Você está na página 1de 20

4 O que é uma igreja baseada em

princípios?

Essa igreja é uma comunidade local onde


todos os membros, vivenciando os princípios
apresentados na Palavra de Deus, têm por
objetivo glorificar a Deus e cumprir a Grande
Comissão presente em Mateus 28.18-20. “
Vejamos algumas características de uma igreja
assim.

Em primeiro lugar, o líder é um homem de oração,


servo e treinador.

- Homem de oração: Líderes de uma igreja que


vivencia os princípios bíblicos, antes de motivarem os
que estão ao seu redor a terem uma vida de oração,
são os maiores exemplos.
- O ser Servo: Ao contrário de alguém que
quer ser servido por outros.

- Treinador: Não temos dúvida de que a função


pastoral também compreende proteger,
alimentar e edificar.
Outra característica forte de uma igreja
movida por princípios é a prática do
sacerdócio universal do crente.
Dizer que um batista é um sacerdote soa muito
estranho para algumas pessoas. Mas esse é
um princípio bíblico muito importante em nossa
história.

Nós batistas, cremos que todas as pessoas


salvas por Jesus se tornam sacerdotes.
Agora, precisamos trabalhar arduamente para
que essa crença se torne uma realidade na
prática em nossas igrejas.
Mesmo na antiga aliança, podemos enxergar
alguns textos que nos dão lampejos de um
sacerdócio para as nações. Por exemplo,
Êxodo 19.5,6: “Agora, portanto, se ouvirdes
atentamente a minha voz e guardardes a minha
aliança, sereis minha propriedade exclusiva
dentre todos os povos, porque toda a terra é
minha; mas vós sereis para mim reino de
sacerdotes e nação santa”. Ainda, Isaias 61.6:
“Mas vós sereis chamados sacerdotes do
SENHOR, e vos chamarão ministros do nosso
Deus”.
No Novo Testamento este conceito foi
aperfeiçoado radicalmente com a vida morte e
ressureição de Jesus. Ele é o Sumo Sacerdote,
que veio até nós e se tornou o único
representante diante de Deus. Ele é ao mesmo
tempo o sacerdote e o sacrifício. Jesus é o
cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo
(Jo 1.36). Na crucificação, o véu do templo “se
rasgou, de alto a baixo” (Mt 27.51), nos
mostrando que Jesus é o Grande Sumo
Sacerdote, único mediador entre Deus e os
homens (1Tm 2.5). Foi um ato de uma vez por
todas.
1Pedro 2.9 nos traz essa preciosa declaração:
“Mas vós sois geração eleita, sacerdócio real,
nação santa, povo de propriedade exclusiva de
Deus, para que anuncieis as grandezas
daquele que vos chamou das trevas para sua
maravilhosa luz”.
Embora o Senhor chame pessoas para uma
função diferenciada de liderança no corpo de
Cristo, pastores e membros são iguais em valor
diante dele e perante o mundo. Há apenas um
Sumo Sacerdote, que é Jesus (Hb 7.23).
Além disso, uma igreja baseada em
princípios tem o ser como mais importante
que o ter.

Uma igreja baseada em princípios não se deixa


levar pelos valores do mundo, mas prossegue
pautada na Palavra. Em Cristo, ser (adorador,
discípulo, servo) sempre será muito, mas muito
superior ao ter.
A valorização do ser servo é uma das principais
características de uma igreja que vive os
princípios de Jesus. Serviço é uma palavra-
chave para compreensão do evangelho e de
quem é Jesus.

Ele foi enfático: “Não será assim entre vós; pelo


contrário, quem quiser tornar-se poderoso
entre vós, seja esse o que vos sirva; e quem
entre vós quiser ser o primeiro, será vosso
servo, a exemplo do Filho do homem, que não
veio para ser servido, mas para servir e para
dar a vida em resgate de muitos” (Mt 20.26-
28).
O pastor deve ser o primeiro discípulo
multiplicador da igreja. Por meio do exemplo
diário, os novos discípulos verão sua liderança
em busca de pessoas para Cristo e serão
motivados a fazerem o mesmo.
Outro ponto fundamental na diferença entre
uma igreja baseada em programa e uma
igreja baseada em princípios é a sua
compreensão sobre o que é discipulado.

Por muito tempo temos entendido discipulado


apenas como estudos bíblicos doutrinários para
novos crentes, enquanto, biblicamente,
discipulado é o processo inteiro de fazer
discípulos por meio de relacionamentos.
Discipulado é andar lado a lado de outro
discípulo, demonstrando de forma prática o que
é seguir a Jesus. É convidá-lo para passar
tempo com você enquanto você serve aos
outros. É leva-lo a fazer o que você faz em sua
caminhada com Cristo.
Caminhar juntos e viver a mutualidade cristã é
o que Jesus espera de nós como
discipuladores. Essa mutualidade é a prática do
“uns aos outros”, expressão essa que de tão
importante é repetida várias vezes no Novo
Testamento.
Quando pensamos em relacionamentos
discipuladores, pensamos na prática dessa
mutualidade como geradora de verdadeira
comunhão e edificação na vida da igreja.
Ter foco nas pessoas e não nas coisas
também é uma característica de uma igreja
baseada em princípios bíblicos.

O ministério de Jesus foi todo voltado para


vidas; assim também deve ser o nosso.
Conclusão

Ao encerrarmos este capítulo, a pergunta


inevitável é: as nossas igrejas geralmente estão
mais voltadas para programas ou princípios?
Creio que, como eu, você chegou à conclusão
de que estamos muito mais voltados para os
programas. Mas isso não deve nos desanimar.
Pelo contrário, devemos nos sentir encorajados
a mudar, a ir além de uma vida cristã
dominical. Veja que novo horizonte se abre à
nossa frente quando pensamos em uma igreja
que acontece todos os dias! O nosso jeito de
ser igreja pode ser diferente. Deus está nos
dando mais uma oportunidade de voltarmos ao
Novo Testamento. Vamos fazer isso juntos?
Referência

Freitas, Fabrício
De volta aos princípios: vivendo o jeito bíblico
de ser igreja / Fabrício Freitas. – 2. ed. – Rio
de Janeiro: Convicção, 2016.

Você também pode gostar