Você está na página 1de 13

TM175 Tópicos Especiais em

Engenharia Mecânica IV: Ética

Parte II – O Indivíduo nas


Instituições
QUALIDADE EMOCIONAL
Introdução
A capacidade de manter o autocontrole, de suportar o turbilhão
emocional que o acaso nos impõe e de não se tornar um 'escravo
da paixão', tem sido considerada, desde Platão, como uma virtude. Na
Grécia clássica, esse atributo era denominado sophrosyne, 'precaução
e inteligência na condução da própria vida, equilíbrio e sabedoria',
como interpreta Page DuBois, um estudioso do idioma grego. Para os
romanos e para a antiga Igreja cristã, isso significava temperantia,
temperança, contenção de excessos. O objetivo é o equilíbrio e não a
supressão das emoções: cada sentimento tem seu valor e significado.
Uma vida sem paixão seria um entediante deserto de neutralidade,
cortado e isolado da riqueza da própria vida. Mas, como observou
Aristóteles, o que é necessário é a emoção na dose certa, o
sentimento proporcional à circunstância . Quando as emoções são
sufocadas, geram embotamento e frieza; quando escapam ao nosso
controle, extremadas e renitentes, tornam-se patológicas, tal como
ocorre na depressão paralisante, na ansiedade que aniquila, na raiva
demente e na agitação maníaca. (Daniel Goleman, Inteligência
emocional)
A busca do equilíbrio
• A falta de controle da
emotividade leva à
deficiência nas
qualidades de decisão e
de relacionamento
• O equilíbrio emocional é
fonte de boa conduta
ética, e vice-versa
• Freqüentemente os
desvios na qualidade do
agir e do fazer ocorrem
pelo predomínio do
estado emotivo
Conseqüências da falta de
equilíbrio emocional
• Indisciplina
• Irresponsabilidade
• Imaturidade
• Passividade
Otimização das reações emotivas
Processo interno da gênese da
ação Virtudes envolvidas no processo
Valor ético dos sentimentos
• Os sentimentos em si
não carecem de um
valor ético
• A bondade ou a malícia
dos sentimentos reside
na inteligência e na
vontade
• São passíveis de
valoração ética quando
realmente procurados e
queridos pela
inteligência e pela
vontade
Movimentos provocados pelo
apetite concupiscível

Simples aparição Expectativa ou Posse ou presença


ausência
Bem sensível Amor sensível Desejo Gozo
Mal sensível Ódio Aversão ou fuga Dor ou tristeza
A prudência orienta os sentimentos
Reações Direcionamento
Otimização das emoções
• Qualquer idéia tende a provocar um ato correspondente e desperta
a emotividade; assim, deve-se agir entusiasticamente, não por
entusiasmo, mas com entusiasmo.
• A influência de uma idéia prolonga-se enquanto não é eclipsada por
outra idéia que a suplante, por isso se deve agir com objetivos em
mente.
• A influência de uma idéia aumenta quando associada a outras idéias
conexas que a enriquecem e dão-lhe maior amplitude, procurando
reforçar as ações de qualidade.
• Uma idéia atinge sua máxima potência quando se torna habitual,
absorvente, uma espécie de idéia fixa que inspira todos os
pensamentos e as ações, sendo ideal agir com convicções fortes,
idéias diretrizes, idéias-força e idéias-mestra.
• Canalizar fortemente a emotividade para potencializar a atuação por
motivos transcendentes.
A aplicação da vontade sobre as
emoções
• Canalizar as emoções para potencializar a vivência das
ações de qualidade.
• Desestimular as emoções que afastam os ideais de
qualidade.
• Controlar os atos externos que podem aumentar as
reações emotivas inadequadas.
• Aplicar todas as energias da inteligência e da vontade
naquilo que é essencial, no momento presente, aqui e
agora. Fazer o que se deve e estar no que se faz.
• Desviar a atenção de uma emoção dominante que
prejudica os comportamentos de qualidade.
Influência das emoções na
inteligência e na vontade
Influências positivas
Reações virtuosas e emocionais
Comportamento predominante
Emotividade
Aspectos Virtude

decisão reflexão, abnegação impulsividade, irreflexão e debilidade

relacionamento busca o bem da pessoa e do conjunto influência das simpatias e antipatias


personalidade deliqüescente, amolece, pois busca o
forte, forja-se na dificuldade
mais fácil
progresso hábito de vencimento pessoal busca dos esquemas soft
bens
busca do necessário e do conveniente busca do supérfluo

nas dificuldades agir, pró-atividade reagir, deixar-se levar pelas queixas


marcante no modo de
convicções sensações e gostos
ser
nem tudo o que se pode fazer deve-se fazer,
é ruim tudo o que me contraria, bom o
ética há coisas dolorosas que é preciso fazer e
que me satisfaz
deleitáveis que é preciso evitar
intrínseca e/ou extrínseca
motivação transcendente
das idéias: imagens
educação das idéias: convicções
da vontade: atrativos, desenvolvimento
da vontade: virtudes
dos desejos
ideais
de auto-superação de não frustração dos desejos
facilmente manipulável,
influência externa equilibrada
condicionamento pelas circunstâncias
relação com a
comprometimento altos e baixos
instituição