Você está na página 1de 10

FRACASSO DA LIGA

DAS NAÇÕES
História e Teoria das Relações Internacionais
Professor: José António de Rocha Oliveira
Curso: Ciência Política e Estudos Eleitorais

Trabalho realizado por: Diana Mykhaliuk


• Como foi criada e o que foi a Sociedade das Nações?
• Introdução ao fracasso da Liga das Nações
ÍNDICE: • Razões do fracasso da Liga das Nações
• Brasil membro da Liga das Nações
CRIAÇÃO DA SOCIEDADE DAS
NAÇÕES

Liga das Nações ou Sociedade das Nações era o nome de uma


organização internacional criada em janeiro de 1919, pelo Tratado
de Versalhes, e autodissolvida em 1946, e que tinha como
objetivo reunir todas as nações da Terra e, manter a paz e a ordem
no mundo inteiro, evitando assim conflitos desastrosos como o da
guerra que recentemente devastara a Europa. A Liga das Nações
era organizada de uma maneira bem semelhante à da atual ONU,
sendo composta de um Secretariado, Assembleia Geral, e um
Conselho Executivo.
No Conselho Executivo estavam as potências
vitoriosas da Primeira Guerra Mundial, a
saber: Grã-Bretanha, França, Itália, Japão e
mais tarde Alemanha e União Soviética.
Os Estado Unidos não participaram da Liga
das Nações durante toda a existência da
organização, apesar do presidente norte-
americano Woodrow Wilson (de 1913 a 1921)
ter alimentado fortemente a ideia de sua
criação. O Congresso norte-americano, por
entender que os EUA, ao aderir à Liga das
Nações estaria se desviando de sua política
externa tradicional, e por isso, vetou a entrada
de seu país na organização.
No dia 18 de abril de 1946, foi dissolvida formalmente a Liga (ou Sociedade) das
Nações. Surgida em consequência dos horrores da Primeira Guerra Mundial.
A dissolução da Liga das Nações, no dia 18 de abril de 1946, não passou de uma
formalidade. Na prática, ela deixara de existir alguns anos antes.
RAZÕES DO
FRACASSO

A Liga das Nações, fracassou por


defeitos de origem. Não dispunha de
um poder executivo forte, nem
contava com representantes da
União Soviética e dos Estados
Unidos – a nação de seu idealizador.
O governo de Moscou não era
aceito, e Washington não ingressou
na organização por rejeitar o Tratado
de Versalhes. Em 1923, tornou-se
evidente a fraqueza, quando os
franceses invadiram a região alemã
da Renânia, para cobrar reparações
de guerra.
Um dos poucos êxitos da
organização foi o pacto de
segurança firmado entre
Alemanha, França, Grã-Bretanha e
Bélgica. Genebra, nada conseguiu
fazer para impedir a crise
econômica mundial, no final da
década de 20. A miséria geral
impulsionou as forças
nacionalistas que se opunham ao
Tratado de Versalhes.
A invasão da Manchúria pelo Japão, em 1931, foi uma prova do
fracasso da Liga das Nações. Condenado um ano e meio depois
pelo ato de agressão, o Japão abandonou a organização. A
Alemanha seguiu o mesmo caminho, que o Japão, abandonou a
Liga das Nações a 14 de outubro de 1933. Adolf Hitler,
interessado apenas em armar seu país, usou uma série de
pretextos para abandonar a conferência de desarmamento e
ridicularizar a Liga das Nações.
As invasões da Abissínia pela
Itália, em 1935, e da Finlândia,
pela União Soviética, em 1939,
revelaram que a Liga das Nações
não passava de uma organização
de fachada. Seu último ato foi
expulsar a URSS, que havia sido
admitida como membro em 1934.
A esta altura, porém, a Segunda
Guerra Mundial já estava a pleno
caminho, o que frustrou de vez as
intenções pacifistas dos
idealizadores da Liga das Nações.
O Brasil foi membro fundador da Liga, tendo porém deixado a instituição em
situação embaraçosa, de péssima memória para os representantes do país no
exterior. Ao pleitear, durante o governo do presidente Artur Bernardes, por uma
vaga permanente no Conselho Executivo. o Brasil forçou sua admissão por meio
da recusa em aceitar a entrada permanente da Alemanha para o mesmo Conselho.
Todos os outros países voltaram-se contra o Brasil, o país ficou isolado dentro da
organização, e logo depois, acabou por abandonar a organização, em 1926.