Você está na página 1de 56

Faculdade de Medicina e Ciências de Saúde

Departamentos:
Curso de Farmácia
e
Curso de Nutrição e Dietética

Disciplina: ANATOMIA e FISIOLOGIA


ANATOMIA E FISIOLOGIA GERAL
• Anat-fis I:
- Introdução ao corpo humano
- Sistema Tegumentar
- Sistema esquelético
- Sistema Muscular
- Sistema Nervoso
- Sistema Endocrino
• Anat-fis II:
- Sistema Cardiovascular, Sangue
- Sistema Linfático
- Sistema Respiratório
- Sistema Digestivo, metabolismo e nutrição
- Sistema Urogenital
- Sistema de Reprodução
INTRODUÇÃO AO CORPO HUMANO
• Objectivos:
1. Definir anatomia e fisiologia e designar as
diversas sub-disciplinas dessas ciências.
2. Descrever os níveis da organização estrutural
que compõem o corpo humano.
3. Definir os processos vitais importantes no corpo
humano.
4. Definir homeostasia e explicar suas relações com
o líquido intersticial.
5. Conhecer a terminologia anatómica básica
Objectivo 1:
Definir a anatomia e fisiologia e designar as diversas
sub-disciplinas dessas ciências.
ANATOMIA
É a ciência das estruturas do
corpo humano e das suas
relações.
Proporcionam a
base para
compreenção
das funções e
partes do corpo
humano.
FISIOLOGIA
É a ciência que estuda as
funções do corpo humano
(como as partes actuam).
SUBDISCIPLINAS DA ANATOMIA

EMBRIOLOGIA
(Embrio = embrião; Logia = estudo de…)
• As primeiras 8 semanas de desenvolvimento após a
fertilização de um ovo (em seres humanos).

BIOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO
• O desenvolvimento completo de um indivíduo, a
partir da fertilização de um ovo até a morte.
BIOLOGIA CELULAR:
• Estrutura e funções das celulas.

HISTOLOGIA (Histo = tecido)


• Estrutura microscópica dos tecidos.

ANATOMIA DE SUPERFÍCIE

• Pontos de referência anatómicos na superfície do corpo para


compreender a anatomia interna por meio da visualização e da
palpação.

ANATOMIA MACROSCÓPICA
• Estruturas que podem ser examinadas sem o uso de um
microscópio.
ANATOMIA SISTEMICA
• Estrutura de sistemas específicos do corpo, como, por
exemplo, os sistemas nervoso e respiratório.

ANATOMIA REGIONAL

• Regiões específicas do corpo, como a cabeça ou o torax.

ANATOMIA RADIOLOGICA (radio = raio; grafia = escrever)

• Estruturas do corpo que podem ser visualizadas por meio da


radiografia.

ANATOMIA PATOLOGICA (pato = doença)

• Alterações estruturais (macro ou microscópicas) associadas


com as doenças.
SUBDISCIPLINAS DA FISIOLOGIA
NEUROFISIOLOGIA (Neuro = nervo)
• Propriedades funcionais das células nervosas.

ENDOCRINOLOGIA (endo = dentro de; crino = secreção)

• Hormonas e como estes controlam as funções corporais.


FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR (cardio = coração; vascular = vasos
sanguíneos)
• Funções do coração e dos vasos sanguíneos.
IMUNOLOGIA (Imun(i/o) = livre de)
• Como o corpo se defende contra agentes que provocam
doenças.
FISIOLOGIA DA RESPIRAÇÃO

• Funções das vias respiratorias e dos pulmões.

FISIOLOGIA RENAL (ren(i/o) = rim)

• Funções dos rins.

FISIOLOGIA DO EXERCICIO

• Alterações na célula e funções orgânicas como resultado de


actividade muscular.

FISIOPATOLOGIA
• Alterações funcionais associadas com doenças e
envelhecimento.
Objectivo 2
Descrever os níveis da organização estrutural
que compõem o corpo humano.
• Níveis de organização estrutural do corpo
humano:
– Nível químico (átomos e molécula)
– Nível celular (célula)
– Nível tecidual (grupo de celulas + material em torno
delas, que actuam em conjunto para executar uma
função específica)
– Nível orgânico (grupo de tecidos que desenpenham
funções específicas e, normalmente possuem formas
reconheciveis (ex: o estômago, pele, ossos, etc)
– Nível sistémico (grupo de orgãos que formam um
sistema (ex: sistema digestivo).
– Nível do organismo (Todo o corpo).
Organização do corpo humano
Níveis de organização do corpo
Organização do corpo humano
Níveis de organização do corpo

Nível químico

Nível celular

Nível dos tecidos

Nível dos órgãos

Nível do sistema orgânico

Nível do organismo
ANALOGIA
• Nível químico = letra do alfabeto
• Nível celular = conjunto de letras / sílabas
• Nível tecidual = palavras
• Nível orgânico = frases / parâgrafo
• Nível sistémico = conjunto de parâgrafos / capítulo
• Nível do organismo = livro.
Objectivo 3
Definir os processos vitais importantes no
corpo humano.
Metabolismo: é a soma de todos os processos
químicos que ocorrem no corpo. Uma fase do
metabolismo é o catabolismo, a decomposição
de substâncias químicas complexas em
componentes mais simples. A outra fase do
metabolismo é o anabolismo, a formação de
substâncias químicas complexas a partir de
componentes mais simples e menores.
Por exemplo, os processos digestivos catabolizam
(dividem) as proteínas dos alimentos em aminoacidos.
Estes são, em seguida, usados para anabolizar
(formar) novas proteinas que, por sua vez, formam
estruturas corporais tais como músculos e ossos.
 Responsividade: é a capacidade do corpo de
detectar e responder as alterações.
Por exemplo:
1) uma diminuição da temperatura corporal expressa um
alteração no ambiente interno (dentro do corpo);
2) Virar a cabeça em direção do som é uma resposta à
alteração no ambiente externo (fora do corpo).

Diferentes células no corpo respondem as alterações


ambientais de maneiras características. As células neurais
respondem gerando sinais electricos / impulsos nervosos
(potenciais de acção). As celulas musculares respondem por
contração, o que gera força para mover as partes do corpo.
Movimento: aqui inclui-se o movimento de todo o corpo,
de orgãos individuais, de celulas isoladas e, até mesmo, de
estruturas diminutas no interior das celulas.
Exemplo para cada um:
1) A acção coordenada de diversos músculos da perna
move todo o corpo de um lugar para o outro.
2) Após a ingestão de uma refeição que contenha gorduras,
a vesícula biliar contrai-se e lança bile no interior do
tracto gastrointestinal para auxiliar na digestão de
gorduras.
3) Quando um tecido do corpo é lesado ou infectado,
determinados leucócitos se movem do sangue para os
tecidos para ajudar na limpeza e no reparo da área
lesada.
4) Dentro das celulas, diversas partes se movem de uma
posição para outra a fim de desempenhar suas funções.
 Crescimento: é o aumento das dimensões
corporais, resultante do aumento no tamanho
das celulas existentes, no número de celulas,
ou em ambos. Além disso, algumas vezes, um
tecido aumenta de tamanho porque a
quantidade de material entre celulas
aumentou.
Por exemplo, no osso em crescimento, os
depositos minerais se acumulam em torno das
celulas osseas, fazendo com que o osso aumente
de comprimento e largura.
 Diferenciação: é o desenvolvimento de uma
célula a partir de um estado não especializado para
um estado especializado.

 Por exemplo os eritrócitos e diversos tipos de leucócitos


originam-se do mesmo tipo de célula ancestral não
especializada na medula óssea vermelha, chamada de
célula indeferenciada.
Outro exemplo é o do ovo fertilizado que atravéz da
diferenciação se desenvolve em embrião, depois em feto,
recem-nascido, criança, e por fim em um homem adulto.
 Reprodução: refere-se à formação de novas
células para crescimento, reparo ou substituição
tecidual ou a produção de novo indivíduo.

 Nos seres humanos, o processo formador ocorre


continuamente durante toda a vida, que continua de uma
geração para a seguinte por meio do ultimo processo: a
fertilização de um ovo por um espermatozoide.
Quando o processo de vida deixa de
ocorrer de forma adequada…..

Morte das células


e dos tecidos

Morte do
organismo
Objectivo 4:
Definir homeostasia e explicar suas relações
como líquido intersticial
O corpo humano e a homeostasia
• Os seres humanos tem muitas maneiras de
manter a homeostasia, que é o estado e relativa
estabilidade do ambiente interno do corpo.
• As alterações radicais para a homeostasia
frequentemente poem em movimento ciclos
correctivos, chamados de sistema de
retroalimentação (feedback), que ajudam a
restabelecer as condições necessárias para a
saúde e a vida.
Homeostasia:
Homeostasia é o conjunto de fenómenos de auto-
regulação que levam à preservação da constância
quanto as propriedades e a composição do meio
interno de um organismo.
É a condição de equilíbrio no ambiente interno do corpo
devido a incessante interação dos muitos processos
reguladores do corpo.

Por exemplo, o nível de glucose no sangue, normalmente


permanece entre 70 mg e 110 mg de glucose por 100 mL de
sangue. Cada estrutura corporal, do nível celular ao nível sistémico,
contribui, de alguma forma, para manter o ambiente interno
dentro dos limites normais.
• A homeostasia (biológica e psicológica) é um processo
dinâmico.
• A homeostasia biológica consiste portanto num equilíbrio
dinâmico que se alcança graças a constantes alterações no
organismo para manter o resultado do conjunto. Este processo
implica o controlo dos valores energéticos considerados normais:
caso um valor esteja fora dos parâmetros normais, são logo
activados diversos mecanismos de modo a compensá-lo.
• A homeostasia psicológica, tem lugar pelo equilíbrio entre as
necessidades e a sua satisfação. Quando as necessidades não
são satisfeitas, assiste-se a um desequilíbrio interno. O sujeito
procura alcançar um estado de equilíbrio através de condutas
(comportamentos) que lhe permitam satisfazer essas
necessidades
Homeostasia e líquidos corporais

Um aspecto importante da homeostasia é a


manutenção do volume e da composição dos
líquidos corporais, que são soluções aquosas
diluidas contendo substâncias químicas
dissolvidas, encontradas no interior das células,
além de envolve—las.
Líquido intracelular (LIC)
Líquido extracelular (LEC): este preenche os
espaços estreitos entre as celulas do tecido e por
isso é tambem conhecido como Líquido interticial.
O funcionamento adequado das células
corporais depende da regulação precisa da
composição do seu líquido circundante. Por esta
razão, o líquido interticial é, muitas vezes,
referido como meio (ambiente) interno do
corpo. A composição do líquido intersticial
altera-se conforme as substâncias movem-se de
um lado para o outro, entre ele é o plasma. Essa
troca de substâncias ocorre por meio de finas
paredes dos pequenos vasos sanguíneos, os
capilares.
• A homeostasia do organismo depende do
meio interno (com a produção e eliminação de
certas substâncias; por exemplo, através da
urina) e do meio externo (a relação entre o ser
vivo e o meio ambiente).
Estresses psicológicos em
nosso ambiente social

AMBIENTE
EXTERNO: AMBIENTE
- Calor INTERNO:
intenso - Glucose
- Falta de sanguíneo
HOMEOSTASIA
Oxigênio demasiado
PERTURBADA
depois de baixo.
uma longa
corrida.
Mecanismo homeostático de
regulação da temperatura corporal
Felizmente, o corpo tem muitos sistemas de regulação
que, normalmente trazem o ambiente interno de volta
ao equilíbrio. Mais frequentemente, o sistema nervoso
e o sistema endocrino, actuam em conjunto ou
isoladamente para fornecerem as medidas correctivas
necessárias.

- O sistema nervoso: emite impulsos nervosos para os


orgãos que neutralizam estas mudanças a partir do
estado de equilíbrio.
- O sistema endocrino inclui muitas glândulas que
segregam hormonas no sangue.

Os dois modos de regulação actuam para o mesmo


objectivo principalmente por meio de sistemas de
retroalimentação (feedback) negativos.
Sistema de retroalimentação
(Feedback)
• É um ciclo de eventos no qual o estado de uma
condição corporal é continuamente
monitorizado, avaliado, alterado, remonitorado,
reavaliado, e assim por diante.
• Cada variavel monitorizada, como a temperatura
corporal, a pressão arterial ou o nível sanguíneo
de glucose, é designada como condição
controlada.
• Qualquer perturbação que altere a condição
controlada é chamada de estímulo.
• Um sistema de retroalimentação tem três
componentes básicos:
1) um receptor,
2) um centro de controle
3) um efector.

• O receptor: é a estrutura corporal que monitoriza as


alterações em uma condição controlada e envia
aferentes (influxo) para um centro de controle.
– Normalmente, o aferente encontra-se sob a forma de
impulsos nervosos ou sinais químicos. Por exemplo,
determinadas terminações nervosas na pele são sensíveis
a temperatura e detectam mudanças tais como uma queda
drástica na temperatura.
• O centro de controle
– No corpo, o encêfalo actua como o centro de
controle.
– Este centro de controle:
• Fixa a faixa de valores, dentro da qual um condição
controlada deve ser mantida.
• Avalia os influxos que recebe dos receptores .
• Gera comandos de saida, quando são necessários.
Os efluxos provenientes do centro de controle ocorrem
normalmente como impulsos nervosos ou hormonas ou
outros sinais químicos. No exemplo anterior, o encêfalo
actua como centro de controle, recebendo impulsos
nervosos provenientes dos receptores cutâneos e
gerando impulsos nervosos como efluxos.
• O efector: é uma estrutura corporal que recebe
os efluxos do centro de controle, produzindo uma
resposta ou efeito que altera a condição
controlada.

• Quase todos os orgãos ou tecidos no corpo podem


comportar-se como um efector. Quando uma
temperatura corporal baixa acentuadamente, o
encêfalo envia impulsos nervosos para os músculos
esqueléticos (os efectores), resultando assim os
calafrios, que geram calor, aumentando assim a
temperatura corporal.
• Um grupo de receptores e de efectores,
comunicando-se com o seu centro de
controle, forma um sistema de
retroalimentação capaz de regular um
condição controlada no ambiente interno do
corpo. Em um sistema de retroalimentação, a
resposta do sistema “alimenta de volta” a
informação para variar a condição controlada
de alguma maneira, negando-a
(retroalimentação negativa) ou intensificando-
a (retroalimentação positiva).
Algum estímulo
perturba a
Operação de um
Homeostasia
sistema de
retroalimentação
Aumentando ou

diminuindo a

Condição controlada
que é monitorizada
pelos

RECEPTORES

que enviam

Influxo Impulsos nervosos ou

sinais químicos para um

CENTRO DE Há um retorno à
Homeostasia quando a
CONTROLO
resposta leva a condição
que recebe o controlada de volta ao
influxo e fornece normal.

Efluxo Impulsos nervosos ou

sinais químicos para

EFECTORES

Que produzem uma


alteração ou

Resposta que altera a


condição controlada.
Exemplo de
Aumentando a retroalimentação
Pressão arterial
negativa.

Receptores
Baroreceptores em determinados
vasos sanguineos enviam

Influxo Impulsos nervosos

Centro de controle
O encêfalo interpreta o influxo e envia Retorno a homeostasia
quando a resposta faz com
que a pressão arterial
retorne ao normal.

Efluxo Impulsos nervosos

Efetor

Vasos
Coração sanguíneos

Uma diminuição na
frequência cardíaca diminui a
pressão arterial
Contrações da parede do útero
forçam a cabeça ou o corpo do bebê
para o colo do útero, desse modo,
Exemplo de
Aumentando a retroalimentação
Dimensão do colo do útero
positiva.

Receptores

Células nervosas sensíveis a distensão


no colo do útero enviam

Influxo Impulsos nervosos

Centro de controle Retroalimentacao positiva:

O encêfalo interpreta o influxo e liberta O aumento na distensão do colo


do útero provoca a libertação
de mais ocitocina, o que resulta
em distensão maior do colo do
útero.
Efluxo Ocitocina

Efetores

Músculos na parede do útero se


contraem mais vigorosamente

O corpo do bebê distende ainda mais o


colo do útero

Interrupção do ciclo:

O nascimento do bebê diminui a distenção


do colo do útero, rompendo assim, o ciclo de
retroalimentação positiva
Desequilíbrios homeostáticos
• Enquanto todas as condições controladas no corpo
permanecem dentro de certo limites restrictos, as
celulas corporais funcionam eficientemente, o sistema
de retroalimentacao negativa mantem a homeostasia e
o corpo permanece sadio.
• No entanto, caso um ou mais desses componentes
corporais perca a sua capacidade de contribuir para a
homeostasia, o equilíbrio normal entre os processos
corporais pode ser prejudicado.
• Se o desequilibrio homeostático for moderado, um
distúrbio ou uma doença pode ocorrer; se grave, pode
causar a morte.
• A incapacidade na manutenção da
homeostase interrompe a função normal e
resulta em um estado de doença.
• Distúrbio: é qualquer perturbação ou
anormalidade de função.
• Distúrbio = Doença
• Doença (sinais e sintomas)

• Sinais: são alterações objectivas das funções


corporais que podem ser detectadas e medidas por
um clínico. Exemplo, inchaço, vermilhão
(anatómicos) ou febre, pressão arterial alta, paralisia
(fisiológicos).
• Sintomas: são alterações subjectivas das funções
corporais não aparentes ao examinador. Exemplo, a
cefaleia, náusea, e a ansiedade.
Objectivo 5:
Conhecer as terminologias anatómicas
básicas.
Posição anatómica
• é uma convenção adotada em
anatomia para descrever as
posições espaciais dos órgãos,
ossos e demais componentes
do corpo humano.
• Na posição anatômica, o corpo
está na posição ereta, olhando
para o observador, com a
cabeça na posição horizontal e
os olhos voltados directamente
para frente. Os pés estão
plantados no solo e dirigidos
para frente, enquanto os
braços estão esticados, em
cada lado, com as palmas
voltadas para frente.
Posição anatómica

• Quando o corpo esta reclinado:


– Pronação: o corpo está com face para baixo

– Supinação: o corpo está com a face virada para


cima.
Nomes regionais
• O corpo humano é dividido em diversas regiões
que podem ser identificadas externamente:
– Cabeça: consiste no crânio e face
– Pescoço
– Tronco: consiste no tórax, abdomen e pelve
– Membros superiores: consiste no ombro, axila, braço,
antebraço, punho e mão.
– Membros inferiores: consiste em nádegas, coxa,
perna, tornozelo e pé.
• Virilha????
Termos direcionais
Planos e secções
• Planos são superficies planas imaginárias que passam
atravéz do corpo.
– Sagital: plano vertical que divide o corpo ou orgao em
lados direito e esquerdo.
– Medial: plano vertical que divide o corpo em partes iguais.
– Paramedial: plano vertical que divide o corpo em lados
desiguais.
– Frontal: plano que divide o corpo em partes anterior e
posterior.
– Transverso / horizontal: plano que divide o corpo em
partes superior e inferior.
– Obliquo: plano que passa atraves do corpo ou orgao
formando m angulo entre o plano transverso e plano
sagital ou o plano frontal.
Cavidades corporais
• Sao espaços dentro do corpo que ajudam a proteger, a
separar e a sustentar os orgãos internos.
– Cavidade do crânio
– Canal vertebral
– Cavidade toráxica: no meio desta esta a região anatómica
chamada de mediastino
– Cavidade pericárdica
– Cavidades pleurais
– Cavidade abdominopélvica: cavidade abdominal +
cavidade pélvica.
– Cavidade oral
– etc
Quadrantes e regiões Abdominopélvicas
• Regiões abdominopélvicas:
– Hipocondríaca direita
– Epigástrica (fossa epigástrica)
– Hipocondríaca esquerda
– Lombar direita
– Umbilical
– Lombar esquerda
– Inguinal direita (fossa ilíaca direita)
– Hipogástrica (regiao púbica)
– Inguinal esquerda (fossa ilíaca esquerda)

• Quadrantes abdominopélvicas:
– Quadrante superior direito
– Quadrante superior esquerdo
– Quadrante inferior direito
– Quadrante inferior esquerdo
Referências
o Tortora, G.J., & Derrickson. B., Principles of
Anatomy and Physiology. (12th ed.).
o Guyton, A. Tratado de Fisiologia Medica. (2.ªed.).
Rio: GuanabaraKoogan, 2002
TRABALHO DE GRUPO
(para próxima aula)
– Retroalimentação negativa
– Retroalimentação positiva