Você está na página 1de 37

Princípios e processos

agroecológicos
Prof. ILYAS Siddique PhD
Lab. de Ecologia Aplicada: http:// LEAP.UFSC.BR
Depto. de Fitotecnia &
❖Programa de Pós-Graduação em Agroecossistemas
Universidade Federal de Santa Catarina
ILYAS.S@UFSC.BR

Este obra foi licenciado sob uma Licença


Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 3.0 Não Adaptada.
Transição: Agricultura industrial
€ Agroecologia
Não é apenas substituição
de insumos (agroquímicos
por fertilizantes orgânicos
T.L.Sicard/SOCLA
ou biopesticidas)

É mudança de princípios
de manejo, realçando e
utilizando processos
ecológicos
T.L.Sicard/SOCLA
T.L.Sicard/SOCLA T.L.Sicard/SOCLA

Industrial: Agroecológica:
• Produção em pulsos, • Produção contínua,
• Exportação, • Regional,
• Monocultivo • Variada

• Adequação temporal & espacial;


• Diversificação funcional
...muito além de aspectos técnico-biofísico-ecológicos:
Comunicação e planejamento (processo social-cultural-
econômico):
Princípios da Agroecologia:
Produção sustentável...

...abordagem sistêmica que equilibra:


• Integridade ambiental,
• Viabilidade econômica e
• Equidade social

4
Princípios Concretos para
Realçar Processos Naturais
Realçar e utilizar processos naturais em plantas, animais,
microbios, solos, e ecossistemas para fornecer
múltiplos benefícios e reduzir insumos externos:
• Responder à demanda contínua, regional por uma
variedade de produtos
• Fechar ciclos de nutrientes, aumentar captura
• Auto-regulação de doenças, pragas
• Amortecimento de fluxos hídricos
• Mitigação de extremos microclimáticos
• Conservação in situ de agrobiodiversidade
...Equilibrar princípios (não sobrevalorizar um só)
5
Como a agroecologia conserva os ecossistemas?
Desafios: Soluções (processos desejáveis):
❖ Reduzir emissões de gases de ✓ Reter C& N noagroecossistema
efeito estufa (CO2, CH4,NOx) (solo, vegetação)
✓ Eliminar uso de agrotóxicos
❖ Mitigar contaminação de
✓ Infiltrar mais água durante
água, solo, atmosfera
chuvas e reter mais água no
❖ Mitigar enchentes esecas solo e vegetação durante secas
❖ Conservar biodiversidade ✓ Diversificar cultivos e paisagem
❖ Reduzir gasto de energia ✓ Conservar espécies raras pelo
(fóssil e renovável) uso
❖ Gerar um microclima benéfico ✓ Substituir energia fóssil &
para espécies produtivas e agroenergia por energia solar
trabalhadores humanos direta e indireta
✓ Amortecer extremos
microclimáticos, vento
6
Como a agroecologia fortalece a
viabilidade econômica?
Desafios: Soluções (processos desejáveis):
❖ Reduzir gastos em lar, ✓ Reduzir uso de insumosexternos
produção, processamento, ✓ Substituir compras por produçãono
embalagem, transporte sítio
❖ Reduzir desperdícios ✓ Cortar atravessadores na venda da
produção e compra deinsumos
❖ Aumentar renda líquida
✓ Priorizar mercados locais/regionais
❖ Fortalecer independência ✓ Desenhar agroecossistemas
econômica dos agricultores localmente e temporalmente
❖ Evitar risco adaptadas
❖ Acesso a conhecimento ✓ Agregar valor pelo processamento
sobre aproveitamento da ✓ Diversificação produtiva
biodiversidade ✓ Capacitação camponês-a-camponês
✓ Experimentação-ação participativa
7
Como a agroecologia promove justiça social?
Soluções (processos desejáveis):
Desafios: ✓ Utilizar recursos ecológicos no
agroecossistema para
❖ Acesso a suficientes
aumentar/manter produtividade
alimentos e outros
✓ Diversificar produção
recursos diversos e
✓ Priorizar mercados locais+regionais
saudáveis
✓ Comercialização mais direta (cortar
atravessadores)
✓ Reduzir insumos externos/caros
❖ Fortalecer ✓ Redistribuir mais equitativamente o
independência acesso a meios de produção (terra,
dos agricultores recursos) e mercados
✓ Articular reivindicações dos agricultores
familiares via organização de base
8
Práticas para Manejar ProcessosNaturais
Diretrizes no manejo: Processos favorecidos:
• Diversificação funcional • Produção contínua,
• Continuidade de regional, variada
cobertura viva & morta • Fechar ciclos, aumentar
• Aumentar matéria captura de nutrientes
orgânica do solo
• Favorecer Auto-regulação de
inimigos naturais doenças, pragas
• Estabelecer • Amortecimento de
“infraestrutura” fluxos hídricos
ecossistêmica que regula • Mitigação de extremos
hidrologia & microclima (micro)climáticos
• Integração agrícola- • Conservação in situ de
pecuária agrobiodiversidade 9
Nut rient es: Fechar ciclos & aumentar
captura biológica
Sincronização & Mineralização/
‘Sinlocalização’ captura vs.demanda

Retenção in situ:
• Complementaridade www.idrc.ca/cover_crops

• Armazenamento biológico
• Reciclagem;
• Qualidade (C:N, lenhosidade) www.idrc.ca/cover_crops

Captura biológica:
• Fixação de N
• Mobilização biológica
de P,bases, Setc.
Rillig &
Mummey
(2006) New
www.soilstabilisation.com.au 10
Phytol.
www.worldagroforestry.org
Biomassa de raízes finas em solo superficial [g m-2]
Biomassa vegetal como
sumidouro de nutrientes
Berish & Ewel 1988 Plant & Soil 106:73

Sucessão não Sucessão


manipulada enriquecida

Sequência de monocultivos
Imitação da
sucessão natural

Tempo de cultivo 1er 2o


milho
man- Cordia alliodora
dioca
11
Autoregulação e controle biológico de pragas
Diversificação geral:
⇒Herbívoros ↓
⇒Inimigos naturais ↑
⇒Especialização ↑

Estimulação direta
thailand.ipm-info.org

Tagetes spp. controlam


nematóides Meloidogyne spp.

Aplicação deagentes
de controle
biológico
12
Fonte:Altieri & Nicholls (2010) SOCLA
Compostagem: converter resíduo nocivo em recurso para
aumentar matéria orgânica e regular pragas e doenças
oxigênio
calor
CO2

Matéria
orgânica Composta
fresca madura

água
fauna doenças,
micróbios pragas
Humidade e oxigênio precisam chegar a todos microsítios dentro da
composta para assegurar eliminação confiável de patógenos 13
Compostagem: trabalho
participativo com comunidades
urbanas onde lixo orgânico
atrae ratos, para convertê-lo em
condicionador de solos para
fortalecer soberania alimentária

14
Compostagem: trabalho participativo com comunidades urbanas onde
lixo orgânico atrae ratos, para convertê-lo em condicionador de solos
para fortalecer soberania alimentária

15
Utilizar algas, samambaias, ervas aquáticas
“daninhas” como adubo verde ou bioenergia
Eichhornia www.voltairenet.org
crassipes

gardeningwithwilson.com

www.voltairenet.org

www.voltairenet.org

Little (1979) Handbook of utilization ofaquatic16plants


calstate.edu www.fao.org/DOCREP/003/X6862E/X6862E00.htm
Amortecimento de fluxos hídricos
Captura, armazenamento e liberação de água

• Aumentar taxa de infiltração


• Alentar fluxo de escoamentosuperficial
• Armazenar agua no solo, em biomassa e
em açudes
Funções físicas e hidrológicas do solo dependem da
estruturação biológica
Agregação das partículas cria:
Grandes poros facilitan infiltraçãoe drenagem de chuva, aireação
Pequenos poros absorvem e retemágua em secas,
Agregados de todos tamanhos facilitam crescimento de raízes, movimentação de
micróbios, controle de erosão do solo, etc

E.A. FitzPatrick

Susceptível a: compactação por gado/maquinária, adubo inorgánicos,falta


de adubo orgânico, insecticidas yfungicidas
18
Mitigar extremos nos fluxos hídricos Escurrimiento

knol.google.com/k/keyline-design-principles
para minimizar perdas do recurso
água e sua capacidade destrutiva
superficial
pela erosão do solo, sedimentação
nos cursos da água, inundações, etc

www.answers.com/topic/surface-runoff

Linhas de vegetação perene útil ao longo dascurvas de


nível para desacelerar e redistribuir escoamento
superficial e aumentar a infiltração (e evapotranspiração)
Padrões espaciais de perda e redistribuição de
escoamento superficial da água em encostas

Talvegue = linha de escoamentoprincipal


MacDonald-Holmes. Geographical and topographical basis
of keyline. www.yeomansplow.com.au/basis-of-keyline.htm
Concentração natural de água pluvial
nos talvegues (escoamento
superficial e fluxo lateral no solo):
Zonas de perda deágua
Zonas de concentração

www.mashumus.com
açude
(anteriormente: COAS)
Amortecimento de fluxos hídricos com
Planejamento Hidrológico “Linha Chave”
Linhas pretas = curvas denível
açude

açude

açude

www.mashumus.com
(anteriormente: 2C2OAS)
Planeamento hidrológico parainverter
redistribuição natural deágua:
Linha de árvores dereferência
(não exatamente paralela às curvas de nível: açude
sobe nas vertentes e baixa nos divisores de água)

Padrão de linhas de árvores


Redireção de águapluvial
Irrigação porvaletas (por gravidade)

açude

www.mashumus.com
(anteriormente: COAS)
Planejamento
Hidrológico
“Linha Chave”
Estruturas leves e móveis
para distribuir água das
valetas para os campos a
serem irrigados
...mas falta proteger as
valetas com vegetação
perene (útil)
MacDonald-Holmes. Geographical
and topographical basis of keyline.
www.yeomansplow.com.au/basis-
of-keyline.htm
Planejamento
Hidrológico
“Linha Chave”

Desacelerar e
redirecionar vazão
superficial desde
zonas de excesso
(talvegue) para
zonas de falta
(crestas/cumes)

www.milkwood.net
25
MacDonald-Holmes. Geographical and topographical basis of
keyline. www.yeomansplow.com.au/basis-of-keyline.htm
Amortecimento de fluxoshídricos
Captura, armazenamento e liberação de água

www.coas.com.mx
27
Desenho www.milkwood.net
hidrológico:
Desacelerar e
redirecionar vazão

superficial desde
zonas de excesso
(talvegue) para
zonas de falta
(crestas/cumes)

28
29
30

Escala Peerlkamp revisada: Guimarães et al. (2011) Soil Use Manage 27:395. Folder
Conservação in situ deagrobiodiversidade:
Solo como hábitat para micróbios
A estructuração do solo tem influência crucial sobre adistribuição
dos tamanhos de poros e sua conectividade
Conduti- Atividade Cresci-
Difusão vidade microbian mento
Curva de drenagem de gases hidráulica a aeróbica de raízes
do solo
<1cm d-1 10-6 ms-1 baixa pobre
Poros cheios

baixa fluxo
aumenta
de água

areação

de água
Conteúdo de

.
umidade

alta máximo
Poro
s
vazios >60cm d-1 10-9 ms-1 baixa pobre

Potencial matricial
Modificado de: Young & Ritz (2005) en Bardgett et al.
Biological diversity andfunction in soils. Cambridge Univ. Pre31ss
Interações com cadeia alimentar …p.ex. mecanismos de efeitos de
micorrizas à escala micro:
Agregação do solo:
Influência sobre
Processo biológico outros
micróbios
Watt et al.(2006) Liberação de
Ann.Bot. 97:843
compostos
de micélio
vivo e morto

Alinhamento
de partículas,
exercendo
pressão
Modificado de:
Micélio enreda Rillig & Mummey (2006)
partículas, muda New Phytologist171:45
regimes hídricos
Microagregados 53-250µm Partículas de MO
Hifas de fungo
Microagregados <53µm
Watt et al. (2006)Ann.Bot.
97:842 Argila (<2µm) Exudados de raízes
300µm 32
Silte/aréia Produtos de micélio
Mitigação de extremos
(micro)climáticos
Reduzir frequência e severidade de
extremos de:
• Irradiação na superfície do solo
• Evaporação do solo www.idrc.ca/cover_crops

• Déficit hídrico atmosférico


• Vento

www.idrc.ca/cover_crops

33
www.fao.org
Ampliar a biodiversidadeaproveitada
Favorecer e incorporar
espécies “menores” com
usos benéficos
flordeouro.com

www.aftaweb.org ary9.com/tag/shiitake

Mel deabelhas
nativas
Colinus sp.

34
eatingout.tasteonline.info eatingasia.typepad.com
Ampliar a biodiversidade aproveitada
sem ameaçar sua regeneração
• Diversificar o cultivo
(em alguns casos sem
reduzir a densidade
absoluta de cada
cultivo)
• Integrar funções de
alimento, medicina,
recreação e ornamento Instituto Cabruca2012
alface-
tropical pimenta
(Lactuca (Capsicum
indica)
gengibre açafrão-da-terra (Curcuma annuum)
(Zingiber longa)
capuchina
officinalis)
(Tropaeolum caruru
majus) (Amaranthus
viridis) 35
Ampliar a biodiversidadeaproveitada
sem ameaçar suaregeneração
• Aproveitar espécies consideradaspragas
Sphenarium sp.

www.indran36i.net
Conclusão: Realçar Processos Naturais
Fundamental para Sucesso da Agroecologia
Processos favorecidos:
Diretrizes no manejo:
• Diversificação funcional • Produção contínua,
• Continuidade de regional, variada
cobertura viva & morta • Fechar ciclos, aumentar
• Aumentar matéria captura de nutrientes
orgânica do solo • Autoregulação de pragas,
• Favorecer doenças
• Uinmimpigrionscnípaitourcahisave:Práticas de•mAamneorjoteqcu i meernetofodreçaflmuxos
• mEsútlatbipelloecseprr“oincfersaseosstrsuitmurual”taneamheíndtreico(esfeitos sinérgicos)
• Peocroésmsis,taêlmguicmaqauseprreágtuiclaas reforç•amMuitmigapçrãoocdeesseoxtremos
dhed
i serojáo
l vgeiale&inmiibceromco
li muatro(‘tradeoff’(mouicdroem)calinmdáatsiccoonsflitivas)
• É importante analisar os proces•soCsoangsreorevacçoãloóginicsoitsuedme
agrobiodiversidade 37
conjunto ao nível agroecossistêmico para maior sucesso