Você está na página 1de 12

Suprimentos

Roteiro:

1. Cadeia de suprimentos
2. Função compras
3. Seleção de fornecedores
4. Relacionamento cliente / fornecedor
5. Avaliando a qualidade
6. Norma ISO 9001:2000 e sua aplicabilidade na função compras
Cadeia de Suprimentos

As empresas tem adotado várias


metodologias para acompanhar a crescente
evolução no trânsito de produtos acabados
ou matérias-primas.
Centros de distribuição perto de seus clientes
são formas de aproximação com o cliente
final.
Cadeia de Suprimentos

A cadeia de suprimentos é definida como um


grupo de empresas que fornecem todos os
processos necessários para a fabricação de
um bem acabado.
A cadeia inicia com a matéria-prima e termina
com o bem entregue ao cliente final.
Por exemplo, se o produto é uma peça de
mobília de madeira a cadeia se inicia com a
retirada da madeira da floresta e termina com
a entrega do produto instalado no cliente
final.
Cadeia de Suprimentos

Slack (1997)
A cadeia de suprimentos parte de princípio de
que a cadeia produtiva não existe
isoladamente, é interconectada com outras
operações que fazem parte de uma rede maior
que inclui fornecedores e clientes. Também
inclui fornecedores dos fornecedores e
clientes dos clientes e assim por diante.
Cadeia de Suprimentos

As redes de suprimentos onde as empresas


se encontram tornaram-se mais complexas
nos últimos anos.
O estudo das relações na cadeia de
fornecimento aponta um desbalanceamento
dentro da área de gestão de operações.
Apenas ultimamente a área de gestão de
operações passou a se debruçar sobre as
questões de relacionamento entre as
empresas.
A Função Compras na Cadeia

O departamento de compras estabelece contato


com os fornecedores para adquirir materiais e
serviços.

Alguns desses materiais e serviços são


utilizados na produção de bens e serviços e
vendidos aos clientes. Outros materiais e
serviços são usados para auxiliar a empresa
a operar.
A Função Compras na Cadeia

Esses fatores são denominados os 5 corretos de


compras:

1. Preço correto para gerar vantagem de custos


2. Entrega no momento correto para gerar maior
velocidade de entrega do bem final ao consumidor
seguinte da cadeia de suprimentos
3. Produtos na qualidade correta para gerar vantagem
em termos de qualidade perante o elo seguinte da
cadeia
4. Na quantidade correta para usar os produtos
racionalmente
5. Da fonte correta que se traduz em uma combinação
de preço, prazo e qualidade.
A Função Compras na Cadeia

Os compradores também devem estar atentos ao


número ideal de fornecedores para cada negócio
baseados em uma política de relacionamento com
os fornecedores que pode gerar:

1. Aumento do conhecimento entre as empresas


2. Homogeneidade dos materiais fornecidos
3. Obtenção de melhores condições de fornecimento
4. Dependência monitorada em relação ao fornecedor
O processo de seleção dos Fornecedores

Os compradores buscarão no mercado o melhor


pacote de benefícios econômicos, técnicos e
legais.
Essa busca de fornecedores pode ser feita
através de catálogos comerciais, pesquisas
por computador, telefonemas para outras
empresas, a fim de obter recomendações e
através de feiras setoriais.
Entretanto, o melhor lugar para consultas é a
internet.
O processo de seleção dos Fornecedores

Não é incomum que as empresas mantenham


relacionamentos comerciais de 20 anos ou mais sem nem
sequer terem um contrato formal.

Um exemplo claro deste relacionamento são os pedidos


programados como forma de um acordo entre cliente e
fornecedor para manter preço e qualidade para o cliente e
venda e garantia de compra para o fornecedor.

Esse relacionamento produz integração entre cliente e


fornecedor com o objetivo de trocar informações e reduzir
as perdas por processos normais de compras e essa
integração propicia tal amplitude que acaba por beneficiar
ambos
O processo de seleção dos Fornecedores

Troca de

Acordo financeiro
Fornecedor Cliente

Monitoramento do desempenho

Logística

Capacidade

Fonte: Slack. 1997. Pág. 435


O processo de seleção dos Fornecedores

Selecionar poucos fornecedores permitirá que produzindo em


escalas maiores, eles tenham redução de custos e tenham
preços interessantes.
Não adianta ter, por exemplo, um universo de quinze
fornecedores para uma peça, pois cada um deles vai fazer
uma quantidade mínima a custos altos.
O melhor é ter três ou quatro que garantam o volume e gerem
redução de preços.
A análise do desempenho do fornecedor deve ser considerada
uma prática benéfica e deve estimulá-lo.