Você está na página 1de 46

ÁFRICA

SUBSA ARIANA
ASPECTOS NATURAIS
• A África Subsaariana é composta por 47 países
e sua localização geográfica fica abaixo do
Deserto do Saara.
• Também chamada de África Negra, é onde
reside a maior parte da população negra do
continente.
• É cercado pelos oceanos Atlântico (oeste);
Índico (leste); Mediterrâneo (norte) e Vermelho
(nordeste)
• Cortam a África, três dos grandes paralelos
terrestres: o Equador, o Trópico de Câncer, o
Trópico de Capricórnio e, ainda, o Meridiano de
Greenwitch.
• O continente africano possui cinco diferentes
fusos horários.
• Sua base geológica é formada por grandes e
antigas placas tectônicas, fraturadas em
algumas regiões; apresentando áreas bastante
desgastadas pela erosão.
• Dentre os acidentes geográficos litorâneos,
merecem destaque o Ponto Guiné e o
Estreito de Gilbratar.
• A maior parte de suas terras se localiza no
hemisfério oriental e somente uma pequena
porção, no ocidental.
CLIMA
• Os principais climas da África subsaariana são:
tropical, equatorial, semiárido, desértico e, em
uma pequena porção de frio de montanha.
• Uma pequena região do território Sul do
continente é formado pelo Deserto do Kalahari.
• A maior parte do território africano é ocupada
pelo clima tropical, com o clima seco e frio no
inverno e quente e chuvoso no verão
• Essa faixa climática interrompe-se em alguns
trechos de clima equatorial, que é mais quente e
úmido em função da presença da floresta do
Congo na porção central da África.
VEGETAÇÃ
O
• As Savanas, vegetação bem parecida
com o cerrado brasileiro, ocupa,
principalmente, as áreas de clima
tropical.

• Existe um equilíbrio entre a vegetação


e o clima da África.

• A floresta equatorial, responsável pelas


maiores umidades do continente,
encontra-se nas zonas de baixas
altitudes e é cercada por uma floresta
tropical úmida

• Nos extremos norte e sul, habita a


vegetação mediterrânea

• As vegetações presentes na África


Subsaariana são: Savana, Estepe, Floresta
tropical úmida, Floresta equatorial,
Deserto,Vegetação de montanha e
Vegetação Mediterrânea.
RELEVO
• ACREDITA-SE QUE O RELEVO DA ÁFRICA
SUBSAARIANA SEJA MUITO ANTIGO POR CAUSA
DOS DESGASTES E DE REGIÕES COM BAIXAS • AO SUL, SURGEM PLANALTOS, ONDE MERECEM
ALTITUDES. DESTAQUE OS MONTES DRAKENSBERG, COM
POUCOS PICOS ELEVADOS ACIMA DOS TRÊS MIL
• AO LONGO DO LITORAL, SITUAM-SE AS METROS, MAS SUFICIENTES PARA BARRAR OS
PLANÍCIES COSTEIRAS, POR VEZES BASTANTE VENTOS ÚMIDOS DO OCEANO ÍNDICO,
VASTAS. AS PLANÍCIES OCUPAM ÁREA MENOR FORMANDO UMA COSTA DE CLIMAS MAIS
DO QUE A DOS PLANALTOS. PODEMOS CITAR AS AMENOS. TAMBÉM EXISTE A MONTANHA
PLANÍCIES DO NÍGER E DO CONGO. NÃO KILIMANJARO, UMA DAS MAIS FAMOSAS.
POSSUI MUITAS ILHAS.
HIDROGRAFIA
• Como as regiões norte e sul da África são
praticamente tomadas por desertos, não existem
muitos rios no território africano.
• Existem alguns rios volumosos e extensos, que estão
em regiões tropicais e equatoriais.
• Também existem outros rios que passam por áreas
desérticas. São eles os responsáveis pela vida nessas
regiões, com as cidades localizadas em suas margens.
• Na África Subsaariana, os rios que mais levam destaque
são o Rio Congo (tem uma grande importância
hidrelétrica); Zambeze; o Senegal; o Orange; o Limpopo
e o Zaire. Já os lagos, são profundos e extensos, de
origem tectônica e vulcânica. Os principais são o lago
Victória (o terceiro maior do mundo); o Rodolfo; o
Niassa e o Tanganica (com 1.500 metros de
profundidade, graças a uma falha geológica).
• Alguns lagos estão com a água contaminada por sais e
ácidos provenientes dos vulcões, o que impede seu uso
pela população.
CULTURA
ÁFRICA SUBSAARIANA
RELIGIÃO
• Em termos religiosos, vários cultos estão presentes na África, com destaque para
o islamismo e cristianismo. Uma parte dos africanos reverenciam os espíritos das árvores,
pedras, dentre outros, e aceitam a coexistência com forças desconhecidas.
• Cada povo africano tem suas origens mitológicas para explicar suas origens. Estas religiões
tradicionais possuem, via de regra, um panteão e estão voltadas ao culto dos antepassados e
das divindades da natureza.
• A forma mais conhecida destas religiões envolve o culto aos Orixás (divindades de origem
Ioruba ou Nagô) e englobam uma ampla variedade de crenças e ritos.
ARTES PLÁSTICAS
• Devemos considerar que grande parte da produção artística tradicional africana era feita para não ser
vista e o material utilizado em sua confecção possuía um valor simbólico muito grande.
• Estas peças podem ser esculpidas, fundidas, pintadas, trançadas, tecidas e utilizadas como adornos
corporais, trajes e itens de uso sagrado ou cotidiano.
• Geralmente, os produtos artísticos africanos representam os antepassados fundadores e apresentam
figuras geométricas, antropomórfica, zoomórficas ou antropo-zoomórficas que ensinam a humanidade a
produzir e se reproduzir.
• Por sua vez, as famosas máscaras africanas possuem desenhos elaborados e são utilizadas em cerimônias
e rituais.
• O renomado artista Pablo Picasso (1881-1973) se inspirou grandemente nestas máscaras, bem como na
iconografia africana, para criar um estilo artístico conhecido como cubismo.
• A metalurgia era conhecida e utilizada para fabricar armas, ferramentas e adornos, sendo mais comum nas
regiões de savana.
• Outro tipo muito típico de produção artística africana são as esculturas em marfim (povos Ioruba e
Bakongo).
DA N Ç A
E
CULINÁRIA
• Também são muito conhecidas as
danças e músicas tradicionais
africanas, marcadas pelos batuques e
movimentos corporais bem
acentuados.

• Destaca-se a culinária africana,


temperada com condimentos de
aromas fortes e picantes, com os
quais se preparam pratos a base de
carnes, legumes, verduras, e até
insetos.

• É típico da África o leite de coco, o


óleo de palmeira, o inhame e o feijão,
etc.
ECONOMIA
ÁFRICA SUBSAARIANA
EXTRATIVISMO
• A economia é constituída principalmente de extrativismo. Tendo 7% das reservas de petróleo
mundial, e possuindo grandes reservas de fosfato, cobalto e cobre.
TURISMO
• O turismo da África Subsaariana também é muito popular. As praias da Tanzânia e as reservas
naturais do Quênia são alguns exemplos de pontos turísticos
HOJE EM DIA
• Mesmo com toda a exploração que a África Negra sofreu dos outros continentes durante o
período colonial, sua economia vem crescendo muito rapidamente nestes últimos anos e,
atualmente, recebe diversos investimentos da China por conta de seu extrativismo.
ÍNDICE DE
D E S E N V O LV I M E N T O
HUMANO
ÁFRICA SUBSAARIANA
ÍNDICE DE DESENVOLVIMENTO
HUMANO
• A África Subsaariana é formada por 47 países cujo o Índice de Desenvolvimento
Humano (IDH) corresponde a 0,389

• Registram-se na África Subsaariana os maiores índices de pobreza e fome no


mundo, além das maiores concentrações de favelas. A isso, somam-se os piores
resultados em estatísticas como taxas de mortalidade e baixo IDH (Índice de
Desenvolvimento Humano).
• A tabela ao lado mostra
que entre os piores países
com baixo IDH, 18 deles
estão localizados na África
Subsaariana.
POLÍTICA
ÁFRICA SUBSAARIANA
COMO COMEÇOU?
• Começou no século XV e XVI.
Os europeus abriram os
horizontes do comércio para a
África, fazendo assim com que a
África virasse uma colônia de
exploração para os europeus.

• Também sendo o ultimo


território colonizado pelo mundo
capitalista. Com isso deu o inicio
da historia da África.
POLÍTICA NA ÁFRICA SUBSARIANA

• Tem uma politica instável e com muita corrupção;


• Sua independência foi conquistada em seguida do final da segunda guerra mundial;
• Passou a não ser um pais “servidor e outros países”, para ser uma Região livre:
• A mistura de etnias faz com que seja um pais muito miscigenado;
• Perdeu muitas das suas riquezas naturais assim perdendo muitas oportunidades na politica.
MAPA POLÍTICO DA ÁFRICA
ATUALMENTE
NELSON
MANDELA

• Nasceu em julho de 1918;

• Entrou no curso de direito em


1939;

• Líder do movimento apartheid;

• 1964 foi condenado a prisão


perpetua;

• Fevereiro de 1990 ele é liberto pelo


presidente;

• 1993 ganha o prêmio Nobel da paz;

• Abril de 1994 vira presidente da


África do sul;

• Morre em 2013 com seus 95 anos.


PAÍSES
D ES ENV OLV ID OS
ÁFRICA SUBSAARIANA
PAÍSES DESENVOLVIDOS

• A África subsaariana, não contém nenhum país desenvolvido, pois


tem um IDH baixo. Mas, alguns desses países são classificados com
IDH médio, assim como o Brasil. Alguns exemplos são:
BOTSUANA
• Com seu IDH equivalente a 0,698, é o primeiro país no ranking de desenvolvimento da África
Subsaariana. É um dos países com o mais rápido crescimento econômico na África, por já ter
sido um dos países mais pobres do mundo em meados do século 1966.
GABÃO
• Com seu IDH de 0,684, assume a
segunda posição no ranking de
desenvolvimento da África
Subsaariana, com sua pequena
densidade populacional, abundantes
recursos naturais e seus
investimentos privativos.
ÁFRICA DO SUL
• Com o IDH de 0,666, assume a terceira colocação no ranking de desenvolvimento humano na
África Subsaariana, pois tem uma economia equilibrada, isso por ser um mercado emergente.
Mas, o que o afeta muito é que um quarto do país está desempregado.
CABO VERDE
• Com seu IDH de 0,646, os
arquipélagos cabo-verdianos
assumem o quarto lugar no ranking
da África subsaariana. O país
mantém sua economia por ser um
país turístico, além de estar ligado
em investimentos internacionais.
Conclusão
• Além desses, mais seis países também se encontram
na mesma situação, tais como: Namíbia; República do
Congo ;Guiné Equatorial; Zâmbia ;Gana e São Tomé
e Príncipe

• Podemos perceber que o desenvolvimento atual


desses países é resultado do passado histórico de
cada um deles. Alguns, que só começaram a se
desenvolver após se tornarem independentes (como
é o caso da Botsuana), o que acaba atrasando.
PAÍSES
S U B D E S E N V O LV I D O S
ÁFRICA SUBSAARIANA
PAÍSES SUBDESENVOLVIDOS
Menores IDH:

• NÍGER (0,348);
• REP. CENTRO-AFRICANA (0,350);
• ERITREIA (0.391);
• CHADE (0,392);
• BURUNDI (0,400);
• BURKINA FASO (0,402).
NIGER

R E P Ú B L I C A C E N T RO -
AFRICANA
L AG O D O C H A D E ERITREIA
B A RU N D I

BU R K I N A FA S O
COLONIZ AÇÃO
ÁFRICA SUBSAARIANA
COLONIZAÇÃO DA ÁFRICA
SUBSAARIANA

• Feitorias: assegurar
desenvolvimento comercial
• Conferência de Berlim
• Descolonização
HIV
ÁFRICA SUBSAARIANA
HIV
• Na Europa, nos Estados Unidos e
mesmo no Brasil as campanhas de
prevenção e novas drogas têm
conseguido deter a epidemia e
prolongar a vida de portadores do
HIV, para os africanos contaminados
praticamente não há esperança.

• A cada minuto, oito novos doentes


surgem no continente. Na África
subsaariana o número de pessoas
infectadas com o HIV subiu para 25,3
milhões em 2000.
HIV
• No sul da África, países como Zimbábue convivem com índices de contaminação de 25% da
população. Para se ter uma idéia do que isso representa, o Brasil tem 540 mil pessoas infectadas,
uma taxa de contaminação de 0,35% da população.

• Praticamente não há campanhas de prevenção, faltam testes de HIV e não há medicamentos para
tratar os doentes. A razão, segundo especialistas, é a falta de vontade política dos governos de lidar
com a doença e de tocar em assuntos tabus para a maioria das culturas africanas, como sexo,
homossexualismo e "camisinha".
APARTHEID
ÁFRICA SUBSAARIANA
APARTHEID
• Apartheid (“separação” em português), foi uma política de segregação racial instalada em 1948
na África do Sul pelo pastor Daniel François.
• A legislação dividia os habitantes em grupos raciais (“brancos”, “negros”, “de cor” e “indianos”),
segregando as áreas de moradia, na maioria das vezes através de remoções forçadas.
• Adotado até 1994 pelos sucessivos governos do Partido Nacional no qual os direitos da
maioria dos habitantes foram cerceados pela minoria branca no poder.
AINDA NA SEGREGAÇÃO...

• Nos final da década de 70, os negros foram privados de sua cidadania, tornando-se legalmente
cidadãos de uma das dez pátrias tribais autônomas chamadas de bantustões.
• O governo já havia segregado a saúde, a educação e outros serviços públicos, fornecendo aos
negros serviços inferiores aos dos brancos.
• Tudo ainda era separado por raças e apenas os brancos tinham direito BASICO de
sobrevivência
• Em 1990, o presidente Frederik
Willem de Klerk iniciou
negociações para acabar com a
segregação, o que culminou com a
realização de eleições multirraciais
e democráticas em 1994, que
foram vencidas pelo Congresso
Nacional Africano, sob a liderança
de Nelson Mandela.