Você está na página 1de 25

Princípios da Qualidade Aplicados a

Software: Processo e Produto

Ítala Célly
icbf@cin.ufpe.br
Professor: Vasconcelos/Hermano
Agenda

 As diferentes Abordagem da Gestão da Qualidade


 Gestão Qualidade Total
 Precursores da Qualidade
 Ferramentas da Qualidade
 Gestão da Qualidade De Software
 Competividade e Produtividade na qualidade
 Considerações Finais
 Referências
Objetivo do Trabalho

 Analisar algumas das principais teorias sobre o


pensamento e as contribuições dos grandes nomes
da qualidade e as contribuições para a Engenharia de
Software.
Gestão da Qualidade

 Conceito subjetivo que está relacionado às


percepções de cada individuo

 Confiável
Sem defeitos
 Preferência do
 Acessivel
Cliente
Seguro
Pontualidade
Gestão da Qualidade

Qualidade é estar em conformidade com os requisitos dos


clientes.
Qualidade é antecipar e satisfazer os desejos dos clientes.
Qualidade é escrever tudo o que se deve fazer e fazer tudo o que
foi escrito.

Segundo a atual norma brasileira sobre o assunto (NBR ISO 8402),


qualidade é:
"A totalidade das características de uma entidade, que lhe confere a
capacidade de satisfazer às necessidades explícitas e implícitas."
Esta definição formal exige alguns complementos, principalmente para
definir o que são as entidades, as necessidades explícitas e as
necessidades implícitas.
Precursores da Qualidade
Qualidade

 1949 – Ishikawa;
 1950 – Deming;
 1951 – Feigenbaum;
 1954 – Juran;
 1979 – Crosby;
 1990 - Cerqueira Neto.
1949 – Ishikawa: Ishikawa aprendeu os princípios do controle estatístico da
qualidade desenvolvido por americanos. Kaoru traduziu, integrou e expandiu
os conceitos de gerenciamento do Dr. William Edwards Deming e do Dr.
Juran para o sistema japonês.

 Seu papel chave no desenvolvimento de uma estratégia


especificamente japonesa da qualidade. A característica
japonesa é a ampla participação na qualidade, não somente de
cima para baixo dentro da organização, mas igualmente começa
e termina no ciclo de vida de produto. Rápida percepção e
satisfação das necessidades do mercado, adequação ao uso
dos produtos e homogeneidade dos resultados do processo
(baixa variabilidade).

Ishikawa mostrou a importância das sete ferramentas da qualidade:


Diagrama de Pareto; Diagrama de causa e efeito; Histograma;
Folhas de verificação; Gráficos de dispersão; Fluxograma;
Cartas de Controle.
1950 – Deming; Qualidade é sentir orgulho pelo trabalho
bem-feito. Aprimoramento da Qualidade eleva
produtividade. Máxima utilidade para o consumidor.
 Adaptou um método de abordagem sistemática para a
resolução de problemas conhecido como PDCA (Plan, Do,
Check, Action), ou ciclo de Shewhart.


Em 1989 Deming enunciou os 14 princípios a que
a gestão devia obedecer.
1951 – Feigenbaum; é considerado o “pai” da qualidade e
afirma que esta é um trabalho de todos na organização, e que
não é possível fabricar produtos de alta qualidade se o
departamento de manufatura trabalha isolado.

 Qualidade é uma maneira de se gerenciar os


negócios da empresa. Aprimoramento da
Qualidade só pode ser alcançado em uma
empresa com a participação de todos. Perfeita
satisfação do usuário
1954 – Juran

Qualidade é adequação ao uso. Satisfação das


aspirações do usuário.

 Para Juran a gestão da Qualidade tem 3 pontos


fundamentais, a famosa trilogia:

 O planejamento da qualidade
 A melhoria da qualidade
 O controle da qualidade
1979 – Crosby; Foi como Gerente de Qualidade na Martin-
Marietta , onde criou o conceito de "Zero Defeitos".

 Qualidade é conformidade com especificações,


com os requisitos do cliente.
Gestão da Qualidade Total

 A Gestão da Qualidade Total (GQT ou TQM) é uma opção para a


reorientação gerencial das organizações, que possui como
pontos básicos:
– Foco no cliente;
– Trabalho em equipe permeando toda a organização;
– Decisões baseadas em fatos e dados;
– Busca constante da solução de problemas e da diminuição de
erros.
Gestão da Qualidade Total: Abrange as cinco
dimensões da qualidade, que afetam a satisfação das
necessidades das pessoas:

1 – QUALIDADE INTRÍNSECA do produto ou serviço;


2 – CUSTO ou preço;
3 – ATENDIMENTO ou prazo;
4 – MORAL ou ética;
5 – SEGURANÇA do cliente e das pessoas da
organização.
Ferramentas da Qualidade: Tipos de ferramentas
 Diagnóstico dos Problemas: Ferramentas Básicas; são
utilizadas para a resolução de problemas com vistas à
otimização dos processos operacionais da empresa. As
ferramentas irão nos ajudar a estabelecer melhorias de
qualidades entre as quais destacamos;

– Diagrama de Pareto
– Diagrama Ishikawa (Espinha-de-Peixe) ou Diagrama de Causa e Efeito
– Lista ou Folha de Verificação
– Histograma
– Diagrama de Dispersão
– Gráfico Linear
– Gráfico de Controle ou Carta de Controle
– Fluxograma
Planejamento da Qualidade: Ferramentas
Gerenciais;

 São instrumentos metodológicos da Prática Administrativa,


que têm como objetivo atingir a eficiência e/ou eficácia na
realização de uma determinada Tarefa ou Processo.

 Ferramentas para soluções e gerenciamento da qualidade:

– 5W2H
– Diagrama de Afinidades
– Diagrama de Relações
– Diagrama de setas
– Diagrama em Matriz de priorização
– Técnicas de Priorização
– Diagrama PDPC
– Diagrama da Rede de Atividades
Qualidade de Software

 A qualidade é a adequação do uso. É a


conformidade as exigencias (ES);

 Qualidade é o grau em que um conjunto de


caracteristicas inerentes a um produto, processo
ou sistema cumpre os requisitos inicialmente
estipulados para estes. (ISO 9000);
 Software é um conjunto completo ou apenas uma
parte dos programas, procedimentos, regras e
documentação associada de um sistema
(computacional) de processamento de informação
(ISO/IEC 2382-1, 1993)

– Programa fácil de usar;


– Funcionando com as regras estabelecidas e
documentada;
– Facilidade de manutenção e extensibilidade;
– “a totalidade das características de produto de software
que lhe confere a capacidade de satisfazer
necessidades explicitas e implícitas” (ISO/IEC 9126)
Competitividade

 A competitividade é a característica ou capacidade de


qualquer organização em cumprir a sua missão. Com
mais êxito que outras organizações competidoras.

 Baseia-se na capacidade de satisfazer as


necessidades e expectativas dos clientes.

 A competitividade empresarial significa a obtenção de


uma rentabilidade igual ou superior aos rivais no
mercado.
Produtividade

 A Produtividade é um indicador de eficiência de uma


organização; podemos utiliza-la para medir a
eficiência na utilização de qualquer input, o conceito
de produtividade é mais frequentemente utilizado para
medir a eficiência na utilização do fator trabalho.
Competitividade e Produtividade na qualidade

Eficácia Eficiência

Qualidade Produtividade

Fazer as coisas certas Fazer certo as Coisas


Competitividade e Produtividade na qualidade
Produtividade

Fazer certo Fazer certo


as Coisas as Coisas
erradas certas

Qualidade

Fazer errado Fazer errado


as Coisas as Coisas
erradas certas
Considerações Finais

 Nesta pesquisa bibliográfica foi possível perceber que é necessário


um comprometimento de todas as pessoas que fazem parte da
organização conforme o autor Paladini.
Referências
 BARÇANTE, Luiz César. Qualidade Total: uma visão brasileira, o impacto estratégico na universidade
e na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1998.
 BRASSARD, Michael. Qualidade: Ferramentas para uma Melhoria Contínua (The Memory Jogger). Rio
de Janeiro: Qualitymark, 1985.
 BROCKA, Bruce M.; BROCKA, Suzanne. Gerenciamento da qualidade. São Paulo: Makron Books,
1994.
 CAMPOS, ENEIDA RACHED - A Gestão da Qualidade e o Processo de Informatização Norteando as
Mudanças Organizacionais para Atingir a Qualidade Total. Tese de Mestrado - IMECC - UNICAMP,
Campinas - SP, 1998.
 CARAVANTES, Geraldo R.; CARAVANTES C.; BIJUR, W. Administração e Qualidade: a superação dos
desafios. São Paulo: Makron Books, 1997.
 CAMPOS, Vicente Falconi. TQC – Controle da Qualidade Total (no estilo Japonês). 8a. ed. Belo
Horizonte: Fundação Christiano Ottoni, Escola de Engenharia da UFMG, 1992.
 Campos, Vicente Falconi, 1994, “Total Quality Control in Japanese Way”, Fundação
 Christiano Ottoni, UFMG, Belo Horizonte, Brasil.
 CAMPOS, Vicente Falconi. . TQC-Controle da qualidade total (no estilo japonês): Belo Horizonte,
1992, 1996.
 CROSBY, Philip, B. Qualidade, falando sério. São Paulo: McGraw-Hill, 1990.
 DEMING, William Edward. Qualidade: a revolução da administração. Rio de Janeiro: Marques-Saraiva,
1990.
 DEMING, W. EDWARDS – Qualidade: A Revolução da Administração. Rio de Janeiro: Marques
Saraiva, 1982.
 Deming, W. E., 1997, “The New Economics”, Qualitymark Editora Ltda., Rio de Janeiro.
 Falconi, V., “Falta administrar o óbvio”, Revista Exame – Entrevista, disponível em
 www.fdg.org.br, acesso em 28/10/2012
 FLEURY, Afonso; FLEURY, M. T. Aprendizagem e inovação organizacional. 2 ed. São Paulo: Atlas,
1997.
 ISHIKAWA, Kaoru. Controle de qualidade total à maneira japonesa. 6 ed. Rio de Janeiro: Campus,
1997.
 JURAN, J. M - Juran na Liderança pela Qualidade. Editora Pioneira, São Paulo, 1989, 88-166.
Empresas – Ferramentas para a Melhoria da Qualidade e da Competitividade.
 Editora Makron Books, São Paulo, 1992.
 Juran, J., 1991, “Total Quality Control Handbook”, Makron Books, São Paulo.
 JURAN, J. M.; GRYNA, Frank M. Controle da qualidade-handbook. 4 ed. vol. III. São Paulo: Makron
Books & McGraw-Hill, 1992.
 MASLOW, Abraham H. Maslow no Gerenciamento. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2000.
 MOLLER, Claus. O lado humano da qualidade. 3 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1999.
 MORIN, Edgar. Ciência com consciência. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.
 NBR ISO 9000:2000 – Sistemas de gestão da qualidade – Fundamentos e vocabulário. Rio de Janeiro,
ABNT/CB-25 – Comitê Brasileiro da Qualidade, Dez. 2000.
 PALADINI; Edson Pacheco et al. Gestão da qualidade: teoria e casos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
 SLACK, Nigel [et. al.]. Administração da produção – edição compacta. São Paulo: Atlas, 1999.
 OLIVEIRA, Marcos Antonio Lima de. Projeto Indicadores de Desempenho. Disponível em
www.qualitas.eng.br/qualitas_artigos_indicadores.html. Data de consulta: 24.9.2012
 OLIVEIRA, Marcos Antonio Lima de. Minicurso a NBR ISO 90012000 em 16 respostas. Disponível em
www.qualitas.eng.br/qualitas_minicurso_iso9001.html. Data de Consulta: 24.10.2012
 Manual de Ferramentas da Qualidade – SEBRAE; www.scribd.com/.../Sebrae-Manual-de-
Ferramentas-Da-Qualidade. Data de Consulta: 28.10.2012
 Ferramentas da Qualidade – www.cedet.com.br/index.php?/...Qualidade/ferramentas-da-qualidade.
Data de Consulta: 06.11.2012
 Ferramentas do Controle da Qualidade –
www.ufsm.br/ceq/arquivos/fonte_www.lgti.ufsc.br.pdflberto. Data de Consulta: 06.11.2012
 Ferramentas Gerenciais da Qualidade – Prof. W. Ramos; www.scribd.com/.../As-Sete-ferramentas-
basicas-da-Qualidade. Data de Consulta: 06.11.2012

Você também pode gostar