Você está na página 1de 18

Ariene F. G.

Rodrigues
HÉRNIA UMBILICAL EM SUÍNOS PPGZOO – Programa de Pós-
Graduação em Zootecnia
INTRODUÇÃO

Um dos defeitos mais


comuns em suínos;

Prejuízos aos
produtores.

Aumento no número de
casos;
INTRODUÇÃO

A prevalência de hérnias no rebanho fica entre 0,4 a 1,5%, variando de


acordo com fatores como raça, por exemplo;

Maior ocorrência em granjas com animais geneticamente mais modernos.


Brum, J. S. (2013)
CLASSIFICAÇÃO
De acordo com o local em que está posicionada, sendo as mais comuns:

UMBILICAL ESCROTAL INGUINAL


HÉRNIA UMBILICAL
oEssa falha pode ocorrer pelo não fechamento do anel
umbilical que normalmente acontece logo após o
nascimento do animal;

oDeslocamento de conteúdo através do anel umbilical;

oEm alguns casos é possível observar pequenas porções do


intestino dentro do saco herniário formado;

oAnimais com maior GPD são mais susceptíveis à hérnia


umbilical.
PREJUÍZOS
Mortes;

Piora dos aspectos produtivos;

Necessidade de abate precoce;

Perdas no frigorífico, condenações;

Além de afetar negativamente o bem estar do animal.


CLASSES
As hérnias podem ser ainda divididas em duas classes:

CONGÊNITAS ADQUIRIDAS

Observadas após o
nascimento,
Apresentam-se no suíno
principalmente após
desde o nascimento.
algum trauma ou
infecção.
ALTERNATIVAS DE CORREÇÃO
A intervenção cirúrgica é uma alternativa para a correção desta falha, porém, o
fator econômico precisa ser levado em consideração.
FATORES PREDISPONENTES
Falhas na
Falta de formação
supervisão da
ao parto musculatura
local

Falhas de Infecções
Componentes
higiene genéticos
FATORES GENÉTICOS
Múltiplos casos de hérnia
umbilical em uma mesma família
Susceptibilidade genética
Prevalência diversificada da
doença nas diferentes raças
SUSCEPTIBILIDADE GENÉTICA
Para hérnia umbilical, já foram identificados vários loci susceptíveis em suínos.
IMPORTÂNCIA DA IDENTIFICAÇÃO DOS GENES
Na produção de suínos, a
identificação de genes é de
extrema importância, pois
possibilita a eliminação de animais
susceptíveis.
COMPARAÇÃO
Além da hérnia umbilical, também já foram identificados genes susceptíveis para
outros tipos de hérnia em suínos, como a escrotal.
Necessárias comparações entre essas áreas de susceptibilidade de animais com
diferentes tipos de hérnia.
REFERÊNCIAS
Angus K, Young GB. A note on the genetics of umbilical hernia. Vet Rec. 1972; 90:
245–247.
ATKINSON, M. et al. Evaluation of the effect of umbilical hernias on play behaviors
in growing pigs. The Canadian veterinary journal= La revue veterinaire
canadienne, v. 58, n. 10, p. 1065, 2017.
Brum, J. S. et al. Características e frequência das doenças de suínos na Região
Central do Rio Grande do Sul. Pesq. Vet. Bras. vol.33 no.10 Rio de
Janeiro Oct. 2013.
Liao XJ, Lia L, Zhang ZY, Long Y, Yang B, Ruan GR, Su Y, Ai HS, Zhang WC, Deng WY,
Xiao SJ, Ren J, Ding NS, Huang LS. Susceptibility loci for umbilical hernia in swine
detected by genome-wide association. Genetika 2015; 51: 1163-1170.
REFERÊNCIAS
Long, Y., Su, Y., Ai, H., Zhang, Z., Yang, B., Ruan, G., Xiao, S., Liao, X., Ren, J., Huang, L., Ding,
N. A genome-wide association study of copy number variations with umbilical hernia in
swine. Anim. Genet. 2016;47:298–305.
Petersen H.H., Nielsen E., Hassing A., Ersbøll A.K. & Nielsen J.P. (2008) Prevalence of clinical
signs of disease in Danish finisher pigs. Veterinary Record 162, 377–82.
Searcy-Bernal R, Gardner IA, Hird DW. Effects of and factors associated with umbilical
hernias in a swine herd. J Am Vet Med Association. 1994; 204: 1660–1664.
Shi Q.S., LI J.F., Jiang W.M. & Xie X.M. (1988) The survey of the disease incidence of the swine
genetic disorders. Hereditas 10(4), 25–7.
Stephanie, C. and John, D., Association between umbilical hernia and genetic line in a swine
multiplica tion herd and methods to differentiate the role of sire in the incidence of umbilical
hernias in offspring, J. Swine Health Prod., 2006, vol. 14, no. 6, pp. 317–322.
OBRIGADA!