Você está na página 1de 183

| 



@ @
@
 




@
=  | @
 ||
=  @
=  @
  


0   

      !
0    

 "

 # " $ 
%  
  @   
|&  !' 
à    
 

[  (      ) 


*  )    ' "&    
*    &+   
 $        *     '
  ,) $  )

°   

=
    
=      
=   
= 
=   
=    
= °  
à   
 

[ @ @

  @
 

     |@@@
|
@   ) $  *  
,-   ).   
  )  |  
 
@
|@@  '/ 
 !"#
$ %   
&'  ()
 + 
  ,-   
*  
  $  

    !*
  %  
  
* !   $  %       
  
    ° %  
 !"#
$ %   
&'  .)
  
/ !0  
*   / 11 2 
 °  2

  % + *$


 °3   4    '    
+   
   &     
    
56 +° "72#
8 +° "!# + 9
 :       ;3   <=>.?@
 +   A   
   !  !;5<=>>)@
 °3 &$ <=B@C    3  %  
 C3    % D   
 : °*  

  % °  
   %    0
° %  
  &%
&*     °  % 
 E - 
   °  
56 +° "72#
°+"F°  &+2  & !;5
1.Assumir o gerenciamento ambiental como expressão
de alta prioridade empresarial através de um
processo de melhoria contínua em busca da
excelência.
2.Promover, em todos os níveis hierárquicos, o senso
de responsabilidade individual em relação ao meio
ambiente, segurança e saúde ocupacional e o senso
de prevenção a todas as fontes potenciais de risco
associadas às suas operações, produtos e locais de
trabalhos.
3. Ouvir e responder às preocupações da comunidade
sobre os seus produtos e suas operações.
4.Colaborar com os órgãos governamentais e não
governamentais na elaboração e aperfeiçoamento de
legislação adequada à salvaguarda da comunidade,
locais de trabalho e meio ambiente.
56 +° "72#
°+"F°  &+2  & !;5
4. Promover a pesquisa e desenvolvimento de novos
processos e produtos ambientalmente compatíveis.

6. Avaliar previamente o impacto ambiental de novas


atividades, processos e produtos e monitorar os
efeitos ambientais das suas operações.

7. Buscar continuamente a redução dos resíduos,


efluentes e emissões para o ambiente oriundo de
suas operações.

8. Cooperar para a solução dos impactos negativos ao


meio ambiente decorrentes da disposição de resíduos
ocorridas no passado.
56 +° "72#
°+"F°  &+2  & !;5
h. Transmitir às autoridades, funcionários, aos clientes
e à comunidade, informações adequadas quanto ao
riscos à saúde, à segurança e ao meio ambiente de
seus produtos, operações e recomendar medidas de
proteção e de emergências.
10. Orientar fornecedores, transportadores,
distribuidores, consumidores e o público para que
transportem, armazenem, usem, reciclem e
descartem os seus produtos com segurança.
11. Exigir que os contratados, trabalhando nas
instalações da empresa, obedeçam os padrões
adotados pelo contratante em segurança, saúde
ocupacional e meio ambiente.
12. Promover os princípios e práticas da ³Atuação
Responsável ´ , compartilhar as experiências e
oferecendo assistências a outras empresas para a
produção, manuseio, transporte, uso e disposição de
produtos.
&++G!"°+
"&H+5"&#
&++G&+"" !"#&I##
 JKIKI 5 +

  4   $ %   '  0   8°3 


    " : 9    0    + L  &0 M 0D 
  8&   D   %   $ %  9K 
 $ %   '        
   : D             % K
&++G&+"" !"#&I##
 JKIKI 5 +
 1-     C   %    
*   K     % ' 1    % D 
   3  K   -       
      0  0   , *  
 3  1    & ° 3 D   ,  $ 
'  1 $     K        
      : D   $    , %      
  3   %  D    1   
 % K          $   %
    K

°       3$  ,    D  C 


       $3$D       ,  
      K
Carta Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável
Princípios de Gestão Ambiental - 1hh1
 !"#
$ %   
&'  >)

    %
 + M>B<         @
*  
 <    ' @
 ° % ,  * &, % 
 °3    &$ $ *$
 "   %   
+  
/ !((?),  , $    
" $ 
L
& , 
/    L
/  =N)))       ,     
2 #56 &  " &+"" !"#
Consciência Saneamento Básico Clube de
Roma

Controle Controle da poluição Conferência


Industrial de Estocolmo

Planejamento Estudo de Impacto Ambiental Bhopal


Gerenciamento de Resíduo Chernobyl
Sólido Exxon Valdez
Globalização Atuação Responsável Conferência
Gerenciamento Integrado do Rio de
Auditoria Ambiental Janeiro
Avaliação do Ciclo de Vida
Sistema de Gestão Ambiental

+6 !"#
2 #56 &  " &+"" !"#
 .  | (   

|   ' 0 $& 


 ) 
|   "&  ) & 

) 
 
 &   | - 
 


  


| "2 
 & 01'  | & 
 )&+
*   
  $ 
$2 
  $@ 1$
)
|  

'-   +*      


 
 )   /' 

)/'   $
 
'3 
   /'0/'
$'
.   

  
$$ 
2 #56 &  " &+"" !"#

    
°  %
$ $  
   
  
° P  
 

   
° %    O
  
    +%  
!* 0   3
1960 1970 1980 1990
2 #56 &  " &+"" !"#

    
°  %
$ $
 
  
;  
  
+   
      O
  
   
+%  
 K KKK
0   3
D000 a D010
2 #56 &  " &2 !"#°++#




  L    

  L  L
L
7 & !"#"°+

=      %

=  $ 
7 & !"#"°+

"3$=Q   

        

      $ %     ° % 


°    °   2  

 $  8I   9 


7 & !"#"°+

"3$BQ  

    C # +      

        

        


7 & !"#"°+
"3$RQ  °  "  " :

 1° 3 &+ %   

  &, +       %

 I*- +  

     °     

 " $  % &0  C    


    
7 & !"#"°+

"3$NQ; +,-

   "     

   ,  


POR QUE AS EMPRESAS ESTÃO PRIORIZANDO
SISTEMAS DE GESTÃO AMBIENTAL?

= MODISMO ?
= MARKETING ?
= .................. ?
° +;5°#"+

"7+ # #
   $   " :  
        , 
&      <   @
1   #  %  
+&3 
0    % + 
$ $ C  % °  
° +;5°#"+

"7+ "+" "#

, % °  $% 


 !     1  %
I  /   E      
ß CARTA DE PRINCÍPIOS DOS
BANCOS DE FINANCIAMENTO PARA
O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
NOVA YORK -1hh2

ß PROTOCOLO VERDE DOS BANCOS


GOVERNAMENTAIS
BRASÍLIA - 1hh4
 
Princípios Gerais do Desenvolvimento Sustentável:

1.A proteção ambiental é um dever de todos que desejam


melhorar a qualidade de vida no planeta e extrapola qualquer
tentativa de enquadramento espaço-temporal.

2.Um setor financeiro dinâmico e versátil é fundamental para o


desenvolvimento sustentável.

3.O setor bancário deve privilegiar de forma crescente o


financiamento de projetos que não sejam agressivos ao meio
ambiente ou que apresentem características de
sustentabilidade.

4.Os riscos ambientais devem ser considerados nas análises e


nas condições de financiamento.

4.A gestão ambiental requer a adoção de práticas que


antecipem e previnam degradações do meio ambiente.
6.A participação dos clientes é imprescindível na condução da
política ambiental dos bancos.

7.As leis e regulamentações ambientais devem ser aplicadas e


exigidas, cabendo aos bancos participar da sua divulgação.

8.A execução da política ambiental nos bancos requer a criação


e treinamento de equipes específicas dentro dos seus quadros.

h.A eliminação de desperdícios, a eficiência energética e o uso


de materiais reciclados são práticas que devem ser
estimuladas em todos os níveis operacionais.

10.Os princípios aqui assumidos devem constituir


compromisso de todas as instituições financeiras.

Assinam,
Banco do Brasil S.A.
Caixa Econômica Federal
Banco do Nordeste do Brasil S. A
Banco da Amazônia S.A
Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social
Linhas de dito com ondicionantes mbientais

1KQ° 3       !"&S '  

8  *     C C   


 !"& $  *          D   
       %    K

                D 


 $-       $  ,   $  P   
   3     , *$9
Π
      L

=   %AC&  J3  * K

= J*      ;  K

= &      K

= +  #  %    K

= °     1 K

= !C& C  $ K


INVESTIMENTOS DO SGA X CUSTOS AMBIENTAIS

ORIGEM CUSTO

PRESSÃO DO PERDA DE MERCADO


CONSUMO ECOLÓGICO

LEGISLAÇÃO MAIS FORMAÇÃO DE PASSIVO


RESTRITIVA AMBIENTAL

CONTROLE AMBIENTAL MAIORES PRÊMIOS


INEFICAZ DE SEGURO

CONDICIONANTES AMBIENTAIS DIFICULDADES ABERTURA


PARA A OBTENÇÃO DE DE CRÉDITOS PARA
FINANCIAMENTOS INVESTIMENTOS
"2" & T5 !"

"2" + +" 

°#"6 +&56 &


5 !"

+6 °++26 M 5


& +&
COMPETITIVIDADE

Como a Gestão Ambiental Contribui?


ß Garantindo a Produção

Legislações Ambientais
Licenças para operar e ampliar as instalações
Disponibilidade de insumos: água, energia, ...

ß Garantindo Preço Baixo de produção

Reduzir investimentos em Sistemas de


Tratamento ( hídrico, gasoso e sólido )
Reduzir consumo unitário de energia e
matéria prima
ß Garantindo financiamentos

Protocolo Verde

ß Garantindo vendas no presente e no futuro

Imagem da empresa
Imagem do produto
Segurança no manuseio e destino
final do produto
Os ganhos obtidos com o bom desempenho ambiental

%$  


  $

Discrimi- Reciclados Economia em Economia em


nação (papel, metal transporte e trans.e dispos.
plástico,.... ) dispos.de pó de rejeitos
de exaustão moídos
Ganho
R$ R$ 64,6h t R$ 64,6h t
em R$

Ano 2000 32.000,00 68.000,00 41.0h0,00

Ano 2001 h3.000,00 74.000,00 40.872,00

Ano 8h.6h0,00 108.270,00 17.480,00


2002 out
Os ganhos obtidos com o bom desempenho ambiental

%$  


  $

Total dos Ganhos

Ano 2000 2.702.0h0,00

Ano 2001 2.723.872,00

Ano 2002 out 3.037.4h1,00


2#I °+&T !"#" ++

        '       $ 


T    : 
 :  $ 

  '     C  ' ' 
,13$      
T
       

 $     ,    "U      
T      A  %A
   

,%     ,%   *$ 


 '1$  T    P   '  
 
  % 
VISÃO DO NEGÓCIO
DA ORGANIZAÇÃO

TRABALHO EM EQUIPE
 
  
 

;5T°# ##6

+:   !   +   % 


$  %       
°+ &5  $   
      '   
° 
  /  

  + % 


$  %  
°+ J          "))=M.W
 /

+   % 
    
"#6V     ,  
  #  
° $ <+JDDDKKK@
° #F!"#Q°#"J" +X

    

ŒL



   
  
° #F!"#Q°#"J" +X

    

 
 
 
      
 L
 

= ° P   '      %

=    

=  2    

= $  %     

=  %    


      
 L
 

= ° P   '      %


2 

$ 

 

'| )  $
  $   &
|
@  | 
 



4   
 |
 |.  5@$ &
' % 

|@@@
@@ @

 )4 4' 


|) $
U# 


|  6 *  6
*  6 | 1 '6

  @
[
@


* ."6
| ."6
 ."
      
 L
 

= $  %     



  |
 
|@

=  )3 ' "& 

= ) )&  )3


 ' "& 
= )& 
   &+
 $ 
 |.  ' & 

1 ) 
  |  




@|@
 
@



=  )& @   



=  )($ &+
= @ )* 3 $&+)
)  $ &*  & $
* ) 
= @ )* 3 $&+ ) 
* * .  ' . 7 
=  
     
*     

@

@


@
 
 
 
. 
|@@ * 
 

@


,  
 +

 .4 
8' 
 


'  ' 
)

@|@ 
|@

 
@
 
@


 
 
 $ 6
 

6
@

   
 | * - 

 
  
6
@ 
6

@|@
 
@
@
 
@

@    )   $  $  


$ &   ' "&  *  )
9)   : .     

   ) )  $  ' $

, ) 3) 


$ 
& $)
@ ;
  .%' 

@|@
 
@@   |
 @

@ )  * <)/)) 


.  ' . 7  ( .   
 ' & 
 *   ' "& 
 |  $ " 3
 ! '

1  

  )" ) 


Ü  )3 ' "& 
Ü  )
Ü  '  )(  

@@@

 
@
@|@

 
@@   |
 @




%
 


@)      1   $1 


 $  *    )+  . &  
 ),        ,) - 
 * ) )%  (  
 $   . )  
  

, )     3)  ) 


   $    /  4 
    '      ; $ 


@@@

 
@
@|@

 
@@   |
 @




%
@|
 
 

 


Ü @    $  )   $  


1  *  ) 9)   : .   
 
 , )      ;
)   )      
 &+  "   / 

Ü
 )   $   
   )     )
4.         ) )&  
 1  $   &  
) $

@@@

 
@
@|@

 
@@   |
 @




%
@|
 
 

 


Ü
 &  $   

@|@
 
@ @   |
 @
|3'%    ."% ) 
 $
@|@ ) =. >  ' . 7 
ù%
@|
 
@   |
 

@ )  * .   )


   =. > ' . 7 
)" ) 

%  )3 ' "& ?

%  )?

%  '  )(  

' "& $)  "  $ 


  )$  
  ' .  $
ù%
@|
 
@   |
 

@ , )=. >

% ' &  ?

% *   ' "& ?

%   $ " 3?

% ! '?

% 1  


|
@@
9   &   ):

|
@@ ;

4. 9: .  1,


 )

$9
:  & 1' ). 


 

9  )-  $ *  ) 
 )   &  , )

)  .  1  


)  $
9:
 $ $$ 
)
| & 
) )

 9
:
 $     .  

)& 
  9: ))$  $  
&+  & 
) .  


 $ .  $   ) & )& 
@ 


| 

9    &+*   ) :

@  &   &  , )


)
 $@  3  
'   *  
  ) 
)& 


 )&  & 
'       / 

  9  & )   & 


)  * 
&+:


 @  &+ " 
 '    /)
   &+* 
)   )  ) 
   & 
| A|

9  . * )1 @ $   :

 -   &  , )

)1  . 


 $ ,   * 
  )
 )
'$ "& 

)1  )


 $ . 1 )
  )$ & $  
 .  $ 
)   .
 
@  

@|@
A|
@

@    )


)"$   '  . ' 
' "& 

    


 ))* )   
$ '  . ' ' "& 

   


|   ,) ' .  $
   ' 
.
' ' "& 

   


|/.    ))* )
  ' 
. ' 
' "& .  $$

  
|A|
@

 31,) $* ) 


 31' -  

[)*  $ ) 


).3* )  
$  ) U1' - 
 )  $ 
[)* $1 $"'
$1$ ).3* )  
) U1' - 
 )  $ 

     . & 


*  '  &+.3
* )  ) 
odelo de itios de lassificação dos mpactos mbientais

@  

  
|A|

Rara Eventual Provável Frequente

Desprezível Não Não Não Secundário


Significativo Significativo Significativo

Leve Não Não Secundário Significativo


Significativo Significativo

Crítico Não Secundário Significativo Significativo


Significativo

Catastrófico Secundário Significativo Significativo Significativo


odelo de itios de lassificação dos mpactos mbientais

@  

  
|A|

Rara Eventual Provável Frequente


1 ponto 2 pontos 3 pontos 4 pontos

Desprezível
2 pontos 3 pontos 4 pontos 4 Pontos
1 ponto

Leve
3 Pontos 4 pontos 4 Pontos 6 Pontos
2 pontos

Crítico
4 Pontos 4 Pontos 6 Pontos 7 Pontos
3 pontos

Catastrófico
4 pontos 4 pontos 6 pontos 7 pontos 8 pontos
i ii
   i
i  
      i
  
  i


 
  tendimento a Legislações
   nacionais, locais e intenacionais
mpimento de omas cnicas, eglamentos

adões dotados, ocedimentos
 mpimento de olíticas

ompomissos sbscitos o

ompomissos com apimoamento contíno

emandas de ates

nteessadas

 spectos conômicos
 stos, aifas
i
i  ii

i ! 


  
i "      
  
 
| 

@

|@@
 


  |
@
@|@ 
|@

|

|
@
@|@ 
|@




@
@|@ 
|@


 @

@   |B|
@
@|@

 @

 |

@|
@   |
  @   |
 

@ 
|
@
@|@
@   |
 @

 

8 @
 
  |
@
@|@
 
@

ATIVIDADE ASPECTOS IMPACTOS CLASSE


Benéfica Adversa
;
@
@|@
 
@
 % -     $  °   

<"@"   <=@ &3$ <=@ + 


<@    <&@ & <°@°   <B@ #$ <B@ $ 
<+@+ <@ <@   <R@ 3 <R@ ° $*$
<@ <N@   :, <N@C
@   |B|
@
@|@
 
@
#  % ° A  4  &% °  
  YZW

nfatiza spectos qe


 o  possam facilita o
pocesso de ioização
      
 L
 

=  %    


@ @
@
 


 


@ @
@
 


 


@ @
@
 

 |

 


   ) 


| ) 
 


$ &     )

  


 

' "& 
@
| @ | @
| @@@
 
@

=    ) & ' "&  


  & /' 
=    &+).  & 
 
' "& 
= |   % ' ' "& 
= @ ) 9 1$ $ &+
,/'@' "& :
= $ ,).  * 
' "& 3&  



  |
 
|@
 
@

=
$ 1'   )3
 ' "& 

=  .   &+* $ 


)  "&+ $
!#" &° #F!"#& +"G6

= &  &4 <  @K

=    P: $      $ 


 $ ,   C   %   K

=  '  P$  '        % K

= "    %      , ,      % 


*  $*$K
°+"F° M° #F!"#
1 3 Q
°$ %   ,      : D   D
$    A  K
"  $             
 CA $   K
0    5 ° $      
$  %  K
"0 P *$ $   $    %   
  DC      0   $   
   - K
   %   '$   D*/ '
     K
&$     ,   $%  
    D   0 *   
  $     K
, ) 
  )
 111 D  ,                 
     &$ $ *$   % + *$D
  %      3     %AQ
=/ + 0              [
B/        ,      D   
[
R/     $ $       
     [
N/ °C   $ $     $ D     $% D
P$  0   3  0  [
?/ &$ $         $%   %  
[
W/ $   $   ,      $  $ D
    $% [
(/ °  $ P      %       
 [
./ &                $ D
    $%    ,   [
>/ +    %A        D
       ,%     [
=)/     %A   0  [
==/    C    ,*     
 D  /     $A : K
@ @
@
 


( 
@ @
@
 


#


    "&  & 


$ &    
    )



 


 & ' 


 

 
"5 "#G6 &5"6  &
;5#&&!"#

 &,         


+    %     % K

    C %  %    


 %A    % K

   %  $       K

  -       % K


#! +6 & °+ +& !"#

= X4 D    <1 R  @, K


= #$     %    0   P  K
=  ' P$ ,    1 K
= &$        D$%   K
= °    /°   K
= \,     $   $% $ $ K
=     0  ,  

=  QW BN<%    $ *$1:      % @K


#$%&'()$*#($)

,i
-.
+
   i

i
  i


,i
-. i
.
 
  i

i
  i


,i
-. i
.
+
 i
  

 i
  i
  i


|

 |

#  #  # 


 ù



 

 ù
Ü * $ . 
Ü    
Ü  1. 
Ü   4)1$
Ü  $  
, )
& 
    +C  '  P$   
  #   
0 

° A     


A ° %  ;    ° A        
     ° A   A +C # 
°   A

  +=))
  O  "3$ +  %  0  $  %A° $ 
 / °%   G       
   

"  
 %    /  , % D " *$    +B)] 
+3   %     K  %   % K
°      & %  +3 
+3  °  
  timiza o geenciamento de esídos sólidos

@

.   $) " $  '


) )"* 4# 0  

 " & .  / '


 )
 ù 4"0  
 C 4"0 ù
 D 4"0 
   

 .  $) ) & 


4
# 0  
 )CE
4"0  
 )E
4"0 ù
 E )

3 "'  ) &  )1  


/ 40  
  timiza o geenciamento de eflentes líqidos


@

 " &  '- . * 


 ùE & @ 4  4"0  
 &  '- . * 

  $  ") '


.  @0  
  timiza o geenciamento de emissões atmosficas


@
  )'     
*  . ' ). 

.   $) "  +. '  $ )


'7 $1 4"0  

)       1 


*   0 ù
 E&+)$ '  ) & 
.)

 "   4# 0 


  edzi consmo de insmos


@
3 &'4 .   "  
FE  
CE  ù
 E  
  

 " CE 1'    & @ 4


"0  

 " ùE 1'    & @  4


"0 ù

 "  E 1'    & @ ù4


" 0 
 | 1' 9 ù0 -:
  inimiza o incômodo paa comnidade qanto à
emissão de ído

@
   1   &    
$4/' .  "& * .  "
 $  )  2 )  4
 0  

  dota posta póativa com elação a


comnicação intena e extena

@
$$  $ )
    '- 4" 0  

 . )  )&  $ &  


4" 0  

) )*  .& * @)@@


(   $  4
'0  
  edzi os iscos ocpacionais associados às atividades da empesa

@
$$ )' '    )
 )

$ E4"0  
 E$ 

) E&+* $    "


,) &  )  "
 E&+ ) 

) E&+* $   3


)& ) /  )'
 E&+ ) 

) E&+|
* $    "$
,) &    3
 E&+ ) 

 "E, ) / 4"0  


 E,  "
  onsolida clta de egança, eio mbiente e aúde  
como valo

@

). &   $ '&  . & 
  & $ ))  4
0  
 /
 $

|       )  @@


,4
0  
 /
 $

3    $&   "& 


  "& * @@4
0  
 /
 $

3 )3' & $ $



@
CE  
CCE  ù
GE  
 
@
  onsolida clta de egança, eio mbiente e aúde  
como valo

@

 " '  *  ' * @


@@'  )(40 ù
 
 )3 '  )& 
@   @@% . ) 

$   '   '  7 


* ' &)40 ù
 
 )3 '  )& 
@   @@% . ) 

$   '  @@)4) 


* ' &)40 ù
 
 )3 '  )& 
@   @@% . ) 
  !ticas de pevenção da polição e contole de emegência


@
 .  $) )1  4

'0 
 .  $ 3   * 
* "0 ù
 1.  )/    . & 


$  )   "&  * * 4

'0  


$   ||   - * 
      ) & 4
"0  
 |'  )& @


$     & 9) !:)* ) 
 ) 4"0  
 |'  )& @
  !ticas de pevenção da polição e contole de emegência


@
&  /' 4"0 ù

@   .  4"0 ù

) &+1 )  "& 


)0 )  ) '0 4
"0 ù
) GE&+4"0  
)  E&+4"0 ù
)  E&+4"0 
 E&+ ) 
!J2 !"
<T°# @
| ) ) 

S      C    %A 
 ( $ 
=/    %  =/ =))]    % 
  *$      ',   K
$   C
    P 
    %A B/      %   
       D *$E $  =))] 
C      ' ,   
!J2 !"
<T°# @
!S !      D   C  
  D     $ $   $%  
 % K
 ( $ 
B/      =/ =.0*  M0   'B :  
*     B/ =B0*  M0   'N :  
    0  R/ .0*  M0   'W :  
*    0
R/ +   
 '    =/   C ' ,       
  ,  %   '  P =.^ M0 
$P ,  
N/ &  C  
      =/     %   =))] 
3        3  ' ,   
 
!J2 !"
<T°# @
S  C   D  C ,      $
0   3   ,    
 ( $ 
=/ °  $  *  =))]
 , *   % ,  
?/  
      B/      
3$,    3,     ,%A '
             '-
     :  K
R/  =))]      %A
 $      C % 
  $      K
!J2 !"
<T°# @
S    ,   3  $      
0   


 ( $

=/       '  D 


(/    $, %      
     $  %  D    
:     
"5#& !"#

=       %  °    K


=  'Q
°3     K
° 3      % K
°     K
      % %AK
#  % M"  M+   %   $ K
° A&0   K
° A K
*    %A $ K
@ @
@
 


) & 
)& 
@ @
@
 

) & )& 

)& ' 


 


|) 

/ 
 )3

°#"6 & °+ +&
 !"#
=          P$  
  K
=      %  
 ,  N  Q

=/       

B/ + : &0  


 "+ # °+ "#
=                 
   K
= , % $     %A %AK
=    %  $ *$  $ 
  <  M*  M0 MKKK@
= ° P D&$ $ " $ °  $% K
= &0 C    % 
 K
= C %  :      
 $ K
=  ,   ,  %AK
+#
+ &&°"I !"#

=   D,  $ D' D  D


  :  K

=      ,%   K

/    °  K

/
  K

/   %A"  $  K

/ 5$ K
+#
+ &&°"I !"#

= :  &0      % K

= 3 &0 +    


  % K

= ,   ,  &  °$ K

= %A $ °     +  


    K

= +  %AK


@ @
@
 


 . & 

&+| $
@ @
@
 

 . & 
&+| $


&+| $

 & ' 


 

6V ++2

= "   $  °$$ K

= 0  ° A&0   % 


°  K

= &,%   -   */


< D   D  DKKK@
@ @
@
 


$   


)


  & 

  
 

  


 

' "& 

 
@
 
@

=    
 $    
|.    ' 


=     @
4 .   ) 
| )    
 
' "& 
ii 
i ii
  i

i/$0##1*#()#(123/#
*3*/// *0#($/

4$$%& (1$)# *3$1/

')$/ i/$0##1*#()$21$ '(%&)##/&


*0#($/ *0#($)$5$(6$%& )$7'$)$)#
*0#($

#$;)# %=#/ (4#(8)##/9


#/#*3#(< *$/#
#4$/
*0#($ #5'$*#(/

4$%&)(# (8/#)#
3#$1($ (:*)$)#
*0#($

*3$($%&) i$0$%&) i$0$%&)


5$*$)##/& $('$)##/& 5$*$)##/&
*0#($ *0#($ *0#($
SISTEMA DE GESTÃO
AMBIENTAL
REFERÊNCIA
NBR ISO 14000
@

=  ' " .@ " 


=   '$ 
=   D   
=   ) )
= ) 

 ( $     * 
)  "  .
) 


= )    (   @
= @       | . & 

 
.'1 

 &  @ 
| . &     9/  /' :
=  ) 
)  @   "& 
 %



Ü |   )3   | D
|    &     "& 
 
  )  8@     

 " |   @


|

[

 @6

É o conjunto de normas resultantes da


evolução de vários modelos
normativos, que estabelece requisitos
relacionados à Gestão Ambiental e
Diretrizes para o Sistema de
Gerenciamento Ambiental.
|  |
@ @
@ 

"  #&+6V


=>>(RR
=>>.=)=
=>>>=?)
B)))R))
I P =)))
!/;
!2;
  , %  &;
    #+;
 "+ Q=B &"2

 

   
 


  !+#K K &"#!+5


#!+5 &""&5+KK
##&& ";!+# &#a+ 
!+ _"! 2+ # +"K
!`+ +/#
! #+ !+7 + +K
75#+ 5# °# K
 °5# "+#  + !+#
 

   
 

      
    à
 
   
 
  
   à
 
    
 
   
 
    
    
 
  
"!+ =NK)))
P$ Q
= I    "   % K
=   °     1-  K
=      $   °,    K
=   !     K
  3 Q
=  -    "    ' "!+  >K)))K
=  2 * D °   +C    K
= 1    % K
=  &  %   ,    , %    K
. 

=  "&     * +  


  

=  &    )    )
 )
=  &     $ 1    
 
=
,     )   )    
  @        
 4  )  4  , ' 
 @4 
 @

2#6 & +"G6 2#6 & °+ &5

@   

  ' 



  



1 |  

$ &  )3


|@A|
@|H @
 @ @
| )        
 
 ) 

) & 
@$ &
& 

)    I|   & | 


'  '  

)/  |.  |.  


 ' &  |
|/ '
  

)&   )&  


  @    @    


 @J @ @
@
 

ß ) . &   ")


 



( 

1 |  0
)
 
0% *  ' 
)
  &  0%  ( $ 
0% '  

|&  ) & 


0   0  )  
0%  |.  0%   |  "& 
0
&+| $ 0 & @

0% '  0%|) 


0%
   0%
  '- 
 @

PRINCÍPIO 1: COMPROMETIMENTO E
POLÍTICA
É recomendado que uma Organização
defina sua Política Ambiental e
assegure o comprometimento com seu
SGA.
 @

PRINCÍPIO 2: PLANEJAMENTO
É recomendado que uma Organização
formule um plano para cumprir sua
Política Ambiental.
 @

PRINCÍPIO 3: IMPLEMENTAÇÃO
Para uma efetiva implementação, é
recomendado que uma Organização
desenvolva a capacitação e os mecanismos
de apoio necessários para atender sua
política, seus objetivos e metas
ambientais.
 @

PRINCÍPIO 4: MEDIÇÃO E AVALIAÇÃO


É recomendado que uma Organização
meça, monitore e avalie seu desempenho
ambiental.
 @

PRINCÍPIO 4: ANÁLISE CRÍTICA E


MELHORIA
É recomendado que uma Organização
analise e aperfeiçoe constantemente seu
Sistema de Gestão Ambiental
 @
PRINCÍPIO 1: COMPROMETIMENTO E
POLÍTICA
É recomendado que uma Organização
defina sua Política Ambiental e assegure o
comprometimento com seu SGA.
|I

=  &| )  


- 

= $  
   

=  

 @

 

| 




  @

5  )     $$  
3   @
 4   &  
 )  

  &  
' "&   3   

     $  ) 


 $ &

5 [ )   )   
 & 

  & 
 @



  |


 '
  . &  '  
 $ )   $ 
) $ &
 1 ) , 

1     
 $ ) 
   1 0$ 
    . & 0 )&  &  
 3 ! '
 @

 |

 


$    '    & 


 . , ) )   &  )  ' "& 
$     )


  &    ) & 


)    '-   ' "& 
 ))    "   3 
 )        $ 
)   $ &
 @
 |

 


 &  


=   $  $  
&' "& 
= *  ) 
  &  
= $& ) & 
= |.   ' 
= |&   ) 
' "  9,  @I
 ) @' & 3:
 @

 |

 


 +* )  


  "&  )  $ ' .  $
$$$ 
= $$ ) )$ & 
 )3    
= )&  '  $ 
= $$ )   &  

=  3 $$  
= (  @
).
)$ &
 @
PRINCÍPIO 2: PLANEJAMENTO
É recomendado que uma Organização
formule um plano para cumprir sua Política
Ambiental.
|I
=  . & 
)
 

$ &  )
 
 
= *  '  
= | 4   )3
=  ( $
= ' 9: 
 @
 . & 
)
 

$ &  )
 
 
=  3 D  P$  $    
 0         , $ 
      $ D  $% K
= , %      '   3 
C    < $   $ @<D
    , @  $     %   
K
=    , %  3$   
  C  ,     % K ' 
 , %         %  
$  %    K
 @
  |

@|@
 
@
 
|@
@@|
@
  . & 
)% @   $ )  $ &
 .  )* 3 ' . 
*  .  )* (*  
 ) 
) %  . * )   $ 
)  $ &
)ù%  . *  )   
)%
$  )7  )$ 
 @
  |

@|@
 
@
 
|@
@@|
@
  . & 
)%
$  )7  )$ 

| &+
  | &+|   
ß  ) ß ) ,) & '
ß $  ) ß  .   
&+ )
ß )   - 
ß .  ' )I  
ß  &  )
 @
  |

@|@
 
@

|@
@@|
@

, )

 

@| 
|

    ) | & 


)  $"    1' 
) '

. &  |$& 


. 
) ) "     
) 
 $ 

 &   +)  & ) & 


$  )  
 @
  |

 @

@
@ @

=    % $          


, D             
  C  C  $  C P   
3$         $  D    
$% K
= °     ,    Q
3, E $ < 1 D%   % @K
3,     $%     % K
#    K
°  ,     0    C 
 D   % $        
       E  
 @

| [ @ @U



' "&  $ $$  )   4  
)     ) *     ,  
 @    ' "&     ,  
  4     )3 (  
.  &    ( $  
   1    
  K
  %A K
 , %A ° 
  +3 
    K
 @

# @
@

   %   P$      : 


    3   K
 P$ $          
             K
  $         
P$ K $ 3, D *$   
,  K
   % $$ $   *$  
         $  %   0 
 K
 @
# @
@

  


=  "       '    
  
=  "       &   )    
 
= ( )      "   )
    .  ) &    ) & 
= |  )    .  4 %
) 
=   " * *  ) $  ' .  $ 
$  ) 
=  $    "&     )'  
  
 @
# @
@

1   0


ß ;   ' /      K
ß ;  AD    BK
ß ° % 3  C        K
ß " CO     $3    % K
1   
ß P$ Q+   C     %A K
ß  Q  % =)]      %    
 K
ß   Q;   3$  '   
 % K
 @


9:@
 


=
' "&    )(  '   
 $  $   )'   ' 
  *   )    ( $
  
=     . "  )(   ' 
  $  '  )( 
4'   ' "& 
= $  ' '    
)   *  )  &   ( $
   ' "& 
= $   7   $  '   )
.  &   ( $   
' "& 
 @


9:@
 


| ) |$   


 

 ( $  " 1'  )* 
4    ,*K$
 "  1'  CE
 & $    
  
'    "& 1' 

* ) ) 

& 1' $' 


)
   "
 @
PRINCÍPIO 3: IMPLEMENTAÇÃO
Para uma efetiva implementação, é recomendado
que uma Organização desenvolva a capacitação e
os mecanismos de apoio necessários para atender
sua política, seus objetivos e metas ambientais.

 "H&
=      % K
+ 0  D,3 ,  [
I   %   %  [
+   '  [
  %    $ % [
 0 D0   
 @

PRINCÍPIO 3: IMPLEMENTAÇÃO

 "H&

%A 
  %   [
&  %  [
      [
°  %     - [K
 @
|
@@U

@@ | 
| @

=    % $,   3$ 


0  D,3 ,       3 
P$   K
= "    %  D    %A$$ $
       0  ,3  
      $ D  $% K
= °<C '  @D   
%A   % D$ 
   5$ D4   ' D
  %A"   % DKKKKKK
 @

U

 
@

=    % $  P   $      


 D   C    P  0         
        : K

=    % $ $ $      C 


      ,    P$      
P$        K
 @
@@
  
[| |
@@


=       ,*     $ 


3  <@ 1<@  ,% <A@  
,     -   K
=         3$ $  D 
        D  0
     % D    ,$ /
 %  K
 @ @@
  
[| |
@@


, ))  9:)1$9 :



 ) 9:
  & ' ,  $
  )  
$$  ,  $

  )

$$ ( $ $$ 
)'   
  )3@
 


'  3  
 . ,) $$
  ! '
 . ,) $| )
.|& 
 @
|@| 

 



=


  &   ))%3$ 
 )3  )    "&  
 $&    )'  ' "& 
$       
 )      


=      ' "&  $


 )       '  
 ( $   ) *     )1$ 
 @
|U| U
  
 


= &$,    0 0  


*        P$    
  % D   / $   % 
    K
=        % D$   
$% C  0   D$  D
  3$     D     
 3 D P$      % K
 @
|U| U
  
 


  L | H@ 


 

|  "&  | )  
-  3  "&   
  )7 
,  $
' "& 
4' 
 


| )   


|  "&    
 
 * +  )'  ( $  %
   '
 $)  
 $  


). &   )'  3 )3 
)   1). )
3   , ))& )* 

  $$ 
'3 
 @
|
 |



=   % $       


,   D P  D1 D  
$       % ,   Q
         %    
[
     %ACA $    
     % [
,  E   D  1 D  
0     % D ,     
 @
|

@

=    % $     %  % 


*     % Q
 ° 3 D P$    [
 &%      0   P$ 
   [
 ° ' D     [
  %  D         
  % [
 &  % C        
  % ,    K
 @
|
| 

=    % $      C
        3 D P$    K
=       $    %A $ 
C         , $ K
=  $  $ R   Q
" $  P  , %A  <$% @K
 *       ,    C 
  K
  '          $ C 
 K
 @


@@


G|

= &$       - 


     C0 $*       
  C Q
 %A     % K
 %A   - K
=         $$ 
  % D     Q
A  ,'   [
&     *     [
, 3,        D
  %    [
 @

PRINCÍPIO 4: MEDIÇÃO E AVALIAÇÃO

 "H&

%     <0  3 @K


%A $ $$ K
+      ,  %AK
   K
 @
  


=   % $        


0    %   P$  
  *        
   K
=  $$   %    
  %         *$K
=, %   0   $
 3 $,   K
 @

@|
@ 
@

=    % $,     %A


 $ $$  $   %AD
 A  %A 
    D   $A K
=  - $  C  %A $ 
$$ P      0  K
 @
 @@@
@
@ 
@

=    % $   


,  %     K  
$ Q
+C  [
#% [
         [
  K
    K
  $A  DKKK
 @

 
@@ @
@
 


=     $     


     *     
 P  *       
  K
=          
  1 E   % K&$1  
 :              K
 @
PRINCÍPIO 4: ANÁLISE CRÍTICA E
MELHORIA

CONTEÚDO

= Análise Crítica do SGA.


= Melhoria Contínua.
 @

8 @| |
@ @
@
 


= A Alta Administração da Organização, a intervalos


apropriados, deve conduzir uma revisão do SGA
para garantir a sua contínua adequabilidade e
efetividade.
= Esta revisão gerencial do SGA deve abranger:
 A revisão dos objetivos, metas e do
desempenho ambiental;
 As constatações da auditoria do SGA;
 Avaliação da adequação da política ambiental
em função da mudança dos cenários externos.
 @
U
|

= O conceito de melhoria contínua deve


estar embutido dentro do SGA.
= O processo de melhoria contínua deve
considerar áreas de oportunidade, causas
básicas e outros fatores importantes num
SGA.