Você está na página 1de 16

Neuropsicologia e (Re)habilitação:

do diagnóstico à estimulação
cognitiva

Prof. Dr. Fernando José Silveira


Neuropsicólogo – USP
Mestre e Doutor em Psicologia com ênfase em Avaliação Psicológica – USF
Diretor Clínico – Clínica Luria Espaço Terapêutico Desenvolvimento e Pesquisa
Professor do Instituto de Pós Graduação e Graduação de Goiânia - IPOG
Atribuições da Neuropsicologia

Neuropsicologia

Avaliação
Reabilitação
Neuropsicológica
Reabilitação Neuropsicológica (RN)
• A RN consiste em um conjunto de práticas que
têm como objetivo reduzir os efeitos de déficits
cognitivos, alterações comportamentais,
emocionais e mudanças decorrentes de
disfunções do sistema nervoso central (Wilson,
2008).
• Durante o processo de RN, buscam-se reduzir os
déficits e alterações de desempenho dos
indivíduos em atividades laborais, educacionais e
de vida diária, melhorando a qualidade de vida
dos pacientes e familiares (Frison et al., 2017)
Dúvidas sobre o processo de RN
• Quando começar a reabilitação neuropsicológica?
• Existe um tempo limite para iniciar o trabalho?
• Que tipo de trabalho será feito?
• Quais os profissionais devem ser procurados?
• Quanto tempo leva o tratamento?
• O paciente vai atingir um estado “normal”?
• Pode acontecer cura com a RN?
A importância da compreensão da
dinâmica cognitiva
• Inteligência
• Funções Executivas
• Linguagem
• Memória
• Percepção
• Praxias
• Atenção
• Habilidades Acadêmicas
Avaliação Neuropsicológica
• A avaliação neuropsicológica, ao lado de toda
compreensão cognitiva, deve contemplar testes e
tarefas que englobem os aspectos emocionais e
comportamentais dos indivíduos, bem como a
consciência de suas dificuldades. Para tanto, é
relevante utilizar testes, questionários e escalas
padronizadas e normatizadas para a população à qual
se pretende investigar (rodrigues, Wagner &
Holderbaum, 2017).
• É importante se considerar a validade ecológica, ou
seja, em que medida os testes retratam realmente as
atividades de vida diária do paciente (Sborne, 1996).
A Plasticidade Cerebral
• A plasticidade cerebral explica o fato de certas regiões do cérebro
poderem substituir as funções afetadas por lesões cerebrais.
Como tal, uma função perdida devido a uma lesão cerebral pode
ser recuperada por uma área vizinha da zona lesionada.

• Depende da idade do indivíduo, área da lesão, tempo de


exposição aos danos, a natureza da lesão, a quantidade de tecidos
afetados, os mecanismos de reorganização cerebral envolvidos,
assim como, outros fatores ambientais e psicossociais.

• Incluiem modificações neuroquímicas, sinápticas, do receptor


neuronal, da membrana e ainda modificações de outras estruturas
neuronais.

(Mateer e Kerns, 2000)


A Neuroplasticidade e a Reserva
Cognitiva
• Por reserva cognitiva entende-se como o
conjunto de recursos de processos cognitivos e
redes neurais subjacentes ao desempenho em
tarefas que possibilitem ao indivíduo, após uma
lesão cerebral, melhor se adaptar às
consequências e possíveis limitações decorrentes
do trauma neurológico (Stern, 2009).
• Estão vinculadas à escolaridade, hábitos
saudáveis, leitura, dentre outras.
Sobre a Avaliação Dinâmica
• De acordo com Salami e Sarmento (2011); Nikaedo, Piz e
Orsati (2017), a avaliação dinâmica tem sido utilizada como
uma propsota que prioriza o potencial de aprendiagem. A
ênfase é dada, não ao que foi aprendido.

Normalmente existem dois formatos:


• Modelo Sanduíche – dividido em teste e reteste (antes e
após a intervenção) e o avaliador chama a atenção para os
principais pontos da tarefa e explica questões
fundamentais para a resolução.
• Modelo Bolo – item a item (camada por camada). As
instruções e feedbacks são dados concomitantementes,
utilizando estratégais interventivas por meio de dicas
visando o sucesso e a motivação.
O Planejamento da (Re)habilitação
• Diferenças entre REABILITAÇÃO COGNITIVA e
REABILITAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA (RN).
• Segundo Nevelli; Cânon (2012), existem diferentes
formas de se planejar a reabilitação do paciente,
variando de acordo com os objetivos do tratamento e
dos resultados que se deseja obter. Por exemplo, ao
verificar um déficit em uma tarefa de nomeação de
objetos, essa função cognitiva será “treinada”.
• A RN tem uma visão mais ampla de tratamento, visto
que envolve o paciente e a família em busca de
melhoras cognitivas, emocionais, comportamentais e
psicossociais.
O Estabelecimento de Metas
• Tabalhar como o foco na redução do impacto
das deficiências favorecendo atividades que
lhe façam sentido e o incluam na vida social.
• Processo de discussão e negociação das
prioridades a seem dadas ao tratamento
(Playford et al., 2009).
• Manter claro os resultados.
Por que estabelecer metas em
reabilitação neuropsicológica?
• São resultados que se espera alcançar. (Ex.
TEA, TDAH, deficit intelectual leve).
• Traz propriedade técnica, motivação, prevê se
a utilização dos recursos utilizados pelo
terapeuta estão mostrando resultados para o
paciente e para a família.
• SISTEMATICIDADE.
• Avaliação do impacto do tratamento no dia a
dia (validade ecológica).
Fatores a serem considerados no
Processo de Estruturação Metas
• Dificuldades cognitivas podem prejudicar a
percepção do pacinete frente suas prioridades;
• Processo de mudança de identidade;
• Conhecimento de esclarecimento dos pacientes
e familares em relação ao diagnóstico;
• Deve tentar mediar o desejo de todos os
envolvidos (paciente, terapeuta e familia).
• Utilização de técnicas e protocolos de registros
claros e cientificamente consistentes.
RN e Técnicas Comportamentais
• Visa (re)adaptar o paciente tanto nos aspectos
cognitivos, quanto emocionais,
comportamentais e psicossociais.
• As ciências comportamentais podem auxiliar
na estruturação do programa.
• Tratamento baseado em evidências empíricas.
Alguns conceitos importantes sobre o
Comportamento
• Reforçador - Positivo e Negativo
• Reforço Imediato e Intermitente
• Punição Positiva e Negativa
• Extinção
• Aprendizagem por Tentativa Discreta
(Task Analyses)
• Custo de Resposta
• Ambiente Estruturado X Não Estruturado
www.clinicaluria.com.br
(35) 34210550
neurofjs@gmail.com