Você está na página 1de 188

Exames laboratoriais e medicamentos

Curso preparatório prova TE


Sociedade de Reumatologia do Rio de Janeiro
Marcella Azevedo Borges Andrade
Proteínas de fase aguda
• Proteínas cuja concentração no plasma altera no mínimo 25% durante a
inflamação

• Reação inflamatória:
Ativação do Resposta de
Produção de
Lesão tecidual sistema imune fase aguda
citocinas
inato multissistêmica

• Valores séricos quantificam a resposta inflamatória


Proteínas de fase aguda
• Produzidas pelo fígado

▫ IL-6: “fator estimulador do hepatócito”

▫ IL-1 e TNF-alfa: feedback positivo na produção de IL-6

▫ Ativação das células NK, macrófagos, neutrófilos, monócitos e células


endoteliais induzem a produção de IL-6 pelo fígado.
Proteínas de fase aguda
Proteínas concentração plasmática aumenta Proteínas concentração plasmática diminui
Fatores do sistema complemento: C3, C4, etc. Albumina
Fibrinogênio, plasminogênio, uroquinase, etc. Transferrina
Antiproteases: inibidor alfa-protease Transtirretina
Proteínas de transporte: ceruloplasmina, Alfafetoproteína
haptoglobina
Proteína C reativa Globulina ligadora de tiroxina
Alfa-1 glicoproteína ácida IGF-1
Fibronectina Fator XII
Ferritina Antitrombina III
Amiloide sérico A Apolipoproteína A-I
Angiotensinogênio
VHS
• Grau de precipitação dos eritrócitos em um período de tempo
▫ Resultado em mm após 1h

• Medida indireta da elevação das proteínas de fase aguda


▫ Principalmente fibrinogênio
▫ Neutralizam cargas negativas da membrana eritrocitária
▫ Menor repulsão entre as hemácias
▫ Formação de agregados e queda mais rápida
VHS

Fatores que aumentam o VHS Fatores que reduzem o VHS


Anemia Glicocorticoides
Gestação Crioglobulinemia
Diabetes Hipofibrinogenemia Valores normais:
Homem: idade/2
Doença renal crônica terminal Hiperviscosidade
Mulher: (idade+10)/2
Cardiopatia Anemia falciforme / esferocitose
Mieloma múltiplo / paraproteinemias
Obesidade
PCR
• Concentração aumenta rapidamente – pico em 2 a 3 dias
• Concentração cai rapidamente – meia vida de 19h
Normal ou aumento leve Aumento moderado Aumento acentuado
(<1mg/dl) (1-10mg/dl) (>10mg/dl)
Exercício vigoroso Infarto do miocárdio Infecção bacteriana
Gestação Neoplasias Trauma
Gengivite Pancreatite Vasculite sistêmica
Convulsões Infecções de mucosas
(bronquite, cistite)
Diabetes Doenças do tecido
conjuntivo
Obesidade Artrite reumatoide
PCR X VHS
VHS PCR
Vantagens - Mais informação na literatura - Rápida resposta ao estímulo inflamatório
- Reflete o status de saúde geral - Ampla gama de valores com relevância clínica
detectáveis
- Não é afetado pela idade e gênero
- Reflete o valor de uma única proteína de fase aguda
- Pode ser aferida no sangue estocado
- Quantificação precisa e reprodutível
Desvantagens - Afetada pela idade e gênero
- Afetada pela morfologia do eritrócito
- Afetada por anemia e policitemia
- Reflete o valor de diversas proteínas
plasmáticas e não somente das de fase aguda
- Resposta lenta ao estímulo inflamatório
- Necessita amostra fresca de sangue
- Pode ser afetada por medicamentos
Outras proteínas de fase aguda
• Ferritina:
▫ Nível elevado na Doença de Still e LES (síndrome de ativação macrofágica)
▫ Relação com atividade de doença
• Procalcitonina:
▫ Utilizada para diferenciar infecção de outros processos infamatórios
▫ Níveis elevados na infecção
• Amiloide sérico A:
▫ Aumenta mais de 1000x nos primeiros 2 dias da inflamação
▫ Responsável pelo componente fibrilar dos depósitos amiloides nas
amiloidoses secundárias
TE 2018:
Em relação às Proteínas de Fase Aguda (PFA) é ERRADO afirmar que:

(A) O fibrinogênio, reduzindo a viscosidade plasmática, é a principal PFA


envolvida na velocidade de sedimentação dos eritrócitos.

(B) A hepcidina, contribui para a anemia da doença crônica por diminuir a


absorção intestinal ferro e a liberação de ferro pelos macrófagos.

(C) A PCR, da família das pentraxinas, é uma molécula de reconhecimento de


padrões envolvida na resposta imune inata.

(D) Suas concentrações séricas aumentam ou diminuem em pelo menos 25%


durante os estados inflamatórios.
TE 2018:
Em relação às Proteínas de Fase Aguda (PFA) é ERRADO afirmar que:

(A) O fibrinogênio, reduzindo a viscosidade plasmática, é a principal PFA


envolvida na velocidade de sedimentação dos eritrócitos.

(B) A hepcidina, contribui para a anemia da doença crônica por diminuir a


absorção intestinal ferro e a liberação de ferro pelos macrófagos.

(C) A PCR, da família das pentraxinas, é uma molécula de reconhecimento de


padrões envolvida na resposta imune inata.

(D) Suas concentrações séricas aumentam ou diminuem em pelo menos 25%


durante os estados inflamatórios.
TE 2008:
Em quais situações clínicas observa-se elevação da velocidade de
hemossedimentação (VHS):

a. Desnutrição grave e microcitose


b. Metástases e hemoglobinopatias
c. Hipofibrinogenemia e policitemia
d. Tireoidites e esferocitose
e. Uso de heparina e anemias graves
TE 2008:
Em quais situações clínicas observa-se elevação da velocidade de
hemossedimentação (VHS):

a. Desnutrição grave e microcitose


b. Metástases e hemoglobinopatias
c. Hipofibrinogenemia e policitemia
d. Tireoidites e esferocitose
e. Uso de heparina e anemias graves
TE 2008:
A avaliação laboratorial dos processos inflamatórios, por meio das
proteínas de fase aguda é corriqueira na prática diária dos
reumatologistas. Sobre as proteínas de fase aguda é correto afirmar:
a. As proteínas de fase aguda são produzidas pelos miócitos;

b. Após um estímulo inflamatório agudo a concentração da proteína C reativa pode elevar-se


rapidamente, em picos sem qualquer relação com a gravidade da lesão tecidual;

c. A medida da velocidade de hemossedimentação avalia, de uma maneira indireta, a


concentração plasmática de fibrinogênio;

d. A velocidade de hemossedimentação e a proteína C reativa distinguem a artrite reumatóide


da febre reumática;

e. A alfa1 glicoproteína ácida é um dos componentes da proteína C reativa, e tem sido usada no
acompanhamento da atividade inflamatória dos pacientes com Febre Reumática aguda.
TE 2008:
A avaliação laboratorial dos processos inflamatórios, por meio das
proteínas de fase aguda é corriqueira na prática diária dos
reumatologistas. Sobre as proteínas de fase aguda é correto afirmar:
a. As proteínas de fase aguda são produzidas pelos miócitos;

b. Após um estímulo inflamatório agudo a concentração da proteína C reativa pode elevar-se


rapidamente, em picos sem qualquer relação com a gravidade da lesão tecidual;

c. A medida da velocidade de hemossedimentação avalia, de uma maneira indireta, a


concentração plasmática de fibrinogênio;

d. A velocidade de hemossedimentação e a proteína C reativa distinguem a artrite reumatóide


da febre reumática;

e. A alfa1 glicoproteína ácida é um dos componentes da proteína C reativa, e tem sido usada no
acompanhamento da atividade inflamatória dos pacientes com Febre Reumática aguda.
TE 2018:
Em relação aos testes da velocidade de hemossedimentação (VHS) e da
proteína C reativa (PCR), assinale a alternativa correta.
(A) PCR, assim como VHS, se elevam rapidamente no início de processos
infecciosos, traumáticos ou inflamatórios, e, diminuem rapidamente durante o
controle da inflamação.

(B) A PCR, classificada como uma pentraxina, é sintetizada pelo fígado sob
estímulo principal da IL-6, e apresenta funções pró e anti-inflamatórias.

(C) O processo de envelhecimento, o tabagismo e a doença periodontal podem


reduzir os valores de PCR.

(D) Proteínas de fase aguda aumentam durante processos inflamatórios, como a


PCR, o fibrinogênio, a albumina, a proteína do complemento C3 e a transferrina.
TE 2018:
Em relação aos testes da velocidade de hemossedimentação (VHS) e da
proteína C reativa (PCR), assinale a alternativa correta.
(A) PCR, assim como VHS, se elevam rapidamente no início de processos
infecciosos, traumáticos ou inflamatórios, e, diminuem rapidamente durante o
controle da inflamação.

(B) A PCR, classificada como uma pentraxina, é sintetizada pelo fígado sob
estímulo principal da IL-6, e apresenta funções pró e anti-inflamatórias.

(C) O processo de envelhecimento, o tabagismo e a doença periodontal podem


reduzir os valores de PCR.

(D) Proteínas de fase aguda aumentam durante processos inflamatórios, como a


PCR, o fibrinogênio, a albumina, a proteína do complemento C3 e a transferrina.
TE 2012:
Assinale a alternativa ERRADA em relação às provas de atividade
inflamatória:
(A) A proteína C reativa (PCR) é uma proteína de fase aguda de inflamação
sintetizada em resposta a dano tecidual.

(B) A PCR é mais sensível do que a velocidade hemossedimentação (VHS).

(C) VHS e PCR se alteram simultaneamente.

(D) VHS pode estar aumentada em qualquer doença que aumente o fibrinogênio
como no diabetes mellitus e na doença renal em estágio final.

(E) VHS pode estar diminuída na presença de crioglobulinemia.


TE 2012:
Assinale a alternativa ERRADA em relação às provas de atividade
inflamatória:
(A) A proteína C reativa (PCR) é uma proteína de fase aguda de inflamação
sintetizada em resposta a dano tecidual.

(B) A PCR é mais sensível do que a velocidade hemossedimentação (VHS).

(C) VHS e PCR se alteram simultaneamente.

(D) VHS pode estar aumentada em qualquer doença que aumente o fibrinogênio
como no diabetes mellitus e na doença renal em estágio final.

(E) VHS pode estar diminuída na presença de crioglobulinemia.


TE 2013:
Em relação à proteína C reativa(PCR), assinale a alternativa correta:
(A) Sua elevação surge cerca de duas a três semanas após o início do processo
inflamatório, o que sugere sua relação com o sistema imune adaptativo.

(B) Não há relação dos níveis séricos e o possível agente patogênico, como infecções por
vírus ou bactérias.

(C) O tabagismo, a obesidade e o diabetes mellitus podem, mesmo sem processos


inflamatórios ou infecciosos, elevar dosagem de PCR ultrassensível.

(D) Sua dosagem pode ser utilizada para acompanhamento de pacientes com artrite
reumatoide, mas não tem valor prognóstico.

(E) O achado de elevação da hemossedimentação, mas com PCR normal, significa erro
na dosagem desta última.
TE 2013:
Em relação à proteína C reativa(PCR), assinale a alternativa correta:
(A) Sua elevação surge cerca de duas a três semanas após o início do processo
inflamatório, o que sugere sua relação com o sistema imune adaptativo.

(B) Não há relação dos níveis séricos e o possível agente patogênico, como infecções por
vírus ou bactérias.

(C) O tabagismo, a obesidade e o diabetes mellitus podem, mesmo sem processos


inflamatórios ou infecciosos, elevar dosagem de PCR ultrassensível.

(D) Sua dosagem pode ser utilizada para acompanhamento de pacientes com artrite
reumatoide, mas não tem valor prognóstico.

(E) O achado de elevação da hemossedimentação, mas com PCR normal, significa erro
na dosagem desta última.
Líquido sinovial
Aparência Viscosidade Cels/mm3 %PMN Cristais
Normal Transparente Alta <200 <10%
Osteoartrite Transparente Alta 200-2.000 <10% Pirofosfato de cálcio e
hidroxiapatita (não
birrefringente / vermelho
de alizarina) ocasionais
Reumatoide Translúcio Baixo 2.000-50.000 Variável --
Psoriásica Translúcido Baixo 2.000-50.000 Variável --
Reativa Translúcido Baixo 2.000-50.000 Variável --
Gota Translúcido a turvo Baixo 200  50.000 >90% Monourato sódio (agulha,
birrefringência negativa)
Pseudogota Translúcido a turvo Baixo 200-50.000 >90% Pirofosfato de cálcio
(romboide, birrefringência
positiva)
Septica Turvo Variável 2.000 50.000 >90% --
Hemartrose Hemorrágico Baixo -- -- --
TE 2017:
Em relação à sinovianálise, assinale a alternativa correta:

(A) O conteúdo do ácido hialurônico não influencia a viscosidade do líquido sinovial;

(B) Uma celularidade total inferior a 2.000 células/mm3 caracteriza um líquido sinovial
normal;

(C) O achado de cristais de urato monossódico no líquido sinovial confirma o diagnóstico


de gota e afasta o de artrite séptica;

(D) Um líquido sinovial séptico (≥50.000 células/mm3) pode ser encontrado na gota,
artrite reativa ou artrite psoriásica;

(E) À microscopia de luz polarizada compensada, os cristais fosfato básico de cálcio


(hidroxiapatita) apresentam-se na forma de bastão e com birrefringência positiva.
TE 2017:
Em relação à sinovianálise, assinale a alternativa correta:

(A) O conteúdo do ácido hialurônico não influencia a viscosidade do líquido sinovial;

(B) Uma celularidade total inferior a 2.000 células/mm3 caracteriza um líquido sinovial
normal;

(C) O achado de cristais de urato monossódico no líquido sinovial confirma o diagnóstico


de gota e afasta o de artrite séptica;

(D) Um líquido sinovial séptico (≥50.000 células/mm3) pode ser encontrado na gota,
artrite reativa ou artrite psoriásica;

(E) À microscopia de luz polarizada compensada, os cristais fosfato básico de cálcio


(hidroxiapatita) apresentam-se na forma de bastão e com birrefringência positiva.
TE 2007:
O líquido sinovial nas artrites sépticas apresenta as seguintes
características:

a) Claro, viscosidade baixa;


b) >80000celulas, LDH baixo, glicose>25;
c) PMN>75%, >80000cels;
d) Cultura positiva, PMN>75%glicose>25;
e) Opaco, claro, viscosidade alta.
TE 2007:
O líquido sinovial nas artrites sépticas apresenta as seguintes
características:

a) Claro, viscosidade baixa;


b) >80000celulas, LDH baixo, glicose>25;
c) PMN>75%, >80000cels;
d) Cultura positiva, PMN>75%glicose>25;
e) Opaco, claro, viscosidade alta.
TE 2009:
Com relação a análise do líquido sinovial é correto afirmar que:

a. Celularidade > 50.000/ml com predomínio de polimorfonucleares é indicativa de


artrite séptica.

b. Celularidade < 20.000/ml afasta etiologia infecciosa.

c. O cristal de hidroxiapatita é facilmente visualizado através de microscópio de luz


polarizada, por formar grandes complexos.

d. O corante vermelho de alizarina é específico para corar cristais de pirofosfato de


cálcio.

e. Os cristais de corticoesteróides geralmente são pleomórficos.


TE 2009:
Com relação a análise do líquido sinovial é correto afirmar que:

a. Celularidade > 50.000/ml com predomínio de polimorfonucleares é indicativa de


artrite séptica.

b. Celularidade < 20.000/ml afasta etiologia infecciosa.

c. O cristal de hidroxiapatita é facilmente visualizado através de microscópio de luz


polarizada, por formar grandes complexos.

d. O corante vermelho de alizarina é específico para corar cristais de pirofosfato de


cálcio.

e. Os cristais de corticoesteróides geralmente são pleomórficos.


TE 2009:
Em relação à sinovianálise, é ERRADO afirmar que:

(A) No período intercrítico, os cristais de urato monossódico costumam estar presentes.

(B) No líquido sinovial normal, as concentrações de glicose e proteínas são semelhantes à


do plasma.

(C) Na osteoartrite, artropatia neuropática e osteoartropatia hipertrófica, o líquido


sinovial é do tipo “não inflamatório”.

(D) A liberação de enzimas proteolíticas no líquido sinovial inflamatório causa a


diminuição da sua viscosidade.

(E) Uma citometria total superior a 2000 células é indicativa de um processo


inflamatório.
TE 2009:
Em relação à sinovianálise, é ERRADO afirmar que:

(A) No período intercrítico, os cristais de urato monossódico costumam estar presentes.

(B) No líquido sinovial normal, as concentrações de glicose e proteínas são semelhantes à


do plasma.

(C) Na osteoartrite, artropatia neuropática e osteoartropatia hipertrófica, o líquido


sinovial é do tipo “não inflamatório”.

(D) A liberação de enzimas proteolíticas no líquido sinovial inflamatório causa a


diminuição da sua viscosidade.

(E) Uma citometria total superior a 2000 células é indicativa de um processo


inflamatório.
FAN – Considerações iniciais
• Excelente exame de rastreio de autoanticorpos
• Título e padrão não relacionado à atividade de doença

• Hoje: maior sensibilidade, menor especificidade


▫ Síndrome do anticorpo antinúcleo idiopático
▫ Solicitado com menos critérios por uma variedade de especialistas
▫ Padrão: pontilhado fino denso
▫ Anti-DFS 70  positivo em indivíduos saudáveis
FAN – imunofluorescência indireta

• Método de escolha

• Vantagens:
▫ alta sensibilidade
▫ número de padrões e AC

• Desvantagens:
▫ trabalhoso
▫ treinamento técnico
▫ não identifica o AC
Células Hep-2
• Originadas de carcinoma laríngeo humano
• Vantagens:
▫ Antígenos humanos não encontrados em roedores; maior concentração
▫ Todas as fases de divisão celular
▫ Relação núcleo/citoplasma em favor do núcleo: reconhecimento de vários
rearranjos fluorescentes
▫ Vários nucléolos
▫ Citoplasma rico em fibrilas e organelas: fundamentais nos padrões
citoplasmáticos
▫ Reconhecimento de mais de 30 padrões da FAN
FAN - ELISA
• Vantagens:
▫ Automatização
▫ Redução do custo 95%

• Desvantagens:
▫ Menor sensibilidade
▫ Não fornece padrões
FAN – Interpretação dos padrões
• Padrões de fluorescência:
▫ Núcleo
▫ Nucléolo
▫ Citoplasma
▫ Aparelho mitótico
• Padrões mistos: coloração de compartimentos distintos ou diferentes
colorações no mesmo compartimento
• Padrões não caracterizados: descrever a morfologia
• Programas de controle de qualidade
• Homogeneização da nomenclatura
Cirrose biliar primária,
Anticorpo contra proteínas hepatites autoimunes, raro
Nuclear tipo membrana nuclear
do envelope nuclear doenças reumáticas, pessoas
normais
LES
Anti-DNA nativo
Nuclear homogêneo LES drogas, AR, AIJ, hepatite
Anti-histona
autoimune
Anti-Sm LES
Nuclear pontilhado grosso
Anti-RNP LES, ES, DMTC

Anti-Ro Sjögren, LES, lúpus neonatal,


Nuclear pontilhado fino
Anti-La subagudo, ES, polimiosite, CBP

Mal estabelecido. Pessoas


Nuclear pontilhado fino denso Antiproteína p75
normais

Nuclear pontilhado centromérico Anticorpo anticentrômero ES CREST, CBP, Sjögren

Anticorpo anti-RNA
Nucleolar pontilhado ES difusa (visceral e grave)
polimerase I
Anticorpo antiproteína P-
Citoplasmático pontilhado fino denso LES
ribossomal
Anticorpo anti-histidil t RNA Polimiosite, raramente na
Citoplasmático pontilhado fino
sintetase (Jo1) dermatomiosite

Anticorpo antimitocôndria
Citoplasmático pontilhado
(anti-piruvato desidrogenase – CBP
reticulado
maior VPP)

Misto do tipo nuclear e nucleolar ES difusa. Mais raramente


Anticorpo anti-DNA
pontilhado fino com placa pode ocorrer na síndrome
topoisomerase I (Scl-70)
metafásica corada CREST e superposição

Misto do tipo citoplasmático


pontilhado fino denso a Anticorpo anti-rRNP LES e psicose lúpica.
homogêneo e nucleolar (antiproteína P ribossomal). Atividade da doença.
homogêneo
Firestein et al. Kelley’s Textbook of Rheumatology. 9th edition
TE 2010:
Assinale a alternativa CORRETA com relação aos anticorpos antinucleares:
a. AAN em títulos > 1/2560 de padrão pontilhado fino denso está associado a lúpus
eritematoso sistêmico.

b. Anticorpo anti-topoisomerase I tem associação inversa com comprometimento


visceral.

c. Anticorpos antinucleares de padrão pontilhado grosso geralmente estão associados a


anticorpos anti-U1RNP e anti-Sm.

d. Anticorpo anti-centrômero está associado à forma difusa da esclerose sistêmica.

e. Anticorpo anti-Ro está associado a lúpus neonatal, pneumopatia intersticial e


miocardite em pacientes com LES.
TE 2010:
Assinale a alternativa CORRETA com relação aos anticorpos antinucleares:
a. AAN em títulos > 1/2560 de padrão pontilhado fino denso está associado a lúpus
eritematoso sistêmico.

b. Anticorpo anti-topoisomerase I tem associação inversa com comprometimento


visceral.

c. Anticorpos antinucleares de padrão pontilhado grosso geralmente estão associados a


anticorpos anti-U1RNP e anti-Sm.

d. Anticorpo anti-centrômero está associado à forma difusa da esclerose sistêmica.

e. Anticorpo anti-Ro está associado a lúpus neonatal, pneumopatia intersticial e


miocardite em pacientes com LES.
TE 2009:
Com relação aos anticorpos antinucleares é verdadeira a seguinte
afirmativa:
a. São encontrados em freqüência menor que 5% na população sadia.

b. Em títulos maiores que 1/640 geralmente estão associados às doença reumáticas,


independente do padrão.

c. O padrão nuclear pontilhado fino denso, mesmo em títulos altos, não é específico para
o diagnóstico de doença reumática auto-imune.

d. São indicativos de maior risco para evoluir para doença reumática auto-imune e
quando em títulos altos, devem ser valorizados, independente do padrão de
fluorescência.

e. A presença de placa metafásica corada é indicativa de anticorpos contra antígenos


desoxiribonucleicos.
TE 2009:
Com relação aos anticorpos antinucleares é verdadeira a seguinte
afirmativa:
a. São encontrados em freqüência menor que 5% na população sadia.

b. Em títulos maiores que 1/640 geralmente estão associados às doença reumáticas,


independente do padrão.

c. O padrão nuclear pontilhado fino denso, mesmo em títulos altos, não é específico para
o diagnóstico de doença reumática auto-imune.

d. São indicativos de maior risco para evoluir para doença reumática auto-imune e
quando em títulos altos, devem ser valorizados, independente do padrão de
fluorescência.

e. A presença de placa metafásica corada é indicativa de anticorpos contra antígenos


desoxiribonucleicos.
TE 2007:
Em relação aos anticorpos antinucleares no lúpus eritematoso
sistêmico, correlacione as duas colunas, e assinale a alternativa
com a sequência correta:

1- Anti-Ro ( ) Diagnóstico
2- Anti-histonas ( ) Lúpus neonatal
3- Anti-DNA nativo ( ) Lúpus induzido por droga
4- Anti-Sm ( ) Associação com S. Sjögren
5- Anti-La ( ) Acometimento renal
TE 2007:
Em relação aos anticorpos antinucleares no lúpus eritematoso
sistêmico, correlacione as duas colunas, e assinale a alternativa
com a sequência correta:

1- Anti-Ro (4) Diagnóstico


2- Anti-histonas (1) Lúpus neonatal
3- Anti-DNA nativo (2) Lúpus induzido por droga
4- Anti-Sm (5) Associação com S. Sjögren
5- Anti-La (3) Acometimento renal
TE 2008:
Estabeleça a seqüência dos padrões de imunofluorescência em
substratos de células humanas HEp-2 de acordo com os respectivos
auto-anticorpos:

(a) SS-A / SS-B ( ) padrão misto: nuclear e citoplasmático


(b) Jo-1 ( ) padrão nuclear pontilhado grosso
(c) U3-RNP / Topoisomerase I ( ) padrão nucleolar
(d) U1-RNP / Sm ( ) padrão nuclear pontilhado fino
TE 2008:
Estabeleça a seqüência dos padrões de imunofluorescência em
substratos de células humanas HEp-2 de acordo com os respectivos
auto-anticorpos:

(a) SS-A / SS-B (b) padrão misto: nuclear e citoplasmático


(b) Jo-1 (d) padrão nuclear pontilhado grosso
(c) U3-RNP / Topoisomerase I (c) padrão nucleolar
(d) U1-RNP / Sm (a) padrão nuclear pontilhado fino
TE 2009:
Na pesquisa de anti-DNA nativo, pela técnica de IFI, utilizando-se
como substrato a C. luciliae, a estrutura responsável pela
positividade do teste é:

a. A membrana nuclear.
b. O citoplasma.
c. O cinetoplasto.
d. O flagelo.
e. A membrana celular.
TE 2009:
Na pesquisa de anti-DNA nativo, pela técnica de IFI, utilizando-se
como substrato a C. luciliae, a estrutura responsável pela
positividade do teste é:

a. A membrana nuclear.
b. O citoplasma.
c. O cinetoplasto.
d. O flagelo.
e. A membrana celular.
TE 2010:
O antígeno reconhecido pelo anticorpo anti-Sm faz parte de qual
estrutura molecular intracelular abaixo?

a. Centrômero.
b. Maquinaria do splicing do RNA recém transcript.
c. Enzimas para desenrolar o DNA genômico.
d. Polimerases de transcrição.
e. Aminoacil-tRNA sintetases.
TE 2010:
O antígeno reconhecido pelo anticorpo anti-Sm faz parte de qual
estrutura molecular intracelular abaixo?

a. Centrômero.
b. Maquinaria do splicing do RNA recém transcript.
c. Enzimas para desenrolar o DNA genômico.
d. Polimerases de transcrição.
e. Aminoacil-tRNA sintetases.
TE 2018:
Em relação ao exame de FAN, é correto afirmar:
(A) É um teste de imunofluorescência direta que usa células humanas HEp-2 para
detectar autoanticorpos cujo resultado é reportado em 2 partes: título e padrão.

(B) O padrão nuclear pontilhado fino denso, dirigido para o antígeno p80 coilina, é
frequentemente observado em indivíduos saudáveis.

(C) A melhor forma de apresentar os 4 grupos principais de padrões deve ser: nucleares,
nucleolares, aparelho mitótico e mistos, com placa metafásica cromossômica positiva ou
negativa.

(D) O padrão nuclear se subdivide em: membrana nuclear, homogêneo e pontilhado


(grosso, grosso reticulado, fino, fino denso, pontos isolados, centromérico, pleomórfico e
quasi-homogêneo).
TE 2018:
Em relação ao exame de FAN, é correto afirmar:
(A) É um teste de imunofluorescência direta que usa células humanas HEp-2 para
detectar autoanticorpos cujo resultado é reportado em 2 partes: título e padrão.

(B) O padrão nuclear pontilhado fino denso, dirigido para o antígeno p80 coilina, é
frequentemente observado em indivíduos saudáveis.

(C) A melhor forma de apresentar os 4 grupos principais de padrões deve ser: nucleares,
nucleolares, aparelho mitótico e mistos, com placa metafásica cromossômica positiva ou
negativa.

(D) O padrão nuclear se subdivide em: membrana nuclear, homogêneo e pontilhado


(grosso, grosso reticulado, fino, fino denso, pontos isolados, centromérico, pleomórfico e
quasi-homogêneo).
TE 2011:
Com referência à imunofluorescência em células HEp-2, relacione o número da
coluna à direita com a letra da coluna à esquerda e escolha a alternativa com as
associações corretas. Cada opção pode ser escolhida mais de uma vez.
(a) Padrão nucleolar homogêneo (1) síndrome de Sjögren
(b) Padrão nucleolar aglomerado (2) anti-RNA polimerase I
(c) Padrão nucleolar pontilhado (3) anti-PM-Scl
(d) Padrão NuMA 1 (4) anti-DNA topoisomerase I
(e) Padrão anti-centrômero (5) anti-U3-RNP

(A) 1 = a; 2 = c; 3 = a; 4 = d; 5 = e
(B) 1 = d; 2 = a; 3 = c; 4 = a; 5 = b
(C) 1 = d; 2 = a; 3 = c; 4 = e; 5 = a
(D) 1 = e; 2 = a; 3 = a; 4 = a; 5 = b
(E) 1 = b; 2 = c; 3 = e; 4 = a; 5 = b
TE 2011:
Com referência à imunofluorescência em células HEp-2, relacione o número da
coluna à direita com a letra da coluna à esquerda e escolha a alternativa com as
associações corretas. Cada opção pode ser escolhida mais de uma vez.
(a) Padrão nucleolar homogêneo (1) síndrome de Sjögren
(b) Padrão nucleolar aglomerado (2) anti-RNA polimerase I
(c) Padrão nucleolar pontilhado (3) anti-PM-Scl
(d) Padrão NuMA 1 (4) anti-DNA topoisomerase I
(e) Padrão anti-centrômero (5) anti-U3-RNP

(A) 1 = a; 2 = c; 3 = a; 4 = d; 5 = e
(B) 1 = d; 2 = a; 3 = c; 4 = a; 5 = b
(C) 1 = d; 2 = a; 3 = c; 4 = e; 5 = a
(D) 1 = e; 2 = a; 3 = a; 4 = a; 5 = b
(E) 1 = b; 2 = c; 3 = e; 4 = a; 5 = b
TE 2011:
Relacione o número da coluna à direita com a letra da coluna à esquerda e
escolha a alternativa com as associações corretas.

(a) proteína C reativa (1) hepatite C


(b) fator reumatóide monoclonal (2) Raynaud,polimiosite e pneumopatia
intersticial
(c) anti-SSA (3) pneumonia pneumopneumocócica
(d) anticorpo anti-sintetase (4) lúpus neonatal
(e) anticorpo anti-transglutaminase (5) doença celíaca

(A) 1 = a; 2 = e; 3 = a; 4 = c; 5 = d
(B) 1 = b; 2 = d; 3 = a; 4 = d; 5 = e
(C) 1 = b; 2 = d; 3 = b; 4 = c; 5 = e
(D) 1 = b; 2 = d; 3 = a; 4 = c; 5 = e
(E) 1= a; 2 = c; 3 = a ; 4= d; 5 =e
TE 2011:
Relacione o número da coluna à direita com a letra da coluna à esquerda e
escolha a alternativa com as associações corretas.

(a) proteína C reativa (1) hepatite C


(b) fator reumatóide monoclonal (2) Raynaud,polimiosite e pneumopatia
intersticial
(c) anti-SSA (3) pneumonia pneumopneumocócica
(d) anticorpo anti-sintetase (4) lúpus neonatal
(e) anticorpo anti-transglutaminase (5) doença celíaca

(A) 1 = a; 2 = e; 3 = a; 4 = c; 5 = d
(B) 1 = b; 2 = d; 3 = a; 4 = d; 5 = e
(C) 1 = b; 2 = d; 3 = b; 4 = c; 5 = e
(D) 1 = b; 2 = d; 3 = a; 4 = c; 5 = e
(E) 1= a; 2 = c; 3 = a ; 4= d; 5 =e
TE 2010:
Aminoacil-tRNA sintetases são ocasionalmente alvos de
autoanticorpos. Qual das doenças difusas do tecido conjuntivo
abaixo está mais freqüentemente associada com esses
autoanticorpos?

a. Síndrome de Felty.
b. Lúpus eritematoso sistêmico.
c. Síndrome de Sjögren.
d. Miopatia inflamatória.
e. Miosite por corpúsculo de inclusão.
TE 2010:
Aminoacil-tRNA sintetases são ocasionalmente alvos de
autoanticorpos. Qual das doenças difusas do tecido conjuntivo
abaixo está mais freqüentemente associada com esses
autoanticorpos?

a. Síndrome de Felty.
b. Lúpus eritematoso sistêmico.
c. Síndrome de Sjögren.
d. Miopatia inflamatória.
e. Miosite por corpúsculo de inclusão.
TE 2014:
Mulher, 42 anos, queixando-se de fraqueza muscular, associada a fenômeno de
Raynaud e febre intermitente há 4 meses. Há 2 meses com dispneia progressiva,
sem tosse ou dor torácica. Ao exame físico foi observada hiperceratose e
fissuras em região palmar de mãos, redução de força muscular proximal de
cintura pélvica e escapular, com ausculta cardiopulmonar e exame neurológico
normal. Tomografia computadorizada de alta resolução constatou infiltrado
pulmonar intersticial difuso. Foi solicitada pesquisa de FAN devido suspeita de
doença autoimune. Qual dos resultados de FAN-HEp-2, por imunofluorescência
indireta é mais compatível com este quadro clínico?

(A) Citoplasmático pontilhado fino, com núcleo e nucléolo não reagentes.


(B) Citoplasma não reagente com núcleo reagente pontilhado fino e nucléolo não reagente.
(C) Citoplasmático pontilhado fino denso, com núcleo homogêneo e nucléolo não reagente.
(D) Citoplasmático não reagente, núcleo não reagente e nucléolo reagente.
(E) Citoplasmático pontilhado reticulado, núcleo e nucléolo não reagentes.
TE 2014:
Mulher, 42 anos, queixando-se de fraqueza muscular, associada a fenômeno de
Raynaud e febre intermitente há 4 meses. Há 2 meses com dispneia progressiva,
sem tosse ou dor torácica. Ao exame físico foi observada hiperceratose e
fissuras em região palmar de mãos, redução de força muscular proximal de
cintura pélvica e escapular, com ausculta cardiopulmonar e exame neurológico
normal. Tomografia computadorizada de alta resolução constatou infiltrado
pulmonar intersticial difuso. Foi solicitada pesquisa de FAN devido suspeita de
doença autoimune. Qual dos resultados de FAN-HEp-2, por imunofluorescência
indireta é mais compatível com este quadro clínico?

(A) Citoplasmático pontilhado fino, com núcleo e nucléolo não reagentes.


(B) Citoplasma não reagente com núcleo reagente pontilhado fino e nucléolo não reagente.
(C) Citoplasmático pontilhado fino denso, com núcleo homogêneo e nucléolo não reagente.
(D) Citoplasmático não reagente, núcleo não reagente e nucléolo reagente.
(E) Citoplasmático pontilhado reticulado, núcleo e nucléolo não reagentes.
TE 2014:
Paciente de 45 anos, com poliartralgia e rigidez matinal de 1 hora, com
emagrecimento, aumento de VHS (95 mm; 1ª h) e anemia (Hb = 9,0 g.dL)
e leucopenia (leucócitos=2.800.mm3), traz FAN positivo citoplasmático,
com padrão pontilhado fino denso. Assinale a alternativa mais adequada a
este padrão de FAN.

(A) Sugere a presença de anticorpos associado a neoplasias


(B) Sugere a presença de um anticorpo bastante específico e pouco sensível para lúpus
eritematoso sistêmico
(C) Sugere a presença de anticorpos anti-Ro e anti-La
(D) Este padrão é inespecífico e não deve ser valorizado
(E) Este padrão é também frequentemente encontrado em pacientes com hepatite B tratado com
rivabirina
TE 2014:
Paciente de 45 anos, com poliartralgia e rigidez matinal de 1 hora, com
emagrecimento, aumento de VHS (95 mm; 1ª h) e anemia (Hb = 9,0 g.dL)
e leucopenia (leucócitos=2.800.mm3), traz FAN positivo citoplasmático,
com padrão pontilhado fino denso. Assinale a alternativa mais adequada a
este padrão de FAN.

(A) Sugere a presença de anticorpos associado a neoplasias


(B) Sugere a presença de um anticorpo bastante específico e pouco sensível para lúpus
eritematoso sistêmico
(C) Sugere a presença de anticorpos anti-Ro e anti-La
(D) Este padrão é inespecífico e não deve ser valorizado
(E) Este padrão é também frequentemente encontrado em pacientes com hepatite B tratado com
rivabirina
TE 2017:
Na pesquisa do FAN, qual padrão de imunofluorescência apresenta
associação mais estreita com doença autoimune e raramente ocorre em
indivíduos normais?

(A) pontos nucleares isolados menores de 10/núcleo.


(B) citoplasmático pontilhado polar.
(C) nuclear pontilhado fino denso.
(D) citoplasmático fibrilar linear.
(E) pontilhado grosso.
TE 2017:
Na pesquisa do FAN, qual padrão de imunofluorescência apresenta
associação mais estreita com doença autoimune e raramente ocorre em
indivíduos normais?

(A) pontos nucleares isolados menores de 10/núcleo.


(B) citoplasmático pontilhado polar.
(C) nuclear pontilhado fino denso.
(D) citoplasmático fibrilar linear.
(E) pontilhado grosso.
TE 2018:
A opção correta sobre os autoanticorpos anti-Ro/SSA e anti-La/SSB é:

(A) São anticorpos contra ribonucleoproteínas com pesos moleculares 52 e 60


kD. Ro 52 se localiza no núcleo e nucléolo e Ro 60 se localiza no citoplasma.

(B) Fazem parte dos critérios classificatórios de Síndrome de Sjögren, doença


mista do tecido conjuntivo e lúpus eritematoso sistêmico.

(C) Anti-Ro e anti-La tem baixa especificidade, uma vez que podem ser
encontrados em várias doenças autoimunes.

(D) O anticorpo anti-Ro pode ser encontrado em pacientes com fator antinuclear
(FAN) negativo.
TE 2018:
A opção correta sobre os autoanticorpos anti-Ro/SSA e anti-La/SSB é:

(A) São anticorpos contra ribonucleoproteínas com pesos moleculares 52 e 60


kD. Ro 52 se localiza no núcleo e nucléolo e Ro 60 se localiza no citoplasma.

(B) Fazem parte dos critérios classificatórios de Síndrome de Sjögren, doença


mista do tecido conjuntivo e lúpus eritematoso sistêmico.

(C) Anti-Ro e anti-La tem baixa especificidade, uma vez que podem ser
encontrados em várias doenças autoimunes.

(D) O anticorpo anti-Ro pode ser encontrado em pacientes com fator antinuclear
(FAN) negativo.
ANCA – Técnicas de detecção
• Imunofluorescência indireta (IFI): mais sensível

• ELISA: mais específico

• Abordagem ideal: IFI de triagem  ELISA contra os antígenos


específicos

• Testes não padronizados, sem valor de normalidade definido

• S e E variam de acordo com laboratório


ANCA - Interpretação
• Padrões em vasculites:
▫ C-ANCA: anti-PR3 (coloração difusa do citoplasma)
▫ P-ANCA: anti-MPO e outros (coloração ao redor do núcleo)
• Padrão em não-vasculite (infecções, DII): ANCA atípico (X-ANCA)

• Cuidados na interpretação:
▫ Examinador-dependente
▫ Sem padronização da normalidade do exame
▫ Baixa especificidade do P-ANCA: positivo em doenças inflamatórias
▫ Pessoas com FAN: falso-positivo na IFI para ANCA
TE 2008:
Na pesquisa de anticorpos contra citoplasma de neutrófilos, por
imunofluorescência indireta, em lâminas fixadas com etanol, a presença
de fluorescência citoplasmática sugere anticorpos contra:

a. Lisozima
b. Proteinase 3
c. Lactoferrina
d. Mieloperoxidase
e. Catepsina G
TE 2008:
Na pesquisa de anticorpos contra citoplasma de neutrófilos, por
imunofluorescência indireta, em lâminas fixadas com etanol, a presença
de fluorescência citoplasmática sugere anticorpos contra:

a. Lisozima
b. Proteinase 3
c. Lactoferrina
d. Mieloperoxidase
e. Catepsina G
TE 2009:
Na Poliangiite Microscópica, o antígeno responsável pela fluorescência
perinuclear do ANCA é:

a. Proteinase 3.
b. Elastase.
c. Catepsina G.
d. Mieloperoxidase.
e. Ferritina.
TE 2009:
Na Poliangiite Microscópica, o antígeno responsável pela fluorescência
perinuclear do ANCA é:

a. Proteinase 3.
b. Elastase.
c. Catepsina G.
d. Mieloperoxidase.
e. Ferritina.
Fator reumatoide
• Imunoglobulina IgM que reconhece a fração Fc de IgG
• Primeiro autoanticorpo descrito na artrite reumatoide
• Probabilidade pré-teste influencia (S e E 50-90% de acordo com o grupo
testado)
Doença reumatológica Sensibilidade Fator reumatoide em condições não reumatológicas

Artrite reumatoide 50-90% Idade avançada (5-25% > 70 Malignidade (5-25%)


anos)
Síndrome de Sjögren 90-95%
Endocardite bacteriana (25- Fibrose pulmonar intersticial (10-
LES 30-40% 50%) 50%)
Miopatias inflamatórias 10-20% Hepatites B e C (20-75%) Sarcoidose (3-33%)
Esclerose sistêmica 20-30% Hanseníase (5-58%) Silicose (30-50%)
Crioglogulinemia mista 40-100% Tuberculose (8-10%) Cirrose biliar primária (45-70%)
Artrite idiopática juvenil 5% Sífilis (5-13%) Doenças parasitárias (20-90%)
TE 2018:
Sobre o fator reumatoide, é correto afirmar que:

(A) É o anticorpo de ocorrência mais precoce na Artrite Reumatoide (AR).

(B) Faz parte do repertório natural de anticorpos humanos.

(C) É anticorpo contra a fração Fab de uma imunoglobulina IgA.

(D) É anticorpo contra a fração Fab de uma imunoglobulina IgG.

(E) Os pacientes com AR fator reumatoide positivo possuem alelos de HLA


diferentes dos alelos de pacientes com AR fator reumatoide negativo.
Anti-CCP
• Anticorpo contra peptídeos citrulinados cíclicos
• Presente na AR com FR positivo e negativo
• Pode estar presente nos estágios iniciais da doença
• Sensibilidade semelhante ao FR
• Especificidade superior ao FR
• Marcador de pior prognóstico: doença erosiva e manifestação extra-
articular
• Prediz doença erosiva na artrite inicial
Anti-CCP

Anti-CCP falso positivo


LES (7,8%) Artrite idiopática juvenil (7,7%)
Artrite psoriásica (8,6%) Granulomatose com poliangeíte
(4,7%)
Síndrome de Sjögren (5,7) Tuberculose (34,3%)
Espondiloartrites (2,3%) Hepatite C / crioglobulinemia (3,5%)
Esclerose sistêmica (6,8%) Hepatite B (0,6%)
TE 2018:
Em relação aos exames laboratoriais nas doenças reumáticas, assinale a
alternativa correta:
(A) O padrão citoplasmático do anticorpo anti-nuclear (FAN) descrito como bastões e
anéis (rods and rings) em células Hep-2 é encontrado em pacientes com infecção pelo
vírus da hepatite C tratados com interferon-alfa pegilado e ribavirina.

(B) O padrão de fluorescência do FAN pode sugerir associação com uma doença em
particular, enquanto as modificações no título são úteis para monitorar a atividade de
doença.

(C) O anticorpo anti-proteína P ribossomal apresenta alta sensibilidade para o lúpus


eritematoso sistêmico e é particularmente útil no manejo do lúpus neuropsiquiátrico.

(D) O fator reumatoide apresenta alto valor preditivo positivo em pacientes com rigidez
matinal prolongada, síndrome seca, poliartrite simétrica de pequenas articulações ou
artralgias.
TE 2018:
Em relação aos exames laboratoriais nas doenças reumáticas, assinale a
alternativa correta:
(A) O padrão citoplasmático do anticorpo anti-nuclear (FAN) descrito como bastões e
anéis (rods and rings) em células Hep-2 é encontrado em pacientes com infecção pelo
vírus da hepatite C tratados com interferon-alfa pegilado e ribavirina.

(B) O padrão de fluorescência do FAN pode sugerir associação com uma doença em
particular, enquanto as modificações no título são úteis para monitorar a atividade de
doença.

(C) O anticorpo anti-proteína P ribossomal apresenta alta sensibilidade para o lúpus


eritematoso sistêmico e é particularmente útil no manejo do lúpus neuropsiquiátrico.

(D) O fator reumatoide apresenta alto valor preditivo positivo em pacientes com rigidez
matinal prolongada, síndrome seca, poliartrite simétrica de pequenas articulações ou
artralgias.
TE 2017:
Em relação aos testes laboratoriais no paciente com doenças reumáticas,
assinale a alternativa ERRADA:
(A) Diferentemente da proteína C reativa, a velocidade de hemossedimentação pode não
acompanhar a resolução do processo inflamatório.

(B) Padrão p-ANCA falso-positivo pode ser observado em pacientes FAN positivos
quando a pesquisa do ANCA é realizada em neutrófilos fixados em etanol.

(C) A frequência de Fator Anti-Nuclear (FAN) positivo em indivíduos saudáveis aumenta


com a idade e no gênero feminino.

(D) O anticorpo anti-CCP apresenta a mesma sensibilidade e especificidade do fator


reumatoide em pacientes com artrite reumatoide.

(E) Crioglobulinas dos tipos II e III são capazes de ligar o complemento e podem estar
associadas a infecção pelo vírus da hepatite C e a vasculite de pequenos vasos.
TE 2017:
Em relação aos testes laboratoriais no paciente com doenças reumáticas,
assinale a alternativa ERRADA:
(A) Diferentemente da proteína C reativa, a velocidade de hemossedimentação pode não
acompanhar a resolução do processo inflamatório.

(B) Padrão p-ANCA falso-positivo pode ser observado em pacientes FAN positivos
quando a pesquisa do ANCA é realizada em neutrófilos fixados em etanol.

(C) A frequência de Fator Anti-Nuclear (FAN) positivo em indivíduos saudáveis aumenta


com a idade e no gênero feminino.

(D) O anticorpo anti-CCP apresenta a mesma sensibilidade e especificidade do fator


reumatoide em pacientes com artrite reumatoide.

(E) Crioglobulinas dos tipos II e III são capazes de ligar o complemento e podem estar
associadas a infecção pelo vírus da hepatite C e a vasculite de pequenos vasos.
Glicocorticoides
• Equivalência de dose  Hoje pulsei meu doente!
• Biodisponibilidade Hidro (20) – Pred (5) – Metil (4) – Dexa (0,75)
▫ Prednisona e prednisolona são semelhantes
▫ Não é afetada pela gestação
• Metabolismo
▫ Ligam-se fracamente às globulinas ligadoras de cortisol
▫ Prednisona: metabolizada no fígado (citocromo P450) em prednisolona
▫ Prednisolona é preferível na disfunção hepática
▫ Fenobarbital, fenitoína e rifampcina: aumentam a taxa de metabolismo dos GC
TE 2008:
A dose equivalente para 5 mg de prednisona é:

a. 0,6 de betametasona; 4 mg de triancinolona; 0,75 mg de dexametasona;

b. 100 mg de hidrocortisona; 10 mg de metilprednisolona; 0,9 mg de dexametasona;

c. 50 mg de hidrocortisona; 4 mg de dexametasona; 5 mg de betametasona;

d. 100 mg de metilprednisolona; 1 mg de dexametasona; 20 mg de betametasona;

e. 20 mg de hidrocortisona; 4 mg de dexametasona; 5 mg de betametasona.


TE 2008:
A dose equivalente para 5 mg de prednisona é:

a. 0,6 de betametasona; 4 mg de triancinolona; 0,75 mg de dexametasona;

b. 100 mg de hidrocortisona; 10 mg de metilprednisolona; 0,9 mg de dexametasona;

c. 50 mg de hidrocortisona; 4 mg de dexametasona; 5 mg de betametasona;

d. 100 mg de metilprednisolona; 1 mg de dexametasona; 20 mg de betametasona;

e. 20 mg de hidrocortisona; 4 mg de dexametasona; 5 mg de betametasona.


GC - Efeitos adversos musculoesqueléticos
• Perda da densidade mineral óssea: osteoporose secundária
▫ Predisposição a fraturas
▫ Afeta principalmente o osso trabecular
▫ Redução dos hormônios sexuais e aumento de RANKL  aumento da ação osteoclástica
▫ Efeito direto atinge a formação óssea

• Osteonecrose
▫ Mais associado com doses elevadas em picos do cumulativa
▫ Presença de AFLs aumenta o risco

• Miopatia
▫ Doses altas e prolongadas
GC - Efeitos adversos cardiovasculares
• Retenção hídrica
▫ Prejudicial a pacientes com doença cardíaca ou renal

• Aumento dos níveis pressóricos


▫ Pode necessitar ajuste das doses dos anti-hipertensivos
▫ Retenção de sódio
▫ Potencializa resposta vasopressiva às catecolaminas e angiotensina II

• Arritmias durante pulsoterapia


GC – Efeitos adversos dermatológicos e aparência
• Espessamento cutâneo
• Equimoses
• Fásceis cushingoide
• Hirsutismo
• Estrias violáceas
• Obesidade
• Aumento de apetite
• Giba
• Acne
GC – Outros efeitos adversos
• Gastrite e sangramento gastrointestinal
• Aumento do risco de infecções graves
• Hiperglicemia e diabetes
• Insuficiência adrenal
• Psicose e euforia
• Depressão
• Insônia
• Catarata posterior subcapsular
• Aumento da pressão intraocular / glaucoma
TE 2007:
Qual a variação resultante do uso de corticoides que é
importante para o desenvolvimento de osteoporose?

a) Aumento da produção de osteoprotegerina;


b) Diminuição da apoptose dos osteoblastos;
c) Aumento da metabolização hepática;
d) Aumento da produção de RANK/L;
e) Aumento da produção de PTH.
TE 2007:
Qual a variação resultante do uso de corticoides que é
importante para o desenvolvimento de osteoporose?

a) Aumento da produção de osteoprotegerina;


b) Diminuição da apoptose dos osteoblastos;
c) Aumento da metabolização hepática;
d) Aumento da produção de RANK/L;
e) Aumento da produção de PTH.
TE 2011:
Sobre a farmacologia dos glicocorticóides (GC) assinale a afirmativa
correta:

(A) A dexametasona e a triancinolona apresentam boa atividade mineralocorticoide

(B) A betametasona e a hidrocortisona são considerados GC de ação de curta duração

(C) Os GC fluorados não atravessam a barreira placentária

(D) Pacientes tratados com GC mesmo em doses fisiológicas e em regime de dias


alternados devem ser considerados com supressão do eixo HHA

(E) Aplicação tópica de GC pode induzir a supressão do eixo Hipotálamo-Hipófise-


Adrenal (HAA)
TE 2011:
Sobre a farmacologia dos glicocorticóides (GC) assinale a afirmativa
correta:

(A) A dexametasona e a triancinolona apresentam boa atividade mineralocorticoide

(B) A betametasona e a hidrocortisona são considerados GC de ação de curta duração

(C) Os GC fluorados não atravessam a barreira placentária

(D) Pacientes tratados com GC mesmo em doses fisiológicas e em regime de dias


alternados devem ser considerados com supressão do eixo HHA

(E) Aplicação tópica de GC pode induzir a supressão do eixo Hipotálamo-Hipófise-


Adrenal (HAA)
Metotrexate
• Mecanismo de ação:

▫ Análogo do ácido fólico  antagonista


competitivo das enzimas envolvidas na síntese
de purinas e pirimidinas e replicação celular

▫ Inibe a proliferação celular (fase S) através do


aumento de adenosina

• Metabolização hepática
• Eliminação renal
Metotrexate – Efeitos adversos
• Gastrointestinais: náuseas, mucosite
• Hepatotoxicidade
▫ Fatores de risco: uso mais de 1x/semana, não suplementação com ácido fólico, obesidade,
dislipidemia

• Toxicidade pulmonar:
▫ Fatores de risco: > 60 anos, hipoalbuminemia, insuficiência renal, acometimento
pulmonar prévio, uso concomitante de outros DMARDs, administração diária.
▫ Clínica subaguda (dispneia, tosse, febre); imagem com infiltrado em vidro fosco e
consolidações
▫ Diagnósticos diferenciais: infecção, neoplasia, acometimento pela doença de base
Metotrexate – Efeitos adversos
• Risco de infecções

• Doenças linfoproliferativas

• Mielossupressão
▫ Principalmente com doses altas
TE 2018:
Assinale a resposta ERRADA relacionada ao uso do metotrexato (MTX) na
artrite reumatoide:
(A) A toxicidade hepática pelo MTX está relacionada diretamente com a depleção
de folato.

(B) A pneumonite por hipersensibilidade é o tipo mais comum de toxicidade


pulmonar associada com o uso do MTX.

(C) O MTX é depurado, predominantemente por via renal, sendo excretado


inalterado na urina.

(D) O MTX pode exacerbar a formação de nódulos reumatoides (nodulose


acelerada).
TE 2018:
Assinale a resposta ERRADA relacionada ao uso do metotrexato (MTX) na
artrite reumatoide:
(A) A toxicidade hepática pelo MTX está relacionada diretamente com a depleção
de folato.

(B) A pneumonite por hipersensibilidade é o tipo mais comum de toxicidade


pulmonar associada com o uso do MTX.

(C) O MTX é depurado, predominantemente por via renal, sendo excretado


inalterado na urina.

(D) O MTX pode exacerbar a formação de nódulos reumatoides (nodulose


acelerada).
TE 2015:
Em relação à segurança do metotrexato (MTX), usado em doses de 7,5 -
25mg/semana, é ERRADO afirmar que:

(A) Pode levar ao aparecimento ou à exacerbação de nódulos reumatoides (nodulose


reumatoide).

(B) A presença de macrocitose é fator de risco para o surgimento de mielossupressão.

(C) Pacientes com pneumopatias, mesmo que leves, não devem empregar o MTX, devido
ao risco de toxicidade pulmonar.

(D) Queixas relacionadas com o sistema nervoso central e gastrointestinais ocorrem nas
primeiras 24 a 48 horas da dose semanal.

(E) O uso concomitante de sulfa-trimetropin está relacionada com maior toxicidade.


TE 2015:
Em relação à segurança do metotrexato (MTX), usado em doses de 7,5 -
25mg/semana, é ERRADO afirmar que:

(A) Pode levar ao aparecimento ou à exacerbação de nódulos reumatoides (nodulose


reumatoide).

(B) A presença de macrocitose é fator de risco para o surgimento de mielossupressão.

(C) Pacientes com pneumopatias, mesmo que leves, não devem empregar o MTX, devido
ao risco de toxicidade pulmonar.

(D) Queixas relacionadas com o sistema nervoso central e gastrointestinais ocorrem nas
primeiras 24 a 48 horas da dose semanal.

(E) O uso concomitante de sulfa-trimetropin está relacionada com maior toxicidade.


Leflunomida
• Mecanismo de ação:
▫ Metabólito ativo: A77 1726
▫ Inibe a dihidroorotato desidrogenase
▫ Inibe a síntese de pirimidinas
▫ Inibe a proliferação de linfócitos

• Eliminação renal e fecal


Leflunomida – Efeitos adversos
• Gastrointestinais: náuseas e diarreia
• Hepatotoxicidade semelhante ao MTX
 Aumento das transaminases > 3LSN  interromper + avaliar colesteramina
• Mielotoxicidade
• Toxicidade pulmonar semelhante ao MTX
• Risco de infecção
• Rash cutâneo
• Neuropatia periférica
• Aumento de complicação em ferida operatória ortopédica
TE 2014:
Sobre a leflunomida, assinale a alternativa ERRADA:

(A) É um imunomodulador citotóxico

(B) Possui certa especificidade celular bloqueando a mitose dos linfócitos T via
síntese de novo da pirimidina

(C) Possui seletividade molecular inibindo a proliferação de linfócitos T

(D) Sua eliminação é acelerada com colestiramina e carvão ativado

(E) Sua meia-vida plasmática é de cerca de 2 semanas


TE 2014:
Sobre a leflunomida, assinale a alternativa ERRADA:

(A) É um imunomodulador citotóxico

(B) Possui certa especificidade celular bloqueando a mitose dos linfócitos T via
síntese de novo da pirimidina

(C) Possui seletividade molecular inibindo a proliferação de linfócitos T

(D) Sua eliminação é acelerada com colestiramina e carvão ativado

(E) Sua meia-vida plasmática é de cerca de 2 semanas


Azatioprina
• Mecanismo de ação:
▫ Metabólitos ativos: 6-tioguanina e 6-mercaptopruina
▫ Inibe a síntese de ácido inosínico, metabolismo da purina e a divisão celular
▫ Inibe a função de células B e T, produção de imunoglobulinas e IL-2

• Ação terapêutica lenta: 8-12 semanas


• Metabolismo hepático / eliminação renal
• Segura na gestação e amamentação
Azatioprina – Efeitos adversos
• Intolerância gastrointestinal: náuseas
• Mielotoxicidade – reversível e dose-dependente
• Aumento das transaminases
• Hepatite colestática
• Pancreatite
• Risco de infecção
• Risco de malignidade

• Enzima tiopurino metiltransferase  deficiência = efeitos adversos graves


TE 2009:
Em 3% da população geral, é observada a deficiência completa de uma
enzima, responsável pelo metabolismo da azatioprina. Pacientes com
deficiência dessa enzima, quando tratados com azatioprina
desenvolvem graves eventos adversos. Sobre qual enzima estamos nos
referindo?

a. Xantino oxidase.
b. Tiopurino metiltransferase.
c. 5-fosforribosil 1-pirofosfato sintetase.
d. Hipoxantino guanino fosforribosil transferase.
e. 5’ nucleotidase.
TE 2009:
Em 3% da população geral, é observada a deficiência completa de uma
enzima, responsável pelo metabolismo da azatioprina. Pacientes com
deficiência dessa enzima, quando tratados com azatioprina
desenvolvem graves eventos adversos. Sobre qual enzima estamos nos
referindo?

a. Xantino oxidase.
b. Tiopurino metiltransferase.
c. 5-fosforribosil 1-pirofosfato sintetase.
d. Hipoxantino guanino fosforribosil transferase.
e. 5’ nucleotidase.
Hidroxicloroquina
• Mecanismos de ação:

▫ Redução de TNF-alfa
▫ Inibição de fosfolipases
▫ Antagonismo de prostaglandinas
▫ Redução de LDL e VLDL
▫ Redução da absorção de raios UV
▫ Anticoagulante leve  inibe adesão e agregação plaquetária; proteção do
anticoagulante anexina 5
▫ Redução da produção de metaloproteinases pelos sinoviócitos
Hidroxicloroquina – Efeitos adversos
• Toxicidade ocular
▫ Depósitos corneanos reversíveis  não alteram a visão
 Halos transitórios ou fotossensibilidade

▫ Retinopatia  deficiência visual permanente


 Fatores de risco: dose alta, obesidade, uso por mais de 5 anos, > 60 anos, doença renal ou
hepática
 Rastreio antes do início e depois de 5 anos
 Se fator de risco: rastreio anual
Hidroxicloroquina – Outros efeitos adversos
• Gastrointestinais: principalmente náuseas
• Cefaleia, “cabeça vazia”
• Xerose, prurido, hiperpigmentação
• Miopatia e cardiotoxicidade
• Hipoacusia, vertigem, zumbido
• Leucopenia
• Cuidado na deficiência de G6PD – hemólise e alteração da função renal

• Gravidez: categoria C (atravessa placenta / não é teratogênico)


▫ Lactação liberado
TE 2010:
Assinale a alternativa CORRETA em relação aos antimaláricos:
a. São indicados no tratamento das doenças reumáticas auto-imunes por seu potente
efeito imunossupressor.

b. Os antimaláricos devem ser prescritos para pacientes com LES e comprometimento


cutâneo e articular, aonde sua eficácia foi comprovada.

c. A retinopatia é o efeito colateral mais comum, ocorrendo em cerca de 20% dos que
usam difosfato de cloroquina por mais de 3 anos.

d. Devido à falta de estudos controlados, avaliando sua segurança, a hidroxicloroquina


não deve ser prescrita em gestantes com lúpus eritematoso sistêmico.

e. Devem ser prescritos para todos os pacientes com lúpus eritematoso sistêmico,
independente do(s) órgão(s) acometido.
TE 2010:
Assinale a alternativa CORRETA em relação aos antimaláricos:
a. São indicados no tratamento das doenças reumáticas auto-imunes por seu potente
efeito imunossupressor.

b. Os antimaláricos devem ser prescritos para pacientes com LES e comprometimento


cutâneo e articular, aonde sua eficácia foi comprovada.

c. A retinopatia é o efeito colateral mais comum, ocorrendo em cerca de 20% dos que
usam difosfato de cloroquina por mais de 3 anos.

d. Devido à falta de estudos controlados, avaliando sua segurança, a hidroxicloroquina


não deve ser prescrita em gestantes com lúpus eritematoso sistêmico.

e. Devem ser prescritos para todos os pacientes com lúpus eritematoso sistêmico,
independente do(s) órgão(s) acometido.
TE 2007:
São fatores de risco para a retinopatia secundária à utilização de
anti-maláricos,EXCETO:

a) Idade maior que 60 anos;


b) Glaucoma;
c) Insuficiência hepática;
d) Insuficiência renal;
e) Retinopatia prévia.
TE 2007:
São fatores de risco para a retinopatia secundária à utilização de
anti-maláricos,EXCETO:

a) Idade maior que 60 anos;


b) Glaucoma;
c) Insuficiência hepática;
d) Insuficiência renal;
e) Retinopatia prévia.
Ciclofosfamida
• Mecanismo de ação:
▫ Alquilante do DNA  efeito inibitório nas células B, T
▫ Impede a replicação celular e transcrição  citotóxica para linfócitos
▫ Reduz células B e suprime a função de células T

• Metabolismo hepático e eliminação renal


• Ajuste para função renal
Ciclofosfamida – Efeitos adversos
• Supressão da medula óssea
▫ Exame laboratorial no nadir e antes da próxima infusão

• Toxicidade gonadal
▫ Aumenta com a idade e a dose (VO > IV)
▫ Mulher:
 Falência ovariana precoce
 Prevenção com agonista de GnRH (leuprolide IM 2 semanas antes da infusão)
▫ Homem
 Azoospermia e disfunção testicular
 Prevenção: testosterona IM a cada 15 dias
Ciclofosfamida – Efeitos adversos
• Alopécia reversível
• Infecções
• Teratogenicidade
• Náuseas 3-5 dias após a infusão
• Anorexia, estomatite, pancreatite
• Aumento de neoplasias hematológicas e mielodisplasia

• Toxicidade vesical:
▫ Cistite hemorrágica
 Prevenção: hidratação, evitar dose noturna, uso de mesna
▫ Câncer de bexiga
Micofenolato
• Mecanismo de ação
▫ Metabólito ativo: ácido micofenólico (97% ligado à albumina)
▫ Inibidor seletivo reversível, não competitivo da inosine monofosfato
desidrogenase
▫ Inibe a síntese de purinas
▫ Inibe a proliferação de linfócitos B, T e de imunoglobulinas
▫ Interfere com a adesão leucocitária
▫ Inibição da maturação das células dendríticas

• Eliminação renal e fezes


Micofenolato – Efeitos adversos
• Intolerância gastrointestinal:
▫ 20-30% de descontinuação
▫ Fazer aumento progressivo de dose, micofenolato de sódio, dose fracionada
• Mielotoxicidade
▫ Monitorar a cada 8-12 semanas
▫ Leucopenia – 10%
• Hepatotoxicidade
• Risco de infecção
• Cefaleia, vertigem, insônia, ansiedade
• Risco de neoplasia (linfoma)
• Rash
TE 2010:
Efeito colateral mais comum associado ao uso de dapsona:

a. Neuropatia periférica.
b. Anemia hemolítica.
c. Agranulocitose.
d. Necrólise epidérmica tóxica.
e. Ototoxicidade.
TE 2010:
Efeito colateral mais comum associado ao uso de dapsona:

a. Neuropatia periférica.
b. Anemia hemolítica.
c. Agranulocitose.
d. Necrólise epidérmica tóxica.
e. Ototoxicidade.
TE 2007:
Em relação aos efeitos colaterais das drogas usadas no tratamento
das vasculites, correlacione as duas colunas, e marque a
alternativa com a sequência correta:

1- Clorambucil ( ) Insuficiência ovariana


2- Talidomida ( ) Insuficiência renal
3- Ciclofosfamida ( ) Neuropatia periférica
4- Ciclosporina ( ) Pancreatite
5- Micofenolato mofetil ( ) Azospermia
TE 2007:
Em relação aos efeitos colaterais das drogas usadas no tratamento
das vasculites, correlacione as duas colunas, e marque a
alternativa com a sequência correta:

1- Clorambucil (3) Insuficiência ovariana


2- Talidomida (4) Insuficiência renal
3- Ciclofosfamida (2) Neuropatia periférica
4- Ciclosporina (5) Pancreatite
5- Micofenolato mofetil (1) Azospermia
TE 2007:
Qual afirmação é verdadeira?

a) Retinopatia, miopatia, distúrbio de condução cardíaca e alopecia são alguns


dos efeitos colaterais dos antimaláricos;
b) A D-penicilamina pode causar nefropatia do tipo mesangial por depósitos de
imunocomplexos;
c) Os medicamentos inibidores dos canais de cálcio são a primeira escolha no
tratamento da hipertensão arterial na crise renal da esclerose sistêmica;
d) Elevação das transaminases séricas e hipergamaglobulinemia são
indicadores de hepatoxicidade pelo uso do metotrexate;
e) Azia, náuseas e dispepsia são efeitos colaterais dos antiinflamatórios não
hormonais secundários à inibição da enzima fosfolipase A2.
TE 2007:
Qual afirmação é verdadeira?

a) Retinopatia, miopatia, distúrbio de condução cardíaca e alopecia são alguns


dos efeitos colaterais dos antimaláricos;
b) A D-penicilamina pode causar nefropatia do tipo mesangial por depósitos de
imunocomplexos;
c) Os medicamentos inibidores dos canais de cálcio são a primeira escolha no
tratamento da hipertensão arterial na crise renal da esclerose sistêmica;
d) Elevação das transaminases séricas e hipergamaglobulinemia são
indicadores de hepatoxicidade pelo uso do metotrexate;
e) Azia, náuseas e dispepsia são efeitos colaterais dos antiinflamatórios não
hormonais secundários à inibição da enzima fosfolipase A2.
TE 2017:
Em relação ao tacrolimus, é correto afirmar que:

(A) É um potente inibidor de ativação de célula B.

(B) Causa mais hiperuricemia que a ciclosporina.

(C) Tacrolimus é um imunossupressor mais potente que a ciclosporina.

(D) O uso associado de bloqueadores de canal de cálcio e inibidores de bombas de próton


diminuem sua concentração sérica.

(E) Nefrotoxicidade, hepatoxicidade e leucopenia são seus parefeitos mais comuns.


TE 2017:
Em relação ao tacrolimus, é correto afirmar que:

(A) É um potente inibidor de ativação de célula B.

(B) Causa mais hiperuricemia que a ciclosporina.

(C) Tacrolimus é um imunossupressor mais potente que a ciclosporina.

(D) O uso associado de bloqueadores de canal de cálcio e inibidores de bombas de próton


diminuem sua concentração sérica.

(E) Nefrotoxicidade, hepatoxicidade e leucopenia são seus parefeitos mais comuns.


TE 2017:
Com relação aos efeitos adversos dos anti-inflamatórios não esteroidais
(AINEs), assinale a resposta correta:
(A) A combinação de 2 AINEs, com mecanismos diferentes de inibição sobre as ciclo-oxigenases,
apesar de aumentar seu efeito terapêutico, está associada a um maior risco de reações adversas.

(B) AINEs com efeitos inibitórios sobre as COX-1 e COX-2 interferem na ação antiagregante
plaquetária da aspirina em baixa dose, diminuindo seu efeito cardioprotetor.

(C) Os inibidores específicos da COX-2 estão associados a uma maior incidência de lesões
ulcerosas gastroduodenais endoscópicas, quando comparados aos AINEs tradicionais.

(D) Bloqueadores H2 são eficazes na prevenção das ulcerações gástricas e duodenais associadas
aos AINEs.

(E) Edema e retenção de sódio são efeitos colaterais comuns dos AINEs, decorrentes de alterações
na reabsorção de sódio e água pelos túbulos distais.
TE 2017:
Com relação aos efeitos adversos dos anti-inflamatórios não esteroidais
(AINEs), assinale a resposta correta:
(A) A combinação de 2 AINEs, com mecanismos diferentes de inibição sobre as ciclo-oxigenases,
apesar de aumentar seu efeito terapêutico, está associada a um maior risco de reações adversas.

(B) AINEs com efeitos inibitórios sobre as COX-1 e COX-2 interferem na ação antiagregante
plaquetária da aspirina em baixa dose, diminuindo seu efeito cardioprotetor.

(C) Os inibidores específicos da COX-2 estão associados a uma maior incidência de lesões
ulcerosas gastroduodenais endoscópicas, quando comparados aos AINEs tradicionais.

(D) Bloqueadores H2 são eficazes na prevenção das ulcerações gástricas e duodenais associadas
aos AINEs.

(E) Edema e retenção de sódio são efeitos colaterais comuns dos AINEs, decorrentes de alterações
na reabsorção de sódio e água pelos túbulos distais.
TE 2008:
Correlacione as drogas com seus efeitos colaterais e marque a opção
com a seqüência mais adequada:
1) Metotrexato ( ) Diabetes mellitus
2) Cloroquina ( ) Macrocitose
3) Ciclosporina ( ) Hematúria
4) Ciclofosfamida ( ) Maculopatia
5) Corticosteróides ( ) Elevação dos níveis de creatinina

a. 1, 2, 3, 5, 4;
b. 5, 1, 4, 2, 3;
c. 5, 4, 1, 2, 3;
d. 5, 1, 3, 4, 2;
e. 1, 5, 2, 4, 3.
TE 2008:
Correlacione as drogas com seus efeitos colaterais e marque a opção
com a seqüência mais adequada:
1) Metotrexato (5) Diabetes mellitus
2) Cloroquina (1) Macrocitose
3) Ciclosporina (4) Hematúria
4) Ciclofosfamida (2) Maculopatia
5) Corticosteróides (3) Elevação dos níveis de creatinina

a. 1, 2, 3, 5, 4;
b. 5, 1, 4, 2, 3;
c. 5, 4, 1, 2, 3;
d. 5, 1, 3, 4, 2;
e. 1, 5, 2, 4, 3.
TE 2009:
Com relação às infiltrações, pode-se afirmar que:
a. A taxa de infecção esperada é de 0,5%.

b. Infecção articular iatrogênica deve ser suspeitada quando existe um piora da dor 48
horas após o procedimento.

c. Piora após o procedimento é freqüente e está associada à formação de cristais de


corticóide.

d. A adição de um anestésico local aumenta o risco de ruptura do tendão, por efeito de


massa.

e. Somente na tendinopatia de calcaneo, indica-se a infiltração intra-tendínea.


TE 2009:
Com relação às infiltrações, pode-se afirmar que:
a. A taxa de infecção esperada é de 0,5%.

b. Infecção articular iatrogênica deve ser suspeitada quando existe um piora da dor 48
horas após o procedimento.

c. Piora após o procedimento é freqüente e está associada à formação de cristais de


corticóide.

d. A adição de um anestésico local aumenta o risco de ruptura do tendão, por efeito de


massa.

e. Somente na tendinopatia de calcaneo, indica-se a infiltração intra-tendínea.


TE 2009:
Assinale a alternativa correta em relação às imunoglobulinas
endovenosas:
a. Deve ser indicada em pacientes com doença de Kawasaki.

b. Deve ser indicada em pacientes com doença de Kikuchi.

c. Mostrou-se eficaz no tratamento de artrites crônicas da infância forma


poliarticular.

d. Tem como contra-indicação o uso em pacientes com deficiências adquiridas de


imunoglobulinas.

e. Mostrou ser eficaz no tratamento de vasculites sistêmicas associadas ao ANCA.


TE 2009:
Assinale a alternativa correta em relação às imunoglobulinas
endovenosas:
a. Deve ser indicada em pacientes com doença de Kawasaki.

b. Deve ser indicada em pacientes com doença de Kikuchi.

c. Mostrou-se eficaz no tratamento de artrites crônicas da infância forma


poliarticular.

d. Tem como contra-indicação o uso em pacientes com deficiências adquiridas de


imunoglobulinas.

e. Mostrou ser eficaz no tratamento de vasculites sistêmicas associadas ao ANCA.


TE 2011:
Homem de 60 anos com antecedente de podagra e gonadra traz exames
laboratoriais com ácido úrico=10 mg/dL e creatinina =1.7 mg/dL. AST=31U e
ALT=33U. Foi iniciado alopurinol 300 mg/dia e colchicina 0,5 mg/dia e o
paciente retorna após 8 dias relatando fadiga e “manchas nas pernas”. O exame
físico revela equimoses e lesões petequiais em membros inferiores. Qual a
hipótese mais provável para o quadro atual do paciente?

(A) Insuficiência hepática aguda pelo alopurinol


(B) Anemia aplástica pelo alopurinol
(C) Reação de hipersensibilidade ao alopurinol
(D) Anemia aplástica pela colchicina
(E) Distúrbio de coagulação secundário à insuficiência renal crônica
TE 2011:
Homem de 60 anos com antecedente de podagra e gonadra traz exames
laboratoriais com ácido úrico=10 mg/dL e creatinina =1.7 mg/dL. AST=31U e
ALT=33U. Foi iniciado alopurinol 300 mg/dia e colchicina 0,5 mg/dia e o
paciente retorna após 8 dias relatando fadiga e “manchas nas pernas”. O exame
físico revela equimoses e lesões petequiais em membros inferiores. Qual a
hipótese mais provável para o quadro atual do paciente?

(A) Insuficiência hepática aguda pelo alopurinol


(B) Anemia aplástica pelo alopurinol
(C) Reação de hipersensibilidade ao alopurinol
(D) Anemia aplástica pela colchicina
(E) Distúrbio de coagulação secundário à insuficiência renal crônica
TE 2011:
O principal mecanismo de ação da colchicina consiste na inibição da:

(A) xantino oxidase


(B) fosfodiesterase
(C) ciclooxigenases
(D) microtubulina
(E) interleucina 17
TE 2011:
O principal mecanismo de ação da colchicina consiste na inibição da:

(A) xantino oxidase


(B) fosfodiesterase
(C) ciclooxigenases
(D) microtubulina
(E) interleucina 17
TE 2015:
Qual dos seguintes fármacos pode ser indicado em pacientes com
TDC menor do que 30 ml/min?
(A) Metotrexato.
(B) Leflunomida.
(C) Ciclosporina.
(D) Denosumabe.
(E) Celecoxibe.
TE 2015:
Qual dos seguintes fármacos pode ser indicado em pacientes com
TDC menor do que 30 ml/min?
(A) Metotrexato.
(B) Leflunomida.
(C) Ciclosporina.
(D) Denosumabe.
(E) Celecoxibe.
TE 2013:
Em pacientes com hipersensibilidade prévia às sulfonamidas (sulfas),
qual grupo de medicações deve ser evitado?
(A) Naproxeno, Ibuprofeno e Sulfasalazina.
(B) Diclofenaco, Sulfasalazina e Cetoprofeno.
(C) Sulfasalazina, Celecoxibe e Nimesulida.
(D) Tenoxicam, Azatioprina e Cloroquina.
(E) Diclofenaco, Metotrexato e Celecoxibe.
TE 2013:
Em pacientes com hipersensibilidade prévia às sulfonamidas (sulfas),
qual grupo de medicações deve ser evitado?
(A) Naproxeno, Ibuprofeno e Sulfasalazina.
(B) Diclofenaco, Sulfasalazina e Cetoprofeno.
(C) Sulfasalazina, Celecoxibe e Nimesulida.
(D) Tenoxicam, Azatioprina e Cloroquina.
(E) Diclofenaco, Metotrexato e Celecoxibe.
Biológicos - Mecanismos de ação
1. Terapia anticitocinas (TNF, IL-1, IL-6, IL-17, Il-12/23)
a. Anticorpos monoclonais
b. Antagonistas de receptores solúveis
c. Antagonistas de receptores da superfície celular
d. Inibição de tirosina quinase

2. Bloqueio da coestimulação de células T

3. Depleção e inibição das células B


a. Anticorpo monoclonal anti-CD 20
b. Anticorpo monoclonal anti-Blys
Nomenclatura
• -CEPT: fusão de um receptor ao fragmento Fc da IgG1

• -MAB: anticorpo monoclonal

• -XI: quimérico

• -ZU: humanizado

• -MU: humano

• -LI: imunomodulador
Anti-TNF
Droga Mecanismo de ação Dose MTX Indicações
Etanercepte Receptor solúvel anti-TNF + 25mg 2x/semana ou Com AR, EA, PsA
(Enbrel ®) porção Fc IgG1 50mg/semana SC ou Psoríase
Psoríase: 50mg 2x/semana nas sem
primeiras 12 sem.
Infliximabe Anticorpo monoclonal 3-10mg/kg IV (semanas 0, 2, 6 e Com AR, EA, PsA
(Remicade ®) quimérico anti-TNF depois a cada 8 semanas) ou DC, RCU
sem (Uveíte)
Adalimumabe Anticorpo monoclonal 40mg SC a cada 2 semanas Com AR, EA, PsA
(Humira ®) humano anti-TNF solúvel e ou DC
transmembrana sem (Uveíte)
Certolizumabe Anticorpo monoclonal 400mg SC nas semanas Com AR, EA, PsA
(Cimzia ®) humanizado (Fab + 0, 2 e 4 e depois 200mg a cada 2 ou (Uveíte)
polietilenoglicol) semanas. sem
Manutenção: 400mg/mês
Golimumabe Anticorpo monoclonal 50mg SC a cada 4 semanas Com AR, EA, PsA
(Simponi ®) humano anti-TNF solúvel e ou RCU
transmembrana sem
Efeitos colaterais anti-TNF
• Reações no local da injeção
• Reações infusionais
• Neutropenia
• Infecções
▫ Não tuberculose
▫ Tuberculose
• Doenças desmielinizantes
• Insuficiência cardíaca  classe III e IV contraindicados
• Reações cutâneas
• Malignidade?
• Indução de autoimunidade
▫ Anticorpos anti-droga (HACA e HAHA)
▫ Doenças autoimunes
TE 2010:
A terapia com Anti-TNF está associada com qual dos seguintes
complicações?

a. Insuficiência renal.
b. Cirrose Hepática.
c. Risco aumentado de necessitar transplante hepático.
d. Neuropatia periférica.
e. Insuficiência cardíaca.
TE 2010:
A terapia com Anti-TNF está associada com qual dos seguintes
complicações?

a. Insuficiência renal.
b. Cirrose Hepática.
c. Risco aumentado de necessitar transplante hepático.
d. Neuropatia periférica.
e. Insuficiência cardíaca.
TE 2007:
Sobre o uso dos medicamentos biológicos, inibidores do TNF alfa, é
correto afirmar:

a) A produção de autoanticorpos, doença desmielinizante do sistema nervoso


central e infecções oportunísticas são alguns dos efeitos colaterais;
b) Radiografia simples do tórax deverá ser realizada antes do tratamento
naqueles pacientes com história prévia de tuberculose pulmonar;
c) São indicados como poupadores de corticosteroides em pacientes idosos e
em crianças;
d) A associação com metotrexate está indicada se não há resposta aos
biológicos após 3 meses;
e) Espera-se início de ação em cerca de 8 a 12 semanas.
TE 2007:
Sobre o uso dos medicamentos biológicos, inibidores do TNF alfa, é
correto afirmar:

a) A produção de autoanticorpos, doença desmielinizante do sistema nervoso


central e infecções oportunísticas são alguns dos efeitos colaterais;
b) Radiografia simples do tórax deverá ser realizada antes do tratamento
naqueles pacientes com história prévia de tuberculose pulmonar;
c) São indicados como poupadores de corticosteroides em pacientes idosos e
em crianças;
d) A associação com metotrexate está indicada se não há resposta aos
biológicos após 3 meses;
e) Espera-se início de ação em cerca de 8 a 12 semanas.
Anti-IL 1
Droga Mecanismo de ação Dose Indicações
Anakinra Antagonista recombinante 100mg/dia SC AR (baixa eficácia),
(Kineret ®) humano do receptor de IL- Isolado ou com MTX doenças
1 (homólogo de IL-1R) Não utilizar com anti-TNF. autoinflamatórias,AIJ,
doença de Still do adulto,
situações especiais na gota
Canakinumabe Anticorpo monoclonal >40kg: 150mg a cada 8 Doenças
(Ilaris ®) humano anti-IL1 beta semanas SC autoiinflamatórias,
15-40Kg: 2-3mg/kg a cada 8 situações especiais na gota
semanas SC
Rilonacepte Proteína de fusão (Fc do Adulto: 2 injeções de 160mg Doenças
(Arcalyst ®) IgG1 + domínios SC na primeira semana, autoiinflamatórias,
extracelulares do receptor depois 160mg/semana. situações especiais na gota
transmembrana do IL-1) 12-17 anos: 4,4mg/kg na
primeira semana (max
320mg) e depois
2,2mg/kg/semana (máximo
160mg)
Anti-IL 6
Droga Mecanismo de ação Dose Indicações
Tocilizumabe Anticorpo monoclonal 8mg/kg IV a cada 4 AR, AIJ
(Actemra 20mg/ml humanizado contra IL- semanas (dose max
®) 6R solúvel e 800mg) ou 162mg
transmembrana SC/semana
TE 2010:
Qual é a característica do tocilizumabe, uma terapia biológica,
recentemente aprovada para o tratamento de artrite reumatóide?

a. Monoclonal anti-IL10.
b. Monoclonal anti-IL6.
c. Monoclonal anti-receptor de IL6.
d. Monoclonal anti receptor de IL-1.
e. Monoclonal anti-INF gama.
TE 2010:
Qual é a característica do tocilizumabe, uma terapia biológica,
recentemente aprovada para o tratamento de artrite reumatóide?

a. Monoclonal anti-IL10.
b. Monoclonal anti-IL6.
c. Monoclonal anti-receptor de IL6.
d. Monoclonal anti receptor de IL-1.
e. Monoclonal anti-INF gama.
Anti-IL 17
Droga Mecanismo de ação Dose Indicações

Secukinumabe Anticorpo monoclonal Psoríase: 300mg SC (2 Psoríase, artrite


(Cosentyx ®) humano contra IL-17 injeções de 150mg) nas psoriásica, EA
semanas 0,1,2,3 e depois a
cada 4 semanas.

PsA e EA: 150mg SC nas


semanas 0,1,2,3 e depois a
cada 4 semanas
Anti-IL 12/23

Droga Mecanismo de ação Dose Indicações

Ustekinumabe Anticorpo monoclonal 45mg SC na semana 0 e 4 e Psoríase, artrite


(Stelara ®) humano que se liga à depois repetir acada 12 psoriásica
subunidade p40 da IL- semanas.
12 e IL-23.
Inibição de JAK
Droga Mecanismo de Dose Indicações
ação
Tofacitinibe Inibe JAK-1 e 3 5mg 2x/dia VO AR
(Xeljanz®)
TE 2017:
Assinale a afirmativa correta sobre o mecanismo de ação do tofacitinibe:
(A) Inibição irreversível por ligação às proteínas tirosina Janus quinases (JAKs) e Tirosina
quinases (TYKs) impedindo a fosforilação do STAT(ativador de transcrição, transdução de
SINAL).

(B) Inibição reversível preferentemente de JAK 2 e TYK 2.

(C) Manutenção da competência do sistema imune adaptativo.

(D) Inibição de IL-6 e TNF por diminuir a produção de IL-10, quando bloqueia JAK 1.

(E) Inibição da produção de IL-6 e IL -15 por bloquear Jak 1 e Jak 3.


TE 2017:
Assinale a afirmativa correta sobre o mecanismo de ação do tofacitinibe:
(A) Inibição irreversível por ligação às proteínas tirosina Janus quinases (JAKs) e Tirosina
quinases (TYKs) impedindo a fosforilação do STAT(ativador de transcrição, transdução de
SINAL).

(B) Inibição reversível preferentemente de JAK 2 e TYK 2.

(C) Manutenção da competência do sistema imune adaptativo.

(D) Inibição de IL-6 e TNF por diminuir a produção de IL-10, quando bloqueia JAK 1.

(E) Inibição da produção de IL-6 e IL -15 por bloquear Jak 1 e Jak 3.


Bloqueio da coestimulação
Droga Mecanismo de ação Dose Indicações
Abatacepte Proteína de fusão (Fc de AR ou AIJ com > 75kg: < AR com falha a biológico,
(Orencia®) IgG1 + porção extra 60kg: 500mg AIJ em maiores de 6
celular do CTLA-4) 60-100kg: 750mg anos.
>100kg: 1g
Nas semanas 0, 2 e 4 e
depois a cada 4 semanas

Pediátricos com AIJ e <


75Kg: 10mg/kg IV

125mg SC/semana (com ou


sem dose de ataque)
TE 2011:
O abatacepte atua sobre o mecanismo de co-estimulação entre a célula
apresentadora de antígeno e o linfócito T. Qual das alternativas abaixo
melhor descreve o seu mecanismo de ação?
(A) Inibe a ação do CTLA-4, facilitando a integração entre CD80 e CD86 da célula
apresentadora de antígeno com o CD28 do linfócito T;
(B) Inibe a interação do MHC classe II com o receptor do linfócito T, bloqueando a
apresentação de antígeno e a ativação da imunidade adaptativa;
(C) Inibe a interação entre o CD28 do linfócito T com o CD80 e o CD86 da célula
apresentadora de antígeno, evitando a ativação do linfócito T e da imunidade adaptativa;
(D) Inibe a interação entre o CD40 ligante do linfócito T e CD80 e CD86 da célula
apresentadora de antígeno, evitando a ativação do linfócito T e da imunidade adaptativa;
(E) Inibe a ação do CTLA-4, facilitando a integração entre CD80 e CD86 da célula
apresentadora de antígeno com o CD40 do linfócito T.
TE 2011:
O abatacepte atua sobre o mecanismo de co-estimulação entre a célula
apresentadora de antígeno e o linfócito T. Qual das alternativas abaixo
melhor descreve o seu mecanismo de ação?
(A) Inibe a ação do CTLA-4, facilitando a integração entre CD80 e CD86 da célula
apresentadora de antígeno com o CD28 do linfócito T;
(B) Inibe a interação do MHC classe II com o receptor do linfócito T, bloqueando a
apresentação de antígeno e a ativação da imunidade adaptativa;
(C) Inibe a interação entre o CD28 do linfócito T com o CD80 e o CD86 da célula
apresentadora de antígeno, evitando a ativação do linfócito T e da imunidade adaptativa;
(D) Inibe a interação entre o CD40 ligante do linfócito T e CD80 e CD86 da célula
apresentadora de antígeno, evitando a ativação do linfócito T e da imunidade adaptativa;
(E) Inibe a ação do CTLA-4, facilitando a integração entre CD80 e CD86 da célula
apresentadora de antígeno com o CD40 do linfócito T.
Depleção e inibição de cels B
Droga Mecanismo de ação Dose Indicações
Rituximabe Anticorpo monoclonal 1g em duas aplicações com AR com falha a anti-TNF
(Mabthera ®) quimérico anti-CD20 intervalo de 15 dias

Belimumabe (Benlysta Anticorpo monoclonal 10mg/kg IV nos dias 0,14 e LES (Eficácia não
®) humano anti- 28 e depois a cada 4 avaliada: nefrite grave ou
BLys/BAFF semanas. neuro LES)
TE 2009:
Associe as medicações biológicas abaixo com a estratégia
farmacodinâmica envolvida:
I. Etanercepte (a) Anticorpo monoclonal direcionado à citocina alvo.
II. Adalimumabe (b) Anticorpo monoclonal indutor de depleção celular.
III. Tocilizumabe (c) Anticorpo monoclonal direcionado ao receptor da citocina alvo.
IV. Rituximabe (d) Receptor solúvel da citocina alvo.
V. Anakinra (e) Citocina competidora com a citocina alvo.

a. Ia, IIc, IIId, IVe, Vb


b. Id, IIa, IIIe, IVb, Vc
c. Ia, IId, IIIc, IVc, Vb
d. Id, IIa, IIIc, IVb, Ve
e. Ie, IIa, IIId, IVb, Vc
TE 2009:
Associe as medicações biológicas abaixo com a estratégia
farmacodinâmica envolvida:
I. Etanercepte (a) Anticorpo monoclonal direcionado à citocina alvo.
II. Adalimumabe (b) Anticorpo monoclonal indutor de depleção celular.
III. Tocilizumabe (c) Anticorpo monoclonal direcionado ao receptor da citocina alvo.
IV. Rituximabe (d) Receptor solúvel da citocina alvo.
V. Anakinra (e) Citocina competidora com a citocina alvo.

a. Ia, IIc, IIId, IVe, Vb


b. Id, IIa, IIIe, IVb, Vc
c. Ia, IId, IIIc, IVc, Vb
d. Id, IIa, IIIc, IVb, Ve
e. Ie, IIa, IIId, IVb, Vc
Cuidados ao iniciar biológicos
• Contraindicações
• Vacinação para pneumococo 23-valente, influenza anual e HBV
• Vacinação para varicela e herpes zoster (em maiores de 60 anos e
considerar nos 50-59 anos se história positiva para varicela ou zoster)
se possível no mínimo 4 semanas antes de iniciar a imunossupressão
• PPD ou IGRA + radiografia de tórax
▫ Indicações de tratamento para TB latente
• Orientações
• Gestação e amamentação
• Coletar sorologias virais
TE 2011:
Uma mulher de 35 anos, com artrite reumatóide, tem indicação de uso de
infliximabe. Apresenta radiografia de tórax normal e o PPD = 6 mm. Qual
das seguintes opções é mais apropriada para esta paciente?

(A) iniciar infliximabe


(B) quimioprofilaxia com isoniazida por 6 a 9 meses
(C) isoniazida e infliximabe
(D) isoniazida, rifampicina, pirazinamida e etambutol
(E) quimioprofilaxia com isoniazida por 3 meses
TE 2011:
Uma mulher de 35 anos, com artrite reumatóide, tem indicação de uso de
infliximabe. Apresenta radiografia de tórax normal e o PPD = 6 mm. Qual
das seguintes opções é mais apropriada para esta paciente?

(A) iniciar infliximabe


(B) quimioprofilaxia com isoniazida por 6 a 9 meses
(C) isoniazida e infliximabe
(D) isoniazida, rifampicina, pirazinamida e etambutol
(E) quimioprofilaxia com isoniazida por 3 meses
TE 2009:
Em relação à prescrição dos agentes biológicos para tratamento da
artrite reumatóide, assinale a resposta correta:
a. O abatacepte pode ser usado como monoterapia ou associado a um agente anti-TNF.

b. Os agentes que bloqueiam o TNF são contra-indicados em mulheres grávidas, pacientes com
insuficiência cardíaca congestiva classe II, esclerose múltipla e em indivíduos com doença
maligna atual ou passada.

c. O uso do MTX em associação com os agentes anti-TNF aumenta a eficácia e as reações adversas
destes últimos.

d. Em termos de eficácia não há superioridade de qualquer um dos três agentes anti-TNF


no tratamento da AR.

e. Rituximabe é indicado para doença em atividade moderada a grave, que não respondeu aos
agentes anti-TNF e deverá ser ministrado em infusões venosas trimestrais.
TE 2009:
Em relação à prescrição dos agentes biológicos para tratamento da
artrite reumatóide, assinale a resposta correta:
a. O abatacepte pode ser usado como monoterapia ou associado a um agente anti-TNF.

b. Os agentes que bloqueiam o TNF são contra-indicados em mulheres grávidas, pacientes com
insuficiência cardíaca congestiva classe II, esclerose múltipla e em indivíduos com doença
maligna atual ou passada.

c. O uso do MTX em associação com os agentes anti-TNF aumenta a eficácia e as reações adversas
destes últimos.

d. Em termos de eficácia não há superioridade de qualquer um dos três agentes anti-TNF


no tratamento da AR.

e. Rituximabe é indicado para doença em atividade moderada a grave, que não respondeu aos
agentes anti-TNF e deverá ser ministrado em infusões venosas trimestrais.
Reativação HBV

Alto risco (>10%) • Profilaxia antiviral


HBsAg + / Anti-HBc + • Tempo: 6m depois do
HBsAg - / Anti-HBc + término da
Tratamento com depletor de células B imunossupressão
(Rituximabe)
• Depletor célula B: 12m
HBsAg + / anti-HBc + • Colher HBV DNA antes
Tratamento com dose moderada (10-
20mg PDN) ou alta (>20mg PDN) de • Para acompanhamento:
corticoide por ≥ 4 semanas HBV DNA e ALT
Reativação HBV

Moderado risco (1-10%)


HBsAg + / Anti-HBc +
HBsAg - / Anti-HBc +
Tratamento com anti-TNF
• Profilaxia antiviral ou
postergar e acompanhar
HBsAg + / Anti-HBc + com HBV DNA e ALT a
HBsAg - / Anti-HBc + cada 2m
Tratamento com inibidor de citocina
• Manter até 6 meses após
término da
HBsAg - / anti-HBc + imunossupressão
Tratamento com dose moderada (10-
20mg PDN) ou alta (>20mg PDN) de
CE por ≥ 4 semanas

HBsAg + / anti-HBc +
Tratamento com dose baixa (<10mg
PDN) de CE por ≥ 4 semanas
Reativação HBV
HBsAg + / Anti-HBc +
HBsAg - / Anti-HBc +
Tratamento com imunossupressor
Baixo risco (<1%) tradicional (AZA, MTX)
• Não está indicada
profilaxia
HBsAg + / Anti-HBc +
HBsAg - / Anti-HBc +
Tratamento com CE intra-articular

HBsAg + / anti-HBc +
HBsAg - / anti-HBc +
Tratamento com qualquer dose de CE
VO por < 1 semana

HBsAg - / anti-HBc +
Tratamento com dose baixa (<10mg
PDN) de corticoide por ≥ 4 semanas
TE 2009:
Sobre a segurança do uso de medicamentos biológicos, é correto afirmar:
a. O uso de medicamentos anti-TNF é seguro em pacientes com infecção crônica pelo
vírus da hepatite B.

b. O uso de tocilizumabe pode se associar a leucopenia e neutropenia com aumento


significativo de infecções bacterianas.

c. O uso de novos agentes anti-TNF, como o certolizumabe pegol e golimumabe, não se


associa a maior risco de reativação de tuberculose latente.

d. Leucoencefalopatia multifocal progressiva foi descrita com uso de rituximabe em


pacientes com lúpus eritematoso sistêmico.

e. O uso de rituximabe leva à diminuição de imunoglobulinas séricas, particularmente


IgG e IgM, aumentando o risco de infecções fúngicas.
TE 2009:
Sobre a segurança do uso de medicamentos biológicos, é correto afirmar:
a. O uso de medicamentos anti-TNF é seguro em pacientes com infecção crônica pelo
vírus da hepatite B.

b. O uso de tocilizumabe pode se associar a leucopenia e neutropenia com aumento


significativo de infecções bacterianas.

c. O uso de novos agentes anti-TNF, como o certolizumabe pegol e golimumabe, não se


associa a maior risco de reativação de tuberculose latente.

d. Leucoencefalopatia multifocal progressiva foi descrita com uso de rituximabe em


pacientes com lúpus eritematoso sistêmico.

e. O uso de rituximabe leva à diminuição de imunoglobulinas séricas, particularmente


IgG e IgM, aumentando o risco de infecções fúngicas.
TE 2018:
Em relação aos medicamentos biológicos, assinale a alternativa correta:

(A) Os DMARD biológicos apresentam riscos semelhantes de infecções graves


comparado com DMCD sintéticos.

(B) Os inibidores da interleucina 1 e 17 apresentam ação direta nos receptores


transmembrana das células inflamatórias, inibindo a ligação destas.

(C) Os DMARD biológicos não apresentam risco de neoplasias em geral, linfoma


ou cancer de pele não melanoma comparado com DMARD sintéticos.

(D) Biossimilares foram definidos pela OMS como um produto bioterapêutico


idêntico ao biológico original, sem proteção de patente, e mesmo perfil de
qualidade e eficácia.
TE 2018:
Em relação aos medicamentos biológicos, assinale a alternativa correta:

(A) Os DMARD biológicos apresentam riscos semelhantes de infecções graves


comparado com DMCD sintéticos.

(B) Os inibidores da interleucina 1 e 17 apresentam ação direta nos receptores


transmembrana das células inflamatórias, inibindo a ligação destas.

(C) Os DMARD biológicos não apresentam risco de neoplasias em geral, linfoma


ou cancer de pele não melanoma comparado com DMARD sintéticos.

(D) Biossimilares foram definidos pela OMS como um produto bioterapêutico


idêntico ao biológico original, sem proteção de patente, e mesmo perfil de
qualidade e eficácia.
TE 2017:
Em relação aos biossimilares, assinale a alternativa correta:

(A) Biossimilares são cópias exatas dos seus agentes biológicos de referência;

(B) Uma vez aprovado, um biossimilar pode ser intercambiado com o seu agente
biológico de referência;

(C) Para a aprovação de um biossimilar, os estudos analíticos e pré-clínicos são mais


extensos que os estudos clínicos de fase 3;

(D) Modificações pós-transducionais podem comprometer a ação efetora de um


biossimilar, mas o mesmo não ocorre com o seu agente biológico de referência;

(E) O biossimilar deve ter um perfil de eficácia e segurança superior ao seu agente
biológico de referência.
TE 2017:
Em relação aos biossimilares, assinale a alternativa correta:

(A) Biossimilares são cópias exatas dos seus agentes biológicos de referência;

(B) Uma vez aprovado, um biossimilar pode ser intercambiado com o seu agente
biológico de referência;

(C) Para a aprovação de um biossimilar, os estudos analíticos e pré-clínicos são mais


extensos que os estudos clínicos de fase 3;

(D) Modificações pós-transducionais podem comprometer a ação efetora de um


biossimilar, mas o mesmo não ocorre com o seu agente biológico de referência;

(E) O biossimilar deve ter um perfil de eficácia e segurança superior ao seu agente
biológico de referência.
TE 2017:
Em relação ao pré-operatório de pacientes em terapia biológica. Assinale
a afirmativa correta:
(A) Não é necessária a retirada de anti-TNF alfa para cirurgias de médio porte
ortopédicas.

(B) Não é necessária a retirada de biológicos para cirurgias de baixo risco infeccioso,
pequeno porte e sem outras complicações clínicas.

(C) Todos os biológicos devem ser suspensos, independente do porte cirúrgico, por pelo
menos 4 meias vidas, antes dos procedimentos.

(D) Apenas os anti-TNF alfa devem ser suspensos antes da cirurgia, por aumentarem
infecções de ferida operatória.

(E) Tocilizumabe não deve ser suspenso no pré-operatório porque não reduz IgG.
TE 2017:
Em relação ao pré-operatório de pacientes em terapia biológica. Assinale
a afirmativa correta:
(A) Não é necessária a retirada de anti-TNF alfa para cirurgias de médio porte
ortopédicas.

(B) Não é necessária a retirada de biológicos para cirurgias de baixo risco infeccioso,
pequeno porte e sem outras complicações clínicas.

(C) Todos os biológicos devem ser suspensos, independente do porte cirúrgico, por pelo
menos 4 meias vidas, antes dos procedimentos.

(D) Apenas os anti-TNF alfa devem ser suspensos antes da cirurgia, por aumentarem
infecções de ferida operatória.

(E) Tocilizumabe não deve ser suspenso no pré-operatório porque não reduz IgG.
Gestação e medicamentos
• Ciclofosfamida: Contraindicado na gestação e lactação – má formação
• MMF: Aguardar 6 semanas a 3 meses após a interrupção da medicação para
gestação ou aleitamento
• MTX:
▫ Mulheres: Contraindicado na gestação e aleitamento; Aguardar 3 meses para
concepção
▫ Homens: Oligospermia transitória; Sem efeitos adversos na gestação
• Leflunomida: Contraindicada na gestação e aleitamento. Interromper 3 meses a 2
anos antes da concepção
• Sulfassalazina: reduz a espermatogênese
• Biológicos: contraindicados
• Permitidos: Azatioprina, HCQN, corticoide
TE 2011:
Assinale o medicamento que pode causar redução da
espermatogênese, como efeito colateral:

(A) celecoxibe
(B) predinisolona
(C) sulfassalazina
(D) colchicina
(E) difosfato de cloroquina
TE 2011:
Assinale o medicamento que pode causar redução da
espermatogênese, como efeito colateral:

(A) celecoxibe
(B) predinisolona
(C) sulfassalazina
(D) colchicina
(E) difosfato de cloroquina
TE 2009:
Assinale a alternativa correta em relação ao uso de drogas na gestação:
a. Antiinflamatórios não hormonais podem causar bloqueio na implantação do
blastocisto e reduzir chance de gravidez.

b. A hidroxicloroquina é contra-indicada na gestação, devido ao risco de retinopatia no


feto.

c. A sulfasalazina está associada à infertilidade em ambos os sexos.

d. O FDA classifica o metotrexate e a azatioprina como sendo da classe X.

e. A colestiramina na dose de 2g ao dia por 7 dias deve ser utilizada em mulheres que
usam leflunomide e queiram engravidar.
TE 2009:
Assinale a alternativa correta em relação ao uso de drogas na gestação:
a. Antiinflamatórios não hormonais podem causar bloqueio na implantação do
blastocisto e reduzir chance de gravidez.

b. A hidroxicloroquina é contra-indicada na gestação, devido ao risco de retinopatia no


feto.

c. A sulfasalazina está associada à infertilidade em ambos os sexos.

d. O FDA classifica o metotrexate e a azatioprina como sendo da classe X.

e. A colestiramina na dose de 2g ao dia por 7 dias deve ser utilizada em mulheres que
usam leflunomide e queiram engravidar.
TE 2017:
Em relação ao uso de fármacos durante a concepção e gestação, assinale
a afirmativa correta:
(A) Todos devem ser suspensos em pacientes com LES em remissão, devido ao risco teratogênico
fetal.

(B) O uso de AINH não interfere na implantação do blastocisto e pode ser mantido até duas
semanas antes do parto.

(C) O uso de anti-TNF alfa é contra-indicado durante toda a gestação, pois atravessa a barreira
placentária.

(D) A sulfassalazina reduz a espermatogênese e a mobilidade do espermatozóide de forma


temporária.

(E) O metotrexate pode ser mantido no homem com artrite reumatoide durante a fase de
concepção.
TE 2017:
Em relação ao uso de fármacos durante a concepção e gestação, assinale
a afirmativa correta:
(A) Todos devem ser suspensos em pacientes com LES em remissão, devido ao risco teratogênico
fetal.

(B) O uso de AINH não interfere na implantação do blastocisto e pode ser mantido até duas
semanas antes do parto.

(C) O uso de anti-TNF alfa é contra-indicado durante toda a gestação, pois atravessa a barreira
placentária.

(D) A sulfassalazina reduz a espermatogênese e a mobilidade do espermatozóide de forma


temporária.

(E) O metotrexate pode ser mantido no homem com artrite reumatoide durante a fase de
concepção.

Você também pode gostar