Você está na página 1de 39

Classificação e ação das

substâncias psicoativas

DR RICARDO LUIZ MALINA LOSSO


MÉDICO PELA UFPR
PSIQUIATRA - AMB
ASSESSOR TÉCNICO DA DIRETORIA DE
POLÍTICAS PÚBLICAS SOBRE DROGAS
PÓS GRADUAÇĀO EM DEPENDÊNCIAS
QUÍMICAS
MESTRADO EM MEDICINA – CIÊNCIAS DA
SAÚDE
Substâncias Psicoativas

 Sinônimos: psicotrópicos, narcóticos, drogas

 Exercem ação no Sistema Nervoso Central

 Receptores e neurotransmissores

 Nucleus accumbens e locus ceruleus – sistema de


recompensa cerebral
Classificação pela ação no sistema nervoso
central
Depressores da atividade do SNC

 álcool,
 benzodiazepínicos,
 barbitúricos,
 opiáceos e
 solventes
Álcool

 Mais consumida de todas as drogas


 Socialmente aceito
 Neurotransmissores:
 glutamato,

 GABA,

 serotonina e

 canais de Ca+

 No início da intoxicação alcoólica: + desinibição ,


sensação de relaxamento e descontração, leve euforia
 Síndrome de abstinência: tremores, sudorese,
alterações de pressão arterial, convulsões, delirium
Intoxicação pelo álcool

 Comportamento sexual ou agressivo inadequado


 Humor instável
 Prejuízo no julgamento e crítica
 Prejuízo no funcionamento social ou ocupacional
 Fala arrastada (disartria)
 Incoordenação
 Marcha instável
 Nistagmo
 Comprometimento da atenção ou da memória
 Estupor ou coma
Álcool – Queixas clínicas

 Náuseas matinais
 Dispepsia
 Diarréia recorrente
 Hemorragia digestiva
 Infecções respiratórias recorrentes
 Acidentes e traumatismos freqüentes
 Mialgias
 Impotência
 Taquicardia e aumento de PA
Álcool - Queixas psíquicas

 Insônia
 Ansiedade
 Irritabilidade
 Agressividade
 Problemas de memória
 Confusão mental
 Pesadelos
 Agitação noturna
Dose Equivalente Efeitos
0,2 a 0,3 1 copo cerveja, 1 cálice Queda na visão periférica, comprometimento
peq.vinho, 1 dose uísque da noção de distância, percepção da
ou de outra bebida velocidade, prejuízo na atenção e
destilada concentração, perdas na coordenação motora
e no tempo de reação ao imprevisto
0,31 a 0,5 2 copos cerveja, 1 cálice O grau de vigilância diminui, assim como o
grande de vinho, 2 doses campo visual. O controle cerebral relaxa,
de bebida destilada dando a sensação de calma e satisfação

0,51 a 0,8 3 ou 4 copos de cerveja, 3 Reflexos retardados, dificuldades de


copos de vinho, 3 doses de adaptação da visão a diferenças de
uísque luminosidade; superestimação das
possibilidades e minimização de riscos e
tendência à agressividade
0,81 a 1,5 Acima de 5 doses Incapacidade de concentração e falhas de
coordenação neuromuscular. “Zigue-zague”

1,51 a 2 grandes quantidades Embriaguez, torpor alcoólico, dupla visão


(diplopia)
2,1 a 5 grandes quantidades Embriaguez profunda
>5 grandes quantidades Coma alcoólico
Benzodiazepínicos

 Tranquilizantes, calmantes, ansiolíticos


 Exemplos: midazolam, diazepam, clordiazepóxido,
alprazolam, clonazepam, lorazepam
 Capacidade de gerar dependência depende da meia-
vida
 Legalizados
 Indevidamente prescritos
 Uso contínuo após 4 semanas
 Interações, como álcool
Benzodiazepínicos – efeitos do uso

 Relaxamento e sedação
 Fala pastosa
 Incoordenação motora
 Marcha instável
 Confusão mental
 Bradicardia
 Dispnéia
Barbitúricos

 Optalidon, Fiorinal, Gardenal, Tonopan, Nembutal,


Comital, Pentotal
 Prevalência de dependência baixa atualmente
 Sd. de abstinência pode ser grave – risco de morte
 Efeitos
 Sensação de calma e relaxamento
 Sonolência
 Sensação de embriaguez alcoólica
 Desinteresse
 Midríase
 Superdosagem: depressão respiratória e coma
Opiáceos

 Derivados da papoula – ópio


 Morfina, heroína, metadona, codeína (Dolantina,
Meperidina, Demerol, Algafan, Belacodid)
 Sensação de conforto e bem estar extremo
(orgástica)
 Sonolência e estupor
 Miose (pupila em cabeça de alfinete)
Opiáceos

 Síndrome de abstinência extremamente


desagradável (bocejos, lacrimejamento, coriza,
sudorese, dores musculares e abdominais,
hipertermia, midríase, pilo-ereção e hipertensão
arterial), mas sem risco direto de morte
Solventes

 Voláteis (evaporam à temperatura ambiente) –


aspirados
 Na maioria legalizados
 “loló”, lança-perfume, éter, clorofórmio,
removedores, tintas, aerossóis, gasolina, cola de
sapateiro
 Geralmente uso esporádico; uso crônico relacionado
à problemas mentais graves e situações sociais de
exclusão
 Uso crônico: problemas hepáticos e renais.
Solventes - efeitos

 Sonolência
 Euforia
 Distorções perceptuais
 Confusão mental
 Tosse
 Rinorreia
 Náuseas e vômitos
 Mialgias
 Rebaixamento do nível de consciência
Solventes - efeitos

 Fala pastosa
 Diplopia
 Perda do controle muscular
 Uso prolongado: tentativas de suicídio e transtornos
neuropsiquiátricos (atrofia cerebral, p.ex.)
 Pode levar à depressão respiratória e parada cardíaca
por alteração da condução
Estimulantes da atividade do SNC

 cocaína e derivados,
 anfetaminas,
 nicotina e
 cafeína
Cocaína

 Formas: injetada (baque), aspirada (“pó”,


cloridrato), crack, merla, etc
 Combinações
 crack + maconha – “cabral”
 Álcool + cocaína – cocaetileno
 Heroína + cocaína - speedball
 Dopamina
 Crack: epidemia
 ação entre 8 a 15 segundos

 “Fissura”
 Duração breve: não mais que 30-60 minutos
Cocaína - intoxicação

 Sensação de aumento da capacidade física e mental


(euforia),
 Perda de peso,
 Diminuição do cansaço,
 Irrititabilidade,
 Insônia,
 Hipervigilância,
 Logorréia e agitação psicomotora,
 Taquicardia ou bradicardia,
 Hipertensão ou hipotensão arterial,
Cocaína

 Sudorese ou calafrios,
 Náusea ou vômitos,
 desconfiança,
 ideação persecutória (“nóia”),
 agressividade
 Risco de arritmias, infarto do miocárdio, ictus
isquêmicos transitórios, AVC, convulsões,
enxaqueca, hipertermia e danos pulmonares
 Complicações obstétricas, como abortamento
espontâneo, descolamento prematuro da placenta,
atraso no desenvolvimento fetal e prematuridade
Anfetaminas

 Boleta (inibidores de apetite), rebite, ice, crystal,


metilfenidato – Moderex, Inibex, Hipofagin,
Desobesi, Reactivan, Pervertin, Preludin
 Geralmente comprimido; pode ser em pó (aspirado
ou injetado)
 Intoxicação (efeitos semelhantes à cocaína)
 Diminuem o cansaço
 Aumentam vigilância e alerta

 Sensação de autoconfiança

 Euforia

 Hipervigilância
Anfetaminas

 Taquicardia

 Midríase

 Pressão arterial elevada ou baixa


 Sudorese ou calafrios

 Náuseas ou vômitos

 Perda de peso

 Alterações na sociabilidade

 Prejuízo no julgamento
Anfetaminas - intoxicação

 Sintomas paranóides
 Ansiedade, tensão ou raiva

 Agitação ou retardo psicomotor

 Fraqueza muscular, depressão respiratória,


dor torácica ou arritmias cardíacas
 Confusão, convulsões, discinesias,
distonias ou coma
Anfetaminas

 Pós-consumo:
 Sintomas intensos de depressão (tristeza, sentimento de
incapacidade, baixa auto-estima, problemas de sono)
 Alto risco de suicídio
Nicotina

 Maior poder de causar dependência


 Maior causa de morte evitável
 Receptores nicotínicos
 Abstinência
 Humor irritado ou deprimido
 Insônia
 Irritabilidade, frustração ou raiva
 Ansiedade
 Dificuldade de concentração
 Inquietação
 Bradicardia
 Aumento do apetite ou ganho de peso
Perturbadores da atividade do SNC

 cannabis (maconha) e derivados


 LSD (ácido lisérgico, “doce”)
 ecstasy
 psilocibina (cogumelos)
 anticolinérgicos
 mescalina (cactos)
Hoasca (ayahuasca)
Ibogaína
Perturbadores da atividade do SNC

 Alterações sensoperceptivas
 Perda da noção da realidade
 Predisposição à vários transtornos mentais
 Flashback
 “Bad trips” – viagens ruins
Ecstasy

 “bala”, pílula do amor, E


 Serotonina, noradrenalina e dopamina
 Efeitos mistos de anfetamina (doses mais altas) e
mescalina (doses menores)
 Efeitos psíquicos
 sensação de intimidade e de proximidade com outras
pessoas,
 aumento da comunicação e da sensualidade,

 euforia,

 despreocupação,
Ecstasy

 autoconfiança e
 perda da noção de espaço

 Sensação de calma acompanhada de percepções mais


aguçada de cores e sons

 Doses mais elevadas


 Ansiedade
 Confusão mental
Ecstasy – Efeitos físicos

 taquicardia,
 aumento da PA,
 secura da boca (xerostomia),
 diminuição do apetite,
 dilatação das pupilas,
 hipertermia,
 reflexos exaltados,
 vontade de urinar,
 tremores,
 transpiração (desidratação),
 câimbras ou dores musculares, triismo/bruxismo
Cannabis

 Maconha, begue, baseado, skank, haxixe, fino


 Mais utilizada das drogas ilícitas
 Receptores canabinóides/opióides
 Dopamina
 Intoxicação – depende da expectativa do usuário
 Prejuízo na coordenação
 Excitação seguida de relaxamento
 Ansiedade (ataque de pânico)
 Quadros paranóides
Cannabis

o Sensação de lentidão do tempo


o Reações e reflexos lentos
o Prejuízo do julgamento
o Retraimento social
o Conjuntivas hiperêmicas (olho vermelho)
o Apetite aumentado (“larica”)
o Boca seca
o Taquicardia
o Dificuldades na coordenação motora e do equilíbrio
Cannabis

 Uso crônico
 Bronquite

 Enfisema

 Câncer do aparelho respiratório


 Déficit de memória

 Azoospermia (infertilidade)

 Síndrome amotivacional

 Efeitos medicinais controversos


 Predisposição à psicoses e outros transtornos
psiquiátricos
Anticolinérgicos

 Artane, Akineton (biperideno), “chá de lírio”, “saia


branca”, “véu de noiva”, “trombeteira”, “zabumba”
 Boca seca,
 Retenção urinária e fecal,
 Taquicardia,
 Midríase,
 Hipertermia
 Hipotensão
 Superdosagens: convulsões e delirium
Esteróides anabolizantes andrôgenicos

 “bombas”
 Derivados de testosterona
 Usado em academias ou por atletas
 Síndrome de Adônis ou vigorexia
 Agressividade
 Oscilações de humor
 Delírios paranóides
 Impotência sexual masculina
 Aumento do risco de neoplasias hepáticas e
coronariopatias
 Abstinência: quadro depressivo
Fim

 Contato:

ricardo@losso.com.br

Você também pode gostar