Você está na página 1de 50

Interpretação de

Exames Laboratoriais
O que
mais te
assusta em
um
laboratório?
Qual o
grande
desafio do
LAB hoje?
Interpretação?
⊙ ETIM lat. interpretatĭo,ōnis
'explicação, sentido'
1.
Interpretação na prática
O que realmente necessitamos saber?
História Exame Testes
Clínica Físico Diagnósticos
OBJETIVOS
Reduzir a incerteza diante de
um diagnóstico ou prognóstico
dos pacientes.

Testes Auxiliar o clínico na conduta


Diagnósticos terapêutica.

Monitoramento de condutas
terapêuticas.
O que realmente necessitamos saber

Analito Indicação Amostra


Substância alvo do ensaio. Solicitação por parte do Espécime diagnóstico ou
Nos exames laboratoriais paciente ou profissional amostra biológica
não se mede o analito em si, solicitante afim de especifico para o exame
mas sim as suas comprovar alguma solicitado.
propriedades. Ex.: Medir hipótese.
uma mesa

Análise Comparação e Interpretação


Protocolo escolhido de Discutir com a finalidade de auxiliar na
acordo com o tipo de obtenção de conclusão clínica. Que
analito, origem de sua entregue resposta para o objetivo o qual o
amostra e o resultado exame foi indicado.
desejado.
Comparação e interpretação

Qualitativo Quantitativo

Escalas/graus Número
Pontos de corte Concentração
Atividade
Analito presente onde
NÃO deveria
POSITIVO HIPO
NEGATIVO NORMO
Analito está ausente HIPER
onde deveria
Intervalos de Referência (IR)

O IR indica se o resultado do paciente é o esperado para


um indivíduo saudável ou doente.
Produção e monitoramento
Apesar de ser uma tarefa desafiadora para os
laboratórios clínicos, a criação ou verificação
dos IR é primordial para a segurança do
paciente.
Vamos iniciar pelo mais
famoso...
1.
Hemograma
Completo ou não?
Hemograma

▧ Hg, Ht, G. brancos e G. vermelhos e Coagulograma;

Glób. Vermelhos
Policitemia (>IR)
Oligocitemia (<IR)

Anemias, hemorragias, volume sanguíneo recuperado, leukemia,


drogas ou produtos que aumentas o número de glóbulos
vermelhos (diuréticos, nitrofurantoína, penicilina, Vit A e etc) (>IR)

18
Hemograma

Glób. Brancos (Leucócitos)


▧ Leucocitose (RN, fim do puerpério, exercícios musculares
violentos, emoções intensas, temperaturas altas e etc) (>IR)

Patológica nas infeccções gerais, viroses, necroses, hemopatias,


doenças do metabolismo, produtos químicos ou drogas que
aumentam os leucócitos.

▧ Leucopenia (anemia perniciosa, má nutrição, anemia aplástica,


samonelose) (<IR)

19
Hemograma

ESFREGAÇO - Há variações patológicas do eritrócitos


ou glóbulos vermelhos em caso de anemias e certas
hemopatias.

Tamanho - Anisocitose

Microcitose

20
ESQUIZOCITOSE
Esquizócitos são hemácias rompidas, o que pode ocorrer em anemia
hemolítica microangiopática (incluindo coagulação intravascular
disseminada, púrpura trombocitopênica trombótica/síndrome hemolítico-
urêmica e hemólise valvular).

21
MACROCITOSE
Esta imagem mostra a anemia macrocítica não nutricional que não é induzida por
drogas. Morfologia arredondada das hemácias, ao contrário de macrocitose oval,
sugere doença hepática; as células-alvo são também evidentes.

22
MEGALOCITOSE
Esta imagem mostra a anemia megaloblástica.
Glóbulos vermelhos que são maiores que o normal, baixa contagem de glóbulos
brancos e baixa contagem de plaquetas, resultante de uma deficiência de ácido
fólico ou de vitamina B-12

23
FORMA - POIQUILOCITOSE

24
COR

25
NÚCLEO

Quando há coagulação anormal da medula óssea esse valor sob isso punção em
algumas anemias graves, anormais dos recém nascidos leucemias. Normalmente
essas variações aparecem em formas de megaloblastos, corpúsculos de Howel-
Jolly e corpos anulares de cabot.

26
Índice de Anisocitose (RDW)
► DEFINIÇÃO
• O índice de anisocitose (RDW) é um coeficiente de variação da distribuição do volume
eritrocitário individual
• Valores de referência: 12,1 a 14 %.
► USO
• A elevação do RDW é útil para direcionar a atenção para a anisocitose, uma
característica de várias anemias.
► INTERPRETAÇÃO
• O RDW é muito útil para diferenciar a anemia ferropriva (RDQ alto, VCM normal a
baixo) do traço βtalassêmico
(RDW normal, VCM baixo)
• O aumento do RDW também é útil para identificar a ocorrência de fragmentação dos
eritrócitos, aglutinação ou populações de células dimórficas.
► LIMITAÇÕES
• Uma contagem muito elevada de leucócitos, numerosas plaquetas grandes e a
autoaglutinação resultam em valores falsamente elevados do RDW.

27
Volume Corpuscular Médio (VCM)

► DEFINIÇÃO
• O volume corpuscular médio (VCM) representa a medida
média do volume de eritrócitos (hemácias). É determinado
diretamente por instrumentos automáticos e calculado como
o Ht dividido pela contagem de eritrócitos nos métodos
manuais

• Valores de referência: 82,0 a 101,0 f .

► USO
• O VCM é útil na classificação das anemias.

28
Volume Corpuscular Médio (VCM)
► INTERPRETAÇÃO
VALORES ELEVADOS
• Anemias macrocíticas
• Síndromes mielodisplásicas
• Alcoolismo
• Doença hepática
• Hipotireoidismo
• Hemólise com contagem elevada de reticulócitos
• Lactentes e RNs.
29
Volume Corpuscular Médio (VCM)
► INTERPRETAÇÃO
VALORES DIMINUÍDOS

• Anemias ferroprivas
• Talassemias
• Anemia sideroblástica hereditária
• Intoxicação por chumbo
• Anemia de doenças crônicas e outras
hemoglobinopatias (pode estar diminuído ou normal).

30
Volume Corpuscular Médio (VCM)
► LIMITAÇÕES

• O VCM pode estar artificialmente aumentado devido à


leucocitose pronunciada, numerosas plaquetas grandes,
crioaglutininas, intoxicação por metanol, hiperglicemia
acentuada e reticulocitose pronunciada;

• O VCM pode estar falsamente diminuído na hemólise


in vitro ou fragmentação dos eritrócitos.

31
Hemoglobina Corpuscular Média (HCM)
► DEFINIÇÃO
• A hemoglobina corpuscular média (HCM) é a
concentração de Hb por contagem de eritrócitos
(hemácias)
• Tem valor limitado na classificação das anemias
• Valores de referência: 27 a 34 pg por eritrócito.

► INTERPRETAÇÃO
VALORES AUMENTADOS
• Anemias macrocíticas e lactentes, bem como
recémnascidos.
VALORES DIMINUÍDOS
• Anemias microcíticas e normocíticas.
32
CASOS
CLÍNICOS

33
Hipertensão
▧ Sintomatologia

34
Hipertensão
▧ Achados Laboratoriais

• ↓ Potássio, ↑ Cálcio

• Provas de função renal anormais ( microalbuminúria, uréia,


creatinina e ácido úrico)

• Comprometimento da glicose em jejum

• ↓ TSH e T4 – PATOLOGIA SUBJACENTE (endócrina, renal e SNC)

35
Pacreatite
▧ AGUDA

Os níveis séricos de LIPASE aumentam dentro de 3 a 6 h, com pico


em 24 h, retornando, habitualmente, a valores normais no decorrer de
um período de 8 a 14 dias. É SUPERIOR À AMILASE; os níveis
aumentam em maior grau e podem permanecer elevados por até 14
dias após a normalização da amilase.

A elevação da AMILASE começa em 3 a 6 h; os níveis aumentam


rapidamente dentro de 8 h em 75% dos pacientes, alcançam um valor
máximo em 20 a 30 h e podem persistir por 48 a 72 h.

36
Esteatose Hepática
• Histologia: a biopsia hepática estabelece o diagnóstico.
• Principais exames:

▧ ↑ 3x AST e ALT
▧ ALT > AST na EHNA
▧ Fosfatase alcalina normal (ALP) ou discretamente elevado em 50%
dos casos;
▧ Sorologia de Hep. Viral neg.

37
Hepatomegalia
• Exame físico

• Neg. urobilinogênio na urina – OBSTRUÇÃO TOTAL

• Em pacientes com obstrução biliar extrahepática, deve-se esperar


uma elevação da ALP para níveis de duas a três vezes o normal. A
obtenção de níveis normais seria incomum.

38
Diabetes Mellitus
• Exame físico

• Triagem por questionário


• Dosagem da glicose

39
Hipotireoidismo
PRIMÁRIO
↑ TSH e ↓T4

SECUNDÁRIO
↓ TSH e ↓ T4

40
Psoríase e Artrite Psoriática
O diagnóstico de psoríase é basicamente estabelecido pela anamnese
e pelo exame físico. O diagnóstico de artrite psoriática é estabelecido
pela associação de artrite e psoríase:

• Histologia: biopsia raramente é necessária


• Sorologia: pesquisa de FR é negativa
• Principais exames: níveis séricos de ácido úrico estão elevados
devido à renovação aumentada das células cutâneas.

41
CASOS CLÍNICOS
prática

42
DISCUSSÃO

43
44
45
46
47
48
Obrigada!

Alguma pergunta?

marianamfqf@gmail.com

Nada, absolutamente nada, resiste
ao trabalho.

Euryclides de Jesus Zenbini