Você está na página 1de 31

Antifúngicos

Gabrielly Borges Machado


Faculdade Atenas
08/11/2016
Leveduras
Fungos
• Leveduras: formas arredondadas
– Microbiota do homem
– Imunodepressão: infecções localizadas ou disseminadas
– Candida sp

• Filamentosos: forma tubular (bolores)


– Não faz parte da microbiota
– Portas de entrada: VAS ou quebra na barreira epidérmica
– Aspergillus: fungo oportunista (transplantados de medula óssea e
neutropênicos)
Introdução

• 1939: descoberta do 1º antifúngico (Griseofulvina)

• Últimas décadas - aumento de infecções fúngicas


– > No. de imunodeprimidos: AIDS, transplantados,
doenças auto-imunes, neoplasias
– Uso indiscriminado de ATB
– Procedimentos médicos invasivos
Micoses
• Micoses superficiais: causadas por fungos
dermatófitos
– Afetam a pele, unhas, couro cabeludo ou mucosas
– Dermatomicoses: Tinea capitis, Tinea cruris,
Tinea pedis, Tinea corporis, Onicomicose
– Candidíase muco-cutânea: vaginal, oral
Classificação das Micoses
• Superficiais:
– Cutâneas: Dermatomicoses (Tinhas, Onicomicose), Ptiríase versicolor
– Subcutâneas:
• Esporotricose
• Micetomas, Cromoblastomicose
• Sistêmicas: fungos dimórficos
– Paracoccidioidomicose, Histoplasmose
• Oportunistas:
– Candidíase (cutânea, mucosa, disseminada), Criptococose
– Aspergilose pulmonar
– Pneumocistose
Ptiríase versicolor

Tinha corporis e pedis Onicomicose


Esporotricose:
lesão ulcerada no
ponto de
inoculação, com
linfangite nodular,
extremidades

Cromoblastomicose: nódulos
cutâneos verrucosos, pós trauma,
crônica, membros inferiores
Micetoma: infecção crônica,
massa tumoral com fístulas,
extremidades, pós trauma
Candidíase cutânea
Fatores de risco para infecções fúngicas
• Diabetes
• Transplantes de órgãos
• Neoplasias: hematológicas
• AIDS
• ATBterapia de amplo espectro, prolongada
• Corticóides
• Quimioterapia
• Dispositivos invasivos: SVD
• Queimaduras
• Pacientes Cirúrgicos Paracoccidioidomicose
• Doenças auto-imunes
Classificação dos Antifúngicos
• Griseofulvina: 1º antifúngico usado
• Poliênicos: Nistatina (tópico), Anfotericina B (sistêmico)
• Compostos azólicos: mais usados
• Flucitosina: Análogo de ácidos Nucléicos
• Equinocandinas: mais recentes
• Outros antifúngicos
• Sulfametoxazol + Trimetoprim: ação sistêmica
Mecanismos de ação
Inibição da síntese de Ergosterol da
membrana (Azóis)

Ligação na membrana causando sua


desintegração (Anfo B)

Inibição da síntese de DNA (Flucitosina)

Novos fármacos: agem na parede celular


fúngica (Equinocandinas)
Compostos Azólicos
• Antifúngicos mais usados: micoses superficiais, sistêmicas e oportunistas
• Característica comum: anel azol

• Azólicos 1ª geração: mais antigos


– Cetoconazol (ação sistêmica)
– Clotrimazol, Miconazol (tópico)
– Mais eventos adversos, < espectro de ação, micoses superficiais

• Azólicos 2ª geração: mais recentes


– Fluconazol, Itraconazol, Voriconazol
– Ação sistêmica, menos eventos adversos, > espectro de ação
– Micoses superficiais e sistêmicas
Compostos Azólicos

• Mecanismo de ação: inibem a síntese de Ergosterol da


membrana fúngica

• Principais eventos adversos:


– Intenso metabolismo hepático: hepatotoxicidade,
interações medicamentosas
– Teratogênicos: evitar na gestação e lactação
Cetoconazol
• Uso tópico (pomada, creme, xampu) e sistêmico (oral)
• Maior toxicidade
• Não apresenta seletividade: inibem a síntese de esteróis adrenais e
gonadais (diminui a produção de cortisol e testosterona)

• Indicações:
– Micoses superficiais (cutâneas e subcutâneas): Dermatomicoses,
Ptiríase versicolor, Esporotricose, Cromoblastomicose
– Dose: 200 mg, 1 ou 2 x ao dia (sem. a meses)
Fluconazol
• < toxicidade: não apresenta os efeitos adversos endócrinos do
cetoconazol (azol seletivo)
• Espectro de ação: leveduras (Candida, Cryptococcus), dermatófitos
• Apresentação oral (150 mg) ou IV (amp. 200 mg)
• Excelente penetração em meninges
• Teratogenicidade
• Hepatotoxicidade
Fluconazol
• Indicações clínicas: micoses sistêmicas e superficiais
– Candidíase (vaginal, oral, esofágica, peniana)
• Vaginal: 150 mg oral dose única

– Meningite fúngica (Neurocriptococose)

– Dermatomicoses: Onicomicose, Ptiríase versicolor, Tinea


• 150 mg / sem por 2 a 6 sem (até meses)

– Profilaxia em transplante de MO
Itraconazol
• > espectro de ação, < toxicidade (s/ efeitos endócrinos adversos)

• Espectro de ação:
– leveduras, filamentosos, dimórficos

• Apresentação oral: comp. 100 mg 12/12 h

• Indicações clínicas:
– Micoses sistêmicas: Paracoccidioidomicose, Histoplasmose (6-12 meses)
– Micoses subcutâneas: Esporotricose, Cromoblastomicose (6-12 meses)
– Micoses superficiais
Novos Azóis

• Voriconazol:
– Amplo espectro de ação: fungos oportunistas (Candida,
Aspergillus)
– Apresentações: IV e oral
– Indicações: uso restrito
• Micoses sistêmicas graves em imunodeprimidos:
Aspergilose pulmonar, Candidíase sistêmica,
Criptococose
Anfotericina B
• Antifúngico mais eficaz para micoses sistêmicas e oportunistas
(desde década de 50)

• Potente fungicida

• Amplo espectro de ação:


– Maioria dos agentes de micoses sistêmicas e oportunistas:
Candida, Histoplasma, Paracoco, Cryptococcus sp, Aspergillus
– Protozoários (Leishamnia sp)
Anfotericina B
• Mecanismo de ação: se liga à membrana causando sua
desorganização e morte celular

• Ação sistêmica, uso parenteral (infusão EV lenta)

• Anfotericina B convencional (desoxicolato): > toxicidade

• Formulações lipídicas (Anfo B Lipossomal): < toxicidade, alto


custo
Anfotericina B
• Indicações clínicas: micoses sistêmicas graves, invasivas
– Histoplasmose disseminada (AIDS)
– Criptococose (AIDS)
– Paracoccidioidomicose grave
– Leishmaniose visceral e LTA

• Eventos adversos: Nefrotoxicidade (NTA) reversível,


hipersensibilidade, flebite, mielotoxicidade
• Gestação / Lactação: permitida
Nistatina
• Antimicótico semelhante à Anfo B – estrutura química, mecanismo
de ação
• Uso tópico (cremes, pomadas) e Oral (suspensão): infecções
superficiais por Candida sp
– Candidíase vaginal: uso tópico
– Candidíase oral, esofágica: uso oral (bochechar e engolir)
• Não tem absorção sistêmica
• Efeitos adversos – raros (não há absorção sistêmica)
Equinocandinas
• Mais nova classe de antifúngicos, alto custo
• Caspofungina: principal representante
• Inibem síntese da parede celular
• Apresentação IV
• Espectro de ação: fungos oportunistas (Aspergillus sp, Candida sp)

• Indicação: micoses sistêmicas e oportunistas resistentes


– Aspergilose Invasiva refratária
– Candidíase Invasiva
– Profilaxia em transplantados e neutropênicos graves
Flucitosina
• Impede a síntese de DNA
• Apresentação oral e EV
• Raramente é usada sozinha
• Associação c/ Anfo B: sinergismo

• Indicação clínica:
– Meningite criptocócica (associada à Anfo B)
Griseofulvina
• Indicada nas dermatomicoses
• Ação sistêmica, apresentação oral
• Mecanismo de ação: inibe multiplicação fúngica
• Distribuição ampla nos tecidos queratinizados: pele, pelos, cabelos e unhas

• Indicações:
– Tinea capitis – 4 a 6 semanas
– Tinea corporis – 2 a 4 semanas
– Tinea pedis – 4 a 8 semanas
– Onicomicose - 6 meses
Outros antifúngicos tópicos
• Terbinafina: rápida penetração em unhas

• Ciclopirox

• Tolnaftato

• Micoses superficiais: Dermatomicoses, Onicomicose, Ptiríase versicolor

• Dose: 2 vezes ao dia, por 7 a 21 dias


– Onicomicose: 2 a 6 meses (associar antifúngico sistêmico)
Fármacos contra micoses cutâneas

• Clotrimazol: tópico
• Miconazol: tópico
• Nistatina: tópico
• Ciclopirox: tópico
• Cetoconazol: oral e tópico
• Griseofulvina: oral
• Terbinafina: tópico
Fármacos contra micoses subcutâneas e
sistêmicas
• Anfotericina B
• Fluconazol
• Itraconazol
• Voriconazol
• Caspofungina
• Flucitosina
• Sulfametoxazol + trimetoprim