Você está na página 1de 20

ORIENTAÇÃO SEXUAL

Discentes: Beatriz Fragoso Cruz, Laura Gemaque Silveira, Maurício Amaral de Souza, Oséas Duarte Jr.
e Wagner Moraes de Souza.
Docente: Prof.ª Dr.ª Rachel Ripardo.
Definições
• “Direcionamento do comportamento e de fantasias sexuais de
uma pessoa em relação à outra, controlada por um conjunto de
fatores biológicos e ambientais independentes da vontade do
indivíduo (Balthazar, 2012).”

• “Direcionamento de sentimentos e comportamentos sexuais pelo


mesmo sexo, pelo sexo oposto ou a combinação dos dois.”
Conceitos Relacionados

Gênero
Sexo e
Sexualidade
Identidade de
Gênero
Conceitos Relacionados

Comportamento
Flexibilidade
homossexual
sexual
exclusivo
Comportamento homossexual em animais
não humanos
• Já se observou
comportamento homossexual
em mais de 1 500 espécies
animais. Alguns exemplos:
• Macaco-japonês;
• Besouros;
• Pássaro albatroz-de-laysan.
PSICOLOGIA
EVOLUCIONISTA
E COMPORTAMENTO
HOMOSSEXUAL
Efeitos diferenciados de acordo
com o sexo

Judson (2003): genes


responsáveis pela
homossexualidade Miller (2000): características
masculina seriam diferentes femininas para o cuidado
dos responsáveis pela parental
feminina; vantajoso para o
homem, prejudicial à mulher
Vantagem heterozigótica

Denniston (1980) Miller (2000): existência


e Judson (2003): gene de 5 alelos
vantajoso quando relacionados a
heterozigótico e características
prejudicial femininas benéficas ao
quando homozigótico CUIDADO PARENTAL
Miller (2005)

• 5 alelos

• 2 ou 3 alelos

• 1 ou nenhum alelo
• Werner (1999): diferentes formas de
expressão homossexual; aa (homo), Padrão
AA (hétero), Aa (maior heterozigótico
suscetibilidade à influência
ambiental, espectro sexualidade) intermediário
A homossexualidade como
subproduto da evolução do prazer

“Nenhum padrão precisa ser, em si, evolutivamente


vantajoso para ser selecionado: basta estar associado a
um padrão que o seja” (MENEZES; BRITO, 2007, p. 135)
A homossexualidade como
subproduto da evolução do prazer
Qual a função do sexo?
A homossexualidade como
subproduto da evolução do prazer
• POR QUE SENTIR PRAZER?

• Formação de vínculo entre parceiros > sobrevivência da prole

• Seleção de parceiros:
plasticidade comportamental > maior capacidade cognitiva
plasticidade sexual > capacidade reprodutiva
A homossexualidade como
subproduto da evolução do prazer
• Organismo suscetível a grande variedade de estimulações

Plasticidade/flexibilidade sexual

ENTÃO TODO MUNDO É BISSEXUAL?


A homossexualidade como
subproduto da evolução do prazer
Não.

O COMPORTAMENTO SEXUAL EXCLUSIVO É PRODUTO


SOCIAL

• Fisiologia suscetível ao prazer não o direciona


• Possível formação de vínculo entre sujeitos
homossexuais
VALOR FILOGÊNESE ONTOGÊNESE MECANISMOS
ADAPTATIVO FISIOLÓGICOS
Efeitos
diferenciados de
acordo com o
sexo
Vantagem
heterozigótica
Padrão
heterozigótico
intermediário
A homossexualidade
como subproduto da
evolução do prazer
Brandão (2017)
• Orientação Sexual de Gêmeos no Norte do Brasil.
• Tanto a exposição hormonal pré-natal quanto a hereditariedade
podem afetar a orientação sexual de um indivíduo (Carlson,
2013; Menezes, Brito & Henriques, 2010; Segal, 1999).
• Na presente investigação, perguntou-se: gêmeos dizigóticos são
mais discordantes que gêmeos monozigóticos quanto à
orientação sexual?
Brandão (2017)
• Participaram deste estudo um total 140 gêmeos adultos,
distribuídos em 42 pares de monozigóticos, 18 pares de
digizóticos e 20 indivíduos cujos cogêmeos não responderam
aos instrumentos.
• Questionário de Zigozidade.
• Grade de Orientação Sexual de Klein (Klein, 2014).
• A) atração sexual; B) comportamento sexual; C) fantasias sexuais; D) preferência
emocional E) preferência social; F) preferência de vida; G) identidade sexual.

• Questionário Socioeconômico.
Brandão (2017)
• Não foi possível comparar as taxas de concordância entre os
dois grupos de gêmeos, pois não houve correlação entre os
dizigóticos em nenhuma das variáveis testadas.
• Variáveis de Atração Sexual, Comportamento Sexual E
Identidade Sexual tiveram correlações fracas e moderadas em
gêmeos monozigóticos e variaram de acordo com o tempo.
• Os dados acima indicam que os aspectos relacionados à
orientação sexual não são permanentes, ou seja, mudaram ao
longo do tempo, demonstrando que a orientação sexual é
realmente um processo dinâmico.
ALMEIDA, I. M. O profissional bibliotecário, as cinco leis da biblioteconomia e o Programa Ribeirão de Letras. Ribeirão P

Referências Bibliográficas
• BRANDÃO, F. I. B. Orientação sexual de gêmeos no norte do brasil. 2017. Dissertação (Mestrado em
Neurociências e Comportamento) - Universidade Federal do Pará, [S. l.], 2017.

• MENEZES, A. B.; BRITO, R. C. S. Reflexão sobre a homossexualidade como subproduto da evoluçao do prazer.
Psicologia em estudo, Maringá. 2007, v. 12, n. 1, p. 133-139.

• MENEZES, A. B.; BRITO, R. C. S.; HENRIQUES, A. L. Relação entre gênero e orientação sexual a partir da
perspectiva evolucionista. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2010, vol. 26, n. 2, pp. 245-252.

• HOGENBOOM, M. O mistério da homossexualidade em animais. BBC Earth, 2015. Disponível em:


https://www.bbc.com/portuguese/noticias/2015/02/150211_vert_earth_animais_homossexuais_ml. Acesso em
10 nov. 2019.

• LOPES, R. J.; MANUEL, M. Não somos a única espécie gay. 2016. Disponível em:
https://super.abril.com.br/ciencia/nao-somos-a-unica-especie-gay/. Acesso em 10 nov. 2019.