Você está na página 1de 27

Cartografias do trabalho docente pretende

contrapor supostas "verdades" com estudos que


procuram mapear a compreensão do trabalho
docente através de novos olhares, buscando
alternativas – nem mágicas, nem milagrosas –,
capazes de ir além de uma representação
homogeneizadora de nosso trabalho como
professores e professoras.

Preparado por um grupo de professores como


uma ação política, indiciando possibilidades
teóricas, epistemológicas e práticas para nosso
trabalho, a obra não pretende esgotar temas mas
abrir portas, conectar múltiplos campos e
possibilidades, produzir entradas nos temas que
aborda.
O livro é dividido em 3 partes.
DESLOCANDO O “FOCO”: SERÁ
POSSÍVEL UMA SÍNTESE?
PARTE I DO LIVRO
Ao se tratar de uma pedagogia capaz de
trabalhar com o adulto no corpo da criança,
ouvem-se questões, tais como: “PORQUE VOCES
FALAM TANTO EM ESCOLA DE PERIFERIA? ELA
NÃO É IGUAL EM QUALQUER LUGAR? AS
CRIANÇAS DA PERIFERIA NÃO TEM DIREITO À
MESMA ESCOLA QUE RECEBE OS FILHOS DE
OUTRAS CLASSES?
1. As que vão para a rua trabalhar;
De acordo com a
2. As que provem de famílias que
publicação organizada
vivem nas ruas;
por Minayo (1993), Prado
3. As que romperam com os laços
Gomes (1993), pesquisa
familiares.
sobre o perfil de “meninos
e meninas de rua”, no
Brasil , cujos resultados:
distinguem três grupos de Entre as crianças do primeiro grupo, ainda é
possível perceber traços de interesse pela
crianças conforme a sua escola e um maior índice de escolarização.
relação familiar: Segundo os autores, as crianças entrevistadas,
em diversas regiões metropolitanas do Brasil,
com média de idade de doze anos, estão no
máximo na segunda série e amargando muitas
histórias de repetências.
A diferenciação se verifica e se legitima como parte das
diferenças de expectativas de pais, professores e
administradores sobre como deverão se sair na escola as
crianças provindas de diferentes ambientes sociais. (Carnoy
e Levin, 1987, p.159)

Para Carnoy e Levin(1987) ainda são bastante marcantes no


cenário educacional, as crianças, conforme a classe social, passam
por diferentes experiencias escolares que remetem a rumos
profissionais distintos, adequadas aos valores exigidos por
profissões semelhantes às de seus pais. Para os autores, “existe
uma constelação de forças que fortalece a transmissão diferencial
do status dos pais entre as escolas”.
Para os pais de classe trabalhadora, restam
poucas possibilidades de influir sobre as
politicas da escola, haja vista “sua própria
educação, seu baixo senso do poder que
possuem e sua tendência a atribuir
importância excessiva a capacidade
profissional do pessoal das escolas” (Carnoy
e Levin,1987, p.159)
FREITAS (1995) – “A ESCOLA, SE NINGUÉM EXERCER PRESSÃO
CONTRA, É REPRODUTIVISTA. AS ‘POSSIBILIDADES’ NÃO SÃO UM
PRODUTO ‘NATURAL’. SÃO CONCRETIZADAS NO BOJO DAS
LUTAS POLÍTICO-IDEOLÓGICAS E SÓ SE CONVERTEM EM
REALIDADE COM CLAREZA POLÍTICA E IDEOLÓGICA” (P.277).
PARA TANTO, INCITAMOS OS AUTORES, É PRECISO EXPLORAR A
CONTRADIÇÃO ELIMINAÇÃO/MANUTENÇÃO SEM A ILUSÃO DE
PODER SUPERÁ-LA ENQUANTO A CONTRADIÇÃO, DA QUAL SE
ORIGINA, ENTRE CAPITAL E TRABALHO, NÃO FOR SUPRIMIDA,
TIRANDO O PROVEITO DAS SUAS CONSEQUÊNCIAS,
PRINCIPALMENTE DO AUMENTO NO NÍVEL DE INSTRUÇÃO DA
FORÇA DE TRABALHO EM CONFRONTO COM AS NOVAS
FORMAS DE EXPLORAÇÃO.
Sentimos medo por sabermos que não existe na nossa
sociedade um lugar no qual essa infância possa ser vivida, um
lugar que produza relações a partir das quais essas crianças
constituam em si possibilidades de convivência humana
pautada por aquilo que Freire (1997) chamou de “ética
universal do ser humano”: onde se constituam seres de
decisão, da ruptura, da opção; seres inconclusos, seres
condicionados, capazes de ultrapassar os condicionamentos.
NOSSO MEDO CRESCE AINDA MAIS PORQUE MUITAS DELAS
QUEREM SOBREVIVER E SE AUTO AFIRMAR COMO GENTE.
QUANDO A MORAL ENRAIZADA SUCUMBE AS DETERMINAÇÕES
CIRCUNDANTES, ESSES ADULTOS NO CORPO DE CRIANÇAS
BUSCAM FORAM DO ESPAÇO INSTITUCIONAL O PODER DE
PROVER O SEU SUSTENTO E A POSSIBILIDADE DO
RECONHECIMENTO. NA AUSÊNCIA DE OUTROS VALORES, DE
OUTRA ÉTICA, REPRODUZEM, NO ESPAÇO MARGINAL QUE CRIAM,
AS RELAÇÕES DE EXPLORAÇÃO, DE DENOMINAÇÃO, DE
OPRESSÃO CONHECIDAS POR TODOS NÓS E SOBRE AS QUAIS
AS INSTITUIÇÕES TRADICIONAIS NÃO EXERCEM QUALQUER
PODER.
GUIADOS PELO “OTIMISMO DA VONTADE”, APESAR DE IMPREGNADOS DO
“PESSIMISMO DA TEORIA” E VIGIANDO-NOS PARA NÃO EMBARCAR NA
ILUSÃO REDENTORA, ACREDITAMOS QUE A ESCOLA PODE SER ESSE LUGAR,
LUTANDO CONTRA OS LIMITES QUE A CONSTITUEM E A IDENTIFICAM COMO
INSTITUIÇÃO DESTA SOCIEDADE, ATINGINDO ESPAÇOS DEIXADOS PELAS
CONTRADIÇÕES QUE A PERMEIAM. PARA TANTO, JÁ NÃO SE TRATA DE
BUSCAR A ESCOLA QUE SE REPETE EM TODOS OS LUGARES, MAS DE UMA
ESCOLA ONDE HAJA CONDIÇÕES PARA QUE ESSA CRIANÇA SEJA PERCEBIDA
EM SUAS NECESSIDADES, ONDE TENHA A OPORTUNIDADE DA FALA, ONDE
SEJA INCORPORADA AO PROCESSO PEDAGÓGICO, DEIXANDO NELE AS SUAS
MARCAS. ANDERSON (1196), CITANDO MARX, TOMA DELE UM PRINCIPIO
(ESSENCIALMENTE PEDAGOGICO0 PARA DEFENDER UMA IGUALDADE COMO A
“ÚNICA AUTENTICA DIVERSIDADE: A CADA UM, SEGUNDO AS SUAS
NECESSIDADES; DE CADA UM SEGUNDO SUAS CAPACIDADES” (MARX APUD
ANDERSON,1996, P.199).
CARNOY E LEVIN (1987), COM BASE EM UMA PESQUISA EMPÍRICA DIRIGIDA
POR INTEGRANTES DE SEU GRUPO DE ESTUDOS, ELABORAM ALGUNS
INDICATIVOS PARA MOSTRAR COMO A POSIÇÃO DE CLASSE DOS PAIS É
REPRODUZIDA NA ESCOLA. SÃO ELES: PADRÕES INTERNOS VERSUS
ORIENTAÇÃO PARA O PRESENTE; HABILIDADES DE MANIFESTAÇÃO VERBAL;
ÊNFASE SOBRE HABILIDADE COGNITIVAS E RESULTADOS OBTIDOS.
DISTINTAMENTE, OS FILHOS DAS CLASSES TRABALHADORAS SÃO IMPELIDOS A
OBEDECER A REGRAS E REGULAMENTOS, MOTIVADOS E ORIENTADOS POR
MEDIDAS E SUPERVISÃO EXTERNAS, ENQUANTO QUE, PARA AQUELES AOS
QUAIS SÃO PREVISTOS CARGOS EM UMA HIERARQUIA PROFISSIONAL
SUPERIOR, CABE O EXERCÍCIO DA AUTODIREÇÃO E UM MÍNIMO DE SUBMISSÃO
À SUPERVISÃO. PARA OS PRIMEIROS, BASTA SEGUIR ROTINA, VISTO QUE NÃO
LHES É IMPORTANTE SABER DAS CONSEQUÊNCIAS FUTURAS DA AÇÃO DO
PRESENTE, CONDIÇÃO ESTA NECESSÁRIA AO SEGUNDO GRUPO. ESPERAM-SE
DOS PRIMEIROS RESPOSTAS E APRESENTAÇÕES CURTAS E ROTINEIRAS,
ENQUANTO QUE, DO SEGUNDO, ANALISES MAIS EXTENSAS E RELATOS BEM
ORDENADOS E CONTEXTO SITUADOS. O ESFORÇO, NO SENTIDO DE
DESENVOLVIMENTO DAS HABILIDADES COGNITIVAS, É MAIOR NO PRIMEIRO
GRUPO E MINIMIZADO NO SEGUNDO.
AS RELAÇÕES SOCIAIS NO INTERIOR DA ESCOLA PREPARAM O INDIVÍDUO, DO
PONTO DE VISTA DE ENGUITA (1989, PP.161-190), PARA ACEITAR E SE
INCORPORAR ÀS RELAÇÕES DE PRODUÇÃO DOMINANTES. TAIS RELAÇÕES SÃO
CONSTITUÍDAS DOS SEGUINTES DETERMINANTES:
ZEICHNER (1993) REÚNE, A PARTIR DE ALGUMAS PESQUISAS A QUE FAZ REFERÊNCIA, ALGUNS
ASPECTOS QUE CARACTERIZARIAM UM ENSINO BEM-SUCEDIDO ENTRE AS CRIANÇAS POBRES. ENTRE
ELES SÃO:
1. EXPECTATIVAS ELEVADAS – A CRIAÇÃO DE UM AMBIENTE EM SALA DE AULA EM QUE AS CRIANÇAS SE
SINTAM VALORIZADAS E CAPAZES DE OBTER SUCESSO NOS ESTUDOS E EM TAREFAS CADA VEZ MAIS EXIGENTES, E NO
QUAL, ENTRE PROFESSORES E ALUNOS, SE ESTABELEÇAM LAÇOS DE SINCERO AFETO...
2. A PONTE – TRATA-SE DA CAPACIDADE DE TRAZER À SALA DE AULA ELEMENTOS CULTURAIS RELEVANTES PARA
OS ALUNOS;
3. O SABER – OS PROFESSORES TERÃO DE DISPOR DE CONHECIMENTOS GERAIS E DE UTILIZÁ-LOS NA
ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E DO PROCESSO PEDAGÓGICO, TENDO EM VISTA ESTIMULAREM AS CRIANÇAS PARA A
APRENDIZAGEM;
4. ESTRATÉGIAS DE ENSINO – A PRIORIDADE DO CONTEÚDO E DA CONSTRUÇÃO DO SIGNIFICADO REMETE À
BUSCA DE ESTRATÉGIAS E PRATICAS QUE RESPONDAM ÀS NECESSIDADES DOS ALUNOS;
5. ENGAJAMENTO EM LUTAS SOCIAIS, CUJO CARÁTER SE SITUA NA BUSCA PELA REALIZAÇÃO DE UMA
SOCIEDADE MAIS JUSTA E HUMANA – CONDIÇÃO PRÉVIA PARA A REALIZAÇÃO DE REFORMAS SOCIAIS E
EDUCACIONAIS AMPLAS.
Embora os programas de formação de professores
ensinem os professores a ensinar os vários alunos com
respeito, criatividade e competência nas suas salas de
aula, não podem prepara0-los para substituírem os
movimentos sociais e políticos necessários à
transformação das deficiências sistêmicas da nossa
sociedade e dos seus sistemas educativos.
(Zeichner,1993,p93)
Giroux (1997), “estratégias de oposição com estratégias de
reconstrução” da nova ordem social. O que digo não se situa nos marcos
do discurso: “por muito tempo apontamos os erros da educação
brasileira; é hora de começar a propor”. Não se trata de anexar
propostas, mas de assumir a tarefa histórica de buscar no que ai existe
os elementos que poderão ser a sua negação. Para isso, não podemos
abdicar da critica. Precisamos, de posse dela, assumir que, nas palavras
de Paulo Freire (1996), a “História é tempo de possibilidade e não de
determinações, que o futuro é problemático e não inexorável”. Isso
significa olhar para as expectativas espalhadas pelo Brasil afora
buscando os sinais a que se referia este nosso velho amigo quando dizia:
“Mudar a educação é difícil, mas é possível”.
TRATA-SE DE FORMAR UM PROFESSOR QUE NÃO ABDICA DO
APRENDER PORQUE A VIVENCIA DA CURIOSIDADE, DA VONTADE DE
VER/FAZER COISAS NOVAS E REALIDADES QUE NÃO ESTÃO DADAS, É A
POSSIBILIDADE QUE TEM DE CONTAGIAR O SEU ALUNO. É UM
PROFESSOR QUE POR APROPRIA-SE DO SEU TRABALHO, INDAGA-O E
INDAGA AS TEORIAS . É UM PROFESSOR QUE, CAPAZ DE SE INDIGNAR
COM AS CONTRADIÇÕES, AGREGA OUTROS NA TAREFA DE SUPORTAR
O MUNDO E DE GUIA-LO POR UMA HISTÓRIA QUE NÃO NEGUE A
EXISTÊNCIA HUMANA. UM PROFESSOR QUE SE CAPACITA PARA
CONTRIBUIR COM A ELABORAÇÃO DE UMA TEORIA PEDAGÓGICA QUE
APOSTE NA INFÂNCIA COMO PRODUTORA DE UM FUTURO, DE UM
MUNDO DIFERENTE. UM PROFESSOR QUE, PARA PRODUZIR ESSA
TEORIA, SEJA CAPAZ DE SERIEDADE E RIGOR, INDICADOS POR FREIRE
(1996) COM VALORES NECESSÁRIOS À DISCIPLINA INTELECTUAL, SEM
TEMOR DE ENRAIZAR ESSA PRODUÇÃO EM OPÇÃO QUE, EM SEU
CERNE, SÃO ÉTICAS E SÃO POLÍTICAS.
COMO PRINCÍPIOS NESSA TAREFA, VALEM AS TRÊS LIÇÕES QUE, SEGUNDO
ANDERSON (1996A), O NEOLIBERALISMO NOS ENSINOU E QUE
PRECISARIAM FIGURAR NO HORIZONTE DAQUELES QUE QUEREM
CONTRIBUIR PARA A EMERGÊNCIA DE UM NOVO HORIZONTE:

PRIMEIRA LIÇÃO: NÃO TER NENHUM MEDO DE ESTAR


ABSOLUTAMENTE CONTRA A CORRENTE POLITICA DO NOSSO
TEMPO [...]
SEGUNDA LIÇÃO: NÃO TRANSIGIR EM IDEIAS, NÃO ACEITAR NENHUMA
DILUIÇÃO DE PRINCÍPIOS[...]
TERCEIRA LIÇÃO: NÃO ACEITAR NENHUMA INSTITUIÇÃO ESTABELECIDA
COMO IMUTÁVEL. (ANDERSON, 1996ª, PP.197-198, GRIFOS DO AUTOR)
O COTIDIANO DO TRABALHO DOCENTE

Palco, Bastidores e Trabalho Invisível...Abrindo as cortinas


(Adair M.Nacarato, Adriana Varani e Valéria de Carvalho).
O (a) professor (a): uma imagem que se construiu: “Além
de dar aula, você trabalha, professor (a)? Com certeza já
ouvimos isso muitas vezes. A “expressão”dar aulas”,
oculta um papel de profissional e fortalece a imagem de
doação – logo, de um fazer não remunerado.
A IDEOLOGIA IMPÕE LIMITES PARA SE ENTENDER O (A)
PROFESSOR (A) COMO PROFISSIONAL QUE
CONSTRÓI/PRODUZ SABERES PROFISSIONAIS. CITANDO
KREUTZ: “PROFESSOR, O QUE PROFESSA FÉ E FIDELIDADE
AOS PRINCÍPIOS DA INSTITUIÇÃO E SE DOA
SACERDOTALMENTE AOS ALUNOS, COM PARCA
REMUNERAÇÃO AQUI, MAS FARTA NA ETERNIDADE”. A
ESSA IDÉIA FOI-SE JUNTANDO A FEMINIZAÇÃO DO
MAGISTÉRIO. HÁ TEMPOS ATRÁS, O PROFESSOR DETINHA
UMA CERTA AUTONOMIA E CONTROLE SOBRE SEU
TRABALHO, POSSUÍA UM SABER E ERA CONHECIDO
PUBLICAMENTE COMO AUTORIDADE EM MUITAS
COMUNIDADES.
A EXPANSÃO DA EDUCAÇÃO FAZ O PROFESSOR
VIVER UMA TENSÃO QUE TEM DE UM LADO AS
CONDIÇÕES IMPOSTAS PELAS POLÍTICAS
EDUCACIONAIS E DE OUTRO OS GRUPOS QUE
RESISTEM: A SITUAÇÃO REPRESENTA MAIS UM
CABO DE GUERRA.
REFLEXÕES SOBRE UMA PRÁTICA DOCENTE SITUADA: Buscando novas perspectivas para a
formação de professores (Tadeu Oliver Gonçalves e Terezinha Valim Oliver Gonçalves). Os
autores apresentam, segundo SHULMAN, três categorias de conhecimento e três formas de
representação ao ensinar: Esses tipos de conhecimento são:
1) conhecimento específico do conteúdo;
2) conhecimento pedagógico do conteúdo;
3) conhecimento curricular.

A formas de ensinar são:


1) proposicional (apresentação de fatos, princípios e máximas) em geral sem sentido para o
estudante;
2) conhecimento de caso (favorece a articulação entre a teoria e a prática);
3) conhecimento estratégico (o necessário para certas ocasiões).

O desafio da formação de professores: sintonizar a teoria e a prática, junto com a pesquisa e


além da formação inicial, a continuada. Sugestão dos Autores: construir projetos político-
pedagógicos com alunos e professores para uma cultura de formação de professores.
O PROFESSOR AO LONGO DA HISTÓRIA
• O Sistema Burocrático imposto ao Trabalho docente
• Os Controles externos sobre o trabalho docente
• As implicações do projeto politico-educacional do governo

Você também pode gostar