Você está na página 1de 5

 Em grupos de 5 alunos, foram emprestados dicionários de inglês para os grupos,

alguns já tinham em sala. ( Foi pedido com antecedência)


 Os grupos deviam traduzir uma música em inglês.
 Foram entregues as músicas em inglês junto as versões em português, os alunos
ouviram ambas as músicas e depois deviam traduzir a música original em inglês
para o português.
 Foi dado um tempo aproximado de 10 minutos para traduzirem o máximo de
palavras e também deviam ser organizadas as frases para que fizessem sentido na
tradução.
 Após esse tempo, os grupos deviam compartilhar as traduções feitas com os
colegas.
 No final, foi apresentado a tradução da música original para os alunos
compararem.
 Every night in my dreams  Cada vez que eu pensoTe sinto, te vejo
I see you, I feel you
That is how I know you go on  Em cada sonho que eu sonhar
 Far across the distance  A distância existe
And spaces between us
You have come to show you go on  Persiste o desejo
 Near, far, wherever you are  De trazer de volta do mar
I believe that the heart does go on
Once more you open the door  Por mais que eu tente aceitar
And you're here in my heart
And my heart will go on and on  Não consigo, a saudade é demais
 Love can touch us one time  Quem vai não volta jamais
And last for a lifetime
And never let go till we're gone  Então finjo esquecer mas
 Love was when I loved you  O meu coração...não!
One true time I hold to
In my life we'll always go on
 Near, far, wherever you are
I believe that the heart does go on
Once more…
 Nem todos os grupos conseguiram traduzir a música inteira, mas fizeram o máximo
possível
 Conheceram um novo vocabulário, utilizaram o dicionário como fonte de pesquisa
e sem acesso a internet.
 Conheceram uma relíquia chamada “Sandy e Junior”.
 Perceberam a diferença entre versão e tradução de músicas.
 A motivação é ponto de partida para a iniciação de um indivíduo em qualquer
novo idioma, hábitos, e aprendizagem de outro país (cultura), pois de acordo com o
linguista Noam Chomsky (2009) o falante já nasce capaz de apreender o idioma do
país que for, desde que o mesmo seja integrado aquela realidade na infância.
 Segundo Brown (2001), o professor que faz uso da Abordagem Comunicativa passa
a ser um mediador da aprendizagem; promove situações efetivas de uso da língua
e atua como um conselheiro dos aprendizes. Encoraja a cooperação entre os
alunos e a comunicação entre eles por meio de atividades, jogos e dramatizações,
entre outros, de forma que se preocupem não somente com o que dizer, mas como
fazê-lo.