Você está na página 1de 11

UM MODELO SOCIOCOMUNIC ACIONAL DO DISCURSO:

ENTRE SITUAÇÃO DE COMUNIC AÇÃO E ESTRATÉGIAS


DE INDIVIDUALIZAÇÃO
Patrick Charaudeau

Marianna Ribeiro
APRESENTAÇÃO DO PROBLEMA

O estudo do discurso apresenta três tipos de problema

1. Delimitação do campo de estudo tanto no que se relaciona ao que é


definido como o objeto de pesquisa quanto os instrumentos
metodológicos estabelecidos.

2. A relação entre o que é interior ou exterior ao ato linguageiro.

3. O problema da interpretação: através de qual processo interpretamos


os textos e os discurso quando estamos na posição de sujeito
analisante?
DETERMINAÇÃO DO CAMPO DE
ESTUDO

1. A natureza do objeto do estudo


Problema cognitivo e
2. O modo como é concebido o Sujeito categorizante
do Discurso quanto à sua atividade
como produtor do ato linguageiro. Problemática
comunicacional e
descritiva
3. Tipo de corpus que é preciso construir
para proceder à análise recorrendo à Problemática
representacional e
memória do sujeito do discurso. interpretativa
PROBLEMA COGNITIVO E
CATEGORIZANTE

OBJETO DE ESTUDO: Conjunto de mecanismos discursivos cuja existência e


modo de organização no interior de uma produção discursiva qualquer se busca
delimitar.
* Diálogo com a teoria dos atos de fala - Pragmática (Austin e Searle)
Quando dizer é fazer

SUJEITO: Sujeito cognitivo: capacidade de produzir ou localizar operações de


articulações discursivas.

CORPUS: Não é finalizado em função de uma situação de comunicação particular,


pode ser aleatório e condicionado somente pelo contexto linguístico.
PROBLEMÁTICA COMUNICACIONAL E
DESCRITIVA

OBJETO DE ESTUDO: empírico, ele é apreendido a partir das observações do


mundo fenomênico. Os atos de comunicação são considerado em função dos
tipos ideais, ou seja, como as coisas deveriam ser, pertencente a uma ideia ou
pensamento.

SUJEITO: Ligado às questões empíricas, ele é um sujeito de comunicação


definido por sua identidade psicológica e social, tanto pelas coerções como
pelas intenções com relação ao outro. Relação de Intersubjetividade: Princípio
de Alteridade.

CORPUS: Caracterizado pela visão empírica, ele é constituído de textos que


são agrupados em função de seu pertencimento a essa ou aquela situação
comunicativa.
PROBLEMÁTICA REPRESENTACIONAL E
INTERPRETATIVA
OBJETO DE ESTUDO: Definido através de representações sociodiscursivas supostamente dominantes num
determinado momento socio-histórico.
Formular hipóteses baseando-se no esquema:
Posicionamentos sociais – Práticas Discursivas –Tipos de Sujeito.

SUJEITO: Pode ser considerado ativo como originário das práticas discursivas, no entanto tais práticas são
atravessadas por representações ideológicas podendo depreender que este é um sujeito passivo diluído na
consciência do grupo social.
1 – Posição radical: O sujeito não é um Eu mas um Isso. Sujeito assujeitado em
Pêcheux.
2 – Posição menos globalizante: Indivíduo detentor de um discurso que o sobredetermina,
mas ao mesmo tempo procura se posicionar em relação aos outros. Agência em Bourdieu.

CORPUS: Varia de acordo com as representações sociais. Definido tanto por pelos aspectos dos signos como
ideológicos.
ARTICULAÇÃO DO ATO DA LINGUAGEM
COM SEU AMBIENTE

 Interpretar o ato linguageiro a partir de enunciados produzidos relacionando-se a um jogo de expectativas.

 Não dito construído através de inferências: “processo mental pelo qual um sujeito coloca em relação ao
que é dito explicitamente com qualquer outra coisa que encontra seu ambiente, como num lugar exterior
da linguagem pertinente para construir este implícito.” (2010, p. 3)

 Se o sujeito falante produz o enunciado a partir de certas expectativas, as palavras produzidas não
significam por si mesmas e só são interpretáveis a partir de uma relação comum com outro lugar.

TODO ATO LINGUAGEIRO É PRODUZIDO E INTERPRETADO EM FUNÇÃO DAS


CONDIÇÕES QUE PRESIDEM SUA PRODUÇÃO E SUA INTERPRETAÇÃO.
ARTICULAÇÃO DO ATO DA LINGUAGEM
COM SEU AMBIENTE

 O espaço de produção: Espaço de prática social comunicativa cujo sujeito se define por uma identidade
social. O princípio de alteridade cria um jogo de expectativas propiciando efeitos visados, ou seja,
pretendidos. “O que me autoriza a tomar a palavra?”

 O espaço de interpretação: Espaço de prática social cujo sujeito interpretante é um ator social possuidor
de autonomia em sua ação de atividade interpretante em função da sua própria identidade social. É o
espaço onde se realizam os efeitos produzidos.“Qual a finalidade imposta por esta comunicação?”

 O espaço de construção do texto: Espaço onde se constrói o texto. Os sujeitos são seres de fala que só
existem através do fato da linguagem. Sujeito enunciador, aquele que emerge da enunciação linguística e
implica pelo próprio texto. O sujeito do discurso não é uno.
DA SITUAÇÃO DA COMUNICAÇÃO

Em todo fato da comunicação humano, condições de produção e de recepção-interpretação


sobredeterminam em parte o ato de produção do sentido em relação a cada um dos sujeitos
envolvidos no processo.

 Os domínios da prática (DP) Lugares de produção das interações sociais organizadas em


setores de atividade social.

Situação Global de Comunicação (SGC) Lugar de construção do domínio das práticas sociais
em domínio de troca comunicacional. (Política, adversária, Cidadã e Midiática)

 Situação Específica de Comunicação (SEC) Local onde se determina as condições físicas da


situação de linguagem
O POSICIONAMENTO DO SUJEITO

• Princípio de Alteridade
• Sujeito de Saber e Sujeito Relacional
• Sujeito se posiciona diante de saberes utilizando seu sistema de
conhecimentos e crenças.
• Legitimação
• Credibilidade
• Captação
CONCLUSÃO

Você também pode gostar