Você está na página 1de 28

Cálculo Numérico

Resolução Numérica
de Equações – Parte I

Profs.: Bruno Correia da N.


Queiroz
José Eustáquio Rangel de
Queiroz
Marcelo Alves de Barros
2

Cálculo Numérico – Objetivos


 Estudar métodos numéricos para a resolução
de equações não lineares (determinar a(s)
raiz(es) de uma função f(x),
f(x) ou seja, encontrar
o(s) valor(es) de x tal que f(x) = 0)
0
 Fundamentar a necessidade de uso de
métodos numéricos para a resolução de
equações não lineares
 Discutir o princípio básico que rege os
métodos numéricos para a resolução de
equações não lineares
 Apresentar uma série de métodos destinados à
resolução de equações não lineares
3

Cálculo Numérico – Motivação I


Necessidade de resolução
Principio da
Principio da Conservação
Conservação
de equações do tipo f(x) = 0
 Momento
Momento
Estruturas F  Energia
Energia
 Massa
Massa
Circuitos
i E1
Reatores

R +
v = g(i) E2 S
+FV
Em cada nó : E -
-FH +FH
∑ FH = 0 E S
-FV ∑ FV = 0 E - Ri – g(i) = 0
(Lei de Kirchhoff) Em um dado intervalo:
∑massa = entradas - saídas
4

Cálculo Numérico – Motivação II


 ξ ∈ℜ é um zero da função f(x) ou raiz da
equação f(x) = 0 se f(ξ ) = 0.
 Zeros podem ser reais ou complexos.
complexos
 Este módulo trata de zeros reais de f(x).
f(x)
ordenadas
das ordenadas

Zeros reais
Zeros reais representados
representados
sobre oo eixo
sobre eixo das
das abscissas
abscissas
Eixo das
Eixo

ξ 1 ξ 2
x

Eixo das
Eixo das abscissas
abscissas
5

Cálculo Numérico – Motivação III


 A partir de uma equação de 2º grau da
forma
ax2 + bx + c = 0
 Determinação das raízes em função de
a, b e c
x = -b ± √ b2 – 4ac
2a
 Polinômios de grau mais elevado e
funções com maior grau de complexidade
 Impossibilidade de determinação exata
dos zeros
6

Cálculo Numérico – Motivação IV

 Princípio Básico dos Métodos Numéricos

VALOR APRIMORAMENTO
MÉTODOS
INICIAL DOS VALORES

VALOR ACEITÁVEL MINIMIZAÇÃO


DE RAIZ DOS ERROS
7

Cálculo Numérico – Motivação V


 Etapas Usuais para a Determinação de
Raízes a partir de Métodos Numéricos
FASE
FASE II FASE
FASE IIII
MÉTODOS
MÉTODOS Isolamento
Isolamento das
das Refinamento
Refinamento
raízes
raízes das
das raízes
raízes

Determinação
Determinação de de um
um Melhoramento
Melhoramento do do valor
valor
intervalo
intervalo (o(o menor
menor da
da raiz
raiz aproximada
aproximada
possível)
possível) que
que contenha
contenha (refinamento
(refinamento até até aa
apenas
apenas uma
uma raiz
raiz precisão
precisão desejada).
desejada).
8

Cálculo Numérico – Motivação VI


 FASE I: ISOLAMENTO DAS RAÍZES
 Realização de uma análise teórica e
gráfica da função de interesse
 Precisão das análises é relevante para o
sucesso da fase posterior
9

Cálculo Numérico – Motivação VII


 TEOREMA 1:
Sendo f(x) contínua em um intervalo [a, b],
b]
se f(a)f(b) < 0 então existe pelo menos um
ponto x = ξ entre a e b que é zero de f(x).
f(x)
Cálculo Numérico – Motivação 10

VIII
 ANÁLISE GRÁFICA:
f(x) f(x)

a a x
x ξ ξ ξb
ξ b
1 2 3
f(x)

a
ξ ξ b x

1 2
11

Cálculo Numérico – Motivação IX


Exemplo 01: f(x) = x3 – 9x +3

x -∞ -100 -10 -5 -3 -1 0 1 2 3 4 5
f(x) – – – – + + + – – + + +

 f(x) é contínua para ∀x ∈R.


 I1 = [-5, -3]
Cada um
Cada um dos
dos intervalos
intervalos
 I2 = [ 0, 1 ] contém p
contém pelo
elo menos
menos umum
zero..
zero
 I3 = [2, 3]
12

Cálculo Numérico – Motivação X


Exemplo 02: f(x) = √ x – 5e-x
x 0 1 2 3 ...
f(x) – – + + ...

 f(x) admite pelo menos um zero no intervalo


[1, 2] O zero é único?
Análise do sinal de f’(x)
 f’(x) =1/(2√x )+ 5e-x > 0, ∀x > 0

f(x) admite
f(x) admite um
um único
único zero
zero em
em todo
todo seu
seu domínio
domínio
de definição,
de definição, localizado
localizado no
no intervalo
intervalo [1,
[1, 2]
2] ..
13

Cálculo Numérico – Motivação XI


 OBSERVAÇÃO:
Se f(a)f(b) > 0,
0 então se pode ter diversas
situações no intervalo [a, b].
b]
f(x) f(x)

f(x) a
a b x ξ b x

a ξ ξ b x

1 2
14

Cálculo Numérico – Motivação XII

ANÁLISE GRÁFICA
ANÁLISE GRÁFICA

I Localização das
Localização das abscissas
abscissas dos
dos
Construção do
Construção do gráfico
gráfico de
de f(x)
f(x) pontos nos
pontos nos quais
quais aa curva
curva intercepta
intercepta
oo eixo
eixo ox
ox

II
Obtenção da
Obtenção da equação
equação equivalente
equivalente g(x)
g(x) Construção dos
Construção dos gráficos
gráficos de
de g(x)
g(x) ee
= h(x)
= h(x) aa partir
partir da
da equação
equação f(x)
f(x) =
= 00 h(x) no
h(x) no mesmo
mesmo sistema
sistema cartesiano
cartesiano

III
Localização dos
Localização dos pontos
pontos xx nosnos
Uso de programas para traçado de quais g(x)
quais g(x) ee h(x)
h(x) se se interceptam
interceptam
gráficos de funções f(ξξ )) =
((f( ⇔ g(
= 00 ⇔ g(ξξ )) = h(ξξ )) ))
= h(
Cálculo Numérico – Motivação 15

XIII
 Estudo Detalhado do Comportamento
de uma Função a partir de seu Gráfico
 Domínio da função
 Pontos de descontinuidade
 Intervalos de crescimento e
decrescimento
 Pontos de máximo e mínimo
 Concavidade
 Pontos de inflexão
 Assíntotas da função
(Vide LEITHOLD, L. O Cálculo com Geometria Analítica)
Cálculo Numérico – Motivação 16

XIV
Exemplo 03: f(x) = x3 – 9x +3
(Uso do método I )  ξ 1 ∈[-4, -3]
 f’(x) = 3x2 - 9
f(x)  ξ 2 ∈[0, 1]
ξ ∈[2, 3]
f’(x) = 0 <=> x = ± √3

 3

x f(x)
-4 -25
-3 3
-√3 13,3923
-1 11 ξ ξ ξ
-4 -3 1-2 -1 12 2 3 4 x
0 3 3

1 -5
√3 -7,3923
2 -7
3 3
Cálculo Numérico – Motivação 17

XV
 MATLAB: ezplot('x^3-9*x+3',[-4,4])
x^3-9*x+3

30

20

10

-10

-20

-4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4
x
Cálculo Numérico – Motivação 18

XVI
Exemplo 03: f(x) = x3 – 9x +3
(Uso
y do método II )
g(x) h(x)  g(x) = x3
 h(x) = 9x -3

ξ
-4 -31 -2 -1 1 2 3 4 x
ξ ξ
2
3
 ξ 1 ∈ (-4,
-3)
 ξ 2 ∈ (0, 1)
 ξ 3 ∈ (2, 3)
Cálculo Numérico – Motivação 19

XVII
 MATLAB: ezplot('9*x-3',[-4,4])
9*x-3

30

20

10

-10

-20

-30

-40

-4 -3 -2 -1 0 1 2 3 4
x
Cálculo Numérico – Motivação 20

XVIII
Exemplo 04: f(x) = √ x – 5e-x
( Uso do Método II )
 √x – 5e-x = 0 <=> √x = 5e-x
g(x) = √x
ξ
 h(x) y
∈ [1,
 h(x) = 5e-x 2]

g(x)

1ξ 2 3 4 5 6 x
Cálculo Numérico – Motivação 21

XIX
 MATLAB: ezplot('5*exp(- x)',[0,5])
5*exp(-x)

5
4.5
4
3.5
3
2.5
2
1.5
1
0.5
0
0 1 2 3 4 5
x
Cálculo Numérico – Motivação 22

XX
Exemplo 05: f(x) = x logx – 1
 xlog(x) – 1 = 0 log(x) = 1/x
y
 g(x) = log(x)
h(x) ξ ∈[2, 3]
 h(x) = 1/x

g(x)

1 2ξ 3 4 5 6 x
Cálculo Numérico – Motivação 23

XXI
 MATLAB: ezplot('1/x',[0,5])
1/x

2.5

1.5

0.5

0 1 2 3 4 5
x
Cálculo Numérico – Motivação 24

XXII
 FASE II: REFINAMENTO
 Aplicação de métodos numéricos
destinados ao refinamento de raízes
 Diferenciação dos métodos  Modo de
refinamento
 Método Iterativo  Caracterizado por
uma série de instruções executáveis
seqüencialmente, algumas das quais
repetidas em ciclos (iterações)
iterações
Cálculo Numérico – Motivação 25

XXIII
 CRITÉRIOS DE PARADA
 Teste: xk suficientemente próximo da raiz
exata?
 Como verificar tal questionamento?
 Interpretações para raiz aproximada
 x é raiz aproximada com precisão ε se:
i. |x - ξ | < ε
ou
ii. |f( x )| < ε Como proceder
Como proceder se
se
não se
não se conhece
conhece
ξξ ??
26

Cálculo Numérico – Motivação XXIV


 Redução do intervalo que contém a raiz a
cada iteração
 Obtenção de um intervalo [a,b] tal que:
 ξ ∈ [a,b]
|x - ξ | < ε , ∀ x ∈ [a,b]
e f(x)
 b–a<ε

a
∀xx ∈
∀ ∈ [a,b]
[a,b] pode
pode ser
ser ξ b x
tomado como
tomado como xx b–a<ε
Cálculo Numérico – Motivação 27

XXV

x -- ξξ || <
||x < εε Nem
Nem sempre
sempre éé
possível
possível satisfazer
satisfazer
|f(x
|f( x)| < εε
)| < ambos
ambos os
os critérios
critérios

Métodos
Métodos numéricos
numéricos são
são
desenvolvidos
desenvolvidos de de modo
modo aa
satisfazer
satisfazer p pelo
elo menos
menos um
um
dos
dos critérios
critérios
Cálculo Numérico – Motivação 28

XXVI
PROGRAMAS
PROGRAMAS
COMPUTACIONAIS
COMPUTACIONAIS

Teste de
Teste de Parada
Parada Estipulação do
Estipulação do número
número
máximo de
máximo de iterações
iterações

Prevenção contra
Prevenção contra loopings
loopings

 erros do
erros do programa
programa
 inadequação do método ao problema
 inadequação do método ao problema