Você está na página 1de 26

Pontifícia Universidade Católica de Goiás

Escola de Engenharia
Engenharia Civil

ESPAÇO SOCIAL, MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE


JARDIM BOTÂNICO
Acadêmicos: Gabriel dos Santos Borges
Max Antonil Dantas Costa
Nicole Brás da Rocha Rodrigues
Paolla Adriana da Silva
Rafael Oliveira Freitas

Professora: SOLANGE
Turma: C01
INTRODUÇÃO
2

 Uma das formas mais reconhecidas e utilizadas para garantir a


proteção de espécies e de ecossistemas são as chamadas
unidades de conservação – parques nacionais, reservas
biológicas e extrativistas, entre outras.

 Estima-se que no Brasil exista hoje cerca de 70 milhões de


hectares destinados a Unidades de Conservação (UCs) estaduais
com proteção integral, onde não é permitido o uso direto dos
recursos naturais, ou de uso sustentável.
INTRODUÇÃO
3

 No estado de Goiás, dos seus 34 milhões de hectares, apenas


0,93% representam UCs integral e 2,59% UCs de uso
sustentável (Oliveira, 2002), dentre estas UCs estão os parques.

 Os Jardins Botânicos tem sido ao longo dos séculos,


significativos instrumentos do desenvolvimento cientifico, e elos
importantíssimos nos processos de conservação.
DELIMITAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
4

O Jardim Botânico
Amália Hermano Teixeira
é a maior Unidade de
Conservação de Goiânia,
com cerca de 1.000.000,00
m². Fundado em 1978, o
parque fica no bairro Pedro
Ludovico.
DELIMITAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
5

O Jardim Botânico
Amália Hermano Teixeira
faz divisa ao Sul com a Vila
Santo Antônio, a noroeste
com o Setor Pedro
Ludovico e a leste com a
Vila Redenção.
DELIMITAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
6

Atualmente, o Jardim Botânico


encontra-se dividido em três áreas
secionadas por via pública
pavimentada, conforme Agência
Municipal do Meio Ambiente –
(AMMA, 2005).
DELIMITAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
7

 Área I - Onde existem os três lagos, o Centro de Convivência, um


deck/anfiteatro, um galpão, uma estrutura circular de concreto e duas
guaritas, e tem cerca de 441.600.00 m².

 Conforme a SEMMA (2005) a área tem sido vítima de várias


agressões ao longo dos anos, entre essas, queimadas criminosas,
depósitos de entulho, de resíduos domésticos, desmatamento,
erosões, invasão da área física e agressões à fauna, decorrentes de
concentração de águas fluviais, poluição das nascentes e dos cursos
d’água com despejos domésticos.
DELIMITAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
8

 Área II - A área foi destinada anteriormente para ser utilizada para


pesquisas científicas e preservada, porém está bastante invadida e
abriga dois projetos de parceria entre secretarias: o PAMA (Programa
Amigos do Meio Ambiente) e o Viveiro da Prefeitura e possui cerca
de 412.000,00 m². Esta área não está aberta à visitação pública, e o
acesso é restrito a pesquisadores e alunos.

 Nessa área fica a quarta das cinco nascentes do Córrego Botafogo.


DELIMITAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO
9

 Área III - Abriga um projeto de parceria entre secretarias: o Horto


Medicinal, porém este não está funcionando e tem 162.000,00 m².
Também se encontra devastada decorrente da 78 ocupação por
famílias que ainda vivem no local.

 A cobertura vegetal remanescente do Jardim Botânico é composta por


uma formação florestal do Cerrado tipo mata de galeria, não
inundável. Parte da floresta original ainda se encontra preservada nas
áreas I e II, com árvores nativas como o angico, o jatobá, a peroba-
rosa, o ipê.
ASPECTOS HISTÓRICOS
10

 O Jardim Botânico foi inaugurado


em 1978, Durante o II Congresso
Latino Americano de Botânica e o
XXIX Congresso Nacional de
Botânica.

 Através do Decreto-lei nº 7.800,


de 05 de março de 1995, o Jardim
Botânico, passa a chamar-se
Jardim Botânico Amália Hermano
Teixeira.
CLASSIFICAÇÃO DO CANAL
11

 Os canais artificiais podem ser divididos em 3 classes: canais laterais,


canais de transposição e canais marítimos.

 O Canal de Corinto é classificado como canal marítimo;

 É uma obra que faz a interligação do Golfo de Corinto ao Golfo


Saronico, que fica no mar Egeu.
INTERLIGAÇÃO DOS GOLFOS PELO CANAL
12
DE CORINTO
HISTÓRICO DA OBRA
13

 Primeira tentativa de construção foi no século VII aC, quando o tirano


de Corinto, Periandro tentou cavar um canal, mas parou pois temia
causar a ira dos Deuses ao desrespeitar a profecia:

"Não faça uma torre no istmo, nem cavem através dele”


HISTÓRICO DA OBRA
14

 O segundo a tentar construir o canal


foi Demétrio I, em III aC, que
abandou o projeto pois temia inundar
toda a região devido a
incompatibilidade dos níveis de água
no golfo de Corinto e no golfo
Saronico.
HISTÓRICO DA OBRA
15

 O próprio Júlio César pensou em criar


tal canal. Porém, seu repentino
assassinato impediu-lhe, entre tantas
outras coisas, de realizá-lo.
HISTÓRICO DA OBRA
16

 O próximo foi o imperador Nero, que em 67 d.C.


empregou 6.000 escravos e condenados. E muito
possivelmente Nero poderia ter construído o
canal, dada a quantidade de recursos que
dispunha, porém Nero morreu pouco tempo
depois, e seu sucessor Galba parou o projeto
devido ao alto custo.
HISTÓRICO DA OBRA
17

 Após a Revolução grega em 1821 o primeiro presidente da Grécia,


Ioánnis Kapodístrias também fez planos para a construção do Canal
de Corinto;

 Por razões econômicas, esses planos tiveram de ser abandonados;

 Em 1882, após longas negociações, iniciou-se a construção do canal,


por uma empresa francesa, que encerrou suas operações devido a
dificuldades financeiras, e não terminou o trabalho.
HISTÓRICO DA OBRA
18

 A empresa grega liderada pelo grego


banqueiro e filantropo Andreas Singra
assumiu a obra e concluiu o projeto e
instalação em tempo recorde;

 A operação do canal começou em 1893.


CURIOSIDADES
19

 Foram retirados cerca de 930 mil metros cúbicos de terra e pedra;

 Em 07 de julho de 1893 foi organizada uma festa para marcar a


abertura do Canal de Corinto;

 Foram utilizados força bruta e dinamites para a escavação do canal;

 O projeto de 1983 para escavar o canal se baseou no plano elaborado


ainda na época de Nero, e os aquedutos feitos pelos escravos dele
foram mantidos e utilizados durante a construção.
ATUALMENTE
20

 O canal perdeu parcialmente a sua


importância econômica;
 Devido à estreiteza da via fluvial, os
grandes navios oceânicos não
conseguem passar;
 Grandes navios passam com auxilio de
reboque, pois há risco de erosões nas
paredes;
 Predominância de navios turísticos;
 11 mil embarcações fazem a travessia
por ano.
ATUALMENTE
21

 Observa-se sobre o canal a


existência de pontes para
pedestres, pontes rodoviárias
e para trens de alta
velocidade, bem como
grandes adutoras de água e
outros produtos.

 Os navios de cruzeiro saem


de Veneza e vão até Atenas
passando pelo canal.
23
ATUALMENTE
24

 O piloto australiano Robbie


Maddison, compriuo o
desafio “Red Bull Corinth
Gap” e bateu o recorde de
velocidade e altura no canal
grego. Pilotando una Honda
CR de 500 cilindradas a
velocidade de 125 km/h.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
25

 DICAS DA EUROPOA. O surpreendente canal de Corinto. Disponível em:


<https://www.dicaseuropa.com.br/2014/03/o-canal-de-corinto-grecia.html>. Acesso em: 22 de outubro de 2017.
 LOGÍSTICA DESCOMPLICADA. Os principais canais de navegação do mundo. Disponível em:
<https://www.logisticadescomplicada.com/os-principais-canais-de-navegacao-do-mundo/>. Acesso em: 20 de
outubro de 2017.
 LUGARES FANTÁSTICOS. Canal de Corinto – Grécia. Disponível em: <https://jp-
lugaresfantasticos.blogspot.com/2014/08/canal-de-corinto-grecia.html>. Acesso em: 22 de outubro de 2017.
 PORTOGENTE. A importância dos canais artificiais para a navegação. Disponível em:
<https://portogente.com.br/artigos/48163-a-importancia-dos-canais-artificiais-para-a-navegacao>. Acesso em: 22
de outubro de 2017.
 RIBEIRO, Priscilla Cristina Cabral; FERREIRA; Karine Araújo. Logística e transportes: Uma discussão sobre
os modais de transporte e o panorama brasileiro. XXII Encontro Nacional de Engenharia de Produção.
Curitiba/PR, 2002. 8p. Artigo.
 SANTANA, Walter Aloisio. Proposta de diretrizes para planejamento e gestão ambiental do transporte
hidroviário no brasil. 2008. 297 f. Tese apresentada à Escola Politécnica da Universidade de São Paulo para
obtenção do Título de Doutor em Engenharia, Universidade de São Paulo, 2008.
 SUPRACER. Bucket List. Disponível em: <http://www.supracer.com/2016-corinth-canal-stand-up-paddleboard-
race/>. Acesso em: 22 de outubro de 2017.
CANAL DE CORINTO
26

OBRIGADO PELA ATENÇÃO!