Você está na página 1de 7

Ficha

informativa
n. 3
o
Ficha informativa n.o 3

O Sebastianismo: história e ficção

D. Sebastião e o sebastianismo

A figura do Desejado tem sido um


dos grandes temas da literatura
portuguesa, ainda em vida e após o
seu desaparecimento.
Ficha informativa n.o 3

O Sebastianismo: história e ficção

D. Sebastião e o sebastianismo

 Depois da derrota de Alcácer Quibir (1578), a literatura chorou,


com a perda de D. Sebastião, a perda de esperanças de um
povo que deslumbrara o mundo com os Descobrimentos.

 Surge, então, o Sebastianismo, defendendo-se que o rei não


tinha morrido, era o Encoberto, que regressaria no momento
certo e daria ao reino a grandeza perdida.
Ficha informativa n.o 3

O Sebastianismo: história e ficção

D. Sebastião e o sebastianismo

 A recuperação da independência, em 1640, intensifica-se a crença


messiânica e aviva-se o desejo de reconstruir e ampliar o império.

 O Sebastianismo constitui-se como um traço característico de


reação em momentos de crise.

 O mito do regresso de D. Sebastião e a quimera do Quinto


Império inspiraram poetas e prosadores.
Ficha informativa n.o 3

O Sebastianismo: história e ficção

D. Sebastião , o fantasma de si próprio

 O nacionalismo romântico retomou a figura do rei,


aproximando-a do poeta que a cantava.

 No poema “Camões”, Garrett apresenta


D. Sebastião como destinatário ideal da
epopeia onde se canta a glória de uma
nação votada à morte.
António Ramalho, Camões lendo
os Lusíadas a D. Sebastião
(litografia), 1893.
Ficha informativa n.o 3

O Sebastianismo: história e ficção

D. Sebastião , o fantasma de si próprio

 O Romantismo português acredita no poder da poesia para


devolver à pátria a dignidade perdida.

 O poema “Camões”, de Garrett, marca o começo de um


processo de autognose de Portugal que terminará com
Mensagem, de Fernando Pessoa.
Ficha informativa n.o 3

O Sebastianismo: história e ficção

Frei Luís de Sousa, a tragédia sebastianista

 Frei Luís de Sousa é a tragédia portuguesa sebastianista,


marcada por fatalismo, pureza, tristeza e submissão do
génio nacional.

 Garrett sentiu a nação triste e procurou retratar o sentir do


povo português através de algumas personagens da sua
tragédia / drama romântico.