Você está na página 1de 12

Como lidar com os desafios emocionais das mudanças no setor público

Em um período de transição de governo, ficam evidentes os constantes processos de mudança que


são apresentados ao setor público. Promover mudanças nas organizações gera desconforto nas
pessoas que estão envolvidas. Neste conteúdo, vamos contribuir com o olhar sobre as fases e os
desafios emocionais relacionados aos processos de mudança.

Por que é importante entender os desafios emocionais?

Ao conhecer as fases pelas quais as olhamos para as mudanças sob a ótica dos
pessoas passam em um processo de indivíduos que estão envolvidos. Falar de mudanças e
mudança, há menos conflito, estresse e não considerar as pessoas que fazem parte deste
perdas. Dessa forma, líderes conseguem processo, é colocar em risco o sucesso da ação.
auxiliar, fornecer ferramentas e suporte às Reconhecer os indivíduos envolvidos, bem como os
suas equipes. Ao mesmo tempo, os que desafios emocionais inerentes ao comportamento
estão envolvidos conseguem ter maior humano é fundamental para processos de transição
clareza e se sentir mais confortáveis com o eficientes.
processo.
Toda mudança no setor público implica em ‘perdas’

É preciso abrir mão de:


•Métodos de trabalho;
•Hábitos;
•Formas de pensar;
•Comportamentos e,
•Lealdades para enfrentar uma transição.
Estar em um processo de mudança significa assumir
riscos, enfrentar medos e dúvidas. Considerando a zona
de conforto de um indivíduo como um espaço seguro e
confortável, a mudança é o exercício de abrir mão de
uma parcela desta zona de conforto para transitar no
que é desconfortável e incerto ao ser humano.
Reconhecendo o impacto proveniente das transições e inspirado na curva de transição de John Fisher*,
consideramos 10 principais fases do processo de mudança, sendo elas:
1 - Ansiedade - Será que vai dar certo ?!
Quando temos o primeiro contato com a mudança a ser implementada e ficamos pensativos sobre a
viabilidade desta mudança, começando a transitar nas inseguranças e preocupações provocadas pelo
processo.
2 - Motivação - Vamos tentar!
As inseguranças e preocupações continuam, porém, ao entrarmos em contato com o mínimo de
abertura e até mesmo curiosidade, despertamos em nós uma motivação para ao menos tentar
experimentar o que é isso que está sendo proposto.

3- Dúvidas - É complicado…
Conforme vamos experimentando as novidades, os desafios ficam mais latentes trazendo à tona
questionamentos da viabilidade desta proposta, gerando muitas dúvidas. São as dúvidas que vão
alimentando um cenário de desentendimento que gera resistência ao processo de mudança.

4 - Medo - Vou perder o controle


Dentre as necessidades e experiências de cada um estão juntamente com as dúvidas, necessidades,
valores e os medos de cada indivíduo. São estes receios que, como uma forma de zelar pelo risco que
pode incidir perante ao que é de extrema importância para cada indivíduo, começam a protagonizar
neste processo.
5 - Fuga - Preferia como era antes
O somatório de tantos obstáculos desafiadores fomenta no indivíduo um comportamento de fuga desta
mudança, levando-o até mesmo a questionar a real necessidade e importância deste processo.

6 - Culpa - Não era o que queria


A auto reflexão exigida pelo processo leva o indivíduo ao autoconhecimento, mas também pode leva-lo a
um possível processo de culpa pelo reconhecimento do impacto da mudança, não somente em sua
própria opinião e modo de pensar, como também na dos outros envolvidos no processo.

7 - Crise - É muito diferente, não vai funcionar


A consciência da incompatibilidade dos comportamentos e pensamentos passados com o novo modelo
proposto desencadeia emoções como desmotivação e confusão, enfraquecendo sua visão de futuro e
gerando dúvidas de como operar e para onde ir. Este é um momento de crise, onde o indivíduo vivencia
questionamentos profundos que antes estavam organizados e bem construídos.

8 - Conflitos - Nós não queremos isto


Todas as pessoas envolvidas na mudança estão passando por esse processo internamente. Dessa
forma, em algum momento, pode gerar confrontos, principalmente diante das dores, renúncias e
sacrifícios exigidos para passar pela transição proposta.
9 - Aceitação - Começamos a ter alguns resultados
Após percorrer algumas etapas desafiadoras do
processo, chega o momento em que cada um começa a
se situar do seu papel dentro desta transição. Já é
possível validar alguns caminhos, comportamentos e
pensamentos e construir novos significados para este
novo momento. Nesta fase há mais clareza e começam a
surgir novos espaços de conforto onde antes só havia um
grande desconforto.

10 - Resultados - Mais pessoas estão usando o


processo
O momento mostra uma recuperação inicial do senso de
identidade e fortalece cada vez mais esta nova zona de
conforto que está sendo construída. Há aqui uma
solidificação das ações, pensamentos e direções que
temos nos posicionado alinhadas com este novo lugar
para o qual transitamos no processo de mudança.