Você está na página 1de 55

Visão Geral do CMMI e do

SCAMPI
Visão Geral do CMMI
Motivação
• Proliferação de Modelos e Padrões em
diversas áreas
• Diferentes
Software
SE estruturas,
EIA 731 CMM
CM formatos, termos,
maneiras de medir
maturidade
Systems Systems Software
Engr Security Acq • Causa confusão,
CMM Engr CMM CMM especialmente
quando mais de um
modelo é utilizado
IPD FAA People • Difícil de integrar
CMM iCMM CMM
num único
programa de
melhoria

3/55
Objetivos do CMMI
• Eliminar inconsitências
• Reduzir duplicações
• Aumentar entendimento
• Fornecer terminologia comum
• Prover estilo consistente
• Assegurar consistência com a norma ISO
15504 (agora substituída pela ISO 330XX)
• Estabelecer regras uniformes de avaliação

4/55
Constelações do CMMI

5/55
Representações
• Contínua
– Agrupamento de Áreas de Processo por Categoria
– Avaliação do Nível da Capacidade das Áreas de
Processo individuais

• Por Estágios
– Agrupamento de Áreas de Processo por Nível
– Avaliação do Nível de Maturidade da Organização
como um todo

6/55
Comparando as
Representações
Continuous Staged

ML5
Process Area
Capability

ML4

ML3
ML2

ML 1
PA PA PA . . .para um conjunto de áreas
. . .para uma única área de de processo associadas ao nível
processo ou um conjunto de áreas de maturidade estabelecido pela
de processo. organização.
7/55
Representações - Vantagens
• Contínua
– Fornece maior flexibilidade focando em áreas
de processo específicas de acordo com
metas e objetivos de negócio
– Permite a comparação de áreas de processo
entre diferentes organizações
– Foco bem definido nos riscos específicos de
cada área de processo
– Estrutura compativel com o padrão ISO/IEC
330XX

8/55
Representações - Vantagens
• Por estágios:
– Fornece uma rota de implementação através de:
• grupos de área de processo
• implementação em seqüência
• cada nível funciona como a fundação para o próximo nível
– Estrutura familiar para aqueles que estavam
migrando do SW-CMM
– Atribui uma nota de classificação do nível de
maturidade em que a organização se encontra
através dos resultados das avaliações:
• permitindo dessa forma a comparação de forma direta entre
as organizações

9/55
Componentes do Modelo
• Os componentes do modelo são os mesmos
para a representação contínua e por estágios

• São eles:
– áreas de processo, metas específicas, práticas
específicas, metas genéricas, práticas genéricas,
produtos de trabalho típicos, sub-práticas,
amplificações de disciplinas, elaboração de práticas
genéricas, e referências

10/55
Dimensões para Medição do
Processo de Melhoria
• Níveis de Capacidade (representação
contínua)
– Um nível de capacidade descreve a
capacidade de uma área de processo;
– Existem quatro níveis de capacidade;
– Cada nível representa uma camada na base
para a melhoria contínua do processo;
– Assim, níves de capacidade são cumulativos,
ou seja, um nível de capacidade mais alto
inclui os atributos dos níveis mais baixos.

11/55
Dimensões para Medição do
Processo de Melhoria
• Níveis de Capacidade

3 Defined Um processo adaptado a partir do conjunto de processos padrões da organização


de acordo com as diretrizes definidas pela organização.

2 Managed Um processo gerenciado é planejado e sua execução é acompanhada através do


planejamento inicial.

Um processo executado é um processo que satisfaz todas as metas específicas de


1 Performed
uma área de processo.

0 Incomplete Um processo que não está sendo executado ainda, ou está sendo parcialmente
executado. Uma ou mais metas específicas da área de processo não são satisfeitas.

12/55
Dimensões para Medição da
Melhoria do Processo
• Níveis de Maturidade (representação por
estágio)
– Grau de melhoria de processo (maturidade organizacional)
através de um conjunto pré-definido de áreas de processo
– Um nível de maturidade provê a fundação necessária para a
implementação efetiva dos processos dos níveis de maturidade
superiores
– Processos de um nível de maturidade superior podem ser
implementados em níveis inferiores com o risco de não serem
aplicados de forma consistente em períodos de crise
– Um nível de maturidade define um caminho para tornar a
organização mais madura
– Existem cinco níveis de maturidade
13/55
Dimensões para Medição da
Melhoria do Processo
• Níveis de Maturidade
Optimizing
5 Foco na melhoria do
processo

Quantitatively
4 Processo medido e Managed
controlado

Defined
3 Processo proativo e
caracterizado para a
organização
Managed
2 Processo caracterizado
para projetos e
frequentemente reativo
Performed
1 Processo imprevisível,
pouco controlado

14/55
O Nível 1 de Maturidade
Nível 1 – Executado

• Processos executados freqüentemente de


maneira ad-hoc

• Poucos processos definidos, sucesso


dependente de iniciativas individuais

• Difícil prever a performance

15/55
O Nível 1 de Maturidade
Nível 1 - Executado

In Out

• O processo utilizado é uma caixa preta


• Dificuldade em determinar progresso do projeto
• Requisitos fluem para dentro
• Um produto de software é (normalmente)
produzido através de algum processo disforme.
• O produto flui para fora e (espera-se que)
funciona
16/55
O Nível 2 de Maturidade
Nível 2 – Gerenciado

• Gerência de projetos disciplinada


• Políticas organizacionais estabelecidas e
institucionalizada nos projetos
• Planos e processos do projeto são documentados e
seguidos
• Existência de recursos apropriados
• Responsabilidades e autoridades são atribuídas
• Planejamento e gerenciamento de novos projetos
pode ser baseado na experiência de projetos
similares
17/55
O Nível 2 de Maturidade
Nível 2 - Gerenciado

In Out

• A disciplina faz com os processos sejam mantidos


em tempos de “crise”
• Os status das atividades e dos produtos de trabalho
são visíveis à gerência em etapas pré-definidas
• Os requisitos fluem para dentro e o produto flui para
fora e (normalmente) funciona
18/55
O Nível 2 de Maturidade
Nível 2 - Gerenciado

• Medidas são coletadas e analisadas para se


entender e gerenciar as atividades e
resultados do projeto
– Limites são definidos, mas sem a utilização de
técnicas estatísticas
– Quando não se atinge os limites, ações são
tomadas

19/55
O Nível 3 de Maturidade
Nível 3 - Definido

• Processo para desenvolvimento de software é


estabelecido, padronizado e documentado pela
organização (adaptado quando necessário)
• Todos os projetos utilizam uma versão deste
processo, personalizada para o tipo do projeto a ser
desenvolvido
• Atividades de gerenciamento e engenharia de
software são estáveis e repetidas (foco na
organização)

20/55
O Nível 3 de Maturidade
Nível 3 - Definido

In Out

• Funções e responsabilidades no processo são bem


entendidas
• A produção do produto de software é visível através
do processo de software
• Papéis, responsabilidades e interação entre
atividades são bem entendidos por todos
21/55
O Nível 4 de Maturidade
Nível 4 – Gerenciado Quantitativamente
• O processo é previsível e gerenciado
quantitativamente (estável)
• Métodos estatísticos e quantitativos são utilizados
no nível de projetos e da organização para:
– Entender os resultados de performance, a qualidade
do produto e do serviço de projetos passados
– Prever a performance e a qualidade do produto e dos
serviços de projetos futuros
• Base de dados organizacional para coletar e
analisar dados dos projetos
22/55
O Nível 4 de Maturidade
Nível 4 – Gerenciado Quantitativamente

• Utilização de objetivos quantitativos, para atender


as necessidades dos clientes, usuários finais e da
organização

• Atenção: A implementação do nível 4 deve ser


considerada antecipadamente
– As medições requeridas no nível 4 podem (ou não) ser
diferentes das medições requeridas desde o nível 2
– As análises requeridas no nível 4 demandam uma grande
base de dados de medições
– É indicado um alinhamento das atividades do nível três
com os objetivos futuros do nível 4
23/55
O Nível 4 de Maturidade
Nível 4 – Gerenciado Quantitativamente

In Out

• Progresso e problemas são medidos


• A gerência tem bases objetivas para tomada de
decisão

24/55
O Nível 5 de Maturidade
Nível 5 – Em Otimização

• No nível 4 a análise é direcionada às causas


especiais de variação do processo => No nível
5, a análise é direcionada às causas comuns
de variação do processo
• As medições são utilizadas para:
– Selecionar melhorias e inovações, estimar seus
custos e acompanhar os gastos reais
• Os processo definidos na organização são alvos
das atividades de melhoria

25/55
O Nível 5 de Maturidade
Nível 5 – Em Otimização

In Out

• Estabelecimento e acompanhamento de objetivos


quantitativos para a melhoria de processos

“A Melhoria de processo contínua e ‘mensurável’ é


um estilo de vida...”
26/55
Áreas de Processo
• Área de Processo (PA): é um conjunto de
práticas relacionadas, que quando
implementadas de forma coletiva, satisfazem
um conjunto de metas consideradas importantes
e críticas para caracterizar a melhoria na área
de processo em questão

• Em ambas as representações, na contínua e na


por estágios, as áreas de processo são as
mesmas

27/55
Áreas de Processo -
Representação por Estágios
Staged Grouping Acronyms Processes Areas

Maturity Level 2 REQM Requirements Management


PP Project Planning
PMC Project Monitoring and Control
SAM Supplier Agreement Management
MA Measurement and Analysis
PPQA Process and Product Quality Assurance
CM Configuration Management
Maturity Level 3 RD Requirements Development
TS Technical Solution
PI Product Integration
VER Verification
VAL Validation
OPF Organizational Process Focus
OPD +IPPD Organizational Process Definition + IPPD
OT Organizational Training
IPM +IPPD Integrated Project Management +I PPD
RSKM Risk Management
DAR Decision Analysis and Resolution
Maturity Level 4 OPP Organizational Process Performance
QPM Quantitative Project Management
Maturity Level 5 OID Organizational Innovation and Deployment
CAR Causal Analysis and Resolution

28/55
Áreas de Processo -
Representação Contínua
Continuous Acronyms Processes Areas
Grouping
Process OPF Organizational Process Focus
Management OPD +IPPD Organizational Process Definition + IPPD
OT Organizational Training
OID Organizational Innovation and Deployment

Project Management PP Project Planning


PMC Project Monitoring and Control
SAM Supplier Agreement Management
IPM +IPPD Integrated Project Management +I PPD
RSKM Risk Management
QPM Quantitative Project Management
Engineering OPP Organizational Process Performance
REQM Requirements Management
RD Requirements Development
TS Technical Solution
PI Product Integration
VER Verification
VAL Validation
Support CM Configuration Management
PPQA Process and Product Quality Assurance
MA Measurement and Analysis
DAR Decision Analysis and Resolution
CAR Causal Analysis and Resolution
29/55
Metas e Práticas - Específicas e
Genéricas
• Metas Específicas e Práticas Específicas
– aplicam-se a uma Área de Processo particular
– relacionadas à dimensão do processo
– descrevem o que deve ser implementado para satisfazer a área de
processo
– uma prática específica representa uma atividade considerada
importante no atendimento da meta específica associada à mesma
• Metas Genéricas e Práticas Genéricas
– aplicam-se a todas as áreas de processo
– relacionadas à dimensão da capacidade ou maturidade
– são chamadas genéricas por que são as mesmas para todas as
áreas de processo
– Uma para cada nível de maturidade ou capacidade
– Na representação por estágios apenas 4 se aplicam, pois o nível 1
de maturidade não possui meta genérica
30/55
Exemplo: Meta Específica e
Prática Específica
• Meta Específica (da AP Gerenciamento de
Requisitos)
– Requisitos são mantidos e refletem-se
cuidadosamente nos planos de projeto,
atividades e produtos.

• Prática Específica (da AP Gerenciamento


de Requisitos)
– Manter rastreabilidade entre requisitos e
fontes de requisitos.
31/55
Exemplo: Meta Genérica e
Prática Genérica
• Meta Genérica GG2 (do Nível 2 de Capacidade
ou Maturidade)
– Institucionalizar um processo gerenciado.
• Prática Genérica (GP2.1) Estabelecer uma
política organizacional
– Estabelecer e manter uma política organizacional para o
planejamento e execução dos processos <xxx>
• Prática Genérica (GP2.2) Planejar o processo
– Estabelecer e manter o planejamento para a execução dos
processos <xxx>

32/55
Outros Componentes do
Modelo
• Produtos de trabalho típicos
– Fornecem exemplos de artefatos de saída das práticas
– Existem outros produtos de trabalho válidos, que não
estão listados no modelo

• Sub-práticas
– são descrições detalhadas que fornecem informações
adicionais para a interpretação das práticas genéricas e
específicas

33/55
Outros Componentes do
Modelo (2)
• Amplificações de disciplinas
– são informações relevantes para uma disciplina em particular e
são associadas a práticas específicas

• Elaboração de praticas genéricas


– são orientações de como as práticas genéricas devem ser
unicamente aplicadas a uma determinada área de processo

• Referências
– são informações adicionais ou mais detalhadas a respeito de
áreas de processo relacionadas

34/55
Componentes do Modelo – Requeridos,
Esperados ou Informativos

• O CMMI classifica seus componentes como


componentes Requeridos, Esperados ou
Informativos

• Requeridos: Metas específicas e genéricas


– São os componentes essenciais para o alcance da
melhoria de processos numa determinada área
– São utilizados como base em uma avaliação para a
atribuição de um nível de maturidade ou capacidade

35/55
Componentes do Modelo – Requeridos,
Esperados ou Informativos

• Esperados: Práticas específicas e genéricas


– Explica em detalhes o que tipicamente deve ser feito para
o atendimento das metas da área de processo
– Orientam os usuários do modelo e os avaliadores
– Permitem a utilização de práticas alternativas

• Informativos: Todos os outros componentes


– Produtos de trabalho típicos, sub-práticas, amplificações
de disciplinas, elaboração de praticas genéricas e
referências
– Fornecem informações adicionais a respeito do modelo

36/55
Estrutura do CMMI -
Representação por Estágios
Nível de Maturidade

Área de Processo Área de Processo Área de Processo

Metas Genéricas Metas Específicas

Práticas Práticas
Genéricas Específicas

37/55
Estrutura do CMMI -
Representação Contínua
Área de Processo 1 … Área de Processo n

Meta Meta Meta Meta Meta


… Genérica 1 Genérica 2 Genérica 3
Específica 1 Específica n

Prática Práticas Práticas Práticas


Prática
… Específica Genéricas Genéricas Genéricas
Específica 1
n Nível 1 Nível 2 Nível 3

Nível 0: Nível 1: Executado Nível 2: Nível 3: Definido


Incompleto Gerenciado

38/55
Equivalência entre as
Representações

Requirements Development RD
Technical Solution TS
Product Integration PI
Verification VER
Validation VAL
Organizational Process Focus OPF
Organizational Process Definition OPD
Organizational Training OT
Integrated Project Management IPM
Risk Management RSKM
Decision Analysis and Resolution DAR

39/55
Considerações Finais
• O CMMI foi construído sobre a estrutra do CMM,
o modelo de melhoria de processo mais
difundido e utilizado na comunidade de software
– É mais abrangente, engloba diversas disciplinas em um único
modelo, com uma única estrutura, metodologia comum de
avaliação, nomenclatura padrão…
– Pode ser utilizado no desenvolvimento de produtos, serviços e
manutenção
– Reune melhores práticas de outros modelos
– Hoje está na versão 1.3
– Avaliação tem validade de 3 anos.

40/55
Considerações Finais
• Tempo médio para Implantação do CMMI
– Da fase de inicio do processo de melhoria ao processo de
avaliação oficial => 1 a 2 anos (por nível, no modelo em
estágios)
• Etapas para adoção:
– Diagnóstico inicial
– Definição do plano de ação de melhoria de processos
– Definição dos processos de acordo com o modelo
– Institucionalização dos processos
– Mini Avaliação
– Ajustes nos processos
– Avaliação oficial
41/55
O Método de Avaliação
SCAMPI

Standard CMMI Appraisal Method for


Process Improvement

42/55
Método de Avaliação SCAMPI
• Um método de avaliação tem como
objetivo determinar o nível de aderência
de um processo, ou conjunto de
processos, à um modelo de referência
• Um dos produtos do projeto CMMI é o
método de avaliação SCAMPI – Standard
CMMI Appraisal Method for Process
Improvement

43/55
Método de Avaliação SCAMPI
• Objetivos
– Coletar dados para entender os processos
implementados
– Determinar o nível de aderência de um processo, ou
conjunto de processos, nos projetos eleitos como
representativos na organização, às práticas do CMMI
– Determinar o grau de satisfação das metas
investigadas na avaliação
– Identificar pontos fortes e fracos do processo
– Atribuir classificação (se requerido pelo patrocinador
da avaliação)

44/55
Método de Avaliação SCAMPI:
Principais Aspectos
• Realizada colaborativamente por uma equipe
liderada por um Lead Appraiser autorizado pelo
CMMI Institute
• Seleção do escopo organizacional
– Unidade organizacional previamente definida em
comum acordo com o contratante.
• Verificação através de evidências objetivas
– Informações qualitativas ou quantitativas, registros,
declaração de fatos que caracterizam a
implementação de elementos do processo

45/55
Método de Avaliação SCAMPI:
Principais Aspectos
• Verificação da implementação das práticas com base
em indicadores
Artefatos
• Tipos de indicadores Atas de reuniões, Anotações do
– Artefatos e afirmativas desenvolvimento do WBS
WBS, descrição de tarefas, descrição
dos pacotes do projeto

PP SP1.1-1
Estabelecer um WBS (work breakdown structure)
de alto nível para o escopo do projeto

Informações:
“Eu trabalhei na equipe de definição do WBS”, “Eu
utilizei o WBS como base para minhas atividades”

46/55
Método de Avaliação SCAMPI:
Principais Aspectos
• “Corroboração” das informações
– Artefatos combinados com informações obtidas em
apresentações e entrevistas

• Cobertura da avaliação
– Evidências objetivas suficientes para a
implementação de cada prática
– Evitar avaliações baseadas somente em papel,
devem haver afirmações declaradas (chamadas face-
to-face F2F)
• Pelo menos 50% das práticas de cada meta

47/55
Método de Avaliação SCAMPI:
Classes de Avaliação
Características Classe C Classe B Classe A
Evidência objetiva baixa média alta
Geração de ratings não não sim
Uso de recursos baixo médio alto
Tamanho da equipe pequeno médio grande
 mínimo 1  mínimo 2  mínimo 4 e
máximo 9

48/55
Método de Avaliação SCAMPI:
Papéis em uma Avaliação
• Participantes da avaliação
– Patrocinador da avaliação
– Gerentes de projeto
– Lideres de equipe
– Membros da equipe de desenvolvimento

Obs: As pessoas a serem entrevistadas são


selecionadas desde a fase do planejamento

49/55
Método de Avaliação SCAMPI:
Papéis em uma Avaliação
• Equipe de avaliação
– Líder da avaliação (Lead Appraiser) – Possui a
responsabilidade geral sobre a avaliação
– Membros da equipe - Se dividem em mini-equipes por área
de processo a ser avaliada
• Assumem diferentes papéis durante a avaliação
– Coordenador local (organização da logística local),
bibliotecário (responsável pelos documentos),
cronometista, escriba, revisão dos trabalhos,
produção de ratings
– Todos devem tomar nota de tudo durante o processo
– Equipe completa => REVISA TODO O TRABALHO
– O resultado final de uma avaliação é consensual!!

50/55
Fases do SCAMPI

Planejamento e
Preparação da
Avaliação

Condução da
Avaliação

Fechamento da
Avaliação

51/55
Processo de Obtenção de
Ratings
Ratings de nível de capacidade
e/ou maturidade

Ratings de satisfação dos objetivos (metas)

Caracterização da implementação das práticas


em nível de unidade organizacional

Caracterização da implementação das práticas


em nível das instanciações (projetos)

52/55
Nível de Implementação Caracterização de Implementação
da Prática
FI (Fully Implemented)  Artefatos e/ou afirmativas estão presentes e são
considerados adequados para confirmar a implementação
 Não foi notada nenhuma fraqueza substancial
LI (Largelly Implemented)  Artefatos e/ou afirmativas estão presentes e são
considerados adequados para confirmar a implementação
 Foi notada uma ou mais fraquezas
PI (Partially Implemented)  Alguns ou todos os artefatos requeridos estão ausentes ou
são considerados inadequados para confirmar a
implementação
 Alguns afirmativas sugerem que alguns aspectos da
prática estão implementados
 Foi notada uma ou mais fraquezas
OU
 Artefatos estão presentes e são considerados adequados
 Não existem afirmativas para suportar os artefatos
 Foi notada uma ou mais fraquezas
NI (Not Implemented)  Alguns ou todos os artefatos requeridos estão ausentes ou
são considerados inadequados para confirmar a
implementação
 Não existem afirmativas para suportar os artefatos
 Foi notada uma ou mais fraquezas
NY (Not Yet)  A fase do ciclo de vida ainda não foi atingida para que a
prática seja implementada
53/55
Regras de Agregação em Nível
de Processos
Caracterizações Resultado Notas
Todas X X
Todas LI ou FI LI
Existe alguma PI, LI ou PI Decidido pela
mas sem NI equipe
Existe algum NI NI, PI ou LI Decidido pela
equipe

54/55
Exemplo de Planilha de Avaliação

55/55