Você está na página 1de 10

Psicologia do Luto

Formadora: Marina Maltez


Carga horária: 25 horas
O que é o luto?

O luto é uma reação emocional a uma perda significativa. É


um processo natural e um modo de
recuperação emocional face à perda. Esta reacção ocorre em
diversos tipos de perdas, incluindo:
• A morte de alguém significativo;
• O fim de um relacionamento significativo;
• Alguém que nos é próximo e que está a experienciar uma
doença crónica ou terminal;
• A perda de fatores importantes na vida como segurança
económica, um emprego ou curso que se gostava;
• A morte de um animal de estimação;
• Uma mudança negativa no que diz respeito à
saúde ou funcionamento físico e psíquico.

Na verdade, a palavra luto não implica


necessariamente a morte de um ser vivo, pode
simplesmente referir-se à perda de algo importante.
EXEMPLOS??
Algo que fazia parte do nosso quotidiano, estrutura
de vida e sem o qual há claramente que fazer um
processo de transição, de uma habituação à nova
realidade que se nos impõe, e nem sempre de forma
pacífica.
Fases do Luto

• Negação da perda:

Por muito que saibamos que o primeiro passo para morrer é viver, seja
qual for a circunstância do óbito o ser que perde questiona-se, revolta-
se e numa fase inicial nega a perda que sofreu.

1. Porquê a mim?
2. -Será que isto está a acontecer mesmo?
3. - Posso estar só a ter um pesadelo?
4. - Isto não me pode estar a acontecer, logo a mim.

.
Fases do Luto

• Choque da perda:

A aceitação não surge de imediato, pelo contrário. O sujeito


que perde demora a assimilar essa perda. Numa primeira
etapa entra em choque, não aceita o que lhe está a
acontecer. O período de choque pode demorar uma etapa
até bastante prolongada.

.
EXEMPLOS??
Fases do Luto

• Tristeza profunda:

O sofrimento é inevitável. A tristeza parece que aumenta de


cada vez que se toca apenas no assunto.
Fases do Luto

• Aceitação da perda:

Falar de aceitação é categórico demais. Há sim um encaixe


na rotina.
Kübler-Ross

O Modelo de Kübler-Ross propõe uma descrição de cinco


estágios discretos pelo qual as pessoas passam ao lidar
com a perda, o luto e a tragédia. Segundo esse modelo,
pacientes com doenças terminais passam por esses
estágios.
O modelo foi proposto por Elisabeth Kübler-Ross no seu
livro On Death and Dying, publicado em 1969. Os estágios
popularizaram-se e são conhecidos como Os Cinco
Estágios do Luto (ou da Dor da Morte, ou da Perspectiva da
Morte).
Kübler-Ross- 5 estágios de luto

Os estágios são:

Negação: "Isso não pode estar acontecendo."


Raiva: "Por que eu? Não é justo."
Barganha: "Me deixe viver apenas até meus filhos
crescerem."
Depressão: "Estou tão triste. Por que me preocupar
com qualquer coisa?"
Aceitação: "Tudo vai acabar bem."
Não podemos mudar o
rumo da natureza, mas
podemos e devemos
definir a forma como o
encaramos.