Você está na página 1de 75

DELEGADO DE POLÍCIA CIVIL - 2.

018
MEDICINA LEGAL
PROF: ROBERTO BLANCO

AULA UM
TRAUMATOLOGIA FORENSE
PRINCIPAIS AGENTES VULNERANTES
E RESPECTIVAS LESÕES.
APOSTILA IV – CAPA VERMELHA –
2.019 - R. BLANCO
• BIBLIOGRAFIA NACIONAL UTILIZADA NOS CONCURSOS
• WILSOM LUIZ PALERMO FERRREIRA
• DELTON CROCE
• GENIVAL DE FRANÇA
• GERSON ODILON PEREIRA
• HYGINO HÉRCULES
• IVAN DIEB MIZIARA
• JORGE PAULETE VANRELL
• LEONARDO BORDONI - LUIZ AVELAR
• LUIZ CARLOS GALVÃO
• REGINALDO FRANKLIN
• WILLIAM DOUGLAS E COLABORADORES
APOSTILAS IV, V, III E I* - 2019 - ROBERTO BLANCO.
EDITAL PCERJ 2.012 - PONTO 1
a) Conceito e divisão da Medicina Legal; História da
Medicina Legal; Corpo de delito;
Perícias e Peritos em Medicina Legal; Documentos
Médico-Legais; Identidade e Identificação: Conceitos;
• Identificação Humana e Perícias Biométricas.

b) Traumatologia Forense: Classificação dos agentes


lesivos; quantidade e qualidade do dano;
Lesões e morte por armas brancas (instrumentos
perfurantes, cortantes, perfurocortantes,
cortocontundentes).
EDITAL PCERJ 2.012 - PONTO 2
• a) Tanatologia Forense: Conceito e diagnóstico da
morte; Fenômenos cadavéricos; Cronologia da
morte; Pré-moriência e comoriência; Sobrevivência;
Morte suspeita e Morte súbita; Lesões
intra vitam e lesões post mortem.

b) Traumatologia Forense: Lesões e morte por


instrumentos perfurocontundentes, projéteis de
arma de fogo comuns e projeteis de arma de fogo de
alta energia; lesões e morte por explosivos.
EDITAL PCERJ 2012 - PONTO 3
a) Traumatologia Forense: Lesões e morte por ação
térmica, por baropatias e por ação elétrica.
• Síndrome de maus tratos à criança e ao
adolescente (abusos físicos, sexuais e outros).

b) Sexologia Forense: Aspectos médico-legais dos


crimes contra a dignidade sexual. Conceito de ato
libidinoso; diagnóstico de conjunção carnal e ato
libidinoso diverso de conjunção carnal; estupro.
EDITAL PCERJ 2012 - PONTO 4
• a) Asfixiologia Forense: Conceito de asfixias;
classificação dos tipos e modalidades:
constrição do pescoço, sufocação e mudança
do meio ambiente.

• b) Aspectos médico-legais da gravidez, parto e


puerpério. Aborto. Infanticídio.
• Provas de vida intraútero e intraparto.
EDITAL PCERJ 2.012 - PONTO 5
a) Toxicologia Forense: Conceito de cáustico e
veneno; Principais causas jurídicas de
envenenamento. Drogas de uso e abuso.

b) Limitadores e modificadores da
imputabilidade penal e da capacidade civil.
Doença mental,
• desenvolvimento mental incompleto ou
retardado, perturbação da saúde mental.
EDITAL PCERJ 2.012 - PONTO 6
a) Aspectos médico-legais das drogadições
(toxicomanias) e da embriaguez.
Principais drogas ilícitas e
Substâncias de uso e abuso.
b) Aspectos médico-legais do casamento.
Parafilias. Exames de locais de morte suspeita:
Perinecroscopia: o cadáver, manchas suspeitas;
identificação de pelos humanos;
Tanatologia Forense: inumação e exumação, causa
médica e causa jurídica da morte.
ESTRATÉGIA DO PRIMEIRO BLOCO DE AULAS.
ESTUDAR TODA A APOSTILA IV –
(CAPA VERMELHA) - 2.019.
ESSA APOSTILA (IV) CONTÉM GRANDE PARTE
DA TRAUMATOLOGIA FORENSE DO EDITAL.
PLANO: OITO A DEZ AULAS (+- 32 A 40 HORAS)
O RESTANTE DA TRAUMATOLOGIA FORENSE
SERÁ CONCLUÍDO NO SEGUNDO MÓDULO DE
AULAS, JUNTAMENTE COM TANATOLOGIA
FORENSE, APOSTILA V - (CAPA VERDE) 2.019.
PLANO: OITO A DEZ AULAS (+- 32 A 40 HORAS)
MATERIAL DE APOIO
TODAS AS IMAGENS APRESENTADAS EM AULA,
BEM COMO AS APOSTILINHAS QUE SERÃO
DISTRIBUÍDAS, QUANDO NECESSÁRIO, SERÃO
COLOCADAS EM ARQUIVOS NOS GRUPOS DO
FACEBOOK:
1 - ENCHER O SACO DE MEDICINA LEGAL COM
ROBERTO BLANCO.
2 – EMERGÊNCAS – MED.LEGAL: PERGS E RESPS. P\
CONCURSOS.
3 – EVENTUAIS DÚVIDAS PODERÃO SER
ENCAMINHADAS AO MESMO DESTINO.
E-MAIL robertoblanco@infolink.com.br
WhatsApp: 99762-1295

OBSERVAÇÃO:
As respostas às perguntas eventualmente feitas
serão enviadas quando houver oportunidade.
Não espere respostas imediatas.
Tenho outras ocupações na vida.
PLANO DE ESTUDO DE MEDICINA LEGAL
1 - ESCOLHER A BIBLIOGRAFIA FUNDAMENTAL.
2 – CRIAR O UM DICIONÁRIO ETIMOLÓGICO PESSOAL
QUE IRÁ UTILIZAR NO CONCURSO: ANEXAR,
DIARIAMENTE, OS RADICAIS, SUFIXOS, PREFIXOS
PALAVRAS EM ORDEM ALFABÉTICA NO SEU
COMPUTADOR.
3 – TENTAR ENTENDER AS PRINCIPAIS FÓRMULAS
(FÍSICA, QUÍMICA, BIOLOGIA ETC.) QUE UTILIZARÁ
EM MEDICINA LEGAL.
4 – MELHORAR A CALIGRAFIA E A REDAÇÃO PARA
ENFRENTAR AS PROVAS DISCURSIVAS.
5 – ESGOTAR OS PONTOS DO EDITAL.
6 – TENTE CORRELACIONAR OS TEMAS DO EDITAL DE
MEDICINA LEGAL COM OS TEMAS DAS OUTRAS
DISCIPLINAS QUE SERÃO EXIGIDAS:
MESMO ASSUNTO... MESMO RESUMO.
7 – FAÇA DISSERTAÇÕES SOBRE OS PRINCIPAIS TEMAS
DO EDITAL. PREPARE-SE PARA A PROVA DISCURSIVA:
LETRA LEGÍVEL (MANUSCRITO – EVITE LETRA DE
IMPRENSA). FAÇA FRASES CURTAS, POIS REDUZEM OS
ERROS DE CONCORDÂNCIA VERBAL. EVITE PALAVRAS
CUJA ORTOGRAFIA DESCONHECE. EVITE PALAVRAS
CUJO VERDADEIRO SIGNIFICADO DESCONHECE.
PROCURE SINÔNIMOS – FAÇA RÁPIDOS RASCUNHOS.
EVITE RASURASNO TEXTO DA PROVA - MINIMIZE OS
ERROS DE PORTUGUÊS. BOA SORTE.
TRAUMATOLOGIA – ESTUDO DOS TRAUMAS
TRAUMA: - QUANTIDADE DE ENERGIA
TRANSFERIDA DE ALGUMA FONTE, E QUE
RECEBIDA POR UM CORPO VIVO, É CAPAZ DE
PRODUZIR LESÃO.
LESÃO – ALTERAÇÃO PREJUDICIAL EM UM
ORGANISMO VIVO OU MORTO.
NA TRAUMATOLOGIA FORENSE SERÃO
ESTUDADOS OS TRAUMAS, AS LESÕES E OS
AGENTES VULNERANTES, ISSO É, AQUELES QUE
TRANSFEREM A ENERGIA E CAUSAM AS LESÕES.
MECÂNICOS
FÍSICOS
NÃO MECÂNICOS

ÁCIDOS
QUÍMICOS
ALCALINOS
ENERGIAS
VULNERANTES VÍRUS
OU BACTÉRIAS
AGENTES BIOLÓGICOS
VULNERANTES PROTOZOÁRIOS

FÍSICOQUÍMICOS

MISTOS BIOQUÍMICOS

BIOFÍSICOS

BIODINÂMICOS
LESÕES COM NOMES ESPECIAIS

ESCALPE LACEROCONTUSA EMPALAMENTO

SEDENHO INCISA ASSINATURA

DEFESA CONTUSA SACABOCADO

HESITAÇÃO CORTOCONTUSA CAVITÁRIA

SANFONA PERFUROCONTUSA MUTILANTE

ARCO DE VIOLINO PERFUROINCISA ESTIGMATIZANTE

PENETRANTE PUNTIFORME ESPOSTEJAMENTO

CEGA BOTOEIRA VITRIOLAGEM

ENCRAVAMENTO PATOGNOMÔNICA FUSIFORME

ESGORJAMENTO ESQUARTEJAMENTO EVISCERAÇÃO


LESÕES CORPORAIS – ART. 129 CAPUT § 1º § 2º § 3º
CP
POSITIVO PARA LESÃO CORPORAL

OFENDER A INTEGRIDADE
CORPORAL OU A SAÚDE DE OUTREM LEVE

I - INCAPACIDADE PARA AS
OCUPAÇÕES
HABITUAIS POR MAIS DE 30
DIAS.
II – PERIGO DE VIDA
GRAVE
III – DEBILIDADE PERMANENTE DE
MEMBRO, SENTIDO OU FUNÇÃO
IV – ACELERAÇÃO DE PARTO

I – INCAPACIDADE PERMANENTE
PARA O TRABALHO
II – ENFERMIDADE INCURÁVEL
III – PERDA OU INUTILIZAÇÃO DE GRAVÍSSIMA
MEMBRO, SENTIDO OU FUNÇÃO
IV – DEFORMIDADE PERMAMENTE
V - ABORTO

LESÃO CORPORAL SEGUIDA DE MORTE MORTAL


ESTUDO DOS AGENTES VULNERANTES:
FÍSICOS MECÂNICOS:
P0NTO 1 DO EDITAL

AQUELES QUE EXIGEM MOVIMENTO


(DO AGENTE, DA VÍTIMA OU DE AMBOS)
PARA QUE POSSA OCORRER LESÃO.
FÓRMULA SIMPLIFICADA
DA ENERGIA CINÉTICA:
EC = MASSA X VELOCIDADE ²
2
• MASSA = CONJUNTO DE ÁTOMOS QUE
CONSTITUEM A MATÉRIA EM ESTUDO.
• PESO = MASSA X ACELERAÇÃO DA GRAVIDADE

A FORÇA DE GRAVIDADE É CENTRÍPETA


(NO SENTIDO DO CENTRO DA TERRA)
TRANSFERÊNCIA DE ENERGIA VULNERANTE
DE UM CORPO PARA OUTRO.
• 1 – QUANTO DE ENERGIA UMA MARTELADA
TRANSFERE PARA A CABEÇA DA VÍTIMA?
• 2 – QUANTO DE ENERGIA UM PAF
TRANSFERE PARA O TÓRAX DA VÍTIMA?
• 3 – QUANTO DE ENERGIA O PARA-CHOQUE
DE UM CARRO TRANSFERE PARA O CORPO
DA VÍTIMA ATROPELADA?
PENSANDO ANTES DE RESPONDER
• 1 - INICIALMENTE TENTAR CONHECER A MASSA
(PESO) DO MARTELO, DO PAF, DO VEÍCULO ETC.
• 2 – A SEGUIR, PROCURAR CONHECER A
VELOCIDADE COM A QUAL O AGENTE
VULNERANTE ATINGIU O CORPO DA VÍTIMA.
• 3 – USAR A FÓRMULA DA ENERGIA CINÉTICA.
• 4 – VERIFICAR SE NO MOMENTO DO IMPACTO
HAVIA ALGUMA SUPERFÍCIE RESISTENTE
(ANTEPARO) CAPAZ DE ABSORVER PARTE DA
ENERGIA QUE O AGENTE VULNERANTE IRIA
TRANSFERIR PARA O CORPO DA VÍTIMA.
• 5 - RESPONDER:..................................................
VARIAÇÕES NAS EXPECTATIVAS:
• CONFORME A QUALIDADE E A LOCALIZAÇÃO
DO ANTEPARO RESISTENTE, GRANDE PARTE
DA ENERGIA QUE CAUSARIA A LESÃO
ESPERADA PODERÁ FICAR RETIDA NO
ANTEPARO E NÃO ATINGIR O CORPO
HUMANO, MINIMIZANDO (OU NÃO) AS
LESÕES ESPERADAS.
• E AINDA PRECISAREMOS ANALISAR QUE
LOCAIS (TECIDOS OU ÓRGÃOS) DA VÍTIMA
FORAM ATINGIDOS.
• .
PRESSÃO = FORÇA______
SUPERFÍCIE (ÁREA)

UTILIZANDO A MESMA FORÇA SOBRE UMA


SUPERFÍCIE MENOR, A PRESSÃO NO PONTO
DE IMPACTO AUMENTA.
UTILIZANDO A MESMA FORÇA SOBRE UMA
SUPERFÍCIE MAIOR, A PRESSÃO NO PONTO
DE IMPACTO DIMINUI.
A DENSIDADE E A DIMINUIÇÃO DO IMPACTO
EM RAZÃO DA DISSIPAÇÃO DA ENERGIA
DENSIDADE = MASSA (PESO)___
VOLUME
QUANTO MAIS DURO, MAIS SÓLIDO, MAIS
RÍGIDO, MAIS PESADO, MAIS CONCENTRADO
ETC. MAIS DENSO. ÁGUA DO MAR?
QUANTO MAIS MACIO, MAIS LÍQUIDO, MAIS
FLEXÍVEL, MAIS LEVE, MAIS DILUÍDO, ETC.
MENOS DENSO. ÁGUA DO RIO?
AGENTES VULNERANTES FÍSICOS MECÂNICOS
CLASSIFICADOS DE ACORDO
COM O SEU MODO NORMAL DE AÇÃO
PERFURANTES
CORTANTES
CONTUNDENTES
MISTOS:
PERFUROCORTANTES
PERFUROCONTUNDENTES
CORTOCONTUNDENTES
OUTROS
NÃO É RÍGIDO, NEM MUITO RESISTENTE, MAS
É CAPAZ DE PROTEGER...ATÉ CERTO PONTO.
• ALGUMAS SUPERFÍCIES, EMBORA POUCO
RESISTENTES, PORÉM, MUITO FLEXÍVEIS,
ELÁSTICAS, COM BAIXA DENSIDADE, SÃO
CAPAZES DE ABSORVER PARTE DA ENERGIA
VULNERANTE QUE ATINGIRIA O
ORGANISMO, PODENDO MINIMIZAR A
GRAVIDADE DE CERTAS LESÕES.
FÓRMULA SIMPLIFICADA
DA PRESSÃO QUE O AGENTE VULNERANTE FAZ
CONTRA O CORPO DA VÍTIMA,
TRANSFERINDO, MAIS OU MENOS ENERGIA.

PRESSÃO = _______FORÇA______
SUPERFÍCIE (ÁREA)
• PARA PERFURAR, QUANTO MAIS FINA FOR A
PONTA DO PUNHAL, POR EXEMPLO, MAIOR SERÁ
A PRESSÃO QUE O AGENTE VULNERANTE FARÁ
NO LOCAL, FACILITANDO A PENETRAÇÃO.
• EX: AGULHAS, PREGOS, FACAS ETC.

• QUANDO A SUPERFÍCIE DE CONTATO DO AGENTE


VULNERANTE COM O ORGANISMO FOR MAIOR,
A PRESSÃO QUE EXERCERÁ SOBRE O CORPO SERÁ
MENOR. LUVAS DE BOX, TÁBUAS LARGAS ETC.
COEFICIENTE BALÍSTICO PARA ESTUDO DA
CAPACIDADE DE PENETRAÇÃO DE
PROJÉTEIS DE ARMA DE FOGO

• COEFICIENTE BALÍSTICO = MASSA______


PONTA X CALIBRE ²
QUANTO MAIS FINA FOR A PONTA.
MENOR SERÁ O SEU VALOR.
VALOR MÁXIMO = 1 (UM)
VALOR MÍNIMO = O,1 (UM DÉCIMO)
PAF COM CALIBRE MAIOR, QUANDO
COMPARADO COM OUTROS, NAS MESMAS
CONDIÇÕES, COM CALIBRE MENOR,
PENETRAM MENOS.

PAF COM PONTA MAIS FINA, QUANDO


COMPARADO COM OUTROS, NAS MESMAS
CONDIÇÕES, PENETRAM MAIS.
POR ISSO, PROJÉTEIS DE ARMA DE FOGO, (PAF)
FEITOS COM LIGA METÁLICA DE CHUMBO
MAIS MOLE, SOFREM GRANDE
DEFORMAÇÃO QUANDO ATINGEM O CORPO
E, COM A PONTA AMASSADA, TOMANDO A
FORMA DE COGUMELO, TENDEM A NÃO
TRANSFIXAR O ALVO.
O OPOSTO OCORRE COM OS PROJÉTEIS FEITOS
COM LIGAS DE CHUMBO MAIS DURO (COM
ANTIMÔNIO) E COM A PONTA MAIS
AFILADA.
CLASSIFICAÇÃO DOS AGENTES VULNERANTES
SÃO CLASSIFICADOS CONFORME
A MANEIRA HABITUAL DE AGIR

MUITO IMPORTANTE ENTENDER QUE UM


DETERMINADO TIPO DE AGENTE VULNERANTE
PODE , CONFORME AS CIRCUNSTÂNCIAS, AGIR DE
MANEIRA TOTALMENTE DIFERENTE DO MODO
HABITUAL . EX: UMA FACA (PERFUROCORTANTE)
PODE ATINGIR A VÍTIMA COM O CABO
(CONTUNDENTE).
DIFERENÇA ENTRE AÇÃO E INTRUMENTO
NÃO RARO, AS LESÕES SÃO ATÍPICAS.
TORNA-SE MUITO DIFÍCIL DEFINIR, COM
EXATIDÃO, QUAL FOI O AGENTE
VULNERANTE QUE PRODUZIU TAL LESÃO.
O PERITO, NESTES CASOS, DEFINE A AÇÃO
VULNERANTE.
EX: AÇÃO CONTUNDENTE, AO INVÉS DE
INSTRUMENTO CONTUNDENTE.
AÇÃO CORTANTE, AO INVÉS DE
INSTRUMENTO CORTANTE.
LESÕES PATOGNOMÔNICAS
PATHOS – DOENÇA, LESÃO.
GNOMÔNICO – QUE SABE; QUE CONHECE.
SÃO LESÕES TÃO CARACTERÍSTICAS QUE
PERMITEM DEDUZIR QUAL O TIPO DE
AGENTE QUE AS PRODUZIU.
TAMBÉM CHAMADAS:
LESÕES TÍPICAS
OU
LESÕES COM ASSINATURA.
DIVIRTA-SE COM A NOMENCLATURTA DESTAS LESÕES.

Você também pode gostar