Você está na página 1de 21

DIREITO

PREVIDENCIÁRIO
PROF. MÁRIO
Responsabilidade
solidária
Responsabilidade solidária
Art. 264, novo Código Civil – há responsabilidade
solidária, quando na mesma obrigação concorre mais de
um credor ou mais de um devedor, cada um com direito
ou obrigado à dívida toda.
Responsabilidade Solidária
Retenção dos 11% na Cessão ou Empreitada de mão
de obra:
Art. 219 RPS

Empreitada: é a execução, contratualmente


estabelecida, de tarefa, obra ou serviço, por preço
ajustado, com ou sem fornecimento de material ou
equipamentos, que podem ou não ser utilizados,
realizadas na dependência da empresa contratante, nas
de terceiro ou na da contratada, tendo como objeto um
resultado pretendido.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
Cessão de mão-de-obra: é a colocação à disposição do
contratante, em suas dependências ou nas de terceiros ,
de segurados que realizem serviços contínuos,
relacionados ou não com a atividade-fim da empresa,
independentemente da natureza e da forma de
contratação, inclusive por meio de trabalho temporário
na forma da Lei n. 6.019/74 (art. 219, § 1º, RPS)

Serviços contínuos: os que constituem necessidade


permanente da empresa contratante, de natureza
repetitiva, ligados ou não à sua atividade-fim, ainda que
sua execução seja intermitente, ou executada por
diferentes trabalhadores.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
Trabalho temporário: de acordo com a Lei n.
6.019/74, será permitido por prazo não superior a 3
meses em situação de substituição de mão de obra, ou
em razão de acréscimo inesperado de serviços.

Estão sujeitos à retenção de 11% quando prestados por


meio de cessão de mão de obra, inclusive o serviço
temporário, os seguintes serviços: (art. 219, § 2º, RPS):
I – Limpeza, conservação e zeladoria.
II – Vigilância e segurança.
III – Construção civil.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
IV – Serviços rurais.
V – digitação e preparação de dados para
processamento.
VI – embalagem, acabamento.
VII – Cobrança.
VIII – Coleta e reciclagem de lixo e resíduos.
IX – Copa e hotelaria.
X – corte e ligação de serviços públicos.
XI – Distribuição.
XII – Treinamento e ensino.
XIII – Entrega de contas e documentos.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
XIV – Ligação e leitura de medidores.
XV – Manutenção de instalação de máquinas e
equipamentos.
XVI – Montagem.
XVII – Operação de máquinas, de equipamentos e de
veículos.
XVIII – Operação de pedágio e de terminal de
transporte.
XIX – Operação de transporte de passageiros, inclusive
nos casos de concessão ou sub-concessão.
XX – Portaria, recepção e ascensorista.
Responsabilidade solidária
Cessão de mão-de-obra
XXI – Recepção, triagem e movimentação de materiais.
XXII – Promoção de vendas e eventos.
XXIII – Secretaria e expediente.
XXIV – Saúde.
XXV – Telefonia, inclusive telemarketing.

Dos incisos I a XXV, quando o serviço for prestado por


uma empresa a outra mediante contrato de cessão de
mão de obra e se ocorreu nas dependências da
contratante ou nas de terceiros, deverá haver a
retenção de 11% sobre o valor da nota fiscal emitido
pela contratada.
Responsabilidade solidária
Empreitada
Dos incisos I a V, se os serviços forem prestados por
empreitada, também estarão sujeitos à retenção dos
11% sobre o valor da nota fiscal .
Nesse caso, independentemente do local onde os
serviços foram prestados (pode ser na contratada).
Responsabilidade solidária na
Cessão de Mão de Obra – Construção Civil

Não se considera cessão de mão de obra a contratação de


construção civil em que a empresa construtora assuma
a responsabilidade direta e total pela obra ou repasse o
contrato integralmente. – RPS, art. 220, § 1º.
Responsabilidade solidária na
Construção civil
Construtor: é a pessoa física ou jurídica que executa
obra sob sua responsabilidade, no todo ou em parte –
RPS, art. 220, § 4º.

Obra de construção civil: é entendida como a


demolição, reforma ou ampliação de edificação ou outra
benfeitoria agregada ao solo ou ao subsolo – RPS, art.
257, § 13.
Responsabilidade solidária na
Construção civil
Orientação dos Tribunais Superiores
STJ, REsp 663278/RS, relator Min. Francisco Falcão, 1ª, DJ 17/10/2005

“TRIBUTÁRIO. PROCESSUAL CIVIL. CONTRIBUIÇÃO


PREVIDENCIÁRIA. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA. ART. 30,
VI, DA LEI N. 8212/91. AUSÊNCIA DE SUBSUNÇÃO DO FATO À
HIPÓTESE DE INCIDÊNCIA TRIBUTÁRIA. I – O serviço de
pintura, quando realizado como manutenção ordinária do
imóvel, não pode ser enquadrado no conceito legal de
construção civil – construção, ampliação ou reforma – previsto
no art. 30, VI, da Lei n. 8212/91, para responsabilização
solidária do contratante do serviço ou empreiteiros que
realizaram a pintura.
II – Recurso especial improvido”.
Responsabilidade solidária na
Construção civil
Art. 220, RPS – O proprietário, o incorporador, o dono da
obra ou condomínio da unidade imobiliária cuja
contratação da construção, reforma ou acréscimo não
envolva cessão de mão de obra, são solidários com o
construtor, e este e aqueles com a subempreiteira, pelo
comprimento das obrigações para com a seguridade
social, ressalvado o seu direito regressivo contra o
executor ou contratante da obra e admitida a retenção de
importância a este devida para garantia do cumprimento
dessas obrigações, não se aplicando, em qualquer
hipótese, o benefício de ordem.
Responsabilidade solidária na
Construção civil
Contrato:
1.Cessão de mão de obra
• Retenção obrigatória
• Sem solidariedade

2. Sem cessão de mão de obra


• Retenção opcional:
• Se sim: sem solidariedade
• Se não: com solidariedade
Responsabilidade solidária na
Construção civil
A folha de pagamento e GFIP devem ser elaboradas
distintamente para cada estabelecimento ou obra de
construção civil, cujas cópias deverão ser exigidas pela
empresa contratante quando da quitação da nota fiscal
– RPS, art. 220, § 2º.

Está excluído da solidariedade perante a Seguridade


Social, o adquirente de prédio ou unidade imobiliária
que realizar a operação através de imobiliária ou
incorporadora, ficando estes responsáveis
solidariamente com o construtor.
Responsabilidade solidária
Empresas – grupo econômico
Empresas que integram grupo econômico – art. 30,
IX, Lei 8212/91:
Respondem entre si, solidariamente, pelas obrigações
previdenciárias, as empresas que integram grupo
econômico de qualquer natureza.

Grupo econômico: caracterizado quando duas ou mais


empresas estiverem sob a direção, o controle ou a
administração de uma delas, compondo grupo
industrial, comercial ou de qualquer outra atividade
econômica.
Responsabilidade solidária
Empresas – grupo econômico
Orientação dos tribunais superiores: STJ, REsp
1199080/SC – 16/09/2010
“ TRIBUTÁRIO E PREVIDENCIÁRIO, RECURSO ESPECIAL. PENALIDADE
PECUNIÁRIA. RESPONSABILIDADE SOLIDÁRIA DE EMPRESAS
INTEGRANTES DO MESMO GRUPO ECONÔMICO. INTELIGÊNCIA DO ART. 265
DO CC/2002, ART. 113 § 1º , E 124, II DO CTN E ART. 30, IX, DA LEI
8212/1991. 1. A Lei n. 8212/91, prevê expressamente e de modo
incontroverso, em seu art. 30, IX, a solidariedade das empresas integrantes
do mesmo grupo econômico em relação às obrigações decorrentes de sua
aplicação. 2. Apesar de serem reconhecidamente distintas, o legislador
infraconstitucional decidiu dar o mesmo tratamento – no que se refere à
exigibilidade e cobrança – à obrigação principal e à penalidade pecuniária,
situação em que esta se transmuda em crédito tributário. 3. O tratamento
diferenciado dado à penalidade pecuniária no CTN, por ocasião de sua
exigência e cobrança, possibilita a extensão ao grupo econômico da
solidariedade no caso de seu inadimplemento. 4. Recurso especial provido.”
Responsabilidade Solidária
Também são solidariamente responsáveis:
a) Produtores rurais integrantes de consórcio
simplificado;
b) Operador Portuário e OGMO;
c) Administradores públicos;
d) Ato praticado sem apresentação da CND

Só há responsabilidade solidária nos casos em que


existe expressa previsão legal.
Exercícios de Fixação
Julgue os itens seguintes:
I – A retenção de 11% incide sempre sobre o valor bruto
da nota fiscal, fatura ou recibo de prestação de serviços,
mesmo que a empresa contratada discrimine, na nota
fiscal, fatura ou recibo, o valor correspondente a
material ou equipamentos contratualmente previstos e
devidamente comprovados.
F
II – O adquirente de prédio ou unidade imobiliária que
realizar operação com empresa de comercialização é
solidariamente responsável com esta empresa pelo
recolhimento das contribuições da S. Social.
F
Exercícios de Fixação
III – O sócio-gerente de sociedade limitada é
pessoalmente responsável pelo pagamento de
contribuições previdenciárias resultantes de atos
praticados com excesso de poderes ou infração de lei,
contrato social ou estatutos.
V
Os itens que estão errados são:

a) I e II b) II e III c) I e III d) todos e) nenhum

Resposta A