Você está na página 1de 12

GUITARRA EXPERIMENTAL:

DINAMISMOS E LIMIARES DO SENSÍVEL


EM ESPAÇOS DE CRIAÇÃO E PERFORMANCE

Projeto de Pesquisa em Criação Sonora


Orientador: Prof. Dr. Felipe de Almeida Ribeiro
Processo Seletivo PPGMúsica/2020 – UFPR (Doutorado)
Resumo
■ Este projeto busca estabelecer um âmbito de pesquisa em
criação e performance tendo como fundamento a guitarra
elétrica enquanto um hiper-instrumento apto a operar novos
dinamismos e limiares sensíveis dentro da música
experimental contemporânea. A este experimentalismo
integra-se as atividades de composição e improvisação
confluindo na guitarra e seus dispositivos espaços
concretos e específicos de produção artística.
Guitarra Elétrica: instrumento ‘experimental’
(breve contexto)

■ +-1.930-40: primeiras guitarras elétricas


- como amplificar um instrumento acústico?
- Guitarra havaiana Rickenbacker “Frying Pan”
- Gibson Electric Spanish Guitar – ES150
■ +-1.950: guitarra convencional (até hoje)
- comercialização, instrumento popular (blues, jazz, rock)
- Fender Broadcaster, Stratocaster
- Gibson Les Paul

(exemplos)
Guitarra Elétrica: instrumento ‘experimental’
(breve contexto)

■ +-1950/60: Primeiras composições do pós-guerra utilizando a guitarra (som “limpo”)


- 1950: Bruno Maderna – Studi per il Processo di Kafka
- 1953/1956: Luciano Berio – Allez Hop/Hallellujah II
- 1954: Bernd Alois Zimmermann – Metamorphose
- 1955: Dieter Schnebel – Compositio Versuche IV
- 1955-57: Karlheinz Stockhausen – Gruppen, für 3 Orchester
- 1966: Morton Feldman - The Possibility of a New Work for Electric Guitar
■ +-1.950: John Cage/Pierre Schaeffer: “música experimental”
(Piano Preparado, Indeterminismo/Objeto Sonoro, Música Concreta)
■ +-1.965: Keith Rowe – guitarra preparada de mesa (AMM – improvisação eletroacústica)
Guitarra Experimental: 3 grandes eixos

Improvisação
Música Popular Composição
Eletroacústica
•Blues •Minimalismo •Improvisação
•Jazz •Serialismo livre
•Rock/Pop •Espectralismo •Indeterminismo
•Fusion •Complexidade •Guitarra
•Free Jazz preparada

+ idiomático, convencional + ambíguo, “experimental”


(próprio da identidade da guitarra) (limiar de um “não-gênero)
Objetivo
■ Desenvolver projetos de criação de modo a integrar
composição e improvisação, tendo como espaço
experimental a performance para guitarra preparada de
mesa e seus dispositivos eletroacústicos (a partir da
perspectiva de hiper-instrumento - aumentado/modular).
Guitarra experimental e Composição:
■ A guitarra como espaço de criação na composição contemporânea:
- diversidade entre poéticas e sonoridades
- existe uma idiomática/escritura própria da guitarra?
■ Análise de estratégias composicionais:
- 1987: Steve Reich – Electric Counterpoint (guitarra e tape) som limpo
- 1984: Tristan Murail – Vampyr! (guitarra solo) com distorção
- 2008: Claude Ledoux – Zap’s Init (guitarra solo) vários pedais de efeitos
- 1999: Arthur Campela – Quimbanda (guitarra solo) város pedais de efeitos
- 2002: Fausto Romitelli – Trash TV Trance (guitarra solo) loop e ruídos
- 1997: Hugues Dufourt – La Cité des Saules (guitarra e live electronics)
Âmbito de referencialidades: dos sons de guitarra aos eletroacústicos, ruídos
Guitarra elétrica: um hiper-instrumento
(instrumento expandido, aumentado, modular)
■ O que é um Instrumento?
■ “Hyperinstruments” (Ted Machover, 1987): instrumento acústico (ou
inventado) + sistemas (analógico/digital) de captação, armazenagem,
transformação, interação e reprodução dos sons, ex.: Cello vs.
Hypercello (1990)
■ Guitarra = “hiper-violão” (Keith Rowe, déc. 1960): ex., guitarra
preparada de mesa (objetos diversos e pedais de efeitos),
improvisação eletroacústica (live electronics); espaço de criação
aberto a dinamismos e limiares sensíveis (autor/obra/espectador):
“autor”=luthier/compositor/intérprete/espectador
“obra”=instrumentação/composição/improvisação/performance
Guitarra Preparada de Mesa e Pedais
de Efeitos em Tempo Real
■ A partir de análises de obras para guitarra, e experiências com
improvisação livre e guitarra preparada, como pensar um espaço de criação
de uma obra para guitarra preparada de mesa e pedais?
■ um exemplo:

“ESCRITURA DAS ALMAS:


GERMINAÇÕES, ESPECTROS E SIMULACROS”
Guitarra experimental: síntese

■ Compor para guitarra preparada:


- espaço híbrido e virtual (múltiplos objetos,
sonoridades e processos de transformação);
- a instrumentação como espaço de criação.
Guitarra experimental: síntese
■ Dinamismos e limiares sensíveis (dispositivos):
- luteria/materialidades (aura-Benjamin)
- escuta/sonoridades (ambiências-Gumbrecht)
- gesto/modos de uso (potência-Agamben)
* cada obra (performance) deve definir os critérios de
escolha e construção da sua instrumentação, dos seus tipos-
sonoros, dos objetos de preparação, dos processadores de
efeitos, dos softwares e algoritmos, da espacialização, da
situação de uma performance.
Guitarra experimental: síntese
■ Dialética entre composição e improvisação
(automático/informal):
- aspectos da escritura composicional da tradição
(modal-tonal-serial)
- elementos da improvisação livre
- uso da indeterminação, aleatoriedade
- citações, colagens e montagens.