanismos de funcionamento evitando assim, a cruel e antiético. A eutanásia é o protocolo mais
reprodução de cavalos portadores do gene mutante humano e recomendado quando se tem um potro
portador dessa síndrome.
Material e Métodos:

Revisão bibliográfica sobre a Síndrome Letal do


potro branco, como ocorre, e quais as condutas
terapêuticas indicadas.

Fig 5Fonte: http://www.painthorse-leforum.com/t4-Descriptio

Fig 4. Fonte: http://equiseq.com/learning_center/health/lethal-white-over-lwo

Referências

1-TEIXEIRA, R.B.C, et al (2006) Síndrome Letal do Overo Branco –


Relato de caso. 2º Mostra
Cientifica em Ciências Agrária . Unesp- Botucatu. Disponível
em
Fig 1. Fonte https://www.horsecity.com/2004/02/09/lethal-white-syndrome-2/ Fig 2.Fonte: https://veteriankey.com/diseases-of-foals-and-juveniles/
<http://intranet.fca.unesp.br/mostra_cientifica/anteriores/2006/FMVZ/Veter
in_ria/Cl_nica_e_Ci rurgia_Animal/cc22.htm> Acessado em 26 de agosto
de 2018

2-G. C. Yan D. Croaker A. L. Zhang P. Manglick T. Cartmill D. Cass A


Dinucleotide Mutation in the Endothelin-B Receptor Gene Is Associated
with Lethal White Foal Syndrome (LWFS); A
Horse Variant of Hirschsprung Disease (HSCR) .Human Molecular
Genetics, Volume 7, Issue 6,
1 June 1998, Pages 1047–1052, 1998 . Disponivel
em<https://academic.oup.com/hmg/article/7/6/1047/2896766 >
Acessado em 01 de outubro de 2018
Fig 3. Fonte: https://vet.uga.edu/ivcvm/courses/VPAT5200/04_growth/01_adaptation/dev/dev02.htm