Você está na página 1de 15

DIREITO

PREVIDENCIÁRIO
PROF. MÁRIO
CARÊNCIA
CARÊNCIA
Lei 8.213/91 - Art. 24.
Período de carência é o número mínimo de
contribuições mensais indispensáveis para que o
beneficiário faça jus ao benefício, consideradas a partir
do transcurso do primeiro dia dos meses de suas
competências.
CARÊNCIA
SÃO SEIS (6) OS BENEFÍCIOS SUJEITOS À CARÊNCIA:

1. Aposentadoria por idade;


2. Aposentadoria por tempo de contribuição;
3. Aposentadoria especial:
em regra, 180 contribuições mensais.

4. Aposentadoria por Invalidez;


5. Auxílio Doença
em regra, 12 contribuições mensais.
CARÊNCIA
6. Salário Maternidade:
Facultativa, CI, Especial :
10 contribuições mensais.
Segurada Especial:
Comprovar 10 meses de efetivo exercício na atividade
rural.
Empregada, Empregada Doméstica, Trabalhadora
Avulsa:
Não existe carência
Em caso de parto antecipado, o período de carência
será reduzido em número de contribuições equivalentes
ao número de meses em que o parto foi antecipado.
CARÊNCIA
NÃO SERÁ EXIGIDA CARÊNCIA
APOSENTADORIA POR INVALIDEZ e AUXÍLIO DOENÇA:
motivados por acidente de qualquer natureza ou
causa, bem como nos casos de segurado que, após filiar-
se ao RGPS, for acometido de alguma das doenças
constantes da lista (Tabela da IN 45/2010, art. 152,III):
tuberculose ativa; hanseníase; alienação mental; neoplasia
maligna; cegueira; paralisia irreversível e incapacitante;
cardiopatia grave ; doença de Parkinson; espondiloartrose
anquilosante; nefropatia grave; AIDS, contaminação por
radiação com base em conclusão da medicina
especializada; hepatopatia grave.
CARÊNCIA

Não exigem carência - RPS– art. 30


PENSÃO POR MORTE;
AUXÍLIO-RECLUSÃO;
SALÁRIO-FAMÍLIA;
AUXÍLIO-ACIDENTE DE QUALQUER NATUREZA;
CARÊNCIA
Contagem
CONTAGEM DO PERÍODO DE CARÊNCIA
I – Empregado e Trabalhador Avulso:
a partir da data de filiação ao RGPS

OBS.: Para o Empregado, Trabalhador Avulso e


Contribuinte Individual, que presta serviço a uma
ou mais empresas, considera-se presumido o
recolhimento das contribuições a partir da competência
de abril de 2003, descontadas pelas empresas.
CARÊNCIA
Contagem
II – Empregado Doméstico, CI* e Facultativo,
inclusive o segurado especial que contribui
facultativamente , com 20% sobre o salário de
contribuição:
a partir da data do efetivo recolhimento da primeira
contribuição sem atraso, não sendo consideradas para
efeito de carência as contribuições recolhidas com
atraso referentes a competências anteriores a essa data.
Exemplo:
1ª CONTRIBUIÇÃO SEM ATRASO: 15/01/2011
Ainda que recolha em atraso as prestações referentes ao
período de janeiro de 2009 a dezembro de 2010, estas
não serão contadas para efeito de carência.
CARÊNCIA
Contagem
III – Segurado especial que não contribui
facultativamente com 20% sobre o salário-de-
contribuição:
o tempo mínimo de efetivo exercício de atividade rural,
ainda que de forma descontínua, igual ao número de
meses necessário à concessão do benefício requerido. -
Dec. 3048/99, art. 26, § 1º
LEI 8.213/91, ART. 106 – a comprovação do exercício
de atividade rural será feita, alternativamente, por
meio de:
I – contrato individual de trabalho ou Carteira de
Trabalho e Previdência Social;
CARÊNCIA
Documentos para o Seg. Especial
II – contrato de arrendamento, parceria ou comodato
rural;
III – declaração fundamentada de sindicato que
represente o trabalhador rural ou, quando for o caso, de
sindicato ou colônia de pescadores, desde que
homologada pelo Instituto Nacional do Seguro Social –
INSS;
IV – comprovante de cadastro do Instituto Nacional de
Colonização e Reforma Agrária – INCRA, no caso de
produtores em regime de economia familiar;
V – bloco de notas do produtor rural;
CARÊNCIA
Documentos para o Seg. Especial
VI – notas fiscais de entrada de mercadorias, emitidas
pela empresa adquirente da produção, com indicação do
nome do segurado como vendedor;
VIII – comprovantes de recolhimento de contribuição à
Previdência Social decorrentes da comercialização da
produção;
IX – cópia da declaração de imposto de renda, com
indicação de renda proveniente da comercialização de
produção rural; ou
X – licença de ocupação ou permissão outorgada pelo
Incra.
CARÊNCIA
Períodos que contam como tempo de contribuição,
mas não contam para efeito de carência.
I – o tempo de serviço militar obrigatório;

II – Período em que o segurado recebeu benefício por


incapacidade (auxílio-doença ou aposentadoria por
invalidez), entre períodos de atividade;

III – Período em que o segurado recebeu benefício por


incapacidade (auxílio doença ou aposentadoria por
invalidez) decorrente de acidente de trabalho,
intercalado ou não;
CARÊNCIA
IV – o tempo de serviço do segurado trabalhador rural
anterior à competência novembro de 1991. Nesse
período, o trabalhador rural não contribuía para a
previdência social.

V – o período anterior à data do recolhimento da


primeira contribuição em atraso dos segurados
empregado doméstico, contribuinte individual e
facultativo.
CARÊNCIA
Exemplo:
Marcel é advogado e tem um escritório particular há 15
anos, mas, somente hoje, decidiu inscrever-se no RGPS,
na condição de CI, e recolher os 15 anos de
contribuições em atraso (o equivalente a 180
contribuições mensais).
Essas 180 contribuições contam como tempo de
contribuição, mas não contam para efeito de carência