Você está na página 1de 18

MUTISMO SELETIVO

RAILSON FREITAS
Introdução

 O Mutismo seletivo é um distúrbio caracterizado por uma falha


consistente de falar em situações especificas apesar de falar
normalmente em outras situações. É uma condição relativamente rara,
porém que causa grave prejuízo social e acadêmico.

 As crianças diferem na sua capacidade de utilizar comunicação não


verbal, alguns usam a comunicação não verbal de forma eficaz
enquanto outros são incapaz de expressar suas necessidades básicas
(fome, sede, dor, ir ao banheiro).
Introdução

 A idade de inicio dos sintomas geralmente é entre 2-5 anos, porém os


sintomas são reconhecidos apenas no período escolar. A criança com
mutismo seletivo geralmente tentam ser invisíveis, tem medo que os
outros vejam seus ‘erros’ e não querem ser o centro das atenções. Nas
raras ocasiões em que falam, chamam a atenção de todos,
perpetuando o mutismo.
Introdução
Prevalência

 Estima-se que o mutismo seletivo afete 1% das crianças, sendo mais


comum em meninas.
 Comportamento caracterizado por timidez e medo do desconhecido.
 Como adultos, esses indivíduos tipicamente sofrem de problemas de
ansiedade e de problemas de comunicação.
Etiologia

 Genética;
 Temperamento;
 Fatores de neurodesenvolvimento;
 Fatores ambientais;
Critérios diagnósticos

 Falha consistente em falar em configurações específicas apesar de


falar normalmente em outros ambientes.
 A falha em falar deve estar presente pelo durante pelo menos um mês,
não podendo ser levado em consideração o primeiro mês da escola.
 A dificuldade de falar não pode ser atribuída a falta de conhecimento
ou outro transtorno de linguagem.
 A dificuldade não pode ser melhor explicada por outro distúrbio de
comunicação, e não ocorre exclusivamente durante curso de autismo,
esquizofrenia ou outro transtorno psicótico.
 A falta de fala deve interferir no funcionamento diário.
Critérios diagnósticos

 Certificar-se que a criança não tenha um problema de audição;


 Excluir mutismo agudo por trauma psicológico ou dano cerebral;
 Avaliação da comunicação não verbal e capacidade de raciocinio;
Comorbidades

 Crianças com Mutismo Seletivo frequentemente apresentam sintomas


de outros transtornos de ansiedade, sendo o principal o transtorno de
ansiedade social presente em 90% dos casos.
 São prevalentes distúrbios da fala e do desenvolvimento motor;
 Comorbidade com autismo em 10% dos casos;
 Comportamento opositor em 45% dos casos;
Diagnóstico diferencial

 Esquizofrenia;
 Transtorno específicos da comunicação e fala;
 Ansiedade de separação;
 Autismo;
Questionários

 The Selective Mutism Questionnaire;


 School Speech Questionnaire;
 Social Communication Anxiety Inventory (S-CAI);

 www.oxfordclinicalpsych.com/view/10.1093/med:psych/978019539152
7.001.0001/med-9780195391527-appendix-10
Teste de vocabulário
de imagem
Dicas práticas

 Permitir a presença dos país, se a criança desejar.


 Explicar opções não verbais: acenar, apontar, gesticular com a cabeça;
 Sentar-se ao lado;
 Sem limite de tempo para testes;
 Avaliação através de atividade lúdica;
 Tópicos neutros de conversa;
Tratamento

 Terapia cognitivo comportamental;


 Diminuir a ansiedade da fala;
 Exposição gradual;
 Recompensas ao falar;

 Tratamento Psicossocial;
 Literatura psicoeducacional para pais;
 Coordenação com professores;

 Farmacoterapia;
Tratamento medicamentoso

 Não há evidências seguras – poucos estudos;


 Dois ensaios clínicos: Fluoxetina e Sertralina;
 Efeitos colaterais potenciais;
 Uso em conjunto com a terapia;
 Sintomas graves e incapacitantes;
 Pode ser mais eficaz em crianças mais velhas;
Tratamento medicamentoso

 Fluoxetina 5mg / Sertralina 12.5mg;


 Observar mudança de peso / mudança de comportamento e aumento
no comportamento suicida.
 Melhora após 2-4 semanas na dose ideal;
 Efeitos a longo prazo desconhecidos.
Referências

 IACAPAP – Textbook;
Muito Obrigado!