Você está na página 1de 29

Licitações

Públicas:
Um panorama para o
Administrador

Palestrante: Adm. Michel Nogueira


Objetivos:
I. Pontuar sobre os conceitos e normas que orientam os processos
Licitatórios

II. Orientar quanto aos princípios das contratações públicas

III. Demonstrar com questões práticas como funciona uma contratação


pública

IV. Estabelecer uma relação entre o tema Licitações e Contratos Públicos


com a atuação do profissional de Administração

V. Fomentar o interesse pelo assunto para formação de profissionais para


o setor

VI. Demonstrar o quanto você (Administrador) é importante diante do


cenário atual
Licitação:
“Licitação, no ordenamento brasileiro, é processo
administrativo em que a sucessão de fases e atos
leva à indicação de quem vai celebrar contrato com a
Administração. Visa, portanto, a selecionar quem vai
contratar com a Administração, por oferecer
proposta mais vantajosa ao interesse público. A
decisão final do processo licitatório aponta o futuro
contratado”. (MEDAUAR, Direito Administrativo
Moderno, 1996. p. 205.)
Constituição Federal

Art. 37. (...) XXI - ressalvados os casos


especificados na legislação, as obras, serviços,
compras e alienações serão contratados
mediante processo de licitação pública que
assegure igualdade de condições a todos os
concorrentes, com cláusulas que estabeleçam
obrigações de pagamento, mantidas as condições
efetivas da proposta, nos termos da lei, o qual
somente permitirá as exigências de qualificação
técnica e econômica indispensáveis à garantia do
cumprimento das obrigações.
A Lei nº 8.666/93, em seu art. 3º ao conceituar
a licitação, define que o procedimento deve
ser julgado e processado em estrita
conformidade com os princípios básicos:

 da legalidade;
 da impessoalidade;
 da moralidade;
 da probidade administrativa; (honesto – seguir as regras – fiel – moral aos atos)
 da igualdade;
 da publicidade;
 da vinculação ao instrumento convocatório; e
 do julgamento objetivo e dos que lhe são correlatos.
Foram elaboradas as seguintes normas de âmbito nacional:

Lei 8.666/1993 – que institui normas para licitações e


contratos da Administração Pública;

 Lei 10.520/2002 – que institui no âmbito da União,


Estados, Distrito Federal e Municípios, a modalidade de
licitação denominada pregão

Lei 12.232/2010 – que dispõe sobre as normas gerais para


licitação e contratação pela Administração Pública de
serviços de publicidade ;

Lei 12.462/2011 – que institui o Regime Diferenciado de


Contratações Públicas - RDC.
Apenas em 1º de julho de 2016 (23
anos após a lei 8.666/93) , entrou em
vigor a Lei 13.303, chamada Lei das
Estatais, por estabelecer o estatuto
jurídico das empresas públicas, das
sociedades de economia mista e de
suas subsidiárias.
Estatais
Fluxograma de licitação
...seleção da proposta mais
vantajosa, inclusive no que se refere
ao ciclo de vida do objeto, e a evitar
operações em que se caracterize
sobrepreço ou superfaturamento...
Art. 31 da lei 13303/16
Maior Vantagem
Competitiva
Art. 32. Nas licitações e contratos de que trata esta Lei
serão observadas as seguintes diretrizes: (...)

II - busca da maior vantagem competitiva para a


empresa pública ou sociedade de economia mista,
considerando custos e benefícios, diretos e indiretos,
de natureza econômica, social ou ambiental, inclusive
os relativos à manutenção, ao desfazimento de bens e
resíduos, ao índice de depreciação econômica e a
outros fatores de igual relevância;
Em 2014, as compras e
contratações governamentais
movimentaram R$ 62,1
bilhões.
Compras governamentais – Comprasnet
Contratos
Fiscalização Deficiente

Problema: Fiscalização deficiente dos


contratos
Descrição:

A Administração possui, em regra, considerável volume de


contratos em andamento e que precisam ser acompanhados
(fiscalizados). Contudo, não possui pessoal suficiente ou
preparado para tanto. É interessante haver providências
mínimas quanto à fiscalização
Tribunais de Contas
Sobrepreço e superfaturamento de preços;

Prática do “jogo de planilhas”;

Utilização de aditivos contratuais irregulares;

Direcionamento de licitações;

Utilização de empresas de fachada;

Conluio entre empresas.


E aí, vale
a pena?

Vamos pensar...
É bastante conhecido e elucidado o fato de
que altas quantias de recursos públicos
são desperdiçadas diariamente nos três
níveis da administração pública (federal,
estadual e municipal) mediante práticas
indevidas, compras desnecessárias e
desvio de verbas, pois as pessoas que
ocupam os cargos de
administradores/encarregados nessas
instituições não possuem conhecimento
mínimo sobre administração.
Já pensou ?
[...] A administração pública
nem me passava pela cabeça,
nunca me interessei pelo
assunto[...]
As pessoas que estão ligadas na área de
administração têm sempre o foco no
planejamento, na execução e controle.
Traçam estratégias e acompanham a todo o
momento os rumos do que foi planejado
fazendo as correções necessárias.

A falta deste profissional ocasiona: obras


desnecessárias que são vistas a todo o
momento, pois faltou o planejamento;
desperdício de material e mão-de-obra na
execução; controle dos resultados
duvidosos sem as correções que se fizeram
necessárias, perdendo eficiência com o
dinheiro público.
Nos tempos atuais é indispensável aos
gestores bem conhecer o ciclo das
contratações públicas para sincronizar o seu
script com as respectivas atividades que
exerce visando cumprir, com eficiência, as
metas previamente estabelecidas pela Unidade
Administrativa a que pertence.

Conhecer o seu próprio negócio nas dimensões


meio e fim é algo por demais importante para
que se possa adotar uma postura inclusiva,
participativa e sistêmica.
A palavra-chave para
as licitações é o ?
Planejamento.
Este para nós é o conjunto de ações
interdependentes que visam antecipar
eventos e decisões futuras, prevenindo
desvios.
E aí, vale
a pena?

SIM!