Você está na página 1de 39

* Organização do sistema

nervoso, transmissão
sináptica e receptores de
membrana

Profª M.Sc. Ludmilla Rangel


Disciplina de Biofísica
Curso de Medicina – Fac Redentor
Sistema Nervoso
Sistema nervoso central

Subdivisão do encéfalo:

Telencéfalo: córtex cerebral

e núcleos da base

Diencéfalo: tálamo, hipotâlamo,

e subtâlamo

Metencéfalo: ponte, cerebelo e

Mesencéfalo

Mielencéfalo: medula oblonga


*
Cérebro, cerebelo
Sistema
tronco cerebral e medula espinhal nervoso
(Análise e integração sensorial e central
motora, controle das funções do
corpo)

Componente
sensorial Componente motor

Nervos e Sistema
gânglios nervoso
sensoriais periférico
Nervos
Nervos e motores
gânglios
autônomos

Ambiente
Músculo
interno e Músculos
Liso,
externo cardíaco esqueléticos
e glândulas
* Controle da musculatura esquelética (movimentos
voluntários).
* Controle da musculatura lisa (movimentos
involuntários de órgãos viscerais, vasos
sanguíneos).
* Controle da secreção hormonal (endócrina).
* Controle da secreção exócrina.
* Modulação das respostas imunológicas.

*
*
1. Nível da Medula Espinhal
- Circuitos neuronais intrínsecos (Movimentos de marcha, reflexos motores, reflexos de controle de vasos
sanguíneos, movimentos gastrointestinais)

2. Nível cerebral Inferior (Subcortical)


- Medula oblonga, ponte, mesencéfalo, hipotálamo, tálamo, cerebelo e gânglios da base.
- Responsável pelo controle de atividades subconscientes (respiração, controle da pressão arterial,
salivação, controle do equilíbrio) e padrões emocionais (apetite, raiva, excitação, saciedade,
resposta à dor, libido)

3. Nível cerebral Superior (Cortical)


- Córtex cerebral
- Memória, Pensamento.
Função Integrativa do Sistema Nervoso
e armazenamento de informação

Processamento
da Informação
Estímulos “novas experiências” Função
Sensoriais Motora
Memórias
(aferentes) armazenadas (eferente)
(utilizadas no
pensamento)

Memória: processo de facilitação sináptica


Cérebro humano
Composição:
~100 bilhões de neurônios (Rede de comunicação)
>>>> de neuróglias (bainha de mielina, suporte,
manutenção do ambiente local)
Neurônio
Dendritos de 2ª ordem
Sinapse
Axônio

Corpo celular
Neurônios Neuróglia
Célula de Purkinje
(cerebelo) Astrócitos
Neurônio
piramidal
cortical
Micróglia
Oligodendrócito
Neurônio
motor

Neurônio
Célula
Pós-ganglionar Neurônio ependimária
simpático ganglionar
da raiz dorsal
POTENCIAL DE AÇÃO
Potencial de Ação
o Uma tensão elétrica, ou diferença de potencial, sempre existe entre o interior e o
exterior de uma célula.

o Causado por uma distribuição de íons desigual entre os dois lados da membrana
e da permeabilidade da membrana a esses íons.

o A tensão elétrica de uma célula inativa permanence em um valor negativo —


considerando o interior da célula em relação ao exterior ― e varia muito pouco.

o Quando a membrana de uma célula excitável é despolarizada além de um limiar,


a célula dispara um potencial de ação

o Eles podem ser gerados por muitos tipos de células, mas são utilizados mais
intensamente pelo sistema nervoso, para comunicação entre neurônios e para
transmitir informação dos neurônios para outro tecido do organismo, como
os músculos ou as glândulas.
Potencial de Ação
o Pode ser dividido em 5 fases:

Fase 1 – Repouso

Fase 2- Início da Estimulação

Fase 3 – Início da Ativação dos Canais de Na+

Fase 4 – Pico do Potencial de Ação

Fase 5 – Repolarização
Fase 1 – Repouso
Canais de Na+
FC Dependentes de Voltagem

Na+/ K+ATPase

Gm Canais de K+
Em
Dependentes de Voltagem
Vm = Em = -70mV

Cm
FC = Fonte de Corrente
Vm = Potencial de Membrana
Em = Potencial de repouso
Gm = Resistência da Membrana
Cm = Condutância da membrana
Fase 2 – Início da Estimulação

Canais de Na+
Dependentes de Voltagem
FC = Fonte de Corrente

Na+/ K+ATPase
ip

Gm Canais de K+
Em
Dependentes de Voltagem
Vm = -50mV

iC

Cm

FC = Fonte de Corrente iC = ip - im
Vm = Potencial de Membrana
Em = Potencial de repouso
Gm = Resistência da Membrana
Cm = Condutância da membrana
Fase 3 – Início da Ativação dos Canais de Na+

Início da Ativação dos Canais


de Na+ dependentes de Voltagem
FC = Fonte de Corrente

Na+/ K+ATPase
i
i Na

Gm im Canais de K+
Em
Vm = -30mV Dependentes de Voltagem
(limiar é atingido)

iC
Cm

FC = Fonte de Corrente iC = iNa - im


Vm = Potencial de Membrana
Em = Potencial de repouso
Gm = Resistência da Membrana
Cm = Condutância da membrana
Fase 4 – Pico do Potencial de Ação
Canais de Na+
Dependentes de Voltagem
FC = Fonte de Corrente

Na+/ K+ATPase
ip
i Na

Gm im Canais de K+
Em
Dependentes de Voltagem
Vm = +20mV

iC= 0
Cm

FC = Fonte de Corrente iC = iNa = im


Vm = Potencial de Membrana
Em = Potencial de repouso
Gm = Resistência da Membrana
Cm = Condutância da membrana
Fase 5 – Repolarização
Canais de Na+
Dependentes de Voltagem
FC = Fonte de Corrente
3 Na+

ip

2 K+
Gm im Canais de K+
Em
Dependentes de Voltagem
Vm = +20mV
iK

iC
Cm

FC = Fonte de Corrente iC = ik + im
Vm = Potencial de Membrana
Em = Potencial de repouso
Gm = Resistência da Membrana
Cm = Condutância da membrana
Tipos de sinapse

* Sinapse química
(condução unidirecional)
Neurotransmissores:
Acetilcolina, epinefrina, glicina,
norepinefrina, serotonina,
glutamato, GABA, etc.
Neurotransmissores de ação rápida
Neuropeptídeos
*Sinapse Elétrica

*
Terminal
pós-sináptico
Terminal
pré-sináptico Neurônio
Dendritos de 2ª ordem
Sinapse
Axônio

Corpo celular

“As sinapses direcionam o estímulo elétrico para determinadas


regiões do sistema nervoso central e também do SNC para diferentes
órgãos efetores do corpo”
Transmissão sináptica
Transmissão unidirecional:
Neurônio pré-sináptico

Neurônio pós-sináptico
Etapas da sinapse química
1. Potencial de ação no terminal
pré-sináptico
2. Abertura de canais de cálcio
regulados por voltagem
3. ↑Ca2+ intracelular
4. Liberação do
neurotransmissor (contido em vesículas)
5. Ligação do neurotransmissor no seu
receptor (neurônio pós-sináptico)
6. Geração de potencial de ação no
neurônio pós-sináptico
7. Degradação enzimática do
neurotransmissor
Localização dos terminais pré-sinápticos

80 a 90%

5 a 20%
Receptores pós-sinápticos
alteram a permeabilidade da membrana neuronal
Receptores da membrana pós-sináptica
(Sinalização intracelular)
Receptores metabotrópicos
Receptores ionotrópicos (associados a segundos mensageiros)

1) Catiônico
2) Aniônico
Mecanismos de atuação
dos receptores metabotrópicos
(Sinalização intracelular)
Sinapse excitatória e sinapse inibitória

Sinapse excitatória Sinapse inibitória

Neurotransmissor Neurotransmissor
excitatório inibitório

Receptor ionotrópico Receptor ionotrópico


catiônico (Na+) (excitatório) aniônico (Cl-) e/ou catiônico (K+)
(inibitório)

Despolarização da membrana
Hiperpolarização da membrana
Potencial
excitatório
pós-sináptico
(PEPS)

Potencial
inibitorio
pós-sináptico
(PIPS)
Somação espacial dos efeitos das sinapses

Estado
Excitatório

Estado
Inibitório
Somação espacial dos efeitos das sinapses
Neurotransmissores Excitatórios
1. Acetilcolina: Neurotransmissor geralmente excitatório, liberado por
todos axônios motores que emergem da medula espinhal.
Receptores em que atua: Receptor colinérgico nicotínico (canal iônico)
Receptor colinérgico muscarínico (proteína G)
2. Norepinefrina : Neurotransmissor geralmente excitatório, liberado pelos
neurônios pós-glanglionares simpáticos.
Receptores em que atua: Receptores  adrenérgicos (Proteína G)
Receptores  adrenérgicos (Proteína G)
3. Glutamato: Neurotransmissor excitatório mais comum no cérebro.
Receptores em que atua: Receptor AMPA e NMDA (canal iônico)
Receptores metabotrópicos (proteína G)
4. ATP: Neurotransmissor excitatório no SNC e SNP.
Receptores em que atua: Receptor purinérgicos P2X (canal iônico)
Receptores purinérgicos P2Y (proteína G)
Neurotransmissores Inibitórios

1. Glicina: Neurotransmissor inibitório, liberado por neurônios da medula


espinhal e tronco encefálico.

2. GABA (Ácido -aminobutírico): Neurotransmissor inibitório mais comum do


cérebro.

Receptores em que atua: Receptor GABAA(canal iônico)

Receptores GABAB (proteína G)


Receptor Localização Efeito
DA 1 (dopaminérgico tipo 1) Coração Vasodilatação coronariana.
Vasos Pós-sináptico Vasodilatação.
Rins Diurese e excreção de íon Na+
(sódio).

DA 2 (dopaminérgico tipo 2) Pré- Vasos Vasodilatação.


sináptico

Pós-sináptico Rins e supra-renais Diminui a liberação de renina e


aldosterona.

β1 (beta 1) Coração Aumento da contratilidade


Pós-sináptico cardíaca, frequência e velocidade
de condução.

β2 (beta 2) Dilatação. Vasos Aumento da frequência e


Pós-sináptico Coração contratilidade
cardíacas, menos potente.

α1 (alfa 1) Vasos Vasoconstrição e aumento da


Pós-sináptico pressão
arterial (ação direta).

α2 (alfa 2) Vasos Inibição da liberação de


Pré-sináptico Coração noradrenalina
(“feed-back”).
Pós-sináptico Vasos Vasoconstrição
e aumento da pressão artéria
*

Catecolamina Dopa β1 β2 α1 α2

Norepinefrina - +++ + +++ +++

Epinefrina - +++ +++ +++ +++

Dopamina + ++/+++ ++ +++ +

Dopexamina ++ + ++/+++ - -

Dobutamina - +++ + -/+ -

Isoprenalina - +++ +++ - -

-/+ ou +
estimulação
relativa
- Ausência de
estimulação
Efeito da Anfetamina na Sinapse
Efeito da Cocaína na Sinapse

Você também pode gostar