Você está na página 1de 25

TÉCNICAS DE

EXPRESSÃO EM
COMUNICAÇÃO
Conceitos gerais:
◦Comunicação:
◦ Processo de transmitir a informação de uma pessoa para
outra.
◦ Porém a comunicação só é possível se houver compreensão.
◦ Se uma pessoa transmitir uma mensagem e esta não for
compreendida pela outra pessoa, a comunicação não se
efetuou.
Conceitos gerais:
◦Linguagem:
◦ Todo o sistema de sinais que serve de meio e comunicação
entre os indivíduos.

◦ Pra existir uma linguagem basta atribuir-se um valor


convencional a determinado sinal.
Língua:
◦ Define-se como um sistema gramatical pertencente a um grupo de
indivíduos.
◦ A língua é o meio porque ela concebe o mundo que a cerca.
◦ É a expressão de consciência de uma colectividade.
◦ A criação da sociedade não muda, pelo contrário, deve estar sempre em
constante evolução, paralela à do organismo social que a criou.
◦ É a utilização social da faculdade da linguagem.
Fala ou linguagem falada:
◦ É constituída por uma complexidade de processos, de
mecanismos, de meios expressivos.

◦ A linguagem falada é a mais frequente forma de


manifestação da linguagem e concretiza-se no
discurso, ou seja, na realização verbal do processo de
comunicação.
Discurso:
◦ É a língua no acto, na execução individual.

◦ Cada indivíduo tem em si um ideal linguístico, portanto


procura extrair do sistema idiomático de que se serve
as formas do enunciado que melhor lhe exprimam o
gosto e o pensamento.
Estilo:
◦ Termo referente à escolha que o indivíduo guiado pelo
seu ideal linguístico. Portanto, cabe ao indivíduo que
entre os diversos meios de expressão que lhe oferece o
rico repertório de possibilidades que é a língua.
Canais de comunicação:
◦ Canais verticais:
◦ Podem ser descendentes (de cima para baixo) e referem-se à comunicação
entre o superior e os subordinados, veiculando ordens ou instruções.
◦ Podem ser ascendentes (de baixo para cima e referem-se à comunicação
entre o subordinado e o supervisor, veiculando informações a respeito do
trabalho executado.

◦ Canais horizontais:
◦ Referem-se às comunicações laterais entre dois órgãos (dois
departamentos, duas secções) ou dois cargos (dois gerentes, por exemplo)
no mesmo nível hierárquico.
Línguas e comunidades linguísticas:

◦Principais grandes famílias linguísticas:


◦ Uralo – Altaico ou Euro Asiático
◦ Camito – semítico ou Afro- asiático
◦ Dravídico
◦ Asiático do Sueste
◦ Africano
◦ Ameríndio
◦ Indo-Europeu
Indo-Europeu:

◦ O Indo-Europeu é uma família de línguas formada por


dez grupos, integrados, por sua vez, por centenas de
idiomas que ocupam um elevado espaço geográfico,
demográfico, económico e cultural ; Conserva uma
memória escrita muito remota (Sânscrito, Grego, Latim)
e utiliza vários alfabetos (latino, grego, cirílico, árabe).
Línguas Românicas
◦ O grupo das línguas românicas tem origem no latim,
que surgindo na península itálica, se instalou em todo
o mundo romanizado, durante o império romano, e
num processo ininterrupto de intercomunicação
linguística, se transformou e se individualizou num
conjunto de novas línguas.
História da língua portuguesa (1).

◦ A partir do ano 409, o contacto com os povos germânicos – Alanos, Vândalos


e Suevos– que invadem a Península Ibérica deixou vestígios linguísticos no
léxico e, sobretudo, na onomástica.

◦ A batalha de Guadalete, em 711, assinala o começo do domínio muçulmano


na Península e marca também o início do contacto linguístico.

◦ A história da língua portuguesa e, muito especialmente, a configuração do


seu espaço geográfico estão geneticamente ligadas à reconquista cristã da
Península Ibérica.
História da língua portuguesa(2)

◦ Ao condado Portucalense, parte dos Reinos de Leão e Castela,


é concedida autonomia administrativa, em 1095, pelo
casamento, como Conde D. Henrique, da filha de Afonso III,
Dona Teresa.
◦ Afonso Henriques, gerado desse casamento, depois de
reivindicar a sua independência contra a tutoria da mãe em
1128, na batalha de São Mamede, seria o primeiro rei de
Portugal, autoproclamado, em 1139, reconhecido por Afonso IV,
em 1143, e confirmado pelo Papa Alexandre III, em 1179.
História da língua portuguesa(3).
◦ A reconquista, agora sob a bandeira portuguesa, alarga-se progressivamente e
acaba por se completar no reinado de Afonso III, o quinto dos monarcas
portugueses, o primeiro deles a promover ativamente a escrita em vernáculo, a
partir de 1255. D. Dinis, além de poetar em Português, incentivou a oficialização da
língua.
◦ Mas viria da crise de 1383-1385, quando o adversário se denunciava, claramente, por
falar outra língua, o maior contributo para a institucionalização da Língua
Portuguesa.
História da língua portuguesa (4).
◦ A Casa de Avis assumiria, depois, a língua como instrumento de defesa, de identificação e de
afirmação nacional.

◦ O acesso à escrita confere à Língua Portuguesa uma auspiciosa iniciação histórica, entre o
final do séc. XIII e o início do séc. XIII.

◦ 1214 É a era do primeiro manuscrito, materialmente conservado e veridicamente datado,


como um texto português – o Testamento de Afonso II.

◦ Em 1415, com a expedição a Ceuta, inicia-se um processo de transumância e transcendência


da Língua Portuguesa.
História da língua portuguesa (5)
◦ A expansão portuguesa coincidiu com o início e a divulgação da tipografia.
No final do séc. XV, instalam-se os primeiros prelos em Portugal, modificando
o comércio linguístico e o curso da história da língua.

◦ A multiplicação do texto impresso constitui um factor de normalização da


escrita, de vulgarização do acesso à leitura e de alargamento da interação
normativa e homogeneizadora da língua.
História da língua portuguesa (6)
◦ A publicação das primeiras gramáticas e a alfabetação do corpus lexical da
Língua Portuguesa é a da segunda metade do séc. XVI.
◦ Em 1641 surge, em Portugal, a imprensa periódica.
◦ Entre os séculos XVIII e XX, pelas ruas e nas escolas, a tendência é para a
democratização da escrita e da leitura.
◦ Desde o seu surgimento, o Português foi ainda a língua de incontáveis
monumentos literários.
Comunidade linguística portuguesa
(1)
◦ A comunidade linguística portuguesa é vasta, espalhada por todos os
continentes e a língua ocupa o quarto lugar, entre as mais usadas no
mundo.
◦ O Português é a língua nacional de Portuga le do Brasil, limitada pelas
fronteiras de cada um destes Países.
◦ É ainda língua oficial em Angola, Cabo Verde, São Tomé e Príncipe,
Moçambique, Guiné-Bissau e Timor-Leste.
◦ Em Macau, foi utilizado até este território ser integrado na China em
1999; atualmente é considerado língua oficial, a par do Chinês, por um
período de 50 anos, a partir da data da integração.
Comunidade linguística portuguesa
(2).
◦ Algumas comunidades de emigrantes mantêm a Língua Portuguesa como
veículo de cultura longe das fronteiras de Portugal.

◦ Existem falantes de Língua Portuguesa em núcleos de emigrantes, que


continuam a utilizar o Português como língua materna e os seus
descendentes o aprendem-no como língua estrangeira.
Acordo ortográfico (1)

A definição de regra escrita vem desde a Idade Média, altura em que havia
na escrita um comportamento ecóico*¹ relativamente à informação oral.

No Renascimento, o Latim e Grego, serviram de fontes para o refinamento


e organização das regras de escrita – é concedido à etimologia um papel
fulcral.
◦ *¹ - Ecóico s ignifica que as palavras eram soadas como eco.
Acordo ortográfico (2)
Já em pleno Século XX, o combate ao analfabetismo, conjugado
com a necessidade de fixar ortografias, promove a norma de
1911.
Houve, em 1945, uma tentativa de Acordo. Os pressupostos
teóricos que vigentes; à data, aproximavam-se já do novo
Acordo Ortográfico.
Acordo ortográfico (3)
◦ O novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, foi aprovado em 1990 por
representantes de Portugal, Brasil, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau,
Moçambique e São Tomé e Príncipe, contando com a presença de
observadores da Galiza. Foi promulgado pelo Presidente da República em
1991. Contém um preâmbulo e quarto artigos.
Acordo ortográfico (4)
Data de 1991 a Retificação do Acordo – um adiamento produzido para a
correção de algumas imprecisões do texto.

Em Julho de 1998, em Cabo Verde, é feito o 1.º Protocolo Modificativo, com
a eliminação da data definida inicialmente para a entrada em vigor do
Acordo.
Acordo ortográfico (5)
◦ O 2.º Protocolo Modificativo é de julho de 2004, em S. Tomé e Príncipe,
determinado a adesão de Timor-Leste e fazendo depender a aprovação do
Acordo de três dos membros da CPLP e não da sua totalidade.

◦ O novo Acordo Ortográfico entrou em vigor em Janeiro de 2009. Mas, até


2012, decorreu um período de transição, durante o qual ainda se pôde
utilizar a grafia anterior.
Acordo ortográfico (6)
◦ Segundo publicação em Diário da República, ficou determinada a
aplicação do Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa no sistema
educativo no ano letivo de 2011/2012, e a partir de 1 de Janeiro de
2012, ao Governo e a todos os serviços, organismos e entidades da
dependência do Governo, bem como à publicação do Diário da
República.
◦ A mesma Resolução do Conselho de Ministro (nº8/2011, publicada na
1.ª série do Diário da República, de 25 de Janeiro de 2011) adota,
ainda, o Vocabulário Ortográfico do Português, produzido em
conformidade com o Acordo Ortográfico, e o Conversor Lince como
ferramenta de conversão ortográfica de texto para a nova grafia.