Você está na página 1de 67

Minerais – Unidades

básicas das rochas


Pirite

Quartzo
Minerais – Unidades básicas das rochas
As rochas são formadas por um ou por mais minerais.

Granito

Micas Feldespato
Quartzo
Minerais – Unidades básicas das rochas
Características dos minerais

é uma substância natural, sólida e cristalina, e


inorgânica. Cada mineral tem uma estrutura química definida que
lhe confere um conjunto único de propriedades físicas.

Atualmente são conhecidos mais de quatro mil minerais, no


entanto apenas algumas dezenas são mais abundantes e constituem
a maioria dos minerais que formam as rochas.
Minerais – Unidades básicas das rochas
Características dos minerais

• Estado físico sólido;


• Origem inorgânica natural;
• Constituição química definida;
• Estrutura interna cristalina.
Minerais
Propriedades físicas dos minerais
Para a identificação de um mineral são observadas
determinadas propriedades físicas que, em geral, não
necessitam a utilização de meios sofisticados, tal como:

•Risca ou traço

•Cor

•Brilho

•Fratura e clivagem

•Dureza
Propriedades dos minerais
Risca ou traço
Propriedades físicas dos minerais
Risca ou traço
A risca ou traço de um mineral é a cor do pó desse mineral.
Enquanto a cor dum mineral pode variar o mesmo já não
acontece tão frequentemente com a cor do seu pó pelo que esta
pode ser utilizada como característica de identificação.
Para determinar a cor é usual riscar com o mineral a
superfície não polida de uma porcelana
( para minerais com dureza até
aproximadamente 7)
Goetite
(Fe(OH))

Pirite
(FeS2)

Hematite (Fe2O3)
Propriedades dos minerais
Cor

Minerais com cor definida Minerais com cor variada


Propriedades físicas dos minerais
Cor

A cor é uma propriedade óbvia de um mineral mas não é


muito adequada à sua identificação. Alguns minerais podem
apresentar cores variadas resultantes da inclusão de impurezas
na sua estrutura cristalina.
Propriedades dos minerais
Brilho
Propriedades físicas dos minerais
Brilho

Define-se o brilho como a aparência ou qualidade da luz


reflectida pela superfície do mineral.

Consideram-se três tipos fundamentais de brilho:

• Brilho metálico – Semelhante ao dos metais;

• Brilho nacarado – Semelhante ao brilho das pérolas;

• Brilho vítreo – Semelhante ao do vidro.


Propriedades dos minerais

Clivagem e fratura
Fratura / Clivagem

Fratura Clivagem
• O mineral quando sujeito a • O mineral quando sujeito a
uma pancada parte-se de uma pancada parte-se
forma irregular segundo superfícies
geométricas
Quartzo Calcite
Propriedades físicas dos minerais

Dureza
Em 1822, Friedrich Mohs, um mineralogista
alemão, imaginou uma escala de dureza
baseada na capacidade de um mineral riscar
outro. A escala de Mohs, composta por dez
minerais de dureza conhecida, permite
determinar a dureza relativa de um mineral,
mediante a facilidade ou dificuldade com que é
riscado por outro.
Propriedades dos minerais

Dureza
Propriedades específicas de alguns
minerais
Sabor a Sal
(Halite)
Propriedades específicas de alguns
minerais
Magnéticas
(Magnetite)
Propriedades específicas de alguns
minerais
Efervescência com os ácidos
(Calcite)
Fim
Rochas

Tendo em conta a sua génese as rochas podem classificar-se em:

• Rochas magmáticas ou ígneas.


• Rochas sedimentares.
• Rochas metamórficas.
As rochas sedimentares têm origem na acumulação e
compactação de detritos rochosos ou orgânicos – os sedimentos.

Areia
Arenito

Sal-gema
Calcário

A areia, o arenito, os calcários e o sal-gema são exemplos de


rochas sedimentares.

2/12
A formação de uma rocha sedimentar depende, em geral, de um
conjunto de etapas: a meteorização, a erosão, o transporte, a
sedimentação e a diagénese.
A meteorização consiste na alteração das rochas expostas à
superfície da Terra.

Meteorização Meteorização
física química

3/12
A rocha está sujeita a uma meteorização física quando é
desagregada por ação do clima ou dos seres vivos.

4/12
A rocha está sujeita a uma meteorização química quando os
minerais sofrem alterações por reação com a água ou com o ar.

5/12
Quando há remoção de detritos das rochas que sofreram
meteorização, ocorre a erosão.

A erosão por suceder por ação:

- da água das chuvas;


- do vento;
- dos gelos;
- dos glaciares;
- dos rios;
- das ondas e marés…

… que arrancam e separam os fragmentos rochosos.

6/12
Ocorre transporte quando há deslocação dos materiais erodidos
para outro local.

7/12
O transporte pode ser devido à gravidade, à energia dos ventos,
dos glaciares ou das correntes dos rios e dos mares.

Quanto maior a duração e a energia do transporte, maior é a


suavização das arestas dos detritos.

8/12
Zonas de
Sedimentação

A sedimentação consiste na acumulação dos sedimentos. Ocorre


quando os agentes transportadores perdem energia.

9/12
Camadas
ou
estratos

Os materiais são depositados horizontalmente formando camadas


ou estratos sedimentares.

10/12
A diagénese é um conjunto de processos que transforma
sedimentos soltos depositados em rochas sedimentares
consolidadas.

Durante a diagénese, verifica-se uma aproximação entre os


detritos, com diminuição dos espaços entre eles. A água vai
desaparecendo, sendo substituída por materiais rochosos.

11/12
Devido à pressão a que estão sujeitos, os sedimentos ficam mais
compactos, acabando por ficar ligados por um cimento.

Diagénese

Areia
Arenito

Durante a diagénese, a areia, por exemplo, dá origem a uma rocha


consolidada, o arenito.

12/12
Formação de uma rocha sedimentar
Meteorização
e erosão. Transporte e sedimentação
promovidos pela água, vento, etc.

À medida que se acumulam


novos sedimentos, os estratos
inferiores sofrem um conjunto
de transformações e originam
rochas sedimentares –
diagénese.
Sedimentação e diagénese
Os sedimentos depositam-se, normalmente, em camadas
horizontais, denominadas estratos.

Sedimentação num lago ou num mar

Rochas sedimentares
Mais recente

Mais antiga
Rochas Sedimentares

• As rochas sedimentares resultam


da acumulação de sedimentos.
Podem ser:
– Fragmentos de outras rochas já
existentes – rochas detríticas.
– Substâncias dissolvidas na água –
quimiogénicas.
– Materiais provenientes de seres
vivos – rochas biogénicas.
Rochas Sedimentares
– Rochas detríticas.
(Consolidadas)

Conglomerado
Rochas Sedimentares
– Rochas detríticas.
(Consolidadas)
Rochas Sedimentares
– Rochas detríticas.
(Não consolidadas)
Rochas Sedimentares
– Rochas detríticas (Não consolidadas/Consolidadas)
Rochas Sedimentares
Rochas argilosas

• Raramente são rochas puras, incorporando outros minerais.


• O caulino (argila branca) é um argilito puro.

Consoante a
composição, assim as
argilas assumem
diferentes
tonalidades.
Rochas Sedimentares
Marga
Rochas Quimiogénicas

• Formam-se a partir da
precipitação de
substâncias dissolvidas na
água:
– por alteração de condições
de pressão e temperatura Sal gema
que levam à ocorrência de
reações de precipitação. Estalactite

– por evaporação da água


(evaporitos).
Rochas biogénicas

• Constituídas por restos de seres vivos ou que incorporam


materiais resultantes da sua atividade.

Calcários biogénicos
Carvão
Petróleo
Calcários biogénicos

• Formados por
consolidação de peças
Calcário conquífero
esqueléticas do
organismo que se
depositam após a
morte no seio de uma
matriz inorgânica.

Calcário recifal
Carvão

Forma-se quando matéria vegetal é


rapidamente enterrada e colocada em
anaerobiose. (Frequente em pântanos).

-Aumento de pressão e temperatura


-Metabolismo bacteriano

-Perda de água e voláteis


-Enriquecimento em carbono
-Aumento do potencial calorífico
Turfa Lignite Carvão Antracite
betuminoso

Potencial calorífico
Rochas magmáticas
Rochas magmáticas

• Resultam do arrefecimento e consolidação do magma.


• Podem ser:

Vulcânicas ou extrusivas Plutónicas ou intrusivas


Observa atentamente a figura referente à realização
de determinada atividade prática.

1. Verteu-se um pouco de enxofre


para uma lâmina de vidro.

2. O restante ficou a solidificar no


cadinho.

Questão:
O enxofre arrefeceu mais rapidamente no cadinho ou na placa
de vidro?
Cristais de enxofre Cristais de enxofre
desenvolvidos pouco desenvolvidos

Questões:
1. Os cristais de enxofre mais desenvolvidos formaram-se no
cadinho ou na lâmina?

2. Relaciona a velocidade de arrefecimento com a formação e


desenvolvimento de cristais.
Como já sabes, as rochas plutónicas resultam do arrefecimento
do magma em profundidade e as rochas vulcânicas resultam do
arrefecimento do magma à superfície.
Qual destes dois tipos de rochas (plutónicas ou vulcânicas)
deverá apresentar cristais bem desenvolvidos, visíveis a olho nu?
Justifica.
Textura agranular: as rochas
vulcânicas arrefecem muito
rapidamente, dificultando o
desenvolvimento de cristais.

Textura granular: as rochas


plutónicas solidificam muito
lentamente, permitindo o
desenvolvimento de cristais.

Imagens ao microscópio petrográfico.


Rochas magmáticas com textura agranular

Basalto Obsidiana Pedra-pomes


Rochas magmáticas com textura granular

Granito Gabro
Rochas metamórficas
• As rochas metamórficas são o resultado de transformações de
rochas pré-existentes, que ocorrem no estado sólido, devido à
ação dos agentes de metamorfismo: calor, pressão e
circulação de fluidos.
O gnaisse [A] e o xisto [B] apresentam foliação.
O quartzito [A] e o mármore [B] habitualmente não apresentam
foliação.
Ciclo das rochas
Paisagens
geológicas

Paisagens Paisagens Paisagens


magmáticas sedimentares metamórficas
Paisagens magmáticas

Disjunção prismática
Caos de blocos

Caldeira vulcânica
Paisagens sedimentares

Chaminés
Gruta de fada

Dunas Praia
Paisagens metamórficas

Crista de
quartzitos

Exploração
de mármore

Xistos
dobrados
Aplicações das rochas

Xisto e ardósia Argila

Areia quartzítica
Aplicações das rochas

Calcário

Carvão Mármore

Salgema