Você está na página 1de 16

UNINTER

CENTRO UNIVERSITÁRIO INTERNACIONAL


TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO EM
RELAÇÕES INTERNACIONAIS

O impacto da crise brasileira no colapso da UNASUL:


o uso da guerra hibrida no impeachment de Dilma Rousseff.

AUTOR: JONATHAN ROCHA SILVA


ORIENTADOR: LEONARDO MÈRCHER

Varginha, julho de 2019


Delimitação do Tema
A crise de desestabilização politica no Brasil a partir da exploração do Pré-Sal em 2008 e a operação
Lava-Jato em 2014, precedentes que estão vinculados diretamente com o impeachment de Dilma
Rousseff em 2016. Acontecimento que refletiu no desmoronamento da UNASUL a tal ponto de Michel
Temer suspender sua participação em 2018.

Problematização
Como a desestabilização de governos brasileiros progressistas concretizadas no impeachment de Dilma
Rousseff em 2016, por meio de uma estratégia de guerra hibrida, impactou no colapso da Unasul?

Metodologia
Revisão de literatura e análise qualitativa dos dados conjunturais.
Objetivo Geral
• Identificar a ligação de interesses externos e internos que deflagraram a crise brasileira dos
governos progressistas, focando no impeachment da Dilma Rousseff em 2016 que provocou
um retrocesso, estagnação e possível colapso do projeto de liderança brasileira, a UNASUL

Objetivos Específicos
• Analisar como a ferramenta da guerra híbrida vem influenciando o Brasil em sua política.
• Estudar o plano estratégico do surgimento da UNASUL.
• Identificar como a crise e queda do Governo Dilma refletiu diretamente no retrocesso, no
colapso da UNASUL.
Introdução
• A supremacia dos Estados Unidos parece ter sido “incomodada” pela UNASUL, um
processo de integração regional estratégico que geraria autonomia na América do Sul.
• O Brasil no governo Lula foi o principal gestor e líder da fundação da UNASUL.
• Na última década o Brasil vem passando por uma crise desestabilizadora de várias frentes
e esferas, uma verdadeira guerra hibrida.
• O presente artigo tem por objetivo analisar o jogo geoestratégico que os EUA, executa
historicamente para deixar a América do Sul submissa ao seu poder hegemônico. Se
assume a hipótese de que o poderio dos Estados Unidos buscaria desintegrar a América
do Sul desestabilizando seu principal líder, e a estratégia que teria usado é a guerra
hibrida, que tem como objetivo final forjar um presidente alinhado aos interesses
americanos.
1. Fundamentação Teórica
• Teoria do Heartland de Halford John Mackinder.
• Considera a Eurásia sendo o coração da terra,
uma área pivô.
• Quem controla o coração controla o mundo.
• Ele identificou duas regiões: Inner crescente
(Europa, Índia, China e Oriente Médio) e outer
crescente (As Américas e a Austrália). MAPA
• Teoria do Rimland (Estratégia de Contenção) de
Nicholas J. Spykman.
• Paralelismo Geográfico entre a América do
Norte e a Eurásia. MAPA
• A supremacia dos EUA não poderia ser
ameaçada na América.
• A Unasul representou o avanço mais
proeminente para desenvolver a autonomia da
região.
1. Fundamentação Teórica
• Conceito de Guerra Híbrida elaborado
por Andrew Korybko:
• Guerra Híbrida Conceito: conflitos
não-convencionais (não armados),
combate indireto, que envolve
uma intensa guerra de
informações as quais são
manipuladas a favor dos
interesses de quem controla o
sistema.
• Objetivo final colocar no poder
um líder alinhado com os
interesses do hegemon.
(Coronel John A. Warden III, um ex-
oficial da força aérea dos Estados
Unidos e teórico do poder aéreo.)
• Desestabilização do Brasil como líder do projeto estratégico e
autônomo da UNASUL.
• Inicia-se uma Guerra Híbrida no Brasil com a finalidade de
desprestigiar os governo progressistas. Tirar a presidente
Dilma e estabelecer um líder alinhado aos EUA.
• Os EUA não negam que utilizam esse tipo de ferramenta para
tornar o conflito mais fácil, desestruturando um governo de
2. Guerra dentro para fora.

Hibrida no Brasil • Recentemente a “Escola de Operações Especiais (Joint


Special Operations University) dos EUA divulgaram uma
nova guia sobre como derrubar governos estrangeiros”
que relata o uso dessa manobra. O "guia" abrange 47
casos no período entre 1941 a 2003, incluindo a
assistência aos guerrilheiros durante a Segunda Guerra
Mundial, apoio a forças anticomunistas durante a Guerra
Fria e as operações no Afeganistão e no Iraque após os
atentados de 11 de setembro.
• O objetivo principal foi alcançado através da concretização do
impeachment de Dilma e subida no poder de Michel Temer.
A descoberta de indícios de petróleo na camada de Pré-Sal no ano de
2006 foi anunciada pela Petrobrás e logo no ano de 2008 tendo
confirmado, inicia-se sua exploração, despertando o interesse de
muitas nações.

2. Guerra No ano de 2008, houve um furto de contêiner o qual continha

Hibrida no Brasil 4 notebooks, 2 HD’s e um conjunto de informações sigilosas


sobre a exploração do pré-sal na bacia de Santos. (NOZAKI,
2018)

Em outubro de 2009 foi realizada uma grande conferência no Rio de


Janeiro reunindo membros da Polícia Federal, do ministério público e
do judiciário com autoridades do governo norte-americano, contou
com a participação ativa do até então desconhecido juiz Sergio Moro,
no âmbito de uma articulação denominada Bridge Project. (NOZAKI,
2018)

 Professor de Ciência Política e Economia da Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo
(FESPSP), diretor do Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (INEEP)
No final do ano de 2010, durante o governo Lula,
foi estabelecido a partilha do pré-sal através da Lei
12.351, garantindo que a Petrobrás seja única
operadora e partícipe como prioritária dos leilões.

2. Guerra Hibrida
no Brasil: No entanto, um projeto de lei de autoria do
Senador José Serra, revogou essa mesma lei em
2015.
Petrobras
Uma vez que o Brasil desenvolveu a tecnologia
para exploração de petróleo do pré-sal, muitos
países tiveram interesses nessa tecnologia e no
petróleo, principalmente os EUA.
2. Guerra Hibrida no Brasil: Espionagem

• Foi confirmado que a presidenta Dilma, assim como ministros e altos dirigentes do
governo, e também a rede de computadores da Petrobrás, foram alvos de
espionagem.
Nesse mesmo ano, após os vazamentos, o governo norte-americano decidiu pela troca de sua
embaixadora no Brasil, nomeando Liliana Ayalde, conhecida por ter atuado no Paraguai
participando ativamente das movimentações que derrubaram o presidente Fernando Lugo,
intensificando a reversão liberal-conservadora na América Latina. Além dessa troca, em
outubro de 2013 foi realizado o primeiro leilão do pré-sal sob o regime de partilha. Como
forma de pressão contra o protagonismo da Petrobras, as petrolíferas norte-americanas
(ExxonMobil e Chevron) e inglesas (BP e BG) boicotaram o leilão e decidiram pela não
participação. Mais ainda: é nesse período que começa a tomar corpo aquela operação que
tomaria conta do noticiário nacional. ( NOZAKI, 2018, p. s/n)
2. Guerra
Hibrida no Em 2014, se deflagra a maior ofensiva da operação lava-jato que
investigou vários casos de corrupção e lavagem de dinheiro envolvendo
a Petrobrás.
Brasil: Lava-jato
Pode até se entender como
sendo uma teoria da Apenas em seu primeiro ano, estima-se que a Lava Jato retirou cerca de
conspiração, “mas em matéria R$ 142,6 bilhões da economia brasileira. Ou seja: a Operação produziu
pelo menos três vezes mais prejuízos econômicos do que aquilo que ela
de geopolítica a conspiração avalia ter sido desviado com corrupção. (NOZAKI, 2018, p. s/n)
não é uma teoria, e sim uma
prática, que compõe, aliás, a
gramática do setor energético
em geral e petrolífero em O que tem tudo isso haver com a queda da Dilma? Porque toda essa
particular” ( NOZAKI, 2018, p. trama esta entrelaçada com a desestabilização do governo?
s/n).
3. Impacto do Impeachment na UNASUL:
Porque é estratégica?
• Criada em 2008, a Unasul viabilizou um processo de integração estratégico para a
América do Sul, sob a liderança do Brasil com vistas a geração de maior autonomia
para região.
• Conselho Defesa Sul-Americano (CDS), sem intervenção das grandes potencias.
• Infraestrutura Regional Sul-Americana (IIRSA). Conselho Sul-Americano de Infraestrutura e
Planejamento (COSIPLAN)
• Buscava uma maior articulação macroeconômica, se propôs um (Banco do Sul).
• Incentivou a formação de uma identidade sul-americana.
• Era um processo que buscou ir para além da cooperação comercial. Porém pode se
ver como a crise de desestabilização do Brasil foi enfraquecendo o COMERCIO DO
BRASIL COM A REGIÃO, sendo este o estagio mais básico da Integração.
80
Comércio Exterior do Brasil com os países da UNASUL
(2008-2017 )
70

60

50

40

30

20

10

0
2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017

-10

Argentina Bolivia Chile Colombia Equador Guiana Peru Paraguai

Suriname Uruguai Venezuela Poly. (Bolivia) Poly. (Guiana) Poly. (Suriname) Poly. (Venezuela)
Considerações Finais

A liderança brasileira Pelo que o hegemon


na construção de arquitetou um O pré-sal e a operação Houve um intenso
autonomia na região processo de lava-jato foram as duas desprestígio dos
através da Unasul, desestabilização no principais ferramentas governos do PT e da
contestou os Brasil através das utilizadas a favor dos esquerda progressista.
interesses estratégias da guerra interesses do hegemon.
hegemônicos dos EUA. hibrida.

O objetivo principal foi alcançado através da


concretização do impeachment de Dilma e
Nesse jogo de xadrez
subida no poder de Michel Temer. Temer O Brasil sai desse
geoestratégico a rainha foi
suspende a UNASUL em 2018, na mesma importante projeto
derrubada e o hegemon
época Argentina, Chile, Colômbia, Paraguai e estratégico, a
dividiu novamente para
Peru também suspenderam sua participação. UNASUL.
dominar.
O país líder do processo havia abandonado o
barco.
Referências
AGÊNCIA BRASIL. jusbrasil. www.jusbrasil.com.br, 2016. Disponivel em: <https://agencia-brasil.jusbrasil.com.br/noticias/308630632/saiba-o-que-pode-
mudar-com-o-projeto-de-lei-que-altera-partilha-do-pre-sal>. Acesso em: 17 maio 2019.
ANTUNES, G. A classe média brasileira e sua relação com o povo e a burguesia, 19 out. 2017. s/n.
BARTLES, C. K. Para entender Gerasimov. MILITARY REVIEW, 2016.
BASTOS, P. P. Z. ASCENSÃO E CRISE DO GOVERNO DILMA ROUSSEFF E O GOLPE DE 2016: PODER ESTRUTURAL, CONTRADIÇÃO E
IDEOLOGIA. Revista de Economia Contemporânea, p. 63, mar. 2017.
CAMPEN, C. A. D. https://www.afcea.org. afcea, 2001. Disponivel em: <https://www.afcea.org/content/swarming-attacks-challenge-western-way-war>.
CARVALHO, C. E.; GABRIEL, A. B.; PEDROSO, C. S. Banco do Sul: a proposta, o contexto, as interrogações e os desafios. Cadernos Prolam/USP, São
Paulo, v. 8, n. 15, p. p. 113-135, 2009.
FABRINI, F. Para Ministério Público, pedaladas do governo Dilma não são crime, São Paulo, 14 jul. 2016.
FIORI, J. L. Nicholas Spykman e a América Latina. Le Monde Diplomatique, p. 2, nov. 2007.
HART, B. H. L. John Boyd e John Warden A busca da paralisia estratégica pelo poder aéreo. In: MEILINGER, C. P. S. The Paths of Heaven: The Evolution
of Airpower Theory. [S.l.]: Lancer Publishers, 2000. Disponivel em: <http://www.au.af.mil/au/afri/aspj/apjinternational/apj-p/2001/1tri01/fadok.htm>.
HONORIO, K. IIRSA – Iniciativa para a Integração da Infraestrutura Regional Sulamericana. Observatorio Regionalismo, p. s/n, abr. 2017.
KORYBKO, A. Guerra Hibrida. São Paulo: Expressão Popular, 2018.
LATSA, A. A invenção da geopolítica americana. METAPO informação, Ria Novosti, dez. 2012.
NOZAKI, W. O golpe e o pré-sal: origem, desenvolvimento e consolidação da crise. INEEP - Instituto de Estudos Estratégicos de Petróleo, Gás Natural
e Biocombustíveis, Março 2018.
O cafezinho. www.ocafezinho.com, 2019. ISSN s/n. Disponivel em: <https://www.ocafezinho.com/2019/05/14/nao-e-piada-governo-americano-lanca-novo-
manual-para-derrubar-governos-estrangeiros/>. Acesso em: 23 maio 2019.
SEBBEN, F. Infraestrutura e desenvolvimento: estudo de caso sobre IIRSA e COSIPLAN. [S.l.]: Tese de Doutorado., 2015.
VIGEVANI, T.; JÚNIOR, H. R. Autonomia, Integração Regional e Política Externa Brasileira: Mercosul e Unasul. Revistade Ciências Sociais, RiodeJaneiro,
2014.
.