Você está na página 1de 16

TEXTOS DAS AULAS:

FLICK, W. DESENHO NA PESQUISA


QUALITATIVA. (CAP. 7)

MINAYO, CECÍLIA. PESQUISA SOCIAL.


(CAPÍTULO 4)
Análise de dados na pesquisa
• Antes da análise  o pesquisador deve realizar uma avaliação do
material construído.

• TEORIAS  CATEGORIAS  ANÁLISE

• Quando você analisa…


- Compara  * diferentes entrevistas / respostas
* numa mesma entrevista, diferentes relatos
* semelhança entre entrevistas

- Generaliza  refletir sobre os limites de seus dados e amostra

- Triangulação
- Qualidade  postura reflexiva em sua prática com os dados,
avaliando criticamente o seu próprio papel de pesquisador.
- Escrita  todo o material escrito é relevante.

- Desenho básico

CODIFICAÇÃO e CATEGORIZAÇÃO

RECURSOS E OBSTÁCULOS  * Tempo e recursos;


* Perguntas não claras;
* Perceber que você não
obteve as respostas que
desejava;
Análise de dados (Conversação, Discurso e Documentos)

• Construir um corpus de material


• Inventário de vários exemplares e depois os comparar entre si
para encontrar princípios regulares e estruturais.
• Escrita

TEORIA  CATEGORIAS  ANÁLISE

EIXOS DE ANÁLISE
EXEMPLO:
Memórias do Feminino:
Vivências e Perspectivas a partir da lei “Maria da Penha”
Vanessa Ferreira Gomes

 Objeto
• As concepções subjetivas, construídas pela memória social, de
mulheres em situação de violência conjugal, acerca de sua
identidade, e as implicações na relação conjugal violenta, assim
como nas expectativas em relação às medidas judiciais.

 Público Alvo
• Mulheres em situação de violência conjugal, residentes em Nova
Iguaçu e que solicitaram medidas protetivas no Juizado de
Violência Doméstica e Familiar de Nova Iguaçu.
 Objetivo Geral

Analisar as concepções acerca de uma


identidade feminina construída pela
memória social, identificando os fatores
que levaram à denúncia e compreendendo
as expectativas quanto às medidas
judiciais de mulheres em situação de
violência conjugal que denunciaram seus
parceiros e solicitaram medidas protetivas
de urgência, no município de Nova
Iguaçu, na Baixada Fluminense.
 Metodologia

 Pesquisa qualitativa
 História de vida tópica ➪ Minayo (1992)
 Análise de conteúdo
 5 Casos indicados pela equipe
multidisciplinar do Juizado
 Entrevistas na sede de atendimentos da
equipe multidisciplinar
Estrutura

1 – MEMÓRIAS DE UMA IDENTIDADE


FEMININA
Halbwachs, Pollak, Maffesoli, ButlerCosta,
Rohden e Caulfield.

2 – O CAMPO JURÍDICO, A GARANTIA DE


DIREITOS E AS MULHERES IGUAÇUANAS
Bourdieu(1989), Debert (2008), Lei 11.340/2006

3 – MULHERES IGUAÇUANAS: ENTRE A


REPRODUÇÃO E A PRODUÇÃO
CATEGORIAS TEÓRICAS:

GÊNERO / IDENTIDADE / DIREITOS / POLÍTICA PÚBLICA /


MEMÓRIA SOCIAL.

ANÁLISE DE CONTEÚDO DAS ENTREVISTAS


SEGUNDO AS CATEGORIAS:

 Memórias de pessoas de referência na história de vida;


 Concepção de uma identidade feminina;
 Reprodução de comportamentos seguindo modelos
preestabelecidos;
 Fatores que desencadearam a denúncia;
 Expectativas em relação ao resultado do processo judicial
e ressignificação da concepção de identidade feminina.
• Análise…
 Buscar o que é homogêneo e diferente
 DESCREVER / ANALISAR / INTERPRETAR
 Interpretação = ponto de partida e ponto de chegada

Análise / Interpretação  durante todo o processo da pesquisa


 Verificar se o material coletado e analisado revela qualidade.
• Análise de Conteúdo… Início do século XX  Bardin  viés quantitativo

Descobrir o que está por trás dos conteúdos manifestos  ultrapassar o


nível das aparências.

Há várias maneiras de analisar conteúdos:


 Análise representacional ou Análise de avaliação
Medir atitudes do locutor  linguagem reflete quem a utiliza.
 Análise de expressão
Existe relação entre o discurso e as características do locutor e seu meio.
 Análise de Enunciação
Análise das estruturas da fala / COMUNICAÇÃO = PROCESSO
 Análise Temática: Conceito central é o tema.
Unidades de registro = Decomposição da mensagem / Palavra = unidade
Unidades de Contexto = Compreender o contexto do qual a mensagem
faz parte.
• PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS…

Categorização  Decompor o material a ser analisado em partes;


Distribuir as partes em categorias;
Fazer uma descrição do resultado da categorização.
As categorias devem ser EXAUSTIVAS, EXCLUSIVAS, CONCRETAS e
ADEQUADAS.

Inferência  dedução / aceitação de uma proposição. Quem diz o


que? A quem? Como? Com que efeito?

Descrição

Interpretação  produção de conhecimento


• Neste sentido, o pesquisador irá realizar …

LEITURA COMPREENSIVA
 Visão de totalidade / conjunto
 Apreender particularidades
 Elaborar pressupostos iniciais
 Determinar conceitos teóricos

EXPLORAÇÃO DO MATERIAL
 Distribuir frases e textos
 Fazer o diálogo entre as partes do texto
 Identificar (através das inferências) os núcleos de sentidos
 Dialogar os núcleos de sentidos com os pressupostos iniciais
 Analisar os diferentes núcleos de sentidos
 Reagrupar o texto por eixos / temas
 Elaborar uma redação por tema
 Síntese interpretativa
Método de Interpretação de Sentidos…

Perspectiva das correntes compreensivas das Ciências Sociais;


Teoria da Interpretação de Geertz  HOMEM “AMARRADO” POR
UMA TEIA DE SIGNIFICADOS.

Interpretação  compreensão destas relações.

Caminhos para a interpretação…


 Leitura compreensiva
 Exploração do material  1. Identificar e problematizar ideias.
2. Busca de sentidos + amplos
3. Diálogo entre as ideias problematizadas
e o referencial teórico
 Síntese Interpretativa
Como construir as categorias de análises?
Fonte: https://karinakuschnir.wordpress.com/2016/05/04/brincandodepesquisar/

• Desde que me entendo por gente, tenho…


• a. dificuldade com..
• b. facilidade com…

• 3) Meu traço mais marcante para…


• a. os outros é…
• b. para mim é…

• 4) Hoje em dia…
• a. meu maior medo é…
• b. minha maior coragem é…

• 6) O que me faz…
• a. mais feliz é…
• b. mais infeliz é…