Você está na página 1de 75

PUERICULTURA

1000 dias

Pediatra e Neonatologista
Coordenadora médica da UTI Neonatal do Hospital Santa Brígida
Dra. Gislayne Souza Nieto Coordenadora do Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade de Pediatria do Paraná
Médica do Programa de Reanimação Neonatal de prematuros da SBP
Mestranda em ciências da Saúde na FPP Professora de Medicina na FPP
Puericultura
 O termo puericultura, oriundo do latim (puer,
pueris=criança) Criado no ano de 1762 pelo suíço Jacques
Ballexserd
 Ciência médica responsável pelo estudo dos cuidados
com o desenvolvimento infantil até puberdade.
 Deve acompanhar o crescimento e desenvolvimento ,
cobertura vacinal, estimular aleitamento materno,
orientar a alimentação complementar , avaliar
neurodesenvolvimento e prevenção de doenças
Puericultura
 ARTE de promover e proteger a saúde das crianças,
através de uma ATENÇÃO INTEGRAL ,
compreendendo a criança como um ser em
desenvolvimento com suas particularidades.
270 da gestação mais os 730 dos dois primeiros anos de vida.
Teoria de Barker
1000 dias de oportunidades
 O envolvimento da epigenética na programação fetal da
síndrome metabólica é reconhecida TEORIA DE BARKER

 A epigenética é definida como modificações do


genoma que são herdadas pelas próximas
gerações sem alterar a estrutura do DNA

Rev. Saúde Pública vol.42 no.1 São Paulo Feb. 2008


http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000100002
1000 dias de oportunidades
1000 dias de oportunidades
 Aspectos psíquicos

 Plasticidade cerebral nos primeiros anos, com formação de trilhões de


novas conexões entre os 100 bilhões de neurônios do cérebro humano

 Estímulo permite funções e competências importantes para o desempenho


e a sobrevivência em melhores condições

 Período marcado genéticamnete e influenciado

Mustard e Tremblay.
 As primeiras experiências afetam o desenvolvimento da
arquitetura do cérebro que fornece a base para toda a
aprendizagem futura, comportamento e saúde.
 A arquitetura do cérebro é composta por milhões de
conexões individuais e entre diversas áreas do cérebro
 Nos primeiros anos de vida, mais de 1 milhão de novas
conexões neurais se formam a cada segundo
Após este período de rápida proliferação, as conexões são
reduzidas : poda

Center on Developing Child at Harvard University


1000 dias de oportunidades
1000 dias de oportunidades
1000 dias de oportunidades
Structural Growth Trajectories and Rates of Change in the First 3 Months of Infant Brain
Development
October 2014 Dominic Holland et al JAMA Neurology
O estresse tóxico pode danificar a arquitetura do cérebro e aumentar a probabilidade
de que problemas de saúde mental significativos surjam rapidamente ou anos depois

As experiências deixam uma "assinatura" química


sobre os genes que determina se e como os genes
são expressos
Neurodesenvolvimento
 50% genética e 50% ambiente
 Até 3 meses >20% de sinápses
 Até 1 ano :1000trilhões de sinápses
 ESTÍMULO CORRETO
 Aprendizado : Ação X reação
 Neurônios espelho
Neurodesenvolvimento
Fatores genético Fatores alimentares

Fatores ambientais
Intervenções

Dra Gislayne Nieto – SESA-2017


Desenvolvimento

 Processo de amadurecimento do ser


humano desde o nascimento até a
idade adulta caracterizado por
aquisições e aperfeiçoamento de
funções e capacidades adquiridas
progressivamente.

Dra Gislayne Nieto – SESA 2017


Crescimento

 O Crescimento significa aumento


físico do corpo, medido em
centímetros ou gramas; ele traduz
o aumento em tamanho e número
de células.

Dra Gislayne Nieto – SESA 2017


Puericultura e Número de consultas
 O MS recomenda sete consultas de rotina no primeiro ano de vida (na 1ª
semana, no 1º mês, 2º mês, 4º mês, 6º mês, 9º mês e 12º mês)

 Duas consultas no 2º ano de vida (no 18º e no 24º mês)

 2º ano de vida, consultas anuais, próximas ao mês do aniversário.

 Essas faixas etárias são selecionadas porque representam momentos de


oferta de imunizações e de orientações de promoção de saúde e
prevenção de doenças. As crianças que necessitem de maior atenção
devem ser vistas com maior frequência (Brasil, 2012).
Puericultura X Consulta pré natal
 Realizar as consultas com a equipe de saúde com foco na
criança, a partir da 32ª semana de gestação para esclarecer
dúvidas.
 A primeira consulta deverá ocorrer na primeira semana de
vida para avaliação do aleitamento materno , o ganho de
peso, o crescimento, icterícia. Se tudo estiver dentro do
esperado, com 1 mês deve-se ter a segunda consulta.
Sinais de alerta
 - Sonolento, não chora forte , especialmente se estiver diferente em relação
aos outros dias;
 - Dificuldade para respirar, está cansado, especialmente durante as
mamadas e /ou gemente;
 - Presença de palidez ou outras alterações da cor das mãos e dos pés;
 - Recusa várias mamadas seguidas ou aceita muito pouco;
 - Vômitos em grande quantidade, principalmente se tiver vômitos ou
diarréia
 - Abdome distendido (Barriga estufada);
 - Sem urinar (fralda seca) nas últimas 12 horas;
 - Piora da icterícia
 - Vermelhidão ou secreção com mau cheiro no umbigo;
 - Temperatura corporal menos do que 35,5 º C ou maior do que 37,8 º C;
 - Tremores em todo o corpo, convulsão interrogada ou parece “desmaiado”
PREMATUROS
 Puericultura e seguimento ambulatorial em RN de risco
(FOLLOW UP)
 As crianças com maior vulnerabilidade : PREMATURIDADE e
baixo peso ao nascer; anóxia perinatal grave; problemas
neurológicos: encefalopatia hipóxico-isquêmica, acidente
vascular cerebral, sangramento de sistema nervoso central,
leucomalácia, meningite, convulsão; alterações do exame
neurológico; broncodisplasia; hiperbilirrubinemia; distúrbios
metabólicos graves; infecções congênitas; malformações e
síndromes genéticas.
PREMATUROS
 Recomendada a utilização da idade corrigida até 18
meses para o perímetro cefálico, até 24 meses para o
peso e avaliação neurológica e até 36 - 42 meses para
o comprimento.

 Idade corrigida =
 Idade cronológica – (40 semanas – idade gestacional)
 ex: 40 – 28 = 12 semanas = 3 meses
Puericultura
 IDENTIFICAÇÃO DO RN
 • Antecedentes Familiares
 • Antecedentes Obstétricos
 • Gestação
 • Trabalho de Parto
 • Puerpério
Triagem neonatal
 • Teste do pezinho
 • Teste do olhinho
 • Teste de coraçãozinho
 • Teste da orelhinha
EXAME FÍSICO
 SINAIS VITAIS:
 FR - ( 40 a 60 mpm)
 FC - (110 a 160 bpm)
 Temp. - (36 a 37)
PESO
Estatura
Perímetro cefálico

OMS: casos suspeitos de bebês com microcefalia, menino, a medida será igual ou
inferior a 31,9 cm e, para menina, igual ou inferior a 31,5 cm.
Recém Nascido
Reflexos tônico cervical Reflexo de marcha Reflexo de voracidade

Reflexo plantar Reflexo de Moro Reflexo de preensão

Dra Gislayne Nieto – SESA- 2017


THE LANCET 2016

Breastfeeding in the 21st century: epidemiology, mechanisms, and lifelong effect


Prof Cesar G Victora, MD Correspondence information about the author Prof Cesar G Victora
for The Lancet Breastfeeding Series Group†
†Members listed at the end of the paper

Published: 30 January 2016

Why invest, and what it will take to improve breastfeeding practices?


Nigel C Rollins, MD Correspondence information about the author MD Nigel C ,
Rollins
†Members listed at the end of the paper
Published: 30 January 2016
Optimal breastfeeding of infants under two years
of age has the greatest potential impact on child
survival of all preventive interventions, with the
potential to prevent over 800,000 deaths (13 per
cent of all deaths) in children under five in the
developing world (Lancet 2013)
 Breastfeeding benefits babies’ brains June,2003
Um estudo usando imagens cerebrais de ressonância magnética contribui para o crescente corpo de
evidências de que o aleitamento materno melhora o desenvolvimento cerebral em bebês. O aleitamento
materno sozinho produziu melhor desenvolvimento cerebral do que uma combinação de aleitamento
materno e fórmula, o que produziu melhor desenvolvimento do que a fórmula sozinho.
PROVIDENCE, R.I. Brown University
ALEITAMENTO
Fórmulas
 The DIAMOND (DHA Intake And Measurement Of Neural Development)
Study: Um ensaio clínico controlado duplo-mascarado randomizado da
maturação da acuidade visual infantil em função do nível dietético de ácido
docosahexaenóico

 A suplementação com DHA de fórmula infantil em 0,32% de ácidos


graxos totais melhora a acuidade visual. Quantidades mais elevadas de
suplementação de DHA não foram associadas com melhora adicional da
acuidade visual
American Society for Nutrition,2010
Icterícia
 A presença de icterícia antes de 24-36 horas de vida ou de
valores de BT >12 mg/dL, independentemente da idade pós-
natal, alerta para a investigação de processos patológicos.
Todo RN ictérico ao nível ou abaixo da linha do umbigo deve
ter uma dosagem de bilirrubina sérica ou transcutânea.

Sempre que houver fatores para hiperbilirrubinemia , deve-se


ponderar o risco e o benefício da alta hospitalar e evitar a
reinternação em decorrência da progressão da icterícia.
A figura mostra o nomograma com os percentis 40, 75 e 95 de BT (mg/dL) obtidos em
RN > 35 semanas com PN > 2.000 g, segundo a idade pós-natal, que orientam na
determinação
 do risco de hiperbilirrubinemia significante (Bhutani et al., 1999)
Icterícia Zonas de Kramer
SEGURANÇA
SEGURANÇA
Neurodesenvolvimento
 NEURODESENVOLVIMENTO : PROCESSO DE AQUISIÇÃO DOS
MOVIMENTOS RESULTANTE DA INTERAÇÃO DA HEREDITARIEDADE COM O
AMBIENTE.
(SANTOS; RAVANINI,2006)

 COGNIÇÃO: CAPACIDADE DA ADQUIRIR CONHECIMENTO.


(Houaiss,Villar,Franco,2008)
Avaliação Neurológica
 Atitude
 Tônus
 Reflexos primitivos
 Equilíbrio estático e dinâmico
 Coordenação apendicular (dos membros)
 Funções cerebrais superiores

Dra Gislayne Nieto – SESA - 2017


Marcos do Desenvolvimento

 “Idades chave”
 1.RN
 2.Lactente 3,6,9 ,12, 18 e 24 meses
 3.Dos 3 aos 7 anos
 4.Após – avaliação das funções corticais superiores + desempenho escolar

Dra Gislayne Nieto – SESA -2017


Desenvolvimento Motor 1º Ano de Vida

Dra Gislayne Nieto –SESA - 2017


Neurodesenvolvimento
 MOTOR
 GROSSEIRO
 FINO (dependente da visão)

Dra Gislayne Nieto – SESA - 2017


Neurodesenvolvimento
 COGNITIVO
 APRENDIZAGEM
 LINGUAGEM (dependente da audição)

Dra Gislayne Nieto – SESA -2017


Neurodesenvolvimento
 PSICOLÓGICO
 COMPORTAMENTO

Dra Gislayne Nieto – SESA - 2017


Recém Nascido
•TONO/REFLEXO PROFUNDOS: Hipertonia flexora dos 4 membros,
hipotonia axial e hiper-reflexia profunda.

•REFLEXOS PRIMITIVOS : todos estão presentes no RN a termo

•FUNÇÕES CEREBRAIS SUPERIORES : Pode seguir objeto com os olhos,


modulação sensitivo-sensorial, iniciando a corticalização.

Dra Gislayne Nieto – SESA- 2017


3 Meses
•TONO/REFLEXOS PROFUNDOS: Iniciando hipotonia fisiológica.

•REFLEXOS PRIMITIVOS: Presentes: sucção, Moro, mão-boca, preensão palmar,


preensão plantar, cutâneo-plantar extensor – desapareceram: marcha reflexa, apoio
plantar, reptação, tônico-cervical assimétrico .

•EQUILÍBRIO ESTÁTICO: Firma o pescoço

•EQUILÍBRIO DINÂMICO: Movimenta a cabeça

•COORDENAÇÃO APENDICULAR: Junta as duas mãos na linha média

•FUNÇÕES CEREBRAIS SUPERIORES (audição/linguagem/gnosias): fixa o olhar, sorri


socialmente, atende ao som com procura da fonte emissora e usa vogais (gorjeio)

Dra Gislayne Nieto – SESA- 2017


6 Meses
 TONO/REFLEXOS PROFUNDOS: Hipotonia fisiológica importante e reflexos profundos
semelhantes ao adulto.

 REFLEXOS PRIMITIVOS: Presentes: preensão plantar, cutâneo plantar extensor;


Desapareceram: sucção, preensão palmar, moro, mão-boca

 EQUILÍBRIO ESTÁTICO: Senta com apoio, iniciando sem apoio

 EQUILÍBRIO DINÂMICO: Muda de decúbito

 COORDENAÇÃO APENDICULAR: Retira pano do rosto, preensão voluntária

 FUNÇÕES CEREBRAIS SUPERIORES (audição/linguagem/gnosias): Atende pelo nome,


demonstra estranheza diante de desconhecidos, localiza o som lateralmente, usa vogais
associadas a consoantes (lalação) .

Dra Gislayne Nieto – SESA- 2017


9 Meses
TONO/REFLEXOS PROFUNDOS: Hipotonia fisiológica em declínio.

•REFLEXOS PRIMITIVOS: Presentes: preensão plantar e cutâneo plantar extensor


em desparecimento.

•EQUILÍBRIO ESTÁTICO: Senta sem apoio e fica na posição de engatinhar

•EQUILÍBRIO DINÂMICO: Engatinha e pode andar com apoio

•COORDENAÇÃO APENDICULAR: Pega objetos em cada mão e troca, preensão


manual de pinça superior em escada

•FUNÇÕES CEREBRAIS SUPERIORES (audição/linguagem/gnosias): Localiza o som


de forma indireta para cima e para baixo – Palavras de sílabas repetidas com
significado (primeiras palavras) palavras-frase

Dra Gislayne Nieto – SESA- 2017


12 Meses
 TONO/REFLEXOS PROFUNDOS: semelhantes ao do adulto

 REFLEXOS PRIMITIVOS : Presentes: preensão plantar e cutâneo-plantar


extensor em desaparecimento

 EQUILÍBRIO ESTÁTICO : Em pé com apoio

 EQUILÍBRIO DINÂMICO: Iniciando a marcha sem apoio

 COORDENAÇÃO APENDICULAR: Pinça superior individualizada

 FUNÇÕES CEREBRAIS SUPERIORES (audição/linguagem/gnosias): Localiza a


fonte sonora direto para baixo e indireto para cima, usa palavras corretamente
e produz jargão

Gislayne Nieto – Marco do Desenvolvimento | 2016


2 Anos
 Sobe e desce escada
 Fala mais de 10 palavras
 Começa a correr
 Pula com 2 pés
 Aprimoramento do equilíbrio
 Inicia controle de esfíncteres

Dra Gislayne Nieto – SESA -2017


Como avaliar o desenvolvimento?

•Escalas
•História
•Exame neurológico

Dra Gislayne Nieto – SESA - 2017


Escala de DENVER

Dra Gislayne Nieto – SESA -2017


Dra Gislayne Nieto – SESA - 2017
O Sistema Único de Saúde (SUS) será obrigado a adotar protocolo com
padrões para a avaliação de riscos ao desenvolvimento psíquico de
crianças de até 18 meses de idade. É o que determina a Lei 13.438/2017,
sancionada no Diário Oficial da União

 Triagem precoce para Autismo/Transtorno do Espectro Autista

 Departamento Científico de Pediatria do Desenvolvimento e Comportamento


AUTISMO
Transtorno do Espectro Autista (TEA)
 Modified Checklist
for Autism in Toddlers (M-CHAT). No Brasil o
M-CHAT foi traduzido e validado para o Português
(cultura brasileira) em 2008 .

TEA :Transtorno de comportamento


Conforme CDC , nos EUA 1:68 casos e no mundo 1:100
AUTISMO
AAP recomenda:
Toda a criança seja submetida a uma
triagem para o TEA entre 18 e 24 meses de idade,
que pode ser feito pela aplicação do M-CHAT
Clique aqui para ter acesso à Escala
• http://mchatscreen.com/wp-content/uploads/
2015/05/M-CHAT_Portuguese_Brazil.pdf
Links úteis:
• http://www.scielo.br/pdf/rprs/v30n3/v30n3a11.pdf
• http://www.autismspeaks.org/sites/default/files/
100_day_kit_brazilian_portuguese.pdf
NUTRIÇÃO COMPLEMENTAR
Departamento Científico de Nutrologia
Sociedade Brasileira de Pediatria 2012

Manual do Lanche saudável SBP 2012

Manual de nutrição do MS
10 passos para alimentação
saúdável

Evitar bebidas açucaradas,refrigerantes


Vitaminas e ferro
Recomenda-se a suplementação de 400 UI/dia de vitamina D até 12m e
vitamina D 600UI até 2 anos

Vitamina A Variável conforme dieta materna

Administrar sulfato ferroso para todo lactente nascido a termo e com peso
em aleitamento materno ou em uso de fórmula infantil, a partir da
introdução da alimentação complementar, na dose 1mg/kg/dia até 2 anos
Vermífugo

 Orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS) sobre a frequência. “A


OMS recomenda tratamento anual onde a prevalência de parasitoses
intestinais estejam entre 20 a 50% e tratamento a cada seis meses em
áreas onde a prevalência chega a mais de 50%”

 Albendazol acima de 2 anos 5 dias sem repetir


 Mebendazol antes de 2 anos
OBESIDADE
Maus tratos
DÚVIDAS ?????
Obrigada!

gisnieto@hotmail.com