Você está na página 1de 24

ARQUIDIOCESE DE NATAL

ÉTICA DA VIDA E A PESSOA IDOSA


Sebastião Jacinto dos Santos

Dia da Avó
Comecemos este momento com uma pequena história:

O Mito da Esfinge
CONCEPÇÕES NORTEADORAS

O amor constitui o fundamento biológico do social;

O processo de conhecer é o processo de viver;

A autopoiése e a cognição unificam em si a força da vida


e a atividade da consciência;

A vida é o fundamento da educação;

A realidade é um nível de consciência: a linguagem,


pensamento e consciência configuram a realidade.
•Visão e situação orgânica de mundo;

•Comunidades coesas, relativa autonomia,


vivenciando mais proximamente os processos
sócio-naturais (clima, terra, relação social,
medicamentos);

•Interdependência entre fatores espirituais e


materiais, com a prioridade da comunidade
sobre o individuo;

•Inserção no Cosmos e ligação às questões


éticas.

O Mundo Antigo e Medieval


O Paradigma cartesiano-baconiano da
modernidade científica e industrial

Mutação na visão de

mundo, no sistema de

valores e na construção da

civilização a partir do séc.

XVI e XVII
Revolução Científica

O universo começa a perder tais características,


imperando a metáfora cartesiana de

HOMEM ↔ MAQUINA


MECANICISMO


MATERIALISMO FÍSICO
A PERDA DA FÉ NA ORDEM ANTIGA

► Cria um vácuo de legitimação do


saber humano;

► A razão humana passou a ser


entronizada como princípio último
da fundamentação do que deveria
ser admitido como cartesianismo
verdadeiro;

► Ocorre a “autonomia” da razão


em processo de conquista do ► As ciências tornam-se objetificantes
mundo como objeto; e implicam na “alienação do homem em
relação ao ambiente que o sustenta”.
C
A
P
I
T
A
L
I
S
M
O
E
“O envelhecimento pode gerar
N
incapacidade e dependência que
V
requer serviços orientados a sua
E
atenção integral”.
L
H
E
C
E
R
P
R
A velhice, um fator natural ligado
I
M ás fases humanas, é vista
A preconceituosamente. “A sociedade
V rejeita o velho”, discute BOSI
E (1994,p.77), “não oferece nenhuma
R
sobrevivência á sua obra. Perdendo a
A
força de trabalho ele já não é produtor
D nem reprodutor.”
A

V
I
D BOSI, Ecléia. Memória e Sociedade: lembranças de velhos.
São Paulo: Companhia das Letras, 1994.
A
P
R
I
A velhice não pode ser
M reduzida a uma situação de
A abandono, de desprezo de
V
E ausência de papéis sociais.
R
A

D
A

V
I
D
A
P
R
I A ética da vida na terceira
M idade busca, sobretudo,
A
V resgatar a alto-estima, através
E te atividade que desenvolvam o
R
A sentido do afeto e da acolhida.
D
A

V
I
D
A
P
Recorremos a Freire (2000, p.28), quando destaca algumas
R estratégias para chegar a uma velhice satisfatória:
I
M
A 3) Em virtude da heterogeneidade no envelhecimento, é importante evitar
soluções simples e encorajar a flexibilidade individual e social;
V
4) Aperfeiçoar as habilidades sociais;
E
R 5) Cultivar novos hábitos (mentais e físicos);

A 6) Engajar-se em atividade produtiva;

7) Desenvolver uma filosofia que dê significado para a vida.


D
A

V
I
D FREIRE, Aparecida. Sueli. Envelhecimento bem sucedido e
bem-estar psicológico. In: E por falar em boa velhice. ANITA

A Néri (Org.). Campinas: São Paulo : Papirus, 2000.


P
R
I “É relativamente comum encontrarmos
M
entre idosos, principalmente quando
A
V doentes, uma diminuição na satisfação da
E vida, na auto-estima e na autonomia, além
R de quadros de depressão, de ansiedade e
A
solidão”.
D
A

V
I
D
A
Os Efeitos da Globalização

O idoso →

não pode ficar em uma condição de


ser ilhado frente aos problemas do
momento histórico presente.
Art. 9o É obrigação do Estado, garantir
à pessoa idosa a proteção à vida e à saúde,
mediante efetivação de políticas sociais
públicas que permitam um envelhecimento
saudável e em condições de dignidade.
Estatuto dos Idosos
GERONTOLOGIA

Estudo sobre o
envelhecimento humano,
incluindo aspectos
fisiológicos, psicológicos e
sociais.
GERIATRIA

Especialidade médica relacionada ao


estudo, prevenção e tratamento
de doenças relacionadas ao
envelhecimento.
“O idoso, é uma jóia que
foi lapidada no decorrer de
sua existência, com
capacidades múltiplas, a
ensinar aos mas novos os
segredos da vida”.
Até 2050, o número de idosos
aumentará em aproximadamente de
600 milhões a quase 2 bilhões. No
decorrer dos próximos 50 anos
haverá no mundo, pela primeira vez
na Historia, mais pessoas acima de
60 anos que menores de 15.
Na África se diz,
quando morre um ancião,
que desaparece uma
biblioteca. Talvez o
provérbio varie de um
continente a outro, mas seu
significado é igualmente
certo em qualquer cultura.
As pessoas idosas são
intermediárias entre o
passado, o presente e o
futuro. Sua sabedoria e
experiência constituem
verdadeiro vínculo vital
para o desenvolvimento da
sociedade.
DISCURSO DO SR. KOFL ANNAN,
SECRETÁRIO GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS
Atividades Governamentais a Favor dos Idosos

II Assembléia Mundial do Envelhecimento realizada de


8 a 12 de abril de 2002, em Madri, promovida pela ONU -
Plano de ação internacional sobre o envelhecimento.

Segunda Conferencia regional intergubernamental


sobre envejecimiento em América Latina y el Caribe:
hacia una sociedad para todas las edades y de protección
social basada en derechos - Brasilia, 4 al 6 de diciembre de
2007.