Finanças Corporativas

Análise de Demonstrações Financeiras

Profª.: Luzileide Euzebio Marinho

Demonstrações Financeiras
As demonstrações financeiras fornecem uma série de dados sobre a empresa, de acordo com regras contábeis. A análise destas demonstrações visa transformar esses dados em informações e será tanto mais eficiente quanto melhores informações produzir.
Fatos ou eventos econômicofinanceiros Demonstrações financeiras (dados) Processo
contábil

1

Técnicas de análise de demonstrativos

Informações financeiras para a tomada de decisões

Usuários das demonstrações financeiras
Fornecedores Bancos comerciais Bancos de investimento Proprietários (acionistas) Administradores da empresa Governo A lei das sociedades anônimas estabelece que ao fim de cada exercício social, a diretoria deverá elaborar uma publicação com as demonstrações financeiras da empresa. Estão obrigadas a elaborar e publicar as demonstrações financeiras, todas as sociedades por ações de capital aberto (que possuem suas ações negociadas em bolsa) e as companhias de capital fechado, cujo patrimônio líquido, na data do balanço seja superior a R$ 1.000.000,00. Obs : - As demais sociedades, não anônimas, não são obrigadas à publicação das demonstrações financeiras. - A CVM (Comissão de valores mobiliários) é o órgão que supervisiona e fiscaliza as empresas (sociedades anônimas) publiquem seus relatórios anuais de maneira adequada e precisa.

Demonstrações Financeiras
Estrutura básica de uma publicação
‡ Relatório da diretoria Através desse relatório, a diretoria presta informação aos acionistas sobre diversos aspectos do desempenho e de perspectivas da sociedade relativas a estratégias de vendas, compras, produtos, expansão, efeitos conjunturais, legislação, política financeira, de recursos humanos, resultados alcançados, planos, previsões etc. ‡ Demonstrações Financeiras São divididas em quatro tipos : 1. Balanço patrimonial 2. Demonstração do resultado do exercício 3. Demonstração das mutações do PL ou Demonstração de lucros/ prejuízos acumulados 4. Demonstração das origens e aplicações de recursos ‡ Notas explicativas São dados e informações que complementam as demonstrações financeiras como, por exemplo, taxa de juros, vencimentos e garantias de obrigações de longo prazo. Fornecem ainda, critérios contábeis, como os de avaliação de estoques e depreciação e ainda acrescentam informações, como garantias prestadas a terceiros e espécies de ações do capital social. ‡ Parecer dos auditores

2

É obrigatório apenas para as companhias abertas, ou seja, aquelas que têm papéis negociáveis (ações ou debêntures) colocados junto ao público. Os auditores independentes são contadores que, sem manter vínculo empregatício, são contratados para emitir opiniões sobre a correção e veracidade das demonstrações financeiras. Verificam os controles internos da empresa, conferem lançamentos e conciliações contábeis e checam os saldos com os bancos, clientes e fornecedores, tudo por amostragem. Em função disso, a opinião dos auditores tem satisfatória probabilidade de estar correta e pequena probabilidade de falhar.

ATIVO ‡ Ativo Circulante ‡ Ativo realizável a longo prazo ‡ Ativo permanente .Demonstrações Financeiras Balanço Patrimonial 3 É a demonstração que apresenta todos os bens e direitos da empresa. A diferença entre ativo e passivo é chamada patrimônio líquido e representa o capital investido pelos proprietários da empresa. quer gerados por esta em suas operações e retidos internamente.Imobilizado .Lucros ou prejuízos acumulados . quer através de recursos trazidos de fora da empresa.Reservas de lucros .Capital social .Investimentos . assim como as obrigações em determinada data.Reservas de capital .Diferido PASSIVO ‡ Passivo circulante ‡ Exigível a longo prazo ‡ Resultado de exercícios futuros ‡ Patrimônio Líquido .

através de um entre dois caminhos possíveis : redução do ativo ou aumento do passivo exigível. como duplicatas a receber ou dinheiro proveniente das transações.Demonstrações Financeiras Demonstração do Resultado do Exercício 4 É uma demonstração dos aumentos e reduções causados no patrimônio líquido pelas operações da empresa. aumenta o patrimônio líquido. As receitas representam normalmente aumento do ativo. As despesas representam redução do patrimônio líquido. Aumentando o ativo. DRE Receita bruta das vendas e serviços (-) Devoluções (-) Impostos (=) Receita líquida das vendas (-) Custo das mercadorias vendidas (=) Lucro bruto (-) Despesas com vendas (-) Despesas financeiras (deduzidas das receitas financeiras) (-) Despesas gerais e administrativas (-) Outras despesas operacionais (+) Outras receitas operacionais (=) Lucro ou prejuízo operacional (+) Receitas não operacionais (-) Despesas não operacionais (=) Resultado do exercício antes do imposto de renda (-) Imposto de renda e contribuição social (-) Participações de debêntures (-) Participações dos empregados (-) Participações de administradores e partes beneficiárias (=) Lucro ou prejuízo líquido do exercício (=) Lucro ou prejuízo por ação A demonstração do resultado retrata apenas o fluxo econômico e não o fluxo monetário (fluxo de dinheiro) !!! . através de ingresso de novos elementos.

seja ela proveniente da correção monetária. independentemente da origem da variação. do aumento de capital.Demonstrações Financeiras Demonstração das Mutações do Patrimônio Líquido 5 Esta demonstração apresenta as variações de todas as contas do patrimônio líquido ocorridas entre dois balanços. dentro do próprio patrimônio líquido. de reavaliação de elementos do ativo ou de lucro. Demonstração das Mutações do PL Saldos em 31-12-X0 ‡ Aumentos de capital com lucros e reservas por subscrições realizadas ‡ Lucro líquido do exercício ‡ Destinação do lucro líquido Reserva legal Reserva estatutária Dividendos Saldos em 31-12-X1 Serve como elemento complementar da análise !!! .

mostrando ³novas origens e aplicações´ ocorridas durante o exercício. Apresenta de forma ordenada e sumarizada as principais informações relativas às operações de financiamento e investimento de uma empresa durante um determinado período. evidenciando as alterações na sua posição financeira. Estes eventos que podem e devem afetar consideravelmente a situação financeira de uma empresa. Entre dois balanços.Demonstrações Financeiras Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos 6 É uma demonstração que evidencia a variação a variação do capital circulante líquido. feito um saneamento do passivo financeiro de longo prazo. DOAR Origens dos Recursos ‡ Lucro líquido do exercício ‡ Aumento de capital ‡ Recursos de terceiros provenientes de : Aumento do exigível a longo prazo Redução no realizável a longo prazo Alienação da ativo permanente ‡ Contribuição para reservas de capital Aplicações de Recursos ‡ Dividendos ‡ Aquisição de imobilizado ‡ Aquisição de investimentos e diferido ‡ Aumento no realizável a longo prazo ‡ Redução no exigível a longo prazo Aumento ou Redução do CCL Classificação das Origens e Aplicações Básicas de Caixa Origens ‡ Diminuição em qualquer ativo ‡ Aumento em qualquer passivo ‡ Lucro líquido após o IR ‡ Depreciação e outros ítens não desembolsáveis. que mostrará apenas globalmente o efeito deles !!! . não estão evidenciados claramente no balanço patrimonial. A empresa pode ter feito investimentos e/ou desinvestimentos em ativo imobilizado e participações societárias. etc. inúmeras alterações podem ocorrer. ‡ Venda de ações Aplicações ‡ Aumento em qualquer ativo ‡ Diminuição em qualquer passivo ‡ Prejuízo líquido ‡ Dividendos pagos ‡ Recompra ou resgate de ações Uma DOAR parte de dois balanços patrimoniais. chamando recursos dos sócios.

‡ Dividendos pagos (=) Fluxo de caixa final 7 DOAR x DFC A DFC é mais completa que a DOAR pois. durante o período em questão. Método Indireto : Nesta demonstração parte-se do lucro líquido e realiza-se todos os ajustes que conduzem ao fluxo de caixa. excluindo títulos a pagar. ‡ Variações em todos os passivos circulantes. excluindo caixa e títulos negociáveis. DFC (Método Indireto) ‡ Lucro líquido do exercício ‡ Depreciação e outras despesas não desembolsáveis ‡ Variações em todos os ativos circulantes. excluindo lucros retidos. (=) FCO antes dos investimentos ‡ Variações em ativos imobilizados brutos ‡ Variações em participações societárias (=) FCO após os investimentos ‡ Variações em títulos a pagar ‡ Variações no exigível a longo prazo (=) FCA ‡ Variações no patrimônio líquido. . de investimento e de financiamento e reconcilia-os com as variações em seu caixa.Demonstrações Financeiras Demonstração dos Fluxos de Caixa É uma demonstração que fornece um resumo dos fluxos de caixa da empresa relativos às atividades operacionais. compreende todos os dados da DOAR mais a variação dos saldos das contas do ativo e passivo circulantes.

etc) (-) Pagamento de despesas (comerciais e administrativas) (+) Receita financeira (aplicações de curtíssimo prazo) (-) Pagamento de IR/ CSL (=) FCO antes dos investimentos (-) Investimentos fixos (=) FCO após os investimentos (-) Pagamento de juros (-) Pagamento de principal (+) Contratação de novos financiamentos (=) FCA (+) Integralização de capital (-) Pagamento de dividendos (=) FC antes dos eventos não operacionais (+) Recebimentos não operacionais (-) Pagamentos não operacionais (=) Fluxo de caixa final .Demonstrações Financeiras Demonstração dos Fluxos de Caixa 8 Método direto : Nesta demonstração os principais recebimentos e pagamentos devem ser destacados. facilitando a visualização e a compreensão do fluxo financeiro. DFC (Método Direto) Recebimento por vendas/ clientes (-) Pagamento de impostos (sobre as vendas) (-) Pagamento de custos (fornecedores. mão-de-obra.

Demonstrações Financeiras Exemplo (Balanço Patrimonial) B NÇ M / / / / / / 9 C RCULAN NANC RO Ds c ç s c s S s m OPERAC ONAL C s s s S s m C c REALIZÁVEL A LON O PRAZO PERMANEN E s m s m z D S m TOTAL DO ATIVO PASSIVO CIRCULANTE OPERACIONAL c s s ç s S s m FINANCEIRO m s m s c s D c s sc s S s m P ss C c EXIGÍVEL A LONGO PRAZO m s m s c m s S m CAPITAIS DE TERCEIROS PATRIMÔNIO LÍQUIDO C R s s L c s c m s S m TOTAL DO PASSIVO 665 969 6 6 56 75 796 96 6 6 6 7 9 9 5 5 6 7 5 5 6 9 7 69 7 9 5 9 6 75 6 575 9 575 7 69 5 765 69 7 6 7 56 75 5 75 96 7 79 9 5 75 6 9 7 7 9 76 5 65 5 7 5 6 75 6 9 59 66 65 9 6 56 79 957 6 6 655 657 77 7 6 7 6 7 7 6 9 65 9 69 9 76 9 5 6 79 7 5 9 77 6 77 79 7 6 7 7 7 7 576 65 9 7 9 5 57 5 5 676 699 7 957 77 9 5 99 9 55 5 6 997 667 7 5 65 5 .

116 167.741 (30.478 (24.987) 316 997 1 667 827 aldo em 31 12 x0 Lucro líquido do e ercício de 19x1 Au en o de capital Dividendos aldo em 31 12 x1 Lucro líquido do exercício de 19x2 Au ento de capital Dividendos aldo em 31 12 x2 Lucro líquido do exercício de 19x3 Au ento de capital Dividendos aldo em 31 12 x3 .18 ) 413 778 1 070 861 167.987) (61.860 284.304 165 956 10 Exemplo (Demonstração das Demonstraç es das utaç es do atr m n o Líqu do utaç es do atr m n o Líqu do) ap tal soc al e reservas 577 605 79.478 657 083 537.R Lucro l u do 19x1 4 793 123 3 621 30 1 171 593 4 3 8.308 410 546 1.440 (86.232) 213 028 1 407 185 165.18 ) (24.816) 307 438 307.22 17.298) 305 304 305.956 165.116 (281.438 167 116 19x3 5 851 586 4 218 671 1 632 915 4 8.Demonstraç es F nance ras Exemplo (Demonstração de Resultado) Demonstraç es de Resultados Rece ta l u da Cus o dos p odu os end dos Lucro ruto espesas ope ac ona s u as ece as ope ac ona s Lucro operac onal antes result nanc Rece as financeiras Despesas financeiras Lucro operac onal Resu ado não operaciona Lucro an es do I.673 (61.3 4 683 994 10.604 223 741 19x2 4 425 866 3 273 30 1 152 336 427.581 742 692 7.634) 2 .058 411.562 (442.956 1 6.074 1 194 157 1 6.02 27.777 1 162 667 5.93 (863.673 1 350 830 Reserva le al + Total lucros acumulados 244 222 821 827 223.741 223.232) (86.000) 49.

898 86.987 5 .67 8 7.756 12.2 .277 56. 27.896 1.176. 20.57 4 .47 24.214.956 67. e f nan . 2 67.054 D dend s Reduções de emp. 41 1.443 1. 5 .684 92 . 73.5 .5 49. otal das origens A ICA ÕE A ument de ap ta na 19x1 19x 19x .769 347.528 1.323 .483 243.6 7 49. 77 2 .Demonstrações Financeiras Exemplo (Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos) 11 DOAR ORI E DA O ERA ÕE L Dep e açã Resu tad de e u a ên a pat DO A IO I DE ERCEIRO s emp est.272 9 6. ng p az u s çã de n est ment s u s çã de m b zad s m s at d fe d otal das aplicações ariação do CC 24.5 . 4 34.44 65.232 5 .571 6 .7 2 .068 113. 8 6.204 .48 4. 6 .

Patrim.patrimônio líquido Exigível a longo prazo Patrimônio líquido Índice exigível a LP .Avaliação do Desempenho Empresarial Análise através de índices 12 A avaliação da empresa através de índices exige obrigatoriamente a comparação com padrões e a fixação da importância relativa de cada índice. . que visa evidenciar determinado aspecto da situação econômica ou financeira de uma empresa !!! Estrutura Situação Financeira Liquidez Situação Econômica Prazos médios Rentabilidade Estrutura de Capitais (Endividamento) Os índices desse grupo evidenciam as grandes linhas de decisões financeiras. Índice é a relação entre contas ou grupos de contas das demonstrações financeiras. líquido = Indica : Relação entre os recursos de LP fornecidos por credores e os recursos fornecidos pelos proprietários da empresa. Índice de endividamento geral Índice de endividamento geral = Exigível total Ativo total Indica : Quanto dos ativos totais da empresa está sendo financiado pelos credores. em termos de obtenção e aplicação de recursos. Índice exigível a longo prazo .

de terceiros = Capitais de terceiros Patrimônio líquido 13 Indica :Quanto a empresa tomou de capitais de terceiros em relação ao capital próprio empregado. endividamento = Indica : Qual o percentual de obrigações a curto prazo em relação ás obrigações totais. Índice de imobilização do patrimônio líquido Ativo permanente Patrimônio líquido Índice imob.Avaliação do Desempenho Empresarial Análise através de índices Índice de participação de capitais de terceiros Índice de participação de cap. de preferência. Índice de cobertura de juros Lucro antes dos juros e do IR (EBIT) Despesa com juros Indica : A capacidade da empresa para efetuar pagamentos de juros contratuais. Obs : Como regra. próximo a 5. Índice de composição do endividamento Passivo circulante Capitais de terceiros Índice comp. Índice de cobertura de juros = . sugere-se um valor mínimo de 3 e. Patrimônio líquido = Indica : Quanto a empresa aplicou no ativo permanente em relação ao patrimônio líquido.

Índice de liquidez corrente Índice de liquidez corrente = Ativo circulante Passivo circulante Indica : Mede a capacidade da empresa em satisfazer suas obrigações de curto prazo. por ser geralmente o ativo circulante de menor liquidez. com a única diferença que exclui os estoques do ativo circulante da empresa.00 de dívida total.estoques Passivo circulante Indica : Quanto a empresa possui de ativo líquido para cada $1. obrigatoriamente pagando suas dívidas em dia em função de outras variáveis como prazo e renovação de dívidas !!! Índice de liquidez geral Índice de liquidez geral = Ativo circulante + realizável a LP Passivo circulante + exigível a LP Indica :Quanto a empresa possui no ativo circulante e realizável a LP para cada $ 1.00 de passivo circulante. mas não estará. Obs : É semelhante ao índice de liquidez corrente.Avaliação do Desempenho Empresarial Análise através de índices Liquidez Os índices desse grupo mostram a base da situação financeira da empresa. Quanto a empresa possui no ativo circulante para cada $1. Os índices de liquidez não são índices extraídos do fluxo de caixa que comparam as entradas e saídas de dinheiro. 14 Obs : Muitas pessoas confundem índices de liquidez com índices de capacidade de pagamento. Índice de liquidez seca Índice de liquidez seca = Ativo circulante .00 de passivo circulante. . Uma empresa com bons índices de liquidez tem condições de ter boa capacidade de pagar suas dívidas.

inclusive o imposto de renda. qual o grau de êxito econômico da empresa. quanto renderam os investimentos e. Índice de Margem líquida Margem líquida = Lucro líquido Vendas Indica : Mede a porcentagem de cada unidade monetária de venda que restou. . após a empresa ter pago seus produtos Índice de Margem operacional Margem operacional = Lucro operacional Vendas Indica : Mede a porcentagem de cada unidade monetária de venda. portanto. Índice de Margem bruta Margem bruta = Lucro bruto Vendas Indica : Mede a porcentagem de cada unidade monetária de venda que restou. depois da dedução de todas as despesas. antes dos juros e do imposto de renda. Índice de Giro do Ativo Giro do ativo = Vendas líquidas Ativo Indica : Quanto a empresa vendeu para cada $1.00 de investimento total.Avaliação do Desempenho Empresarial Análise através de índices Rentabilidade 15 Os índices deste grupo mostram qual a rentabilidade dos capitais investidos. isto é.

Índice de giro do ativo permanente Giro do ativo permanente = vendas ativo permanente líquido Indica : Mede a eficiência com a qual a empresa usa seus ativos permanentes para gerar vendas.Avaliação do Desempenho Empresarial Análise através de índices Rentabilidade Índice de rentabilidade do ativo Rentabilidade do ativo = lucro líquido Ativo 16 Indica : Mede a eficiência da administração na geração de lucros com seus ativos totais. Índice de giro do ativo total Giro do ativo total = vendas ativos totais Indica : Mede a eficiência com a qual a empresa usa todos os seus ativos para gerar vendas. do inglês return on equity. também chamado de retorno sobre o investimento (ROI). . Índice de retorno sobre o patrimônio líquido ROE = lucro líquido patrimônio líquido Indica : Mede o retorno obtido sobre o investimento (ações preferenciais e ordinárias) dos proprietários da empresa.É também chamado de ROE.

dos estoques da empresa.Avaliação do Desempenho Empresarial Análise através de índices Índices de prazos médios Prazo médio de recebimento de vendas PMRV = = 360 x Duplicatas a receber vendas diárias vendas Indica : Mede o prazo necessário para cobrar as duplicatas a receber. ou liquidez. Prazo médio de renovação de estoques PMRE = Estoques CMV diárias = 360 x Estoques CMV Indica : Medida de atividade. Prazo médio de pagamento de compras PMPC = Duplicatas a pagar compras diárias = 360 x Duplicatas a pagar Duplicatas a receber 17 compras Indica : Mede o prazo necessário para pagamento das duplicatas a pagar. .

Soma Estoques Lucro líquido endas Desp. a receber axa de reotrno (ROI) #DI ¤   ¢ ¡ £ Mult. adm. ¦ Mult. ¢ ¡ £ Patrimônio líquido A   ¢ ¡ ¡ £ endas Soma I. Soma Desp. vendas   ¥ ¦   ROE #DI   Div. Desp. #DI ¢ ¡ £ Patrimônio líquido Passivo circulante   ¡ ¦ § Passivo e P.P . ¡ ¡ Sub. total ¡ Soma Desp.R ¡ Soma Desp. operac. Real. A vantagem considerável do sistema DuPont é que ele permite evidenciar a relação de causa-efeito entre diversas variáveis que influenciam o desempenho de empresa.P Soma Dup. financ. a L. circulante ¡ Disponibilidade   Giro do ativo #DI   Soma Div.Avaliação do Desempenho Empresarial Sistema de análise DuPont 18 Este sistema funde a demonstração de resultado e o balanço patrimonial em duas medidas : A taxa de retorno sobre o ativo total (ROI) e a taxa de retorno sobre o patrimônio líquido. líquida #DI   ¢ ¡ £ Ativo total Soma At. endas At. perman. g.L ¡ Soma Exigível total ¡ Soma Exigível a L. Div.

em determinado ramo de atividades. Assim. através dos decis. obtém-se uma idéia muito próxima de como se distribuem os elementos em determinado universo. 300 empresas. Como comparar determinado índice com os 300 índices de mesmo tipo dessas 300 empresas ? 19 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 10% 1º decil 2º decil 3º decil 4º decil ediana 6º decil 7º decil 8º decil 9º decil Existem algumas técnicas estatísticas que permitem extrair algumas medidas de determinado ³universo´ de elementos. quartis e decis.Avaliação do Desempenho Empresarial Índices Padrão (A estatística ajudando a analisar demonstrações) Problema : Suponha-se existirem. por exemplo. forem tomados os decis. Estas técnicas estão baseadas no uso de medidas de posição como a mediana. cada uma com 10% dos elementos do universo. distribui-se o universo em fatias. Se. Os 300 índices podem ser dispensados. e passa-se a trabalhar com apenas no decis !!! .

75 4.64% 2º Passo (Tabela de Índices-Padrão) 1º Decil 2º Decil 3º Decil 4º Decil Mediana 6º Decil 7º Decil 8º Decil 9º Decil Estrutura C CC A A Liquidez C Rentabilidade A A .Avaliação do Desempenho Empresarial Modelo de Avaliação Passos para uma avaliação : 1º Passo (Lista dos índices) CT/PL PC/CT AP/PL AP/PL + ELP L LC LS V/AT LL/V LL/AT LL/PL Par ação de capitais de terceiros Composição do endividamento Imobilização do patrimônio líquido Imobilização dos recursos não-correntes Liquidez geral Liquidez corrente Liquidez seca iro do ativo Margem líquida Rentabilidade do ativo Rentabilidade do patrimônio líquido 154% 81% 71% 55% 1.2% 23.9 1.66% 8.18 1.46 0.

2% 3.64% Po ição l iv P uc ac a da ed ana P uc ac a d 4º dec Ac a d 6º dec P uc ac a d 6º dec P uc aba x da ed ana P uc ac a d 4º dec P uc ac a d 4º dec Ac a d 8º dec Ac a d 6º dec P uc aba x d 7º dec P uc ac a d 7º dec 21 il m i próximo 5º 4º 6º 6º 5º 4º 4º 8º 6º 7º 7º 4º Passo (Avaliação dos Índices) Piso 1º il º il º il º il º il º il º il º il º il Teto Conceito e ota ©  Óti    ! %  ! &  ! '  ! (  ! "  ! )  ! #  ! $  ! B   S ti f t ri   á l  Fr  fi i t © Péssi  CT/ C/CT AP/PL AP/PL + LP ¨ Piso 1º ecil  2º ecil  3º ecil  4º ecil  5º ecil  6º ecil  7º ecil  8º ecil  9º ecil  Teto Conceito e ota 0 Péssimo 1 efi iente 2 Fraco 3 Razoá el 4 S tisf t rio 5 6 Bom 7 8 Óti o 9 10 ¨ LG LC LS V/AT LL/V LL/AT LL/PL .66% 8.9 1.46 .Avaliação do Desempenho Empresarial Modelo de Avaliação Passos para uma avaliação : 3º Passo (Posição relativa de cada índice) Índi CT L PC/CT AP/PL AP/PL + LP LG LC L /AT LL/V LL/AT LL/PL V lor 154% 81% 71% 55% 1.75 4.18 1.

5 * LC + 0.3 * LG + 0.4*NR Obs : .O uso profissional de fórmulas de avaliação é extremamente dinâmico e deve se basear em permanente atualização de pesquisas !!! .Avaliação do Desempenho Empresarial Modelo de Avaliação Passos para uma avaliação : 5º Passo (Avaliações gerais) 22 Nota da Estrutura NE = 0.1 * (LL/V) + 0.2 * (AP/PL) + 0.6 * (CT/PL) + 0.A importância de cada índice (representada pelos pesos) depende.1 * (LL/AT) + 0.2 * LS Nota da Rentabilidade NR = 0.1 * [(AP)/(PL + ELP)] Nota da Liquidez NL = 0.2*NL + 0. de quem é o usuário !!! .1 * (PC/CT) + 0.2 * (V/A) + 0.6 * (LL/PL) Nota Global da Empresa NGE = 0.4*NE + 0.

estruturados a partir de uma cesta de informações e ponderadas de acordo com critérios estatísticos. ELIZABETSKY. Existem algumas análises baseadas em modelos com capacidade preditiva.55*x3 .5*x1 + 1.Avaliação do Desempenho Empresarial Previsão de Falências 23 Além das análises tradicionais por grupos de indicadores que avaliam as situações de liquidez. . Kanitz FI = 0. MATIAS e PEREIRA.P x3 : (Ativo circulante .0.estoques) / Passivo circulante x4 : Ativo circulante / Passivo circulante Termômetro de Insolvência de Kanitz 7 6 5 4 3 2 1 0 -1 -2 -3 -4 -5 -6 -7 Solvente Penumbra Insolvente Obs : . rentabilidade.65*x2 + 3..33*x5 onde : x1 : Lucro líquido/ Patrimônio líquido x2 : (Ativo circulante + Realizável a longo prazo) / Passivo circulante + exigível L.etc. endividamento.1.Existem outros modelos de previsão de falências como o modelo de ALTMAN.06*x4 .

Exemplo : . A análise Vertical/ Horizontal aponta qual o principal credor e como se alterou a participação de cada credor nos últimos dois exercícios. enquanto o principal incremento de recursos se verifica no passivo circulante. Ou. através da comparação com padrões do ramo ou com percentuais da própria empresa em anos anteriores. problemas e características da empresa e explicar os motivos de a empresa estar em determinada situação. A análise Vertical/ Horizontal desce a um nível de detalhes que não permite essa visão ampla da empresa.A análise horizontal pode mostrar que a empresa investe prioritariamente em bens do ativo permanente. a Análise Vertical/ Horizontal apontará. permitir tirar conclusões sobre a evolução da empresa. daí se conclui que a empresa tomou financiamentos de curto prazo para investir no ativo permanente.Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Vertical Horizontal A análise de demonstrações financeiras deve partir do geral para o particular !!! 24 Análise (Índices) Análise (Vertical Horizontal) A análise através de índices financeiros é genérica. Análise Vertical : Possui como objetivo mostrar a importância de cada conta em relação à demonstração financeira a que pertence e. que uma empresa está com alto endividamento. permitir inferir se há ítens fora das proporções normais. relaciona grandes ítens das demonstrações financeiras e permite dar uma avaliação à empresa. por exemplo. . que isso se deveu ao crescimento desproporcional das despesas administrativas. pela comparação entre si. Os índices podem informar. por exemplo. então. mas possibilita localizar pontos específicos de falhas. Análise Horizontal : Possui como objetivo mostrar a evolução de cada conta das demonstrações financeiras através de períodos e. os índices indicam que a empresa teve reduzida sua margem de lucro.

050 100% 146% 5.514 54% 120% .575 57% 116% .508 38% .317.827 30% 100% 100% .0% 100% 78.714.653.791 12% 97% 89.072 10% 0% 533.165 2% 100% 83.000 0.335 100% 24% 100% 06% 77% 156% 07% 1 1 .960.623 10% 100% 984.037 2% 4% .406.665 128.448 25% 100% 1.743 8% 157% 928.947 72% 100% .407.879 43% .480 - 1% 5% 6% 100% 100% 100% 6.699 12% 356.788 30% 72% .065 16% 90% 688.576.798 13% 100% 477.969 163.865 65% 156% .494.224 1% 2% 3% 76% 63% 65% 5.655.077 35% 105% 1.401.861 .000 2.0% 100% 40.435 66% 100% .360 12% 100% 792.340.5% 87.991 9% 0% 314.317 61% 100% .240 26% 475% .350.648 42% 0% 90.314 12% 134% 834.726.5% 62.667.984.508 70% 41% 1 2 1 2 657.719.984.335 100% 1 1 1 16% 46% 0% 55% 07% 2 2 2 1 708.640 751.634 1.170.161.517.743 15% 4% 1.185 35% 131% 1.778 1.061 1.575 17% 18% 1 27% 146% 23% 175% 50% 158% 52% 150% 72.000 1.159 36% 100% 639.122.830 24% 15% 100% 13.698 28% 100% 1.Avaliação do Desempenho Empresarial Análise Vertical Horizontal (Exemplo) BA ANÇOE E A VO C R U AN E NANCE RO Dis oní el Apli ações finan eiras so a O ERAC ONA Clientes stoques ubso a otal Ati o Cir ulante REA ZÁVE A ONGO RAZO ERMANEN E Investi entos I obilizado Diferido o a O A DO A VO A VO C R U AN E O ERAC ONA Forne edores Outras obri ações ubso a NANCE RO présti os ban ários Dupli atas des ontadas ubso a otal do assivo Cir ulante E GÍVE A ONGO RAZO présti os Finan ia entos o a CA A DE ER E RO A R MÔN O ÍQU DO Capital e Reservas Lu ros a u ulados o a O A DO A VO 31/12/x1 Valor V AH 0 5 31/12/x2 Valor AV AH 31/12/x3 Valor AV AH 4.796.070.896 1% 765.716 20% 52% 1.534 20% 114% 1 1 1 2 2 2 66.957 49% 100% 1.178 100% 100% .933.763 23% 94% 1.045.250 3% 100% 156.122.512 1.698 7% 105% 433.633 11% 100% 93.269.206 1.360 12% 100% 1.997 6% 39% 100% 1.846.277 35% 146% 14.915 107.957.760 48% 146% 5.028 5% 51% 16.075 4% .157 30% 182% 1.985.529.231 36% 645% 1.653.309 80.885 10% 136% 676.044 3% 8% % 90.083 413.178 1.846 1.171 28% 100% 28% 107% 26% 138% 1.028.475 4% 693.194.039.726.536 26% 100% 75.429 2% 126% 158.050 100% 8.0% 72% 48% 53% 38% 100% 1.

84% AH 122% 116% 140% 100% 331% 170% 55% 304% 75% 0% 75% 75% Previsão e Falências através a Análise Vertical/ Horizontal A regularidade de comportamento dos diversos ítens das demonstrações financeiras é sinal de estabilidade e segurança.esempenho das vendas aquém do esperado. (2) Um aumento exagerado do ativo permanente.304 5% 100% 167 116 3. Ex : (1) Um brusco aumento de duplicatas a receber. Lucro l qui o 19x1 Valor V 4 793 123 100% (3 621 530) 76% 1 171 593 24% (4 5 993) 10% 0% 83 4 683 994 14% 10 860 0% (284 308) 6% 410 546 8% 1 058 0% 411.Má administração do ativo circulante e passivo circulante. .Prejuízo. deixa de entrar dinheiro no caixa. rompendo o equilíbrio entre entradas e saídas. . Essa harmonia é quebrada quase sempre por uma daquelas cinco situações mostradas acima e somente não será corrigida caso a empresa não conseguir obter empréstimos adicionais necessários. Portanto a harmonia comentada pressupõe certa regularidade no comportamento dos diversos ítens de balanço e de resultados. A excessiva flutuação representa elevação do risco empresarial. em relação a outros ítens do balanço.Excesso de investimento no ativo permanente. Este fluxo deve ser caracterizado pelo equilíbrio entre as entradas e saídas. pois enquanto aumenta o valor das duplicatas. A Análise Vertical/ Horizontal pode detectar esse risco !!! omo regra geral. a falta de dinheiro a curto prazo deve-se a 5 motivos principais : .438 7% 75% 305.67% 19x2 19x3 AH Valor AV AH Valor AV 100% 4 425 866 100% 92% 5 851 586 100% 100% (3 273 530) 74% 90% (4 218 671) 72% 100% 1 152 336 26% 98% 1 632 915 28% 100% (427 225) % 86% (4 8 025) 8% 100% 17 581 0% 20 % 27 777 0% 100% 742 692 17% 108% 1 162 667 20% 100% 7 562 0% 70% 5 935 0% 100% (442 816) 10% 156% (863 2 8) 15% 100% 307 438 7% 75% 305 304 5% 100% 0% 0% 0% 100% 307.604 8% 223 741 4. provoca sangria do caixa. . Toda empresa possui um fluxo de caixa. . que é o movimento de entradas e saídas de caixa.Falta de controle das despesas. . tem inevitáveis consequências sobre o caixa.Avaliação o esempenho Empresarial 26 Análise Vertical/ Horizontal (Exemplo) emonstraç es e Resulta os Receita l qui a usto dos produtos vendidos Lucro ruto espesas operacionais Outras receitas operacionais Lucro operacional antes result inanc eceitas financeiras espesas financeiras Lucro operacional esultado não operacional Lucro antes do I.78% 75% 165 956 2.

Patrim nio Líquido Capital Total . Marge bruta ra édi de re ebi ent da venda ( MR ) 9 dia ra édi de ren va ã de e t ue ( MR ) 6 dia ra édi de paga ent de pra ( M C) 9 dia I bili ad ne e ri para atingir venda 13. .2 . Ativo permanente 13. 1 . PA Passivo Circulante rne ed re 1 . . 7.Compan ia pto enda anuai p ívei (unif r e durante an ) 72. . AT Ativo Circulante Di p nível Dupli . Patrim nio Líquido Capital Total .Tópicos Especiais .4 E ig a Longo Prazo inan ia ent 1 . 27 . 15.Análise de Demonstrações Como surgem o Ativo e o Passivo Dados . inan ia ent de l ng pra di p nívei 1 . E pré t. 15. . anuai Capital pr pri di p nível ( i ) 15. 4 . PA Passivo Circulante rne ed re 1 . entre $6 . 1 . . . a re eber E t ue 2. . I bili ad Total .2 . AT Ativo Circulante Di p nível Dupli . . . . . Total . E ig a Longo Prazo inan ia ent 1 . . e1 . Nível de ai a ne e ri 2. 7. . . . Ativo permanente I bili ad 13. a re eber E t ue 2. ban ri 4.

representa o Ciclo Operacional. É o Ciclo de Caixa. O Prazo Médio de Recebimento de Vendas (PMRV) expressa o tempo decorrido entre a venda e o recebimento. também chamado Ciclo Financeiro. Até o momento do pagamento aos fornecedores. o tempo decorrido entre a compra e o recebimento da venda da mercadoria. a partir do momento da compra. ou seja. O ciclo operacional mostra o prazo de investimento. Paralelamente ao ciclo operacional ocorre o financiamento concedido pelos fornecedores. O tempo decorrido entre o momento em que a empresa coloca o dinheiro (pagamento ao fornecedor) e o momento em que recebe as vendas (recebimento do cliente) é o período em que a empresa precisa arrumar financiamento. o tempo de produção e estocagem. na empresa industrial. então os fornecedores financiarão também uma parte das vendas da empresa. . na empresa comercial. Se o Prazo Médio de Pagamento de Compras (PMPC) for superior ao Prazo Médio de Renovação de Estoques (PMRE).Gestão de Caixa Índices de Prazos Médios Prazo médio de recebimento de vendas PMRV = Duplicatas a receber vendas diárias Prazo médio de pagamento de compras PMPC = Duplicatas a pagar compras diárias Prazo médio de renovação de estoques PMRE = Estoques CMV diárias = 360 x Estoques CMV = 360 x Duplicatas a pagar compras = 360 x Duplicatas a receber vendas 28 O Prazo Médio de Renovação de Estoques (PMRE) representa. PMRE + PMRV. A soma dos prazos. a empresa não precisa preocupar-se com o financiamento. o qual é automático. o tempo médio de estocagem de mercadorias.

Dentro d empres .040 3. 15.080 2.430 3. o . os índices de pr os médios poderão est r complet mente distorcidos.900 2. os índices de pr os médios c lcul dos p rtir dos d dos do bal nço e d demonstr ção de result do refletirão s tisf tori mente realid de.060 18.300 30. Ago.920 1. os pr os médios reais podem ser c lcul dos tr simples que f em p rte do ch m do método de exaustão. De .980 9.960 3. se s end s e compr s flutuarem. Agor .Cálculo dos prazos Médios dentro da Empresa A precisão dos índices de pr os médios está diret mente ligad à uniformid de d s end s e compr s. un.Gestão de Caixa 29 Índices de Prazos Médios .960 28.410 10.630 8.420 6. Fev. ul.420 5.460 6.180 22.010 32. Abr.380 12. Dez.050 10.240 24. ti erem picos e les ou concentr ção em determinad s époc s do no. Abr. Fe .140 4.890 2.910 5.710 3.890 5.100 39.030 7. Mar. Jul. Out. Mai. Jun. 25. 2 .160 4.320 2. Ago.070 3.320 1. 5. Set. ut.990 4.040 5.990 42 3. e empres tem end s e compr s proxim d mente uniformes dur nte o no. D/R PMRV 2.100 13. ) J n.460 2.720 3.430 5.330 2. Mai.040 2.840 56 4. .490 2.930 21.990 3. Vendas mensais Vendas acumul. 35.050 2.620 7. (5.660 8.630 3. Receb.050 3. Mar.020 19.980 61 40.890 1.050 2. és de cálculos Controle dos Prazos Médios através de Gráficos Mês Dez.800 34.530 4.510 2.000 2.490 5.250 3. 30. an.010 15.250 16. acumul. et. Vendas Acumuladas x Recebimentos Acumulados 22.080 26.050 16. mensais Receb. Nov. De .

791) (289.534) 1.ACO > PCO : É a situação normal na maioria das empresas.039.Gestão de Caixa Análise do Capital de Giro 30 A Necessidade de Capital de Giro. .846. ou seja. enquanto o Passivo Circulante Operacional (PCO) é o financiamento.184 1. Há uma NCG para a qual a empresa deve encontrar fontes adequadas de financiamento.724.122.061 1. NCG = ACO .045.PCO O Ativo Circulante Operacional (ACO) é o investimento que decorre automaticamente das atividades de compra. 19x1 Ativo Circulante Operacional Clientes Estoques Soma Passivo Circulante Operacional Fornecedores Outras obrigações Soma NCG Fontes de Financiamento da NCG : 19x2 1.846 (708.435 2. .317. que decorre dessas atividades.Empréstimos e financiamentos bancários de longo prazo .Empréstimos bancários de curto prazo e duplicatas descontadas .529. Sobram recursos das atividades operacionais.ACO < PCO : A empresa tem mais financiamentos operacionais do que investimentos operacionais.514 2.512 1.743) (928.796.687 (639. produção.041 .698) (433.947 19x3 1.536) (275.065) (688. crescimento e lucratividade. é não só um conceito fundamental para a análise da empresa do ponto de vista financeiro. os quais poderão ser usados para aplicação no mercado financeiro ou para expansão da planta fixa. estocagem e venda.206 1. que designaremos NCG.575 1.640 751. análise de caixa mas também de estratégias de financiamento.623) (984.159) 812.233.122.Capital circulante próprio .161.763) (1.ACO = PCO : Neste caso a NCG é igual a zero e portanto a empresa não tem necessidade de financiamento para o giro. também automático. Situações : .

31 NCG = CC x Vd A NCG : Necessidade de capital de giro. x Vd . o PMRV baseia-se no preço de venda. ou seja.Gestão de Caixa Análise do Capital de Giro (Relação entre NCG e Ciclo de Caixa) Existe relação direta entre o ciclo de caixa e a necessidade de capital de giro (NCG).PMPCeq. = %(C/V) x (360 x F/C) CCeq. Obs : . foi criado o Ciclo de Caixa Equivalente que é encontrado através da conversão dos três prazos. a fim de poder somá-los e subtraí-los sem incorrer em imprecisões.Até o presente momento o ciclo de caixa foi calculado através da fórmula : CC = PMRE PMRV . A NCG = CCeq. CC : Ciclo de caixa Vd : São as vendas diárias (Vendas anuais / 360) A : Ajuste é o resultado de outros ativos circulantes operacionais menos outros passivos circulantes operacionais (como salários. será um ajuste (acréscimo ou decréscimo) da NCG. Ciclo de Caixa Equivalente Para resolver os problemas citados acima. essa fórmula é satisfatória. PMRE. encargos. Entretanto. como será mostrado. valores de ativo e passivo circulantes que surgem das operações e cujo saldo em geral. PMRV . e tributos a pagar).PMPC. reflete o montante de que a empresa necessita tomar para financiar o seu ativo circulante em decorrência das atividades de comprar. Para uma análise simplificada das relações entre os prazos médios. a uma base comum. PMREeq. para uma análise mais precisa do capital de giro é necessário efetuar acertos nos valores de PMRE e PMPC. = PMREeq. Esses acertos são requeridos porque. PMRV e PMPC. de pequeno montante. produzir e vender. enquanto o PMRE e o PMPC se baseiam nos preços de custos de produtos e materiais. pois o montante de NCG deverá deverá ³bater´ rigorosamente com aquele decorrente do balanço. = %(CMV/V) x (360 x E/CMV) PMPCeq.

Verificar se os recursos gerados pelas operações foram suficientes. Em resumo a DFC mostra se a empresa está gerando recursos para financiar suas atividades comerciais. ou seja. mostra quase tudo que é preciso saber em termos de análise da gestão de caixa !!! .Qual a aplicação feita com os novos financiamentos. FLUXO DE CAIXA = MOVIMENTO DE CAIXA Tipos de informações que podem ser retiradas da DFC : . se pode pagar dívidas bancárias e se sobram recursos para investimentos ou amortização de financiamento de longo prazo. . é possível saber se a empresa foi auto-suficiente no financiamento de seu giro e qual sua capacidade de expansão com recursos próprios gerados pelas operações. . ou seja a independência financeira da empresa é colocada em cheque. . .Verificar se a política de distribuição de dividendos é compatível com a geração de recursos.Gestão de Caixa Demonstração do Fluxo de Caixa 32 Através da Demonstração do Fluxo de Caixa.Quais as causas das mudanças da situação financeira da empresa. .O que foi feito com o lucro gerado pelas operações.Como está sendo financiada a expansão da empresa.

(2) amortizar dívidas de L. Geração bruta de caixa O caixa gerado pelas atividades comerciais Geração operacional de caixa Geração corrente de caixa Saldo positivo da geração de corrente de caixa menos variação dos ítens permanentes de caixa mais variação dos ítens não-correntes Geração líquida de caixa O caixa gerado pelas operações. (3) realizar investimentos. produção e venda. (3) amortizar dívidas de L. (2) realizar investimentos. (2) pagar dívidas bancárias de curto prazo. O caixa gerado a curto prazo O caixa gerado após a realização de investimentos (1) amortizar dívidas de longo prazo O caixa final gerado no exercício (1) reforçar sua posição de tesouraria .P.P. (1) pagar dívidas bancárias de curto prazo. incluido variação da NCG.Gestão de Caixa Demonstração do Fluxo de Caixa O que revelam os principais ítens da DFC : 33 Item Revela Representa recursos com os quais a empresa poderá : (1) financiar as operações de compra. (1) realizar investimentos. (4) amortizar as dívidas de longo prazo.

P GERAÇÃO CORRENTE DE CAIXA Variação dos ítens permanentes de caixa Aumento de capital Dividendos Acréscimo de imobilizado Variação dos ítens não-correntes Aumento de financiamento de longo prazo GERAÇÃO LÍQUIDA DE CAIXA (+) Saldo inicial de caixa (=) Saldo final de caixa (500) 600 100 100 300 (230) 215 (30) 285 385 (30) 355 150 (200) (345) 160 100 (395) 160 120 100 220 .Gestão de Caixa Demonstração do Fluxo de Caixa (Exemplo) 34 Demonstração do Fluxo de Caixa RESULTADO DO EXERCÍCIO Ajustes de despesas e receitas não caixa Depreciação do exercício GERAÇÃO BRUTA DE CAIXA Variação da NCG Variação dos fornecedores Variação de outros passivos circulantes Variação de clientes Variação de estoques GERAÇÃO OPERACIONAL DE CAIXA Variação de empréstimos bancários de C.

Variação do Capital de Giro.Imposto de Renda. temos portanto um indicador que permite avaliações/ comparações do desempenho de empresas de diferentes países sem grandes distorções. E caso exista grandes diferenças entre o valor do EBITDA e a Geração Operacional. . EBITDA x Geração de Caixa Operacional (Diferenças) Devido à maior facilidade de cálculo juntamente com os motivos citados acima o EBITDA é muito utilizado em substituição da Geração de Caixa Operacional. pois a variação do capital de giro afeta diretamente o caixa. Depreciação e Amortização´. a empresa poderá tirar conclusões equivocadas e ter surpresas desagradáveis caso utilize o EBITDA sem os devidos cuidados !!! A principal diferença/ crítica entre o EBITDA e a Geração de Caixa Operacional é não considerar a variação do capital de giro. Depreciation and Amortization´. Como no cálculo do EBITDA estes ítens são ³separados´. Taxas de depreciação de bens assim como alíquotas de imposto de renda apresentam diferenças em diversos países.Despesas Financeiras. Abaixo estão os três fatores que devem ser considerados para a conciliação entre o EBITDA e a Geração Operacional de Caixa. Taxes. É uma aproximação da Geração de Caixa Operacional.Gestão de Caixa EBITDA x Geração Operacional de Caixa 35 EBITDA é a abreviação da expressão ³Earnings Before Interests. o que não faz sentido. A principal qualidade do EBITDA está no fato de ser um indicador que permite comparações internacionais. Este fato deve ser visto com cuidado. . Impostos. pois a verdadeira Geração de Caixa Operacional mostra valores diferentes (e geralmente bem diferentes) !!! Outro ponto de atenção na substituição da Geração Operacional de Caixa pelo EBITDA está no fato de que é bastante comum relacionar a Geração Operacional de Caixa com o pagamento de juros e o pagamento do serviço da dívida (juros + principal) a fim de medir a capacidade que uma empresa possui para pagar suas dívidas. Quer dizer ³Lucro antes dos uros. conforme o modelo que apresentamos até o momento : . mas sim a sua utilização de forma que se leve em conta as devidas limitações do índice !!! . Vale ressaltar que não estamos contra-indicando o uso do EBITDA. O EBITDA é um indicador que sinaliza a capacidade de geração de caixa da empresa.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful