Você está na página 1de 29

Machado de Assis

Machado de Assis

1839 – 1908

Rio de Janeiro
Machado de Assis
Em 1874

 Primeira fase – fase romântica

 Traços de Realismo já em suas obras

 Segunda obra: A Mão e a Luva

 Primeira obra escrita em folhetim


Sobre a obra

 Escrita em 1874 (se passa em 1853)
 Botafogo – subúrbio fluminense
 Lugares familiares para o autor
 Divisões sociais rígidas
 Costumes da burguesia fluminense do século
XIX
Os Personagens

A mão e a luva
Estêvão

 Personagem tipicamente romântico.

 Fraco de espírito
 “...dotado de extrema sensibilidade, e não menor fraqueza de
ânimo, afetuoso e bom, não daquela bondade varonil, que é
característica de uma alma forte, mas dessa outra bondade
mole e de cera, que vai a mercê de todas as circunstâncias,
tinha, além de tudo, o infortúnio de trazer ainda sobre o nariz
os óculos cor-de-rosa de suas virginais ilusões.”
Luís Alves

 Melhor amigo de Estêvão

 Centrado, frio,

 “Via bem com os olhos da cara. Não era mau rapaz,


mas tinha seu grão de egoísmo, e se não capaz de
afeições, sabia regê-las, moderá-las, e sobretudo
guiá-las ao seu próprio interesse.”
Jorge

 Orgulhoso, preguiçoso, aproveitador
 Superficial, mesquinho, mas de bom coração
 “...Preferia vegetar à toa, vivendo do pecúlio que dos pais
herdara e das esperanças que tinha na afeição da
baronesa. Não se lhe conhecia outra ocupação. Não
obstante os defeitos apontados, havia nele qualidades
boas; sabia dedicar-se, era generoso, incapaz de malfazer,
e tinha sincero amor à velha parenta.”
Guiomar

Guiomar

 “Guiomar refletiu ainda muito e muito, e não refletiu só,
devaneou também, soltando o pano todo a essa veleira escuna da
imaginação, em que todos navegamos alguma vez na vida,
quando nos cansa a terra firme e dura, e chama-nos o mar vasto e
sem praias. A imaginação dela porém não era doentia, nem
romântica, nem piegas, nem lhe dava para ir colher flores em
regiões selváticas ou adormecer à beira de lagos azuis. Nada
disso era nem fazia; e por mais longe que velejasse levaria
entranhadas na alma as lembranças da terra.”
Guiomar

 “ – Nem mais nem menos, retrucou ela rindo também.
Saiba pois que sou muito senhora da minha vontade,
mas pouco amiga de a exprimir; quero que me
adivinhem e obedeçam; sou também um pouco altiva,
às vezes caprichosa, e por cima de tudo isto tenho um
coração exigente. Veja se é possível encontrar tanto
defeito junto.”
A Baronesa

 Madrinha de Guiomar, tia de Jorge

 Benevolente, inocente, sofrida

 Viúva, rica, dona da chácara.


Mrs. Oswald

 Governanta da casa

 Alcoviteira - boas intenções

 Inglesa viúva, sem família

 Manipuladora, porém preocupada com


a felicidade da família da baronesa
A história

A história

A história

I. O fim da carta
II. Um roupão
III. Ao pé da cerca
IV. Latet Anguis
V. Meninice
VI. Post Scriptum
VII. Um rival
VIII. Golpe
I - O fim da carta

II – Um roupão

III - Ao pé da cerca

IV - Latet Anguis

A história

IX. Conspiração

X. Revelação

XI. Luís Alves

XII. A Viagem

XIII. Explicações
A história

XIV. Ex abrupto

XV.Embargos de terceiros

XVI. A confissão

XVII. A carta

XVIII. A escolha

XIX. A conclusão
XIX – A conclusão

Sobre o enredo

Detalhes da obra
Sobre o enredo

 Trechos descritivos
 Enredo simples para facilitar o entendimento do leitor
de folhetins.
 “Ganchos” entre os capítulos, evocação do leitor
 Público feminino como alvo da novela
 Romance fora dos padrões romanescos (traços de
realismo)
 Humanização dos personagens
Os pretendentes

Os pretendentes

 Ponto de vista de Estêvão: o objeto do amor,
idealização da mulher.

 Ponto de vista de Jorge: garantia do futuro


financeiro

 Ponto de vista do Luís Alves: qualidades


compatíveis (ambição, sagacidade, objetividade)

Por que
A Mão e a Luva?

Você também pode gostar