Você está na página 1de 26

DETERMINAÇÃO DO

TEOR DE CLORETO
EM SORO
FISIOLÓGICO
COMERCIAL

Professor: Alves Rodrigo


Alessandro Oliveira
Allan Marques
Altermar Oliveira
Sumário

INTRODUÇÃO TITULAÇÃO MÉTODO DE ANÁLISE DO RESULTADOS E CONCLUSÃO


TEÓRICA POR MOHR SORO DISCUSSÃO
PRECIPITAÇÃO FISIOLÓGICO
INTRODUÇÃO

◦ Em uma titulação, pequenos volumes de solução


de um regente – o titulante – são adicionados ao
analito até que a reação termine. A partir da
quantidade de titulante consumida, calculamos a
quantidade de analito que deve estar presente. O
titulante normalmente é transferido a partir de uma
bureta.
INTRODUÇÃO

◦ Os requisitos principais para uma reação de


titulação são que ela tenha uma grande
constante de equilíbrio e que se desenvolva
rapidamente. Em outras palavras, cada adição
de titulante deve ser completa e rapidamente
consumida pelo analito até que este se esgote.
INTRODUÇÃO

◦ As titulações mais comuns são baseadas


em reações ácido-base, oxidação-redução,
formação de complexo e precipitação.
INTRODUÇÃO
◦ Na titulação de precipitação, a reação que
ocorre entre o titulante e o titulado é uma
reação de precipitação. Podemos usar a
titulação de precipitação para a identificação de
haletos e alguns íons metálicos específicos.

◦ A formação do precipitado deve ser rápida e o


mesmo deve ser suficientemente insolúvel.
INTRODUÇÃO

◦ O ponto de equivalência é alcançado


quando a quantidade de titulante
adicionado é a quantidade exata
necessária para uma reação
estequiométrica com o analito (o
titulado).

◦ O ponto de equivalência é o resultado


ideal (teórico) que procuramos em uma
titulação.
INTRODUÇÃO

◦ O que realmente medimos é o ponto final, que é indicado pela mudança súbita
em uma propriedade física da solução.

◦ A diferença entre o ponto final e o ponto de equivalência é o inevitável erro de


titulação. Pela escolha de uma propriedade física apropriada, cuja mudança é
facilmente observada (tal como o pH ou a cor de um indicador), teremos o
ponto final muito próximo ao ponto de equivalência.
MÉTODO DE MOHR
◦ Por exemplo, quando uma titulação de íons cloreto
com nitrato de prata é realizado na presença do
indicador cromato de potássio, após o Ag+ reagir
completamente com o Cl- presente na amostra, o
cromato irá reagir com a prata para a formação de
um precipitado vermelho.

◦ Esse é o método conhecido como Método de


Mohr.
MÉTODO DE MOHR

◦ Esse método foi desenvolvido para a determinação de íons cloreto, brometo e


iodeto usando como titulante uma solução padrão de nitrato de prata e como
indicador uma solução de cromato de potássio.

◦ Reação de titulação é dada por:

Ag+ + Cl- → AgCl(s) (precipitado branco) .

◦ Reação do indicador é dada por:

2 Ag+ + CrO4 2- → Ag2CrO4(s) (precipitado vermelho tijolo)


MÉTODO DE MOHR
◦ A solubilidade molar do Ag2CrO4 (Kps = 1,1 x 10-
12) é cerca de 5 vezes maior do que a do AgCl
(Kps = 1,75 x 10-10).

◦ Dessa forma o AgCl precipita primeiro.


Imediatamente após o ponto de equivalência a
concentração de íons prata torna-se grande o
suficiente para iniciar a precipitação do cromato
de prata, que sinaliza o fim da titulação.
MÉTODO DE MOHR
MÉTODO DE MOHR

◦ A solubilidade molar do Ag2CrO4 é dada pelo seu Kps = 1,1 x 10-12 e portanto,
antes de iniciar sua precipitação com o íon de prata, é necessário uma certa
quantidade do titulante.

◦ Para conhecer esse volume necessário, realiza-se o branco, com apenas o


indicador e água destilada.

◦ Esse volume é descontado do volume final após a titulação.


MÉTODO DE MOHR

◦ Vale ressaltar que para o método de Mohr, a titulação deve ser feita num pH
entre 6,5 e 10. Para que ocorra a titulação, é preciso íons de prata e cromato
no meio e portanto, o controle de pH é necessário.

2CrO42-(aq) + 2H+ = Cr2O72-(aq) + H2O


Ag+(aq) + 2OH-(aq) = 2AgOH(s) = Ag2O + H2O
ANÁLISE DO SORO
FISIOLÓGICO

◦ Utilizando o método de Mohr, analisou-se o


teor de cloreto em um frasco de soro comercial.

◦ O rótulo indica 0,9% de cloreto na solução.


ANÁLISE DO SORO FISIOLÓGICO

◦ Materiais:

- Balão volumétrico de 100 ml; -Pipeta de Pasteur;

- Proveta de 50 ml; -Água destilada;


-Soro fisiológico 0,9 %;
- Béquer de 100 ml;
-Nitrato de prata 0,019 mol.L-1;
- Erlenmeyer de 250 ml;
-Cromato de potássio 5%;
- Bureta de 25 ml ;
ANÁLISE DO SORO FISIOLÓGICO
◦ Procedimentos:

Alíquota de soro fisiológico 10 ml

Preparo de uma solução 100 ml

Branco da amostra com o indicador e


água destilada
ANÁLISE DO SORO FISIOLÓGICO
◦ Procedimentos:

Alíquota de 10 ml da solução preparada a


partir do soro

Titulação da amostra com Nitrato de prata e


o indicador cromato de potássio

Realização do procedimento em triplicata


RESULTADOS E
DISCUSSÃO
◦ O branco realizado na presença de 5 gotas do
indicador cromato de potássio 5% e água
deionizada, forneceu um volume de VB = 0,2 ml
de nitrato de prata 0,019 mol.L-1, volume
necessário para iniciar a precipitação do
cromato, na reação dada por:

2 Ag+ + CrO4 2- → Ag2CrO4(s)


RESULTADOS E DISCUSSÃO

◦ A titulação da solução de soro fisiológico foi realizado em triplicata e os


volumes de AgCl 0,019 mol.L-1 necessários para encontrar o ponto final da
titulação, foram:

- V1 = 8,8 ml

- V2 = 8,5 ml

- V3 = 8,6 ml

◦ Esses valores nos fornecem um volume médio igual a Vm = 8,63 ml, um


desvio padrão de 0,15 e um coeficiente de variação de CV = 1,76%.
RESULTADOS E DISCUSSÃO

Amostra 1 Amostra 2 Amostra 3


RESULTADOS E DISCUSSÃO

◦ A reação entre o titulante e o analito é dada por:

Ag+(aq) + Cl-(aq) → AgCl(s)

◦ Como a proporção é 1:1, temos que:

nCl = nAg

nCl = 1,6397x10-4 mols de Cl-

◦ Então, na solução preparada a partir do soro fisiológico, temos:

nCl = 1,6397x10-3 mols de Cl-


RESULTADOS E DISCUSSÃO

◦ Dessa forma, a concentração molar do cloreto no soro fisiológico é:

M = 0,16397 mol.L-1

◦ E possui uma concentração comum igual a:

C = 5,82 g.L-1

◦ Assim, podemos encontrar o teor de Cl- presente no soro fisiológico, que é de:

% de Cl- = 0,58%
RESULTADOS E DISCUSSÃO

◦ De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), a


concentração de 0,9% (m/v) não deve ser ultrapassada (BRASIL, 2008),
devido à isotonicidade que o soro fisiológico deve apresentar frente aos
demais líquidos corporais.
CONCLUSÃO

◦ Dessa forma, a partir dos dados obtidos no experimento, chegou-se ao


resultado de que o teor de Cl- no soro fisiológico comercial está dentro dos
limites exigidos pela ANVISA.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

◦ HARRIS, D.C. O. Apêndices. Análise Química Quantitativa. 7ª ed. Rio de Janeiro: LTC,
2011. p. 771-810.

◦ HARRIS, D.C. O Análise Gravimétrica, Titulações de Precipitação e Análise por


Combustão. Análise Química Quantitativa. 8ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 2012. p. 719-746.

◦ SKOOG, D. A, et. al. Métodos Titulométricos; Titulometria de Precipitação. Fundamentos


de Química Analítica, 8ª ed. Editora Thomson, 2006.

◦ BRASIL. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Consulta Pública n° 41, de


12 de agosto de 2008. Website: http://www4.anvisa.gov.br/base/visadoc/CP/CP[23557-1-
0].PDF . Acesso em 04/12/2019.

Você também pode gostar