Você está na página 1de 40

HIPOTIREOIDISMO

Autorretrato, c.1512, lápis em papel, Leonardo da Vinci,


Biblioteca Real, Turim, Itália

1
Objetivos da Aula
 Rever os principais fundamentos:
 Embriologia
 Anatomia
 Fisiologia aplicada ao funcionamento da glândula
tireóide

 Abordar a doença hipotireoidismo, com ênfase


na formulação do diagnóstico e do tratamento

2
Tireóide
 Órgão altamente especializado

 Hormônio tireoidiano promove:


 Crescimento
 Desenvolvimento
 Regula inúmeras funções homeostáticas
 Produção de calor e energia

3
Embriogênese

 FIM

4
Embriogênese

Endocrinologia - UFRO 5
Embriogênese

6
Anatomia

10 a 20 g 7
Histologia FOLÍCULO TIREOIDIANO

CÉL FOLICULAR

CÉL PARA
FOLICULAR

8
A Célula

9
Fisiologia

10
Hipotireoidismo

Dr. Hakaru Hashimoto

11
Definição
 É o estado clínico caracterizado por:
 Insuficiência da produção de hormônios tireoidianos
 Ação inadequada nas células-alvo

Etiologia
 A deficiência de iodo é a causa mais comum

 Em áreas suficientes de iodo:


 Doenças auto-imunes (tireoidite de Hashimoto)
 Causas iatrogênicas (tratamento de hipertireoidismo)
12
Etiologia
HIPOTIREOIDISMO PRIMÁRIO
Perda de tecido tireoidiano Defeito na síntese hormonal
1. Tireoidite de Hashimoto Defeitos
1. da síntese
Defeitos hormonal
congênito
1. Defeitos congênitos
2. Tireoidite atrófica +2.Agenesia
Deficiência de iodo
3. Tireoidite pós parto +3.Disgenesia
Excesso de iodo
4. Tireoidite pós cirurgia +4.Dishormonogênese
Agentes anti-tireoidianos
5. Tireoidite pós aplicação de 2. Deficiência de iodo
material radioativo 3. Excesso de iodo
4. Agentes anti-tireoidianos

HIPOTIREOIDISMO SECUNDÁRIO
1. Tumores
2. Doenças infiltrativas
3. Isquemia

RESISTÊNCIA AOS HORMÔNIOS TIREOIDIANOS

13
Etiologia: Tireoidite de Hashimoto
 Patologia mais comum em nosso meio

 Predisposição genética - 90% mulheres

 Faz parte do espectro de uma mesma doença


que envolve a doença de Graves

 Pode vir associada com outras doenças auto-


imune
14
Fatores de risco

15
Fisiopatologia
 Aumento do volume da glândula com extensa
substituição da arquitetura folicular normal por
infiltrado linfoplasmocitário

16
Sinais e Sintomas
Geral: cansaço, fadiga, ganho de peso
Sistema muscular Fraqueza muscular proximal
Caibras e mialgias,
Síndrome do túnel do carpo
Sistema cardiovascular Bradicardia, arritmias, derrame plericárdico
Convergência de PA (RVS)
Sistema TG Intestinal Constipação, plenitude gástrica
Sistema nervoso central Bradipsiquismo, bradilalia e depressão
Labilidade emocional, irritabilidade
Pele e fâneros Pele pálida, fria e seca. Unha frágil
Cabelos ressecados e alopécia areata,
Madarose e vitiligo
Sistema reprodutor Metrorragia, galactorréia e infertilidade

Otorrino Rouquidão
17
Exame Físico

18
19
Exame Físico

Endocrinologia - UFRO 20
Exame Físico

Achados: bócio difuso, nodular ou tireóide atrófica (sem bócio)

21
Diagnóstico Laboratorial
 Perfil hormonal:
 TSH e T4 livre
○ T3 e T4*
 Anticorpo antiperoxidase (TPO)
 Anticorpo antitireoglobulina (Tg)

22
Diagnóstico Laboratorial
Fase Inicial Fase Tardia
Exame
(subclínico) (clínico)

TSH Elevado Elevado

T4 Livre Normal Baixo

23
Diagnóstico Laboratorial

24
Diagnóstico Laboratorial

Endocrinologia - UFRO 25
Diagnóstico Laboratorial

Endocrinologia - UFRO 26
Diagnóstico por Imagem
 Teleradiografia de tórax
Aumento da área cardíaca
Derrame pleural

27
Diagnóstico por Imagem
 Ultrassonografia da tireóide:
Alteração do volume
>10 cm³
diâmetro anteroposterior > transverso
Alteração da eco textura
Hipoecóico
nódulo espiculado
nódulo com margem microlobulada
bordos irregulares e limites imprecisos
Presença de lesões
Alto fluxo no doppler
microcalcificações
Alterações vasculares
Linfoadenopatia cervical

28
Diagnóstico por Imagem

29
Tratamento
TSH

Angina?

30
Tratamento
 Orientação geral:
 Iniciar dose de acordo com o nível do TSH
○ Doses disponíveis: 12,5 a 300 mcg
 Reavaliar o TSH após 30 dias da dose final
 Jejum 30-60 mim

 Cardiopatas:
 Início da reposição deve ser lento e gradativo
○ Dose: 12,5 a 25 mcg dia
 Em angina pode não ser possível a reposição plena

31
Receita
Dr. Girafoles
Médico
Receituário

Paciente: Kiko
CNS. nº 0000
Uso interno:

1. Tapazol 10 mg -----------------------------------------
Tomar 1 comprimido 30-60 mim antes do café

xx/xx/xxxx

32
Tratamento

33
Causas de interferência

34
Rastreio

35
Hipotireoidismo congênito

36
Hipotireoidismo congênito
 Incidência: 1:3.000 a 4.000 RN

 Pode ser transitório:


 Se a mãe apresentar AC bloqueando o TSHr

 Pode ser definitivo:


Disgenesia (85% dos casos)
Disormonogênese (10-15%)
Autoimune

37
Clínica

 Só 10% são diagnosticados com base


nas manifestações clínicas:
1. Icterícia, hipotonia e macroglossia
2. Hérnia umbilical
3. Atraso na maturação óssea
4. Lesão neurológica permanente

38
Diagnóstico e Tratamento
 Diagnóstico:
 Diagnóstico clínico presuntivo + Triagem neonatal

39
Fim
“O velho, umas poucas horas antes
de sua morte, me dissera que havia
vivido cem anos e que não sentia
nada de errado com seu corpo senão
fraqueza. E assim, enquanto eu
estava sentado num leito do Hospital
de Santa Maria Nuova, em Florença,
sem qualquer movimento ou outro
sinal de percalço, ele abandonou a
vida. E eu fiz uma anatomia dele a
fim de ver a causa de uma morte
suave… Essa anatomia, eu
a descrevi com muito cuidado e com
muita facilidade devida à ausência de
cordura e de humores que impedem
grandemente o reconhecimento das
partes.”
Leonardo Da Vinci (1452-1519)

40

Você também pode gostar