Você está na página 1de 79

CESOL- 15.

2
Metais de Base

NORMAS ASTM

Prof.: M.Sc. Antonio Fernando de carvalho Mota

1
Metais de Base
• OBJETIVOS:
 Identificar e localizar as especificações ASTM acerca
de metais de base;

 Saber a estrutura das especificações ASTM de metais


de base e a maneira de utilizá-las;

 Verificar se as marcações em um dado metal de base


atendem aos requisitos da especificação ASTM
pertinente;

 Designar os aços inoxidáveis de acordo com a


classificação AISI;
 Diferenciar especificações de classificação.
2
CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS

• Aço ABNT NBR 6006 1020

NBR 6006 = Número de registro da norma


10 = Classe = Aço carbono
20 = percentagem do carbono x 100
%C = 20/100 = 0,20

3
SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DOS AÇOS
SAE (Society Automotive Engineers) e ABNT
ABNT- NBR 6006 – Classificação por composição química de aços
para construção mecânica. XX = teor de carbono em 0,01%
10XX  Aços-carbono de uso geral
11XX  Aços de fácil usinagem, com enxofre
13XX  Manganês (1,75%)
40XX  Molibdênio (0,25%)
43XX  Níquel(1,8%), Cromo (0,8%) e Molibdênio
(0,25%)
51XX  Cromo (0,8-1,05%)
86XX  Níquel (0,55%), Cromo (0,5%) e Molibdênio
(0,2%)
98XX  Níquel (1,0%), Cromo (0,8%) e Molibdênio
(0,25%)
4
Classificação dos aços-liga

• Aços de baixa liga – até 5% de elementos de liga


• Aços de média liga – mais de 5% a 10% de elementos
de liga
• Aços de alta liga – mais de 10% de elementos de liga

5
Carbono equivalente
• Carbono equivalente é um numero empírico que mede a
temperabilidade ou soldabilidade:

• CE = C + (Mn)/6 + (Cr+Mo)/5 + (V+Ni+Cu)/15


• Fórmula adotada pelo Welding Institute
• Onde:
Símbolo Nome
Mn manganês
Cr Cromo
Mo Molibdênio
V Vanádio
Ni Níquel
Cu Cobre

• Análise dos resultados:


• CE < 0,4 não é temperavel e de fácil soldagem;
• CE > 0,4 é temperavel e exige cuidados especiais na soldagem.
Aços de Alta Resistência e Baixa Liga (ARBL,BLAR ou HSLA)

• Aços de alta resistência e baixa liga, como diz o nome, são


aços com baixos teores de liga com altos limites de resistência.
• Eles tem as chamadas microadições de elementos de liga como
o Nb, Ti e/ou V e associados com os tratamentos termo
mecânicos tem microestrutura com grãos finos.
• Denominação: no Brasil estes aços são muitas vezes
referenciados como ARBL, BLAR ( Baixa Liga e Alta
Resistência),ou em inglês HSLA ( High Strenght Low Alloy)

7
Aços de Alta Resistência e Baixa Liga (ARBL,BLAR ou HSLA)

• CARACTERÍSTICAS:
São mais resistentes e tenazes do que aços carbono
convencionais
São dúcteis
Tem boa conformabilidade
São soldáveis.

• COMPOSIÇÃO:
A composição química de um aço BLAR pode variar de
um produto para outro.
• Um aço típico possui normalmente menos que 0,15% de Carbono,
1,65% de Manganês e níveis baixos (abaixo de 0,035%) de
Fósforo, enxofre e outros elementos.
• O baixo carbono garante boa conformabilidade e soldabilidade.
• A resistência destes aços é aumentada pela adição de pequenas
quantidades de elementos de liga , conforme mostra a tabela
abaixo 8
Aços de Alta Resistência e Baixa Liga (ARBL,BLAR ou HSLA)

9
Metais de Base
• NOÇÕES SOBRE ESPECIFICAÇÕES ASTM ACERCA DE METAIS DE
BASE
 As especificações ASTM acerca dos metais de base são normas
técnicas que visam padronizar as características dos materiais.
 Estas especificações encontram-se em um conjunto formado por 16
Seções (00, 01, 02,..., ... 16), subdivididas em volumes.
 Cada volume contém informações específicas a respeito de
determinados assuntos.
 EXEMPLOS:
 Volume 01.03 – (Steel-Plate, Sheet, Strip, Wire – Aços-Chapas,
Folhas, Fitas, Arames; Produtos com Revestimento Metálico).
 Volume 01.04 – (Steel-Structural, Reinforcing, Pressure, Vessel,
Railway – Aço-Estrutural, Armação, Vasos de Pressão, Ferrovia;
Elementos de Ligação).

ASTM - American Society for Testing and Materials (Sociedade


Americana para Testes e Materiais).
10
Metais de Base
• SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO DAS NORMAS ASTM
 A identificação das normas ASTM tem a seguinte forma:

 Onde:
 1º- Este dígito representado por uma letra maiúscula indica a que grupo
pertence a norma, dentro das seguintes classes:
 A – Metais ferrosos.
 B – Metais não-ferrosos.
 C – Aglutinantes, cerâmica, concreto e materiais de alvenaria.
 D – Materiais diversos.
 E – Assuntos diversos.
 F – Materiais para aplicações específicas.
 G – Corrosão, deterioração e degradação de materiais.
 E5- Normas de última hora. 11
Metais de Base
• SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO DAS NORMAS ASTM

 2º - Estes dígitos, em número de um a quatro, são representados


por números que não têm nenhum significado lógico e que
correspondem apenas à ordem cronológica de numeração das
normas.
 Para cada grupo geral há uma seqüência numérica corresponde.
 EXEMPLO:
 A1, A2, A3, ...
 B1, B2, B3, ...
 C1, C2, C3, ...
 Assim, com relação às normas A 432 e A 433, sabe-se que a norma
A 433 foi apresentada em etapa posterior à primeira edição da
norma A 432. 12
Metais de Base
• SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO DAS NORMAS ASTM

 3º - Estes dígitos indicam o ano de emissão original ou de


adoção como norma ou, no caso de revisão, o ano da
última revisão.
 4º- Estes dígitos, quando existem, são apresentados entre
parênteses, e indicam o ano da última re-aprovação, sem
alteração, da norma.

13
Metais de Base
• SISTEMA DE IDENTIFICAÇÃO DAS NORMAS ASTM

 5º- Este dígito, quando existe, é representado por uma letra minúscula,
e indica o número de revisões sofridas pela norma no ano de
aprovação da mesma (a = segunda revisão, b = terceira revisão, e
assim por diante).
 Se este dígito é representado por uma letra T maiúscula, indica que o
documento representa uma tentativa de norma técnica.
 EXEMPLO:

Sofreu duas
Revisões no ano
da aprovação
14
Metais de Base
• ORGANIZAÇÃO DOS VOLUMES DE NORMAS ASTM
 Como já foi visto, cada volume de normas contém assuntos
específicos.
 As normas de cada volume são ordenadas seqüencialmente, de
acordo com os caracteres alfanuméricos que constituem a
identificação das mesmas.
EXEMPLO:
Seqüência de ordenação do volume 02.02 (Die-Cast Metals; Aluminum
and Magnesium Alloys – Moldes Fundidos de Metal; Ligas de Alumínio
e Magnésio)
B 6-70, B 26-75, ... E 8-69, E 88-58, ...

 O volume 00.01 ASTM constitui um índice geral que contém:


a) listagem identificando todos os volumes das normas ASTM;
b) índice remissivo de todos os assuntos incluídos nos volumes;
c) listagem alfanumérica das normas ordenadas seqüencialmente.

15
Metais de Base
• COMO CONSULTAR A COLEÇÃO DE NORMAS ASTM
 Existem duas formas diferentes de se fazer a consulta:

1. Deseja-se conhecer as especificações contidas na coleção de


normas ASTM sobre um determinado assunto.

2. Deseja-se localizar na coleção de normas ASTM uma dada


especificação.

16
Metais de Base
• Como conhecer as especificações contidas na coleção de
normas ASTM sobre um determinado assunto
Procedimento de consulta:
Consulta-se o índice remissivo contido no volume 00.01, que indicará:
- a identificação das normas ASTM sobre o assunto;
- os volumes nos quais se encontram as normas identificadas.
EXEMPLO:
• Deseja-se identificar na coleção ASTM as especificações sobre
tubulações de aço para serviços em baixa temperatura (“Seamless
and Welded Steel Pipe for Low – Temperature Service”).
• Consulta-se no índice remissivo do volume 00.01 o assunto
pretendido - Steel Pipe (tubulação de aço) Seamless/Welded for low-
temperature service (com costura ou sem costura para serviços em
baixa temperatura).
• Identifica-se então a especificação desejada, obtendo-se a seguinte
informação; (A 333) 01.01. Isso significa que a especificação
desejada é a A 333, que consta do volume 01.01 da coleção ASTM.

17
Metais de Base
• Como localizar na coleção de normas ASTM uma dada
especificação

Procedimento de consulta:
• Consulta-se, no volume 00.01, a listagem alfanumérica das normas
ordenadas seqüencialmente, que indicará o volume (ou volumes) em
que consta a especificação desejada.
EXEMPLO:
Deseja-se localizar na coleção de normas ASTM a especificação A 370 –
Methods and Definitions or Mechanical Testing of Steel Products
(Métodos e Definições para Ensaios Mecânicos de Produtos de Aço).
Procedimento de consulta:
Consulta-se o volume 00.01 (índice) na listagem alfanumérica, seguindo
a ordenação crescente de letras e números, chega-se à
especificação A 370-76 seguida dos números 01.01, 01.02, 01.03,
01.04, 01.05 e 03.01.

18
Metais de Base
• ESPECIFICAÇÕES ASTM ACERCA DE METAIS DE BASE
Simplificadamente as especificações ASTM que mais interessam à atividade
de soldagem podem ser reunidas em três grupos (I, II, III) a saber:

GRUPO I: Especificações que agrupam os materiais de acordo com suas


características, comportamento mecânico e utilização. Este grupo de
especificação indica uma série de requisitos para o enquadramento
dos materiais como, por exemplo, limite mínimo de resistência à
tração, alongamento mínimo, faixa permissível de composição química,
etc.
Exemplos de especificação deste grupo:
A 335 – Seamless Ferritic Alloy-Steel Pipe for Higt Temperature Service
(Tubos sem costuras de aço liga ferrítico para serviços em alta temperatura).

A 515 – Pressure Vessel Plates, Carbon Steel, for Intermediate – and Higher
– Temperature Service (Chapas de aço carbono para vasos de pressão para
serviços em média e alta temperatura).

A 516 – Pressure Vessel Plates, Carbon Steel, for Moderate – and Lower –
Temperature Service (Chapas de aço carbono para vasos de pressão para
serviços em temperaturas baixas e moderadas).
19
Metais de Base
• ESPECIFICAÇÕES ASTM ACERCA DE METAIS DE BASE
Exemplos de itens comumente encontrados em especificações do grupo I:

a) Escopo – indica o campo de aplicação da especificação, bem como os materiais nela contidos.

b) Documentos aplicáveis – lista outras especificações indicadas no texto.

c) Requisitos gerais – normalmente, neste item, indica-se uma especificação ASTM que define
requisitos gerais como, por exemplo, tolerâncias dimensionais e de peso, modo de identificação do
material (marcações), critérios de avaliação de descontinuidades originadas na fabricação, etc.

d) Fabricação – indica requisitos de fabricação dos materiais.

e) Tratamento térmico – indica, normalmente em função da espessura, os tratamentos térmicos


que devem ser executados nos materiais.

f) Composição química – indica a faixa de composição permissível a cada material.

g) Requisitos mecânicos – indica os ensaios mecânicos requeridos e as propriedades mecânicas


mínimas para material.

h) Requisitos suplementares – em algumas especificações são listados requisitos suplementares


que, embora não sejam necessários de acordo com a especificação, podem ser requeridos,
conforme o desejo do comprador.
20
Metais de Base
• ESPECIFICAÇÕES ASTM ACERCA DE METAIS DE BASE
GRUPO II: Especificações que definem requisitos gerais para os produtos de
acordo com a sua forma e utilização. Estas especificações indicam
requisitos gerais como, por exemplo, tolerâncias dimensionais e de
peso, número de ensaios mecânicos a serem executados, modo de
embalagem e identificação dos produtos, etc. Cada especificação deste
grupo é chamada por uma série de especificações do grupo I.

Exemplos de especificações deste grupo:

A 6 – General Requirements for Rolled Steel Plates, Shapes, Sheet Piling, And
Bars For Structural Use (Requisitos Gerais para Chapas Laminadas De Aço,
Perfis, Estacas-Prancha e Barras Para Uso Estrutural).

A 20 – General Requirements For Steel Plates For Pressure Vessels (Requisitos


Gerais Para Chapas de Aço Utilizadas em Vasos de Pressão).

A 530 – General Requirements For Specialized Carbon And Alloy Steel Pipe
(Requisitos Gerais Para Tubos de Aços Carbono e Baixa Liga Especiais).

21
Metais de Base
• ESPECIFICAÇÕES ASTM ACERCA DE METAIS DE BASE
Exemplos de itens comumente encontrados em especificações do grupo II:

a) Escopo – indica o campo de aplicação da especificação. Normalmente indica as


especificações do grupo I em que se aplica.

b) Documentos aplicáveis –lista outras especificações indicadas no texto.

c) Definição – define os termos julgados necessários par o entendimento da norma.

d) Tolerâncias dimensionais – definem limites dimensionais para cada produto.

e) Qualidade – define limites para descontinuidades originadas na fabricação do


produto.

f) Ensaios mecânicos – indica a quantidade de ensaios mecânicos que devem ser


executados, localização para a retirada de corpos de prova, etc.

g) Identificação – define o modo e o que deve conter a identificação dos produtos.

22
Metais de Base
• ESPECIFICAÇÕES ASTM ACERCA DE METAIS DE BASE

GRUPO III – Especificações que definem procedimentos para os


ensaios previstos nas especificações do grupo l. Estes tipos de
especificações definem procedimentos de ensaio como, por
exemplo, dimensões dos corpos de prova, características
necessárias às máquinas de ensaio, critérios de avaliação dos
resultados dos ensaios, etc.

Exemplos de especificação deste grupo:

A 370 – Methods and Definition for Mechanical Testing of Steel


Products (Métodos e Definições para Ensaios Mecânicos de Produtos
de Aço).

23
Metais de Base
• MARCAÇÃO DO METAL DE BASE DE ACORDO COM AS
ESPECIFICAÇÕES ASTM

As especificações ASTM prevêem que o material de base seja


marcado de forma a que se possibilite identificá-lo facilmente.
Para se verificar a maneira com que o metal de base deve ser
marcado, deve-se observar os requisitos das especificações do
grupo I e do grupo II.

EXEMPLO:
Como devem ser feitas as marcações para identificar uma chapa
de 3000 x 2000 x 25 mm de aço carbono-manganês de
especificação ASTM A 516 Grau 70 ?

24
Metais de Base
• MARCAÇÃO DO METAL DE BASE DE ACORDO COM AS
ESPECIFICAÇÕES ASTM
Procedimento de consulta:
a) Verificar se na especificação A 516 existe algum requisito quanto à
marcação do material (ver item 3.1 da A 516).
Resposta: “Deve ser de acordo com a especificação A 20”.
b) Consultar a especificação A 20 – item 13.1
Resposta: “Deve ser conforme figura.

25
Metais de Base
• NOÇÕES SOBRE CLASSIFICAÇÃO AISI PARA AÇOS
INOXIDÁVEIS
A classificação AISI (American Iron and Steel institute) para aços
inoxidáveis está contida no Manual de Produtos de Aço AISI para
aços inoxidáveis e aços resistentes ao calor (Steel Products
Manual AISI – Stainless and Heat Resisting Steels).
Os aços inoxidáveis, segundo a AISI, são classificados tomando-se
por base:
a) a microestrutura do aço;
b) a composição química do aço.
A classificação AISI para aços inoxidáveis tem a seguinte forma:

26
Metais de Base
• NOÇÕES SOBRE CLASSIFICAÇÃO AISI PARA AÇOS
INOXIDÁVEIS

1º- O primeiro dígito indica a micro-estrutura do aço, podendo ser:


a) 2 ou 3  aços inoxidáveis austeníticos;
b) 4  aços inoxidáveis ferríticos ou martensíticos.
2º- Os dois dígitos que se seguem ao primeiro, particularizam uma
determinada faixa de composição química para cada aço. São
representados por algarismos e não têm significado lógico.
3º- O último dígito que aparece algumas vezes na classificação AISI
para aços inoxidáveis, diferencia aços de classificação semelhante e
significa que um dos elementos químicos constituintes do aço tem a
faixa de composição alterada em relação à classificação que não
contém este dígito.
O último dígito é representado por uma letra maiúscula ou pelo símbolo
do elemento em questão. 27
Metais de Base
• NOÇÕES SOBRE CLASSIFICAÇÃO AISI PARA AÇOS
INOXIDÁVEIS

EXEMPLOS:
304 - aço inoxidável austenítico com %C < 0,08
304 L - aço inoxidável austenítico com %C < 0,03 (demais elementos
idênticos ao 304)
Observação : A letra L significa low carbon (baixo carbono)

409 - aço inoxidável ferrítico com %C < 0,08


430 - aço inoxidável ferrítico com %C < 0,12
410 - aço inoxidável martensitico com %C < 0,15 (máx.)
420 - aço inoxidável martensitico com %C  0,15 (mín.)

Fonte: ACESITA – CIA. AÇOS ESPECIAIS ITABIRA


28
Metais de Base
• NOÇÕES SOBRE CLASSIFICAÇÃO AISI PARA AÇOS
INOXIDÁVEIS

29
Metais de Base
• DIFERENÇA ENTRE CLASSIFICAÇÃO E ESPECIFICAÇÃO
Especificação é uma descrição precisa de um conjunto de requisitos a
serem satisfeitas pelo material, indicando, nos casos apropriados, os
procedimentos de verificação dos requisitos a serem atendidos pelo
material.

Classificação define uma sistemática de arranjo ou divisão dos materiais em


grupos, baseada em características similares como a composição química.

Observe-se que, por exemplo, as especificações ASTM estabelecem as


condições de teste de material, de forma a garantir as propriedades
mecânicas mínimas exigidas.
Além disso, estabelece uma série de outros requisitos como modo de
fabricação, propriedades mecânicas, critérios de aceitação, faixa de
composição química, embalagem, identificação, etc.
A classificação AISI, entretanto, indica apenas uma maneira de designar os
materiais, conforme a composição química.
EXEMPLO:
Dentre todos os materiais listados na especificação ASTM A 240–97a
(Specification For Heat-Resisting Chromium And Chromium-Nickel Stainless
Steel Plate, Sheet, And Strip For Pressure Vessels) , pode-se encontrar as
classificações AISI para aços inoxidáveis 304, 321, 405, 410, etc.
30
Metais de Base
• DIFERENÇA ENTRE CLASSIFICAÇÃO E ESPECIFICAÇÃO

PORTANTO:
A classificação AISI, neste caso, está citada na especificação ASTM A 240-72b.
Para um material classificado como, por exemplo, AISI 304, pertencer a esta
especificação ASTM, é necessário que satisfaça outros requisitos além da
composição química.
31
01- Ferros e Produtos de Aços
02- Produtos de metais não ferrosos

Complementação
Mota

32
Complementação Mota

15 seções específicas mais a seção índice = 16 seções


Total de 82 volumes
Price: $ 8,691.00

33
ASTM A515 GRAU 70
Aço para a construção de vasos de pressão de industria petroquímica.
Tem excelente tenacidade
Stress

Tensile
Yield
Fracture
Plastic
Elastic Toughness
Modulus

Resilience

0.2% Ductility Strain 34


AÇO MICROLIGADO

• Aço microligado Aço que contêm, em geral,


menos de 0,15% de carbono e pequenas
quantidades de Nb, V, Ti, Mo e N. Possuem
boa soldabilidade. A soldagem desses aços é
similar à dos aços de baixo carbono, embora
seja esperada uma maior temperabilidade.

35
Complementação Mota

36
Complementação Mota

37
CESOL AGOSTO 2015.2
PROF. MOTA

Laboratório de Ensaios e Análises de Materiais


Laboratório de Ensaios e Análises de Materiais

Análise de Falhas
Análises Metalográficas
Análises Químicas
Ensaios Mecânicos
Ensaio de Tenacidade à Fratura
Análises de Falhas
As falhas são normalmente causadas por um ou mais dos
seguintes fatores: sobrecarga, defeitos pré-existentes, erro
design, decadência causada pelo médio ou desgaste.
Tendo em conta que estes fatores são parte da rotina de
plantas industriais, estudando a causa das falhas que
atingem a causa da mesma, faz Failure Analysis uma
ferramenta essencial para evitar a repetição de situações
semelhantes na mesma planta industrial.
Análises Metalográficas

Metalografia Qualitativa: identificação das fases constituintes nas microestruturas.


Metalografia Quantitativa: determinação de tamanho de grãos, percentual de
fases, forma e tipo de inclusões, tipo e distribuição de grafitas.
Macrografias: determinação de camadas endurecidas, segregações, reparos por
soldagem, porosidades, etc.
Metalografia de Campo: análises microestruturais com registros fotográficos em
componentes quando não é possível a retirada de amostras para análise em
microscópio de bancada.
Análises Químicas
Análises Químicas
O Laboratório de Análises Químicas é equipado com espectrômetros de
fluorescência de Raios-X e de emissão óptica. Estes espectrômetros permitem
análises precisas de uma grande variedade materiais como aços, ferros fundidos,
ligas de cobre, alumínio, níquel, cromo, cobalto, entre outros, além de ferros ligas
utilizados em fundições, produtos de corrosão, incrustações em tubulações, etc.
Este laboratório também está capacitado a realizar análises químicas de produtos
de pouca superfície, como por exemplo, arames, telas e microcomponentes, já
que conta com um moderno forno de indução para fusão desses produtos em
atmosfera controlada com argônio, o que possibilita a análise espectrométrica
destes componentes após fusão das amostras, porém, sem perdas de elementos
químicos por volatização
Ensaios Mecânicos
Ensaios Mecânicos
O Laboratório de Ensaios Mecânicos está equipado com máquinas de ensaios que permitem total
confiabilidade dos resultados. Este laboratório também conta com uma máquina universal de ensaios
marca MTS modelo 312.31, com capacidade de carga de 250KN, gerenciada por softwares atualizados e
de última geração que permitem a realização de ensaios dinâmicos para determinação de propriedades
de materiais como tenacidade à fratura e levantamento de curvas de fadiga, entre outros. Por meio
desses equipamentos são executados os seguintes ensaios:

Ensaios de Tenacidade à Fratura de Metais: KIC, CTOD e Integral J (corpos-de-prova C(T) e SE(B))
Ensaio de Tração para determinação dos limites de resistência e escoamento, alongamento, redução de área, módulo
de elasticidade.
Ensaios de Tração em cordoalhas, parafusos e outros produtos semiacabados.
Ensaios de Dureza Brinell: cargas de 62,5 kg, 187,5 kg, 3.000 kg. Esferas de 2,5mm, 5mm e 10mm.
Ensaios de Dureza Vickers: HV10, HV5, HV3, HV2, HV1, HV0,5, HV0,3 e HV0,2.
Ensaios de Dureza Rockwell: HRA, HRB e HRC.
Ensaios de Dureza em Campo: nas escalas HV, HB, HRB e HRC.
Ensaio de Impacto Charpy: tipo “V”e “U” nos padrões ASTM e DIN, em temperatura ambiente e baixas temperaturas.
Ensaio de Dobramentos (AWS e ASME) para qualificação de soldadores e de procedimentos de soldagem.
Ensaios de Achatamento, Expansão e Flangeamento de Tubos.
Ensaio de Flexão em 3 Pontos.
Ensaio de Compressão.
Ensaio de Cisalhamento.
Ensaios de Fadiga com carregamento Axial: determinação de curvas S-N, fadiga de componentes
Ensaio de Tenacidade à Fratura
Mecânica da Fratura (K1C, CTOD, Integral J).
O Objetivo da mecânica da fratura é estudar o comportamento dos materiais e equipamentos quanto à
presença de descontinuidades, permitindo o aumento da confiabilidade na avaliação de possibilidade de
acidentes, sendo aplicada em diversas áreas: Petroquímica, nuclear, construção naval, transportes, e
diversos segmentos industriais.
O Laboratório Welding possui equipamento e pessoal capacitado a realizarem ensaios da mecânica da
fratura como: K1C, CTOD e Integral J , através de técnicas que podem ser subdivididas em duas
categorias:
Mecânica da Fratura elástica Linear aplicada em materiais frágeis, a propriedade utilizada para os
cálculos de mecânica da fratura nesses materiais estão relacionadas com o K1C que corresponde ao
“Fator de intensidade de tensão no modo crítico”, que é utilizado para prever o tamanho máximo de um
defeito ou trinca que um material frágil suporta antes de entrar em colapso.
A Mecânica da Fratura Elasto-Plástica é aplicada a materiais que apresentam ductilidade antes da falha ,
os materiais dúcteis, a propriedade utilizada para os cálculos de mecânica da fratura estão relacionadas
com o CTOD ou Integral J que, assim como para a mecânica da fratura elástica linear, é utilizado para
prever o tamanho máximo de um defeito ou trinca que um material dúctil suporta antes de entrar em
colapso.
Treinamentos e Qualificações

Qualificação de Soldadores
Especificação de Soldagem
Registro de Soldagem
Instrução de Soldagem
Treinamentos e Qualificações

Procedimento de soldagem, qualificação de soldadores e treinamentos


Na área de qualificação de soldadores e de procedimentos de soldagem, a Welding estabelece diretrizes
a serem seguidas para efetuar soldagem de qualidade em qualquer tipo de material do grupo dos
ferrosos. Orienta os profissionais a desempenhar suas atividades com todo enfoque voltado para a
técnica correta de soldagem e, também, obediência às variáveis metalúrgicas e de processo envolvidas. A
empresa procura não executar estas qualificações de uma forma automática, mas conscientizar
tecnicamente os profissionais envolvidos no processo de qualificação. Isso é feito ministrando, durante o
processo de qualificação, treinamento envolvendo conhecimento básico na área de materiais, ensaios não
destrutivos e informações sobre falhas de componentes que foram soldados de maneira inadequada.
Consequentemente, a empresa tem tido enorme sucesso neste tipo de serviço e nutre um banco de
dados atualizado para manter o cliente sempre informado sobre a data de expiração do Registro de
Qualificação de seus soldadores, poupando-o desse tipo de preocupação.
A Welding se destaca por ter uma equipe qualificada, com profissionais registrados no CREA e
conhecedores das normas e procedimentos estabelecidos pelas entidades ASME, AWS e FBTS.
Inspeções Técnicas
NR 13

Caldeiras
Vasos de Pressão
Tubulações
Reconstituição de Prontuários
Manuais de Operação
Treinamentos
Inspeção de Equipamentos para Enquadramento na Norma Regulamentadora NR13
A maioria das plantas industriais não atende – ou atende apenas parcialmente – às exigências da NR13. Indo ao encontro
dessa necessidade, a Welding atua fortemente na tentativa de contribuir para a segurança operacional dessas plantas.
A nossa atuação passa por uma avaliação inicial da situação em que se encontram os vasos de pressão e as caldeiras da
planta quanto ao atendimento dos requisitos da NR13. Para um diagnóstico inicial, é feito um levantamento pormenorizado da
situação de cada equipamento, tanto do seu estado físico como da situação documental, além da avaliação da sua instalação
na área fabril. É verificada, também, a situação de toda a planta quanto ao risco grave e iminente e a situação dos
dispositivos de segurança. Para os casos de não atendimento à NR13, é possível atuar em vários aspectos como, por
exemplo, reconstituição de prontuários e manuais de operação, elaboração de projetos de instalação quando inexistentes e
abertura de livros para registros de ocorrências.
Para avaliação técnica e estrutural dos equipamentos, a Welding utiliza-se de ensaios não destrutivos (Líquidos Penetrantes,
Partículas Magnéticas, Ultrassom, Radiografia), além de ensaios como IRIS e Emissão Acústica para situações especiais e
Dureza e Metalografia de Campo para caracterização de materiais não discriminados utilizados na sua construção.
A Welding elabora planos para manutenção, correção e adequação de vasos e caldeiras, os quais incluem projetos de
alterações e/ou reparos e sua execução. São também realizados treinamentos de operadores, e o cliente pode receber
orientações técnicas e sanar dúvidas sobre detalhes da NR13 em suas próprias instalações, por meio de palestras e cursos
que frequentemente são oferecidos.
TUBULAÇÕES E NR13.
COMO ME ENQUADRAR?

A novidade na revisão da NR13 foi o item Tubulações.


As tubulações são fundamentais para o bom funcionamento das indústrias, pois representa
o meio de ligação entre os equipamentos.
São responsáveis por grande parte de acidentes ocorridos nas indústrias, acidentes como
vazamentos, explosões e incêndios. As principais falhas ocorridas em tubulações são as
Falha de Componentes e Corrosão.
Baseado nessas estatísticas o item Tubulação foi inserido na nova revisão da Norma
Regulamentadora 13 (NR13).
Mas quais tubulações serão enquadradas?
Apenas as de fluídos A, B e as de vapor.
E como me enquadrar?
A Welding possui profissionais renomados capazes de gerenciarem o projeto de adequação
a norma, atuando nas etapas de projeto, fabricação e montagem. Para os caso de
tubulações já instaladas, a Welding tem capacidade de atendimento reconstituição da
documentação até as inspeções, entre em contato e saiba mais
A NORMA JÁ ESTÁ EM VIGOR E O PRAZO PARA
ENQUADRAMENTO JÁ ESTÁ CORRENDO.
Ensaios Não Destrutivos

Ultrassom
Medição de Espessura
Partícula Magnética
Líquido Penetrante
Termografia
Videoscopia
Íris
Ensaios Não Destrutivos

Inspeção Visual
Inspeção Dimensional
Ensaio de Dureza em Campo
Ensaios por Líquidos Penetrantes
Ensaios por Partículas Magnéticas
Ensaio por Ultrassom
Ensaio IRIS
Ensaio IRIS

O IRIS (Internal Rotation Inspection System) é uma técnica de ensaio não destrutivo por ultrassom que
consiste de uma sonda inserida em um tubo inundado com água. Enquanto a sonda se move, os dados
são exibidos e gravados. O feixe de ultrassom permite a detecção de perda de espessura do metal,
tanto no interior quanto no exterior da parede do tubo. A sonda produz resultados muito precisos e
detalhados, podendo ser usados com segurança nos estudos de avaliação de integridade e cálculos de
tempo de vida útil remanescente.
O ensaio IRIS, mediante o uso do princípio ultrassônico convencional de pulso-eco, permite efetuar a
medição de espessuras, identificação de corrosão, abrasão, pitting e fendas em tubos de pequeno
diâmetro (tubos de trocadores de calor e de caldeiras, tubulações da indústria química, petroquímica e
indústrias de energia nuclear). Todas as medições feitas durante a varredura circunferencial completa do
tubo são mostradas na tela do computador, produzindo imagens em tempo real.
Termografia
Termografia
Técnica de inspeção não destrutiva e não intrusiva, na qual a distribuição de temperaturas de uma dada
superfície é apresentada sob a forma de imagem térmica registrada através de uma câmera capaz de
detectar radiações eletromagnéticas na faixa do infravermelho.
A inspeção termográfica está fortemente associada à manutenção preditiva, bem como ao monitoramento
de processos dinâmicos. Normalmente é muito aplicada na verificação de contato em painéis elétricos.
Pode também ser utilizada, entre outros, no monitoramento de sistemas mecânicos, como rolamentos,
mancais e acoplamentos, e de vazamentos e obstruções em tubulações de plantas industriais.
As informações relativas à distribuição e aos valores de temperatura permitem uma análise confiável a
respeito das condições operacionais dos equipamentos e componentes, possibilitando a programação de
intervenções, ou mesmo a determinação do momento crítico em que não haverá mais condições de
postergar a correção de anormalidades. A análise dos resultados é praticamente imediata, visto que as
imagens térmicas tendem a ser de fácil interpretação. O fato de não haver necessidade de contato é outro
ponto muito positivo, já que praticamente nenhuma preparação de superfície de observação é exigida, e a
segurança do inspetor é preservada. Esta característica não intrusiva permite a continuidade operacional,
sem impacto na produção por conta das atividades de inspeção termográfica.
Medição de espessura por Ultrassom
Ultrassom Phased Array
Ultrassom Phased Array
O conceito de ensaio ultrassônico Phased Array baseia-se no uso de um
transdutor com elementos piezelétricos que podem ser individualmente e
independentemente acessados eletronicamente. Pode ser utilizado quando se
necessita de alta produtividade na inspeção “em linha” na fabricação de
chapas, placas, barras e tubos, podendo também ser usada na inspeção de
soldas.
Estanqueidade
Estanqueidade
Aplicado em larga escala em vários tipos de equipamentos, sua finalidade é
detectar descontinuidades passantes, ou seja, que podem gerar um vazamento
de líquidos ou gases de um recipiente. A detecção de descontinuidades
passantes pode ser feita através de diversas técnicas como: Técnica da bolha,
Ultrassom, Variação de pressão, Detecção de gás rastreador. A utilização da
técnica depende principalmente do tipo de equipamento que se pretende ensaiar
e do tipo de vazamento e sua vazão.
O ensaio Detecção de vazamentos pode ser realizado em equipamentos
diversos, tais como recipientes contendo gás ou líquido (botijão de gás de
cozinha ou cilindro com gases industriais), e equipamentos em geral que
trabalham com pressão ou vácuo e estocagem (tanques de armazenamento de
líquidos, vasos de pressão etc)
Videoscopia

Videoscopia
A videoscopia é uma técnica de inspeção visual onde não é possível o
acesso visual direto. Essa técnica permite observar, fotografar, filmar e,
consequentemente, emitir relatórios com registros fotográficos ou
vídeos. Permite ao técnico executante tomar decisões sem a
necessidade de abrir um equipamento para se ter o acesso visual
direto, economizando tempo e viabilizando análise de equipamentos
em uso durante pequenas paradas programadas.
Oportunas aplicações dessa técnica estão relacionadas à verificação
de engrenagens e pinhões de redutores, palhetas de rotores de
turbinas, entupimentos e incrustações no interior de tubos
Ultrassom B SCAN
Ultrassom B SCAN

A técnica de medição de espessura por Ultrassom B-SCAN é um recurso muito


superior à medição de espessura convencional ponto a ponto. Essa técnica
apresenta os resultados de uma forma gráfica de uma série continua de
medições, ou seja, mostra o perfil da secção transversal da peça inspecionada,
facilitando a análise completa da sua eventual perda de espessura.
A inspeção é feita através de um deslocamento contínuo do transdutor,
identificando a espessura em todo o seu trajeto e mostrando, inclusive, a
presença de pites, alvéolos, frestas ou sulcos impossíveis de ser detectados pelo
método convencional. Além disso, a inspeção pode ser feita em superfícies
pintadas, ou seja, não necessitam esmerilamento ou preparação especial, e em
temperaturas de até 150°C. É uma técnica muito utilizada na inspeção de vasos
de pressão, tubulações, costados e fundos de tanques de armazenamento de
combustível, casco de trocador de calor, caldeiras, etc
Inspeções Técnicas

Turbinas
Redutores
Caldeiras
Vasos de Pressão
Tanques de Combustíveis
Válvulas
Engrenagens
Bombas
Inspeção de Fabricação de Equipamentos e Componentes Mecânicos

A Inspeção de fabricação de equipamentos e componentes mecânicos é uma das atividades relacionadas à origem da
Welding. Nesse mercado, atuamos com inspetores altamente capacitados que realizam suas atividades nas instalações
dos fabricantes. Nossa participação começa com uma reunião de conciliação, sanando quaisquer dúvidas quanto a
detalhes dos planos de inspeção que serão utilizados. Posteriormente, são realizadas atividades como avaliação de
certificados da qualidade e outros documentos do fabricante, testemunhos e execução de análises e ensaios
destrutivos e não destrutivos. Para qualquer não conformidade detectada, são abertos Relatórios de Não
Conformidades (RNC), onde o fabricante tem que se pronunciar através de seu departamento competente e,
posteriormente, a Welding também emite o seu parecer técnico por meio de seu departamento de Engenharia.
Normalmente, atuamos na fabricação de turbinas, redutores, caldeiras, vasos de pressão em geral, tanques de
armazenamento de combustíveis, correntes transportadoras, válvulas, bombas, engrenagens, pinhões, eixos, entre
outros itens.
Com o suporte de um moderno Laboratório de Ensaios e Análises de Materiais, a Welding realiza os mais diversos tipos
de inspeção de fabricação, desde o controle das matérias-primas até os testes finais, além de elaborar Especificações
Técnicas de Produtos (ETPs) que auxiliam seus clientes na equalização de compras técnicas. Através de seus
departamentos de Coordenação de Contratos e Engenharia, normalmente são realizados diligenciamentos que
possibilitam aos clientes avaliarem on line se o cronograma de fabricação dos equipamentos e componentes está
sendo cumprido.
Inspeção Preventiva de Equipamentos e Componentes

Inspeção para garantir que componentes e


equipamentos estão livre de defeitos que
possam causar sua inoperância.
Inspeção de Montagem de Equipamentos em Campo

Acompanhamento de montagem industrial objetivando garantir


a qualidade e a conformidade da construção com o projetos.
79