Você está na página 1de 17

KIELCIMARA DE ALMEIDA NASCIMENTO

 1969 - Origem - Lei de Política Ambiental Nacional


Americana ((National Environmental Policy Act,
NEPA);
 1981 – Brasil - Política Nacional do Meio
Ambiente, através da Lei 6.938/81;
 1986 - O Conselho Nacional do Meio Ambiente
(CONAMA) instituiu, em sua resolução nº
001/1986, o Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e
o respectivo Relatório de Impacto Ambiental
(RIMA).
 1988 - Constituição Federal - Reafirmação
É um procedimento administrativo obrigatório, o qual
antecede o licenciamento das obras ou atividades
potencialmente causadoras de significativa
degradação ambiental.

Instrumento preventivo dos danos ambientais;


Integração entre: Poder Público, sociedade civil e
empresariado.
 Foi criado exatamente para prever o dano antes
da sua manifestação, daí a necessidade de que
seja elaborado no momento certo: antes do início
da execução do projeto;

 É um instrumento de controle prévio ao


licenciamento exatamente para evitar que a
implantação de atividades, cujos impactos sejam
significativos ao ambiente, possa ocorrer por
critérios de mera conveniência e oportunidade da
administração pública
Deve ser realizado por uma equipe técnica
multidisciplinar, que contará com profissionais das
mais diferentes áreas, como, por exemplo,
geólogos, físicos, biólogos, psicólogos e sociólogos;
Os profissionais responsáveis pelo estudo podem
responder criminalmente conforme previsto na Lei
9.605/98:

Art. 69-A. Elaborar ou apresentar, no licenciamento,


concessão florestal ou qualquer outro procedimento
administrativo, estudo, laudo ou repertório ambiental
total ou parcialmente falso ou enganoso, inclusive
por omissão:
“Pena – reclusão, de 3 a 6 anos, e multa. Se o crime
é culposo: Pena – detenção, de 1 a 3 anos.
O estudo de impacto ambiental deverá desenvolver, no mínimo,
as seguintes atividades (art. 6°, Resolução CONAMA 01/1986):

I - Diagnóstico ambiental da área de influência do projeto,


completa descrição e análise dos recursos ambientais e
suas interações, tal como existem, de modo a caracterizar a
situação ambiental da área, antes da implantação do projeto,
considerando:
a) o meio físico - o subsolo, as águas, o ar e o clima, destacando os recursos
minerais, a topografia, os tipos e aptidões do solo, os corpos d'água, o regime hidrológico, as
correntes marinhas, as correntes atmosféricas;
b) o meio biológico e os ecossistemas naturais - a fauna e a flora,
destacando as espécies indicadoras da qualidade ambiental, de valor científico e econômico,
raras e ameaçadas de extinção e as áreas de preservação permanente;
c) o meio socioeconômico - o uso e ocupação do solo, os usos da água e a
sócio economia, destacando os sítios e monumentos arqueológicos, históricos e culturais da
comunidade, as relações de dependência entre a sociedade local, os recursos ambientais e a
potencial utilização futura desses recursos.
II - Análise dos impactos ambientais do projeto e de suas
alternativas, através de identificação, previsão da magnitude e interpretação da
importância dos prováveis impactos relevantes, discriminando: os impactos positivos e
negativos (benéficos e permanentes; seu grau de reversibilidade; suas propriedades
cumulativas e sinérgicas; a distribuição dos ônus e benefícios sociais.
III - Definição das medidas mitigadoras dos impactos
negativos, entre elas os equipamentos de controle e sistemas de tratamento de
despejos, avaliando a eficiência de cada uma delas.
IV - Elaboração do programa de acompanhamento e
monitoramento (os impactos positivos e negativos, indicando os fatores e
parâmetros a serem considerados).

Parágrafo Único - Ao determinar a execução do estudo de impacto Ambiental,


o órgão estadual competente, ou o IBAMA ou, quando couber, o
Município, fornecerá as instruções adicionais que se fizerem necessárias,
pelas peculiaridades do projeto e características ambientais da área.
O rol de empreendimentos considerados potencialmente causadores de
significativa degradação do meio ambiente está expresso no art. 2° da
Resolução CONAMA 001/1986. São eles:

Estradas de rodagem com duas ou mais faixas de rolamento; ferrovias; portos e


terminais de minério, petróleo e produtos químicos; aeroportos, conforme
definidos pelo inciso 1, artigo 48, do Decreto-Lei nº 32, de 18.11.66; oleodutos,
gasodutos, mineodutos, troncos coletores e emissários de esgotos sanitários;
linhas de transmissão de energia elétrica, acima de 230KV; obras hidráulicas
para exploração de recursos hídricos, tais como: barragem para fins
hidrelétricos, acima de 10MW, de saneamento ou de irrigação, abertura de
canais para navegação, drenagem e irrigação, retificação de cursos d'água,
abertura de barras e embocaduras, transposição de bacias, diques; extração
de combustível fóssil (petróleo, xisto, carvão); extração de minério, inclusive os da
classe II, definidas no Código de Mineração; aterros sanitários, processamento e
destino final de resíduos tóxicos ou perigosos; usinas de geração de eletricidade,
qualquer que seja a fonte de energia primária, acima de 10MW; complexo e
unidades industriais e agro-industriais (petroquímicos, siderúrgicos,
cloroquímicos, destilarias de álcool, hulha, extração e cultivo de recursos
hídricos); distritos industriais e zonas estritamente industriais - ZEI;
exploração econômica de madeira ou de lenha, em áreas acima de 100 hectares
ou menores, quando atingir áreas significativas em termos percentuais ou de
importância do ponto de vista ambiental; projetos urbanísticos, acima de 100ha. ou
em áreas consideradas de relevante interesse ambiental a critério da SEMA e dos
órgãos municipais e estaduais competentes; qualquer atividade que utilize
carvão vegetal, em quantidade superior a dez toneladas por dia.
Haveria, assim, duas situações a considerar para
aferição da gravidade do impacto (Milaré, 2002).

A primeira apresenta um rol de atividades onde a


significância é presumida, vinculando o
administrador, que, preso à lei, não pode transigir.
A segunda engloba os casos rebeldes à previsão
legal específica, cuja apreciação, seja para
determinar ou dispensar o estudo, fica entregue ao
poder discricionário, mas não arbitrário, do órgão de
gestão ambiental
Reflete todas as conclusões apresentadas no EIA.
Constitui um documento do processo de avaliação
de impacto ambiental e deve esclarecer todos os
elementos da proposta em estudo, de modo que
possam ser divulgados e apreciados pelos grupos
sociais interessados e por todas as instituições
envolvidas nas tomadas de decisões.
O RIMA deve conter, de acordo com os incisos I a VIII do art. 9º
da Resolução CONAMA 001/86:

I) os objetivos e as justificativas do projeto, sua relação e sua


compatibilidade com as políticas setoriais, planos e programas governamentais;

II) a descrição do projeto e suas alternativas tecnológicas e


locacionais, especificando para cada um deles, nas fases de construção e operação, a área de
influência, as matérias primas e mão-de-obra, as fontes de energia, os processos e técnicas operacionais,
os prováveis efluentes, emissões, resíduos de energia e os empregos diretos e indiretos a serem gerados;

III) a síntese dos resultados dos estudos de diagnóstico


ambiental da área de influência do projeto;
IV) a descrição dos prováveis impactos ambientais da
implantação e da operação da atividade, considerando o projeto, suas
alternativas, os horizontes de tempo de incidência dos impactos e indicando métodos, técnicas e critérios
adotados para sua identificação, quantificação e interpretação;
V) a caracterização da qualidade ambiental futura da
área de influência, comparando as diferentes situações da adoção do projeto e
suas alternativas e a hipótese de sua não realização;
VI) a descrição do efeito esperado das medidas
mitigadoras previstas em relação aos impactos
negativos, mencionando aqueles que não puderam ser evitados, e o grau de alteração
esperado;

VII) o programa de acompanhamento e monitoramento


dos impactos;
VIII) a recomendação quanto à alternativa mais
favorável, conclusões e comentários de ordem geral (BRASIL, 2014b).
 Ambos compõem um conjunto de procedimentos
capazes de assegurar, desde o início do processo,
que se faça um exame sistêmico dos impactos
ambientais de uma ação proposta e de suas
alternativas, e que os resultados sejam apresentados
de forma adequada ao público e aos responsáveis
pela tomada de decisão, e por eles considerados.
Além disso, os procedimentos devem garantir a
adoção das medidas de proteção ao meio
ambiente determinadas, no caso de decisão sobre
a implantação do projeto (BRASIL, 2014b).
 O EIA/RIMA vai ao encontro dos princípios da
prevenção e precaução, pois está inserido na
primeira etapa do processo de licenciamento e
deve ser exigido, elaborado e aprovado antes da
expedição da Licença Prévia (LP), como
condição desta, já que é nessa fase que se
realizam os estudos de viabilidade do projeto e
nenhum outro estudo é mais adequado para tal
finalidade do que o EIA.
Muitas são as críticas feitas ao EIA/RIMA, mas a
mais recorrente é a de considerá-lo como um
entrave ao desenvolvimento econômico. E é por
esse motivo que surgem propostas para
restringirem a sua exigência a um número cada vez
menor de atividades que degradam o meio
ambiente.
FIM.