Você está na página 1de 17

SOLIDÃO E

ISOLAMENTO
SOCIAL
MICHELLE DE PAULA
SOUZA

ORIENTADORA: KÁTIA
SARAIVA
SUMÁRIO
 OBJETIVO
 DEFINIÇÃO
 RESPONSABILIDADE DA SOCIEDADE
 LEI EM PROL AOS IDOSOS
 A IMPORTÂNCIA DO IDOSOS PARA A SOCIEDADE
 ESTRÁTEGIA
 AS VISITAS DOMICILIARES
OBJETIVO

 O presente trabalho tem como objetivo a escuta


e o acolhimento, promovendo na visita e o bem
estar dos idosos a partir de 65 anos, que
possam estar sofrendo de solidão ou isolamento
social.
 Identificando através da fala, quais as questões
que mais incomodam ou geram satisfação nesta
etapa da vida.
DIFERENÇA ENTRE SOLIDÃO E
ISOLAMENTO SOCIAL
 Nos termos psicológicos; para uma melhor conceituação
de solidão deve considerar os seguintes aspectos: falta
de significado e objetivo de vida; reação emocional;
sentimento indesejado e desagradável; sentimento de
isolamento e separação; deficiência nos
relacionamentos. A solidão nem sempre é ruim, pois
aprender a ficar sozinho nos permite entrar em contato
com o nosso eu mais íntimo e nos oferece outras
vantagens.
ISOLAMENTO SOCIAL

Mas nada tem a ver com sentir-se isolado devido a uma solidão
indesejada, ou por não ter uma boa relação como outras pessoas. O
isolamento é algo perigoso, já que os riscos deste contexto forma
apresentados em dois estudos durante a 125º reunião anual da
American Psychological Association (APA).
Estar isolado da sociedade se mostrou um fator perigoso para a saúde
maior que a obesidade, pois o ser humano necessita de ter contato com
outras pessoas para sobreviver. A grande preocupação ressalta porque
vem se expandindo e vai continuar a aumentar a medida que cresce a
expectativa de vida da população, tornando a população idosa mais
numerosa. (PAÇO, 2016)
 Existe hoje um grande contingente de idosos, dentre os quais alguns
possuem uma boa renda, proporcionando um bom nível social a
seus descendentes, fazendo com isso uma aproximação mais
intensa; divergindo totalmente daqueles, estes que possuem um
nível econômico mais baixo, são geralmente abandonados pela
família e muitas vezes pelos próprios asilos que os discriminam e
maltratam, esquecendo o dever solidário para com os mesmos. Na
questão da supervalorização da dignidade, o poder Judiciário vem se
manifestando sobre ações que tem como causa pedir o abandono
moral dos idosos que condenam os parentes por faltarem com
assistência moral e afetiva.(CAPUCHO, 2018)
A RESPONSABILIDADE CIVIL

 A responsabilização civil não está expressamente prevista no


Estatuto do Idoso, razão do seu estudo, com enfoque no Código Civil
e na Constituição Federal. Conclui-se, com suporte na Constituição
Federal e no Código Civil, que a dor e a humilhação pelas causas de
abandono ao idoso, como a negação do afeto, do convívio e do
próprio alimento, não comprometem só materialmente, pois a dor
reflete-se psicologicamente, agravando suas limitações, não
podendo mais estas serem desconsideradas em face de ausência de
previsão legal no Estatuto do Idoso. (CAPUCHO, 2018)
A LEI EM PROL AOS IDOSOS
A população mundial tem crescido e envelhecido, englobando vários fenômenos
do envelhecimento, com novas preocupações de questões sobre a terceira idade, que estão
sendo questionadas, pela Saúde Pública e organização mundial da saúde (OMS).
Milhões de idosos estão morrendo vítimas de maus tratos. Mesmo com atualização das Leis
13.466/17 e 13.535/17, com o Código Penal prevê detenção de 2 meses a 1 ano ou multa nos
casos de maus-tratos sem agravantes. Nos maus-tratos que gerem lesão corporal grave, a
pena sobe para reclusão de 1 a 4 anos. Se ocorrer a morte da vítima, a reclusão é de 4 a 12
anos. O aumento de 1/3 da pena já vale atualmente para maus-tratos praticados contra pessoa
com menos de 14 anos. (, CAPUCHO, 2018)
Cabe ressaltar que excluir o idoso dos seus planos para férias e passeios. Deixá-los sozinhos
em casa quando o restante da família é convida para algum jantar ou confraternização,
argumentando que eles não irão se sentir bem no local. Infelizmente, essas atitudes ainda são
comuns na vida das famílias brasileiras, que, frequentemente, nem percebem o mal que estão
fazendo aos vovôs e vovós, ao isolá-los, deixando-os à margem do convívio social e familiar. A
tendência de algumas famílias, muitas vezes inadvertidamente, é reduzir a atividade social dos
idosos, que fica restrito a fazer ou receber visitas de parentes da mesma faixa etária, além de
marcar presença em velórios e visitas a algum conhecido com problemas de saúde.
IMPORTANCIA PARA A SOCIEDADE
 As pessoas ao serem ouvidas são capazes de fazer um reexame da própria vida;
com reorganização e reorientação da personalidade, agora de uma maneira mais
realista que em outras fases da vida. Conseguem deixar pra trás as bagagens
extras e sem importância e podem recuperar tesouros que foram deixados para
trás. E a vista domiciliar pode ser um instrumento de uma
ajuda eficaz para resgatar essa memória e reorientação da personalidade
da pessoa que passa muito tempo sozinha e sem ninguém para
interagir. Quando as perdas são inevitáveis, o atendimento psicológico, seja no
consultório, no hospital ou na própria casa do paciente (home care), torna-se um
espaço valioso para que possam resgatar os recursos necessários para
enfrentar a situação. Além de todo o acolhimento, escuta e cuidado que podem
receber nestes momentos tão delicados, imprescindíveis para uma boa
recuperação.
 Portanto a psicoterapia voltada para a terceira idade se transforma em uma
ferramenta preciosa para que os idosos possam enfrentar satisfatoriamente os
desafios trazidos por essa nova fase da vida.
ESTATUTO DO IDOSO

 De acordo com o art.1º do Estatuto do Idoso, Lei nº 10.741:


 “o abandono em um lar para idosos , pode até ser
a melhor opção para muitos , mas também ocorre o
abandono em seu próprio lar , abandona-lo de
cuidados de higiene , alimentação, deixando-os
vulneráveis á acidentes domésticos são alguns
dos exemplos . Algumas famílias alegam o custo
de manter os idosos em um lar particular , a falta
de acesso a lares públicos , e assim negligenciam
os direitos dos idosos , aqueles que um dia foram
responsáveis e provedores do lar”. (JUSBRASIL,
2003)
ORGANIZAÇÃO MUNDIALDA SAÚDE

 De acordo com OMS:


 “Ambiente físicos adequados á idade podem
representar a diferença a diferença entre a
independência para tosos os indivíduos, mas
especialmente para aqueles em processo de
envelhecimento, por exemplo , pessoas idosas ,
que moram em ambientes ou áreas de risco com
múltiplas barreiras físicas saem , provavelmente
com menos frequência , e por isso estão mais
propensos ao isolamento , depressão , menos
preparo físico e mais problemas de mobilidade”.
 (OMS, 2005. Pg,27)
ESTRATÉGIAS
 A questão de planejar estratégias de qualidade de vida para a terceira
idade com o objetivo de cuidados básicos primários com visitas
domiciliares, proporcionado assim a escuta, aprender sua cultura,
conhecer seu passado e sua história de vida, com o propósito de
prevenir a depressão como outras demais patologias.
 Para este trabalho ter um desenvolvimento satisfatório, há a
necessidade de uma equipe multidisciplinar atuando em conjunto na
saúde pública como: médicos enfermeiros, fisioterapeutas,
fonoaudiólogos, psicólogos, entre outros.
 Visando o bem estar geral desse sujeito em sua total integralidade,
na busca da sua dignidade, respeito e igualdade. Por isso, cabe salientar
a importância de estimular o idoso a continuar sua vida social,
participando de intervenções e projetos que o façam se sentir útil para a
sociedade e para si próprio, sendo práticas de trabalhos remunerados
ou não. Tende a ser uma fonte motivadora de continuação de vida,
criando sempre metas, realizando planos em conjunto de outras
pessoas, tornando-se o tratamento para diminuição de muitas doenças
patológicas na terceira idade. (ALMEIDA. 2013)
ALBÚM DE RECORDAÇÃO
AS VISITAS DOMICILIARES
Primeira visita 5/10/2018
Diva Maria Martins 65 anos, viúva, do lar, moradora no Bairro Conjunto
Habitacional, Rua José Vasco vieira, nº 240. Ela mora com a nora, três
netos e o filho mais velhos dos quatro filhos que teve com o marido. Ela
é alcoólatra, cuida de 4 netos entre dois e 10 anos de idade, é viúva e
está em estado avançado de depressão. Não é aposentada, e recebe
como ajuda somente a bolsa família para os netos.
Segunda visita 15/10/2018
Senhor Jair Moraes, divorciado, aposentado, tem 73 anos, situado no
Bairro conjunto Habitacional, Rua José Vasco vieira número 200. Ele
mora sozinho desde que saiu de casa aos 23 anos, deixando três filhas.
Ele ficou cego devido a diabetes, e as filha vão visitar ele uma vez por
mês, indo somente toda semana se caso ele necessite. Ou seja vive
sozinho, vive sentado na porta de sua casa para ouvir as pessoas que
passam na rua.
Terceira vista 16/10/2018
Maria José Nascimento Fonseca, casada, 65 anos, do lar, situada na rua
Eduardo Tavares, nº 210, Bairro Conjunto Habitacional, Poços de Caldas
MG. Ela mora com o marido de 74 anos, marceneiro, com quem teve
quatro filhos, onde dois faleceram e dois moram no mesmo bairro, tem
três netos. Não é aposentada e nem o esposo, vive com uma renda de
$ 300,00 trezentos reais. Mesmo assim trabalha catando objetos
recicláveis para sobreviver. Na sua casa só tinha abóbora no dia que
visitei. Ela tem diabetes, e pressão alta e anda de muletas.
Quarta visita

 José Messias dos Reis, 74 anos, casado, aposentado,


mora com a esposa de 60 anos, situado na Rua doutor
José Vasco Vieira 250, Bairro Conjunto Habitacional,
Poços de Caldas-MG.
 Quando desenha esquece dos problemas. Pergunto
como ele está atualmente. E ele disse que está bem,
apesar de se sentir sozinho às vezes, sem ninguém para
conversar. Teve cinco filhos, três do primeiro casamento
e dois do último. Os filhos do primeiro casamento, dois
tem problemas mentais e sofreram com de alcoolismo de
usos de drogas como a crack entre outras. Os filhos que
moram com ele só um tem TOC e depressão. Porém o
que pega é estar com casado com uma mulher que não
fala mais com ele. Estão vivendo em quartos separados a
dois anos. Ele não quis entrar em detalhes.
REFERENCIAS

 ALMEIDA, EVANY Betine. OLIVEIRA, Eduardo Moreira. SANTOS, Frankiln Santana.


SILVA, Thais Bento Lima. Estimulação Cognitiva em idosos. Ed. Atheneu. RJ.2013
 Disponível em: PAÇO, Carlos Alberto Barbosa Leal. Solidão e Isolamento na Velhice.
2016 www.repository.utl.pt/bitstream/10400. 5/13212/1/tese%20carlos%20paço.pdf
 BOWLBY, John. FORMAÇÃO E ROMPIMENTO DOS LAÇOS AFETIVOS. Trad. Álvaro
Cabral. São Paulo: Editora Martins Fontes São Paulo, 2001.
 Cartilha Direitos Humanos das Pessoas Idosas. Disponível em: www.mdh.gov.br/todas-
as-noticias/2018/marco/copy_of_CartilhaUNISAL.pdf. Acesso 02/10/ 2018
 Disponível em: www.ambito-
juridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=11310&revista_
caderno=14%3E.Acesso em: 30/19/2018
 LOAS. Disponível em emwww.inss.gov.br/tag/loas/.ACESSO 20/10/2018
 ORGANIZAÇÃO PAN-AMAMERICANA DA SAÚDE. Opas. OMS. Envelhecimento Ativo:
Uma política de Saúde. Brasília/DF. 2005