Você está na página 1de 36

9641 - Cuidados de

saúde primários para


crianças e jovens

Isabel Mota
objetivos
• Identificar os determinantes da promoção da saúde e prevenção da doença.
• Identificar os principais problemas de saúde da crianças e do jovem.
• Implementar medidas de prevenção e atuação em situação de doença.
Conteúdos
• Conceito de saúde
• Abordagem holística de saúde
• Capacitação dos cuidadores
• Saúde mental e prevenção da violência
• Alimentação saudável
• Atividade física
• Mobilidade segura e sustentável
• Alteração do estado de saúde – sinais
• Prevenção de comportamentos aditivos e dependências.
Conteúdos
• Conceito de saúde
• Abordagem holística das saúde
• Capacitação dos cuidadores
• Saúde mental e prevenção da violência
• Alimentação saudável
• Atividade física
• Mobilidade segura e sustentável
• Alteração do estado de saúde- sinais
• Prevenção de comportamentos aditivos e dependências
Conteudos
• Estratégias de promoção da inclusão de crianças e jovens com necessidades
de saúde especiais.
• Desenvolvimento de competências sociais e emocionais para a tomada de
decisões responsáveis em saúde.
• Plano nacional de vacinação
• Estratégias de atuação do/a cuidador/a em casos de doenças não
transmissíveis e doenças transmissíveis.
Conteudos
• Medida de prevenção e atuação
• Alterações respiratórias
• Alterações gastrointestinais
• Casos de desidratação
• Febre/convulsões
• Parasitoses
• Intoxicações
• Infeções urinárias
• Pediculose
• Doenças infectocontagiosas
• Outras
• Medidas de prevenção e atuaçãoConteudos
para crianças e jovens co necessidades de saúde
especificas
• Crianças e jovem com doença cronica complexa
• Criança e jovem com doença aguda
• Criança e jovem com alergias e intolerância alimentares
• Criança e jovem com diabetes

• Evicção escolar
• Linhas de aconselhamento de saúde
• Linha de saúde 24
• Outras linhas de apoio e aconselhamento
Conceito de saúde
• O conceito de saúde foi definido em 1946 pela Organização Mundial de
Saúde (OMS) como, “um estado de completo bem estar físico, mental social,
e não apenas ausência de doença ou enfermidade”. No entanto, a sua
definição pelos peritos está longe de ser uma tarefa fácil, porque tanto o
conceito de saúde como o conceito de doença diferem de pessoa para pessoa
consoante o seu projeto «pessoal de vida e d elaboração do que são as suas
próprias experiencias de saúde-doença-cuidado (Ayres,2007)
Bordagem holística da saúde
• O debate sobre visão cientifica e holística da saúde está ai. Por todo o
mundo, desde a Califórnia ao Brasil, ao Mediterrâneo, ao Oriente, este tema,
está na ordem do dia. Cuidar de todos os aspetos que influenciam a saúde é
cada vez mais importante. Os temas dos debastes atuais vão cada vez mais
no sentido de amor a atenção para compreender e tratar a saúde de uma
forma ampla e integrada. Para tratar bem os doentes é necessário
compreender esta abrangência, compreende como as terapias completares
podem estar ao lado dos tratamentos científicos, associados a tratamentos
ditos “naturais” e “do espírito”.
Abordagem holística da saúde
• Segundo o paradigma holístico, a saúde apresenta-se como uma abordagem
global da pessoa. A doença, nessa visão, tem um carater multifatorial e o
próprio tratamento deve alavancar a reposição do equilíbrio do corpo e do
espirito. António Damásio, cientista de nível mundial, dá exemplos de inter-
relação entre o corpo e a mente, que constituem uma unidade.
Saúde mental e prevenção da violência
• A saúde mental e prevenção da violência considera-se de inevitável abordagem nas escolas,
uma vez que é transversal a todas as outras áreas prioritárias da educação par a saúde. Os
termos do Plano Nacional de Saúde Mental (2007-2016), os estabelecimentos de ensino
devem ter como preocupação e implementação de programas de prevenção validados,
direcionados para as áreas e grupos mais vulneráveis.
• Objetivos:
• Identificar os vários tipos de comportamentos relacionados com a violência;
• Apoiar ações de sensibilização e de promoção da saúde mental;
• Promover uma intervenção continuada e baseada no conhecimento, em parceria com instituições
competentes na matéria.
Problemas de saúde mental: o que são?
A definição de Saúde Mental da Organização Mundial de Saúde salienta as
seguintes características:
• “as crianças e adolescentes com saúde mental são capazes de alcançar e
manter o bem estar, bem como um funcionamento psicológico e social
ótimo. Tem uma imagem positiva e valoriza se si mesmos relações como
familiares e com os pares, capacidades de serem produtivas e de aprender,
bem como de lidar com desafios típicos do bdesenvolvimentoe de usar os
recursos culturais para maximizar o seu crescimento.”
Problemas de saúde mental: o que são?
• Numa perfectiva de desenvolvimento, podemos dizer que a saúde mental se traduz numa
relação satisfatória com o próprio (construção ode uma identidade e autoconceito
positivos), como os outros (família, pares, amigos, colegas, etc) e com os ambientes onde
desenvolve o seu quotidiano (casa, bairro, escola, centro de formação, etc).
• Ao longo do crescimento a criança realiza um conjunto de aprendizagens que lhe permitem
responder adequadamente aos desafios que o meio lhe coloca, de forma cada vez mis
autónoma.
• Se neste percurso a criança se deparar com exigências para as quais ainda não se encontra
capaz de responder e se o ambiente não lhe proporcionar apoios adequados para o fazer,
isso constitui um fator de risco ao aparecimento de um problema de saúde mental.
Problemas de saúde mental: o que são?
• Alguns problemas traduzem-se em experiencias internas como alterações
do foro emocional (ansiedade ou tristeza elevada, etc) ou ao nível do
pensamento (dificuldades de atenção ou concentração, na compreensão dos
estados emocionais e intenções dos outrs, tc).
• Outros assumem formas mais externalizantes como por exemplo,
problemas do comportamento, abuso de substancias, entre outros.
• No entanto, não é nenhum destes sintomas que permite o diagnóstico de um
problema de saúde mental.
Problemas de saúde mental: o que são?
• Para falarmos em problemas de saúde mental terão que estar presentes mais
duas condições: existir sofrimento e o funcionamento da crianças ou jovens
se encontrar afetado.
• Cada uma destas dimensões tem que estar significativamente afetas, quer seja
pela frequência, intensidade ou pela abrangência de ambientes e situações em
que se manifesta o sintoma.
OMS
A Organização Mundial de Saúde (OMS) estima que cerca de 20% das crianças e adolescentes apresente pelo menos um
problema de saúde mental antes de atingir aos 18 anos de idade. No entanto, os diferentes problemas manifestam-se em
determinados intervalos de idade ao longo do desenvolvimento. A titulo de exemplo, consultemos o seguinte quadro:

Perturbação 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18
Vinculação

Global do
desenvolvimento

Disruptiva do
comportamento

Hunor/ansiedade

Abuso de substâncias

Psicose
Fatores de risco e proteção em saúde mental no
contexto escolar
• Existe um conjunto de fatores que podem afetar a saúde mental da criança
ou adolescente.
• Estes fatores podem ser designados genericamente de fatores de risco e de
proteção.
• Os primeiros referem-se a condições que aumentam a probalidade de de
ocorrência de problemas de saúde mental, enquanto os segundos moderam
os efeitos da exposição ao risco.
Podemos encontrar fatores de risco e de
proteção ao nível biológico, psicológico e
social, apresentando de seguida um quadro
resumo:
Em síntese, podemos encontrar os seguintes
fatores de risco e de proteção no espaço
escolar:
Alimentação saudável
• A prático de uma alimentação saudável supõe que esta deva ser completa,
variada e equilibrada, proporcionando energia adequada e bem-estar físico ao
longo do dia. Além disso, a sua pratica esta associada à prevenção de doenças
cronicas.
• Todos os dias, somos seriamente confrontados com a necessidade de realizar
escolhas alimentares em situações como a visita ao nosso restaurante favorito
ou a ida ao supermercado. Nessa alturas é necessários de uma alimentação
saudável.
Alimentação saudável
• Uma alimentação salutar apresenta variados benefícios, como fornecer a energia e
nutrientes necessários ao bom funcionamento do organismo, ajudar à manutenção
do nosso estado de saúde físico e mental, contribuir para o adequado crescimento e
desenvolvimento das crianças e adolescentes, entre outros.
• Nas ultimas décadas, a informação disponível parece indicar m consumo crescente
de produtos de origem animal (nomeadamente carne e gordura) e da ingestão
energética, com consequente aumento da proporção das doenças cronicas
(obesidade, diabetes, doença cardiovascular, Entre outras). Assim torna-se urgente
alterar os padrões alimentares atuais, sendo que o principal objetivo de espaço
consiste na divulgação de recomendações/orientações que permitem fornecer ao
leitor as bases necessárias para a implementação de uma alimentação saudável.
Alimentação nas escolas
• A escola é um local privilegiado e decisivo para a modelação da saúde,
nomeadamente para o ensino e prática diária de uma alimentação saudável e
de atividade fica. Os documentos orientadores que se apresentam, refletem o
esforço das comunidades educativas para a que a oferta aliematr em meio
escolar seja cada vez mais adequada nutricionalmente.
Alimentação nas escolas
• Nos últimos anos, diversas orientações forma produzidas pelo Ministério da
educação em conjunto com a Saúde para que a oferta de alimentos no interior das
escolas seja cada vez mais saudável, sem perder contudo o seu sabor e diversidade.
• A capacitação dos jovens para a toada de decisões saudáveis no momento da escola
e consumo de alimentos pode não ser suficiente. Em particular, se o ambiente que
os rodeia dificultar essa escolha. Se as escolas forem locais onde existe uma oferta
alimentar contraria ao que é ensinado e preconizado no interior das salas e aula,
torna-se difícil a missão do professor e da própria escola.
Atividade física
• Atividade física é qualquer movimento corporal produzido pela musculatura que
resulte num gasto de energia acima do nível de repouso. exemplos: caminhar para a
deslocar de um lugar a outro, passear com o cachorro, dançar, entre outros.

• Podemos acrescentar que é também qualquer esforço muscular pré determinado,


destinado a executar uma tarefa, seja ela um “piscar dos olhos”, um deslocamento
dos pés, e até um movimento complexo de fintar em alguma competição esportiva.
Atividade física
• A OMS (2010), apresenta diferentes recomendações para a pratica de
atividade físicas, de acordo com cada faixa etária.
• Para as crianças e adolescentes com idades compreendidas entre os 5 e os 17
anos a recomendações passam por, pelo menos, 60 minutos diários de
atividade física moderada e vigorosa. A maioria desta atividade deverá ser
aeróbia, no entanto pelo menos 3 vezes por semana, deverão ser realizadas
exercícios que fortaleçam o músculos e o osso.
Ação de saúde para crianças e jovens em risco
• A “Ação de Saúde para crianças e jovens em riso” (ASCJR) foi criada pelo Despacho nº.31292 de
5 de Dezembro, tendo como principal objetivo a criação de uma resposta estruturada do Serviço
Nacional de saúde ao fenómeno dos Maus Tratos, através do desenvolvimento da “Rede
Nacional de Núcleos de apoio à crianças e jovens em risco” quer a nível dos cuidados de saúde
primários, quer a nível dos hospitais com atendimento pediátrico.
• a coordenação da ASCJR, a nível nacional, compete a Direção-geral da Saúde, através de uma
comissão de acompanhamento.
• A coordenação, acompanhamento e execução da ASCJR, a nível regional, cabe *as administrações
regionais de saúde, nomeadamente no que respeita a alocação e gestão de recursos humanos,
físicos e materiais, a formação em serviço, ao financiamento da atividade dos núcleos e aos
procedimentos administrativos, dentro da organização e recursos já existentes.

Você também pode gostar