Você está na página 1de 16

ESTRUTURA DA REDAÇÃO

DO ENEM
Professor: Francisco Galeno
A REDAÇÃO
Avaliar a capacidade de resolver situações problema.
• É por esta razão que os conceitos decorados e macetes, técnicas
comuns em cursinhos pré- vestibulares, não ajudam muito.
 São avaliadas 5 competências
• Dominar linguagens,
• Compreender fenômenos,
• Enfrentar situações-problema,
• Construir argumentação
• Elaborar propostas.
• Estas competências serão avaliadas por meio de 21 habilidades
A REDAÇÃO

Mas o que são essas habilidades?


Habilidade nada mais é do que o conhecimento ou
talento que você tem para cumprir determinada tarefa
ou, como no caso, responder a uma questão. São cinco
questões para cada habilidade
I - DOMINAR LINGUAGENS
Dominar a norma culta da língua portuguesa e fazer uso das linguagens
matemáticas, artísticas e científicas.

O Enem quer saber até onde vai a sua capacidade para entender as várias
formas de linguagem, seja um texto em português, um gráfico, uma tira de
história em quadrinhos ou fórmulas científicas.

Construir e aplicar conceitos das várias áreas do conhecimento para a


compreensão de fenômenos naturais, de processos históricos-geográficos,
da produção tecnológica e das manifestações artísticas.
I - DOMINAR LINGUAGENS

Você terá que saber os conceitos que lhe foram passados pelos
professores e pelos livros.

Para entender os fenômenos naturais, processos históricos-


geográficos, produção tecnologia e manifestações artísticas, você
precisa dominar a competência I, ou seja, saber ler diversas linguagens
que transmitem o conhecimento.
II – ENFRENTAR SITUAÇÕES-PROBLEMA

Selecionar, organizar, relacionar e interpretar dados e informações


representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar
situações problemas

Depois de dominar a linguagem e compreender os fenômenos, você


precisa ter competência para solucionar uma questão ou um problema.
III – CONSTRUIR ARGUMENTAÇÃO
Relacionar informações, representadas em diferentes formas, e
conhecimentos disponíveis em situações concretas, para construir um
bom texto.

Competência fortemente presente na redação, valoriza a capacidade de


argumentação.

Para convencer outras pessoas a compartilhar seus pontos de vista, é


necessário ter argumentos sólidos, inteligentes, bem fundamentados e
conhecimento firme do tema.
IV – ELABORAR PROPOSTA
Recorrer aos conhecimentos desenvolvidos na escola para a elaboração
das propostas de intervenções solidárias a realidade, respeitando os
valores humanos e considerando a diversidade cultural, étnica, religiosa
e orientação sexual.

O Enem quer saber se você é capaz de opinar e propor soluções para o


cotidiano e a vida real.

É nesta competência, que você demonstra a sua cidadania.


Atividade

Leia o conjunto de textos abaixo para redigir um texto dissertativo argumentativo:

TEXTO I
UTOPIA (de ou-topia, lugar inexistente ou, segundo outra leitura, de utopias, lugar
feliz). Thomas More deu esse nome a uma espécie de romance filosófico (1516), no
qual relatava as condições de vida em uma ilha imaginária denominada Utopia:
nela, teriam sido abolidas a propriedade privada e a intolerância religiosa, entre
outros fatores capazes de gerar desarmonia social. Depois disso, esse termo passou
a designar não só qualquer texto semelhante, tanto anterior como posterior (como a
República de Platão ou a Cidade do Sol de Campanella), mas também qualquer
ideal político, social ou religioso que projete uma nova sociedade, feliz e
harmônica, diversa da existente. Em sentido negativo, o termo passou também a ser
usado para designar projeto de natureza irrealizável, quimera, fantasia.
Nicola Abbagnano, Dicionário de Filosofia. Adaptado
TEXTO II
A utopia nos distancia da realidade presente, ela nos torna capazes de não mais perceber
essa realidade como natural, obrigatória e inescapável. Porém, mais importante ainda, a
utopia nos propõe novas realidades possíveis. Ela é a expressão de todas as
potencialidades de um grupo que se encontram recalcadas pela ordem vigente.
Paul Ricoeur. Adaptado.

TEXTO III
A desaparição da utopia ocasiona um estado de coisas estático, em que o próprio homem
se transforma em coisa. Iríamos, então, nos defrontar com o maior paradoxo imaginável:
o do homem que, tendo alcançado o mais alto grau de domínio racional da existência, se
vê deixado sem nenhum ideal, tornando se um mero produto de impulsos. O homem iria
perder, com o abandono das utopias, a vontade de construir a história e, também, a
capacidade de compreendê-la.
Karl Mannheim. Adaptado.
TEXTO IV
Acredito que se pode viver sem utopias. Acho até que é melhor, porque as utopias são ao mesmo tempo
ineficazes e perigosas. Ineficazes quando permanecem como sonhos; perigosas quando se quer realiza-
las.
André Comte Sponville. Adaptado.

TEXTO V
A utopia não é apenas um gentil projeto difícil de se realizar, como quer uma definição simplista. Mas
se nós tomarmos a palavra a sério, na sua verdadeira definição, que é aquela dos grandes textos
fundadores, em particular a Utopia de Thomas More, o denominador comum das utopias é seu desejo
de construir aqui e agora uma sociedade perfeita, uma cidade ideal, criada sob medida para o novo
homem e a seu serviço. Um paraíso terrestre que se traduzirá por uma reconciliação geral: reconciliação
dos homens com a natureza e dos homens entre si. Portanto, a utopia é a desaparição das diferenças, do
conflito e do acaso: é, assim, um mundo todo fluido – o que supõe um controle total das coisas, dos
seres, da natureza e da história.
• Desse modo, a utopia, quando se quer realiza-la, torna-se
necessariamente totalitária, mortal e até genocida. No fundo, só a
utopia pode suscitar esses horrores, porque apenas um
empreendimento que tem por objetivo a perfeição absoluta, o acesso
do homem a um estado superior quase divino, poderia se permitir o
emprego de meios tão terríveis para alcançar seus fins. Para a
utopia, trata-se de produzir a unidade pela violência, em nome de
um ideal tão superior que justifica os piores abusos e o
esquecimento da moral reconhecida.
O conjunto de excertos acima contém um verbete, que traz uma
definição em seguida de outros quatro textos que apresentam diferentes
reflexões sobre o mesmo assunto. Considerando as ideias neles contidas,
além de outras informações que você julgue pertinentes, redija uma
dissertação em prosa, na qual você exponha o seu ponto de vista sobre o
tema:
As utopias: indispensáveis, inúteis ou nocivas
Instruções:
A redação deve ser escrita de acordo com a norma padrão da língua
portuguesa.
Escreva, no mínimo, 20 linhas, com letra legível. Não ultrapasse o
espaço de 30 linhas da folha de redação.
Dê um título a sua redação.
DICAS PARA AJUDAR NA REVISÃO DE SEU TEXTO
a) LEIA cada oração para certificar-se de que ela soa adequadamente.
b) CIRCULE a introdução ou o início e a conclusão ou o fim. A introdução ou o início é
interessante? A conclusão ou o fim se conecta com o restante do texto?
c) ADICIONE, pelo menos, uma palavra de transição (na sequência, por causa disso, então,
agora, em primeiro lugar, finalmente, etc.)
Exemplos:
A princípio, chama a atenção... / Consequentemente, a palavra final será...
Primeiro, a mulher ficou hesitante, pois não sabia o que iria encontrar. Após vinte minutos,
finalmente decidiu entrar...
d) ADICIONE dois ou mais verbos de ação fortes. Exemplos:
O cientista não quer...
O cientista rejeita / nega / opõe-se.... O carro caiu do viaduto...
O carro despencou / precipitou-se / tombou do viaduto...
DICAS PARA AJUDAR NA REVISÃO DE SEU TEXTO

e) ADICIONE dois ou mais adjetivos. Exemplos:


Outro curioso estudo... / Outra grande pesquisa... O passageiro desatento / distraído...
f) RETIRE qualquer oração que não dê suporte à ideia principal, isto é, que não acrescenta
nenhuma informação nova ou que não seja importante para o entendimento do texto.
g) TROQUE palavras caso haja orações que comecem do mesmo modo ou que repitam palavras.
h) SUBSTITUA as conjunções (e, mas, porém, entretanto, portanto, contudo, etc.) que se repetem
nas orações.
i) ACRESCENTE palavras que ficaram faltando.
j) CORRIJA ou APAGUE palavras que não se adéquam plenamente ao
OBRIGADO